Soul e Jazz de Di­a­na Deb­ri­to

Jornal Cultura - - Artes - MA­TA­DI MA­KO­LA |

A três ou qua­tro pas­sos da por­ta de en­tra­da do acon­che­gan­te es­pa­ço mu­si­cal da Ta­ber­na e Ga­le­ria Art Ro­om, si­tu­a­da na Mu­tam­ba, es­ta­va sen­ta­da a jovem que nin­guém des­con ia­va ser a gran­de es­tre­la da noi­te. Vi­si­vel­men­te ten­sa e de ar abstrato, tra­ja­da à ma­nei­ra pro­vo­can­te das di­vas pop, a pre­sen­ça de­la pa­re­cia ser o por­me­nor que tor­na­va aque­la ve­lha sa­la num am­bi­en­te re­quin­ta­da­men­te boé­mio, uma imi­ta­ção iel de al­guns fun­dos de te­mas não un­der­ground co­mo os de Sa­de ou Michael Jack­son.

A in­ter­pre­ta­ção com ar­ran­jos de jazz de Azu­lu­la, de Gabriel Tchi­e­ma, ti­nha pos­to de fo­ra a ini­ci­al­men­te tí­mi­da noi­te de quin­ta-fei­ra, 5 de Mar­ço. Era dia de Ani­ver­sá­rio de Di­a­na, que tam­bém de­nun­ci­a­va es­tar tí­mi­da, acom­pa­nha­da no sa­xo­fo­ne pe­lo is­ra­e­li­ta Ilia, no pi­a­no pe­lo ko­ta Te­ri­nho e, sur­pre­en­den­te­men­te, na gui­tar­ra pe­lo gran­de Xe­ri­fe, uma es­tre­la do Afra Sound Star, por si­nal seu pai. A pau­sa­da in­ter­pre­ta­ção de Slow, de John Le­gend, co­me­ça­ra co­mo si­nal de um iní­cio dis­tin­to de me­lo­di­o­sos ar­ran­jos e in­ter­pre­ta­ções mu­si­cais tra­zi­das nas pon­tas de uma ter­na e no­va voz que ca­pri­cho­sa­men­te não se dis­si­pa­va no ar, ica­va sem­pre no ou­vi­do e pre­en­chia os pre­sen­tes. Aliás, Ngoy Sa­lu­com­bo, fo­tó­gra­fo e um dos or­ga­ni­za­do­res, foi pre­ci­so ao de inir que es­te es­pa­ço pri­vi­le­gia ar­tis­tas ta­len­to­sos que ain­da não fa­çam par­te do car­dá­pio dos mí­di­as.

Ela não se­gue o can­to à ma­nei­ra de can­to­ras clás­si­cas do jazz ame­ri­ca­no, de­ter­mi­nan­te fe­mi­nis­ta e con­du­tor mi­li­tan­te de con­cei­tos que se re­vêem com a lu­ta pe­la jus­ti­ça ra­ci­al no mundo, com aque­le tom me­lan­có­li­co e car­re­ga­do de pro­fun­das e pers­pi­ca­zes aná­li­ses.

Des­ti­na­do a ser um con­cer­to intimista com a sua voz su­a­ve nu­ma mis­tu­ra de jazz e soul, a ban­da es­pon­ta­ne­a­men­te de­no­mi­na­da Até Jazz acer­tou ar­ro­ja­da­men­te e pas­se­ou por um re­per­tó­rio que cru­za­va Bob Mar­ley, Nat King Co­le, Gret­chem Par­la­to, Li­an­ne La Ha­va, Tom Jo­bim, Dja­van e Bur­ga­boy, su­as re­fe­rên­ci­as na edu­ca­ção es­té­ti­ca es­me­ra­da que bus­ca em In­gla­ter­ra.

Can­to­ra desde os cin­cos anos, Di­a­na Deb­ri­to es­tu­dou Per­for­ming Arts na con­cei­tu­a­da es­co­la in­gle­sa St.Pauls Catho­lic High Scho­ol, ci­da­de de Wythenshawe, sen­do que em Man­ches­ter ad­qui­riu o seu di­plo­ma de Vo­cal Ar­tist no Traf­ford Col­le­ge. Pa­ra es­ta que foi a sua pri­mei­ra apre­sen­ta­ção no país que lhe viu nas­cer, há qua­se du­as dé­ca­das, nes­te con­cer­to de con­cei­to livre, pre­do­mi­nan­do a praia mu­si­cal do ar­tis­ta, a can­to­ra mos­trou ser uma voz pro­mis­so­ra e de­ten­to­ra de um can­to ver­gá­vel e ain­da à pro­cu­ra de vo­zes an­go­la­nas en­rai­za­das que po­dem ser­vir de mo­de­lo e di­rec­ci­o­nar o co­nhe­ci­men­to e o ta­len­to à re­cri­a­ção de pro­pos­tas es­té­ti­cas à al­tu­ra das su­as qua­li ica­ções.

Na bre­ve tro­ca de pa­la­vras man­ti­da a meio da ses­são, co­lhe­mos que so­nha que a sua mú­si­ca pro­du­za um efei­to de cu­ra às pes­so­as e le­ve a en­ten­der que po­dem sem­pre con­tar com ela e que nun­ca es­ta­rão so­zi­nhas, uma pre­sen­ça vi­va e uma men­sa­gem que pro­cu­re con­for­tar e aca­len­tar es­te va­zio das so­ci­e­da­des mo­der­nas. Es­ta a cons­truir uma mix­ta­pe pa­ra lan­çar es­te ano. So­bre o gé­ne­ro, acha que ain­da é mui­to ce­do pa­ra cri­ar ró­tu­los, mas ga­ran­te ser qual­quer coi­sa nu­ma on­da mui­to su­a­ve e pu­ra. Nas su­as vi­si­tas a An­go­la tem pro­cu­ra­do for­mas de tra­var co­nhe­ci­men­tos com vá­ri­os ar­tis­tas an­go­la­nos. Em Lon­dres, tem exi­bi­ções dis­po­ní­veis no seu sound­cloud e já con­se­guiu cha­mar a aten­ção de pro­du­to­ras da Ale­ma­nha e Fran­ça.

Mas a noi­te não foi só de­la, Zé Tur­ra mos­trou aos pre­sen­tes o seu dom es­pe­ci­al de usar o cer­ro­te e uma ré­gua es­co­lar co­mo ins­tru­men­tos mu­si­cais, fa­zen­do re­sul­tar da fric­ção de am­bos sons se­me­lhan­tes aos do vi­o­li­no.

Di­a­na Deb­ri­to

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.