Su­jei­to e Aza­ra­da

Jornal Cultura - - Artes -

pa­ra os seus pro­ble­mas”, mo­ti­vo que os le­va a con­su­mar o ma­tri­mó­nio. Fran­pê­nio cor­ta al­gu­mas ace­nas pa­ra apre­sen­tar um su­por­te de ví­deo on­de de for­ma en­ga­ja­da es­tam­pa a se­guin­te frase: “Ca­sa­men­to não é sa­fa­ri”, pro­pí­cia a dar sus­ten­ta­bi­li­da­de no que ve­ria a se­guir, abrin­do nas en­tre­li­nhas as pri­mei­ras pin­ce­la­das de um qua­dro in­fe­liz com dois co­ra­ções ima­tu­ros que se aven­tu­ram na es­pi­nho­sa vi­da con­ju­gal. Es­sa ati­tu­de de di­rec­ção é que le­va a pe­ça a pas­sar das sim­ples in­ten­ção es­té­ti­ca de en­tre­ter e co­mu­ni­car pa­ra uma rei­te­ra­da in­ten­são mo­ra­li­za­do­ra dos no­vos cos­tu­mes e das tra­pa­ças do mo­du­so­pe­ran­di do amor no tem­po das tec­no­lo­gi­as (o aci­den­tal te­le­fo­ne­ma). Mas com um im de fá­cil lei­tu­ra e pou­co sur­pre­en­den­te. Ga­nha na ca­pa­ci­da­de de le­var o pú­bli­co a rir com ce­nas ti­ra­das di­rec­ta­men­te do re­al e le­va­das em pal­co com cer­ta do­se de sur­re­a­lis­mo e sem se­quer pou­par o pú­bli­co de uma ce­na de nu­dez le­va­da a ca­bo por Jo­a­quim.

Quan­do jun­tos, Ma­ria co­me­ça a so­nhar mal, se mos­tra es­té­ril e não en­con­tra em­pre­go. Jo­a­quim dá em bê­ba­do agres­si­vo, ciu­men­to, pos­ses­si­vo do­en­tio. Es­tes in­gre­di­en­tes le­vam aos ins­tá­veis con li­tos, tra­zi­dos em ce­na com que­das de dra­ma e co­mé­dia, que faz com su­por­te de um tex­to que re- cor­re a vá­ri­os afo­ris­mos e tre­chos de mú­si­cas que es­tão em vo­ga, co­mo é o ca­so no­tó­rio de “baby eu não sou per­fei­to, eu fa­lhei mui­to, mas eu ga­ran­to que aqui den­tro só vi­ve vo­cê”, de uma das mú­si­cas de Pu­to Por­tu­guês en­cai­xa­da pro­po­si­ta­da­men­te pa­ra dar pe­so na in­ten­ção da ce­na (Jo­a­quim a jus­ti icar-se dos ma­les e fa­lhas na sua re­la­ção com Ma­ria e a en­fa­ti­zar que ain­da a ama) e aju­dar o pú­bli­co a as­so­ci­ar ima­gens, his­tó­ri­as, me­lo­di­as re­la­ci­o­na­das com a in­ten­ção da pe­ça.

O seu trá­gi­co de­sen­la­ce co­lo­ca o amor co­mo ti­ra­no e cru­el, lon­ge da mor­te em sua cau­sa ser vis­ta de for­ma be­la e he­rói­ca co­mo nos ex­cel­sos exem­plos de Tristão e Isol­da ou do mais re­cen­te Ro­meu e Ju­li­e­ta. É das ver­ti­gens e de­sa­jus­tes dum amor in­fe­ri­or às ten­sões de com­por­ta­men­to dos aman­tes, sem for­ça pa­ra mol­da-los, que se en­qua­dra a gran­de in­ten­ção de cri­ti­car o amor e não os aman­tes, es­tes ví­ti­mas do pri­mei­ro, su­jei­tos e aza­ra­dos por lhes acon­te­cer um amor trá­gi­co e nu­lo na ide­a­li­za­ção, ir­re­a­li­zá­vel na sua ple­ni­tu­de, obri­ga­dos a man­ter uma con­vi­vên­cia in­su­por­tá­vel: Jo­a­quim e Ma­ria se sui­ci­dam, aqui apre­sen­ta­do co­mo meio de eva­são dos aman­tes.

Uma ce­na da pe­ça

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.