CRÓ­NI­CA O PO­DER DO GUAR­DA-ROU­PA MAS­CU­LI­NO

Jornal Cultura - - Grafitos Na Alma - IMAN­NI DA SILVA

Anos­sa so­ci­e­da­de mos­tra- se ca­da vez mais aber­ta no que diz res­pei­to ao que ves­ti­mos. Ho­je te­mos a li­ber­da­de de nos po­der­mos ex­pres­sar atra­vés da nos­sa rou­pa. Di­a­ri­a­men­te me de­pa­ro com di­ver­sos es­ti­los e o que ul­ti­ma­men­te me tem cha­ma­do a aten­ção, sen­do al­guém que mui­to apre­cia a ar­te de bem ves­tir e da im­por­tân­cia de ves­tir­mos não só o que gos­ta­mos mas tam­bém de acor­do com as oca­siões e cir­cuns­tân­ci­as é a for­ma com que os ho­mens em An­go­la ac­tu­al­men­te se ves­tem mui­tas das ve­zes dei­xan­do pa­ra trás mui­tas mu­lhe­res no que diz res­pei­to a ele­gân­cia e es­ti­lo.

Es­tar na mo­da é usar o que es­tá em vo­ga, se­guir as úl­ti­mas ten­dên­ci­as e a mo­da po­de in lu­en­ci­ar a so­ci­e­da­de e vi­ce-ver­sa on­de os cri­a­do­res se sub­me­tem ao es­ti­lo que mui­tos cri­am sen­do es­te se­gui­do pe­los seus ad­mi­ra­do­res. Cri­a­do­res de três ge­ra­ções tal co­mo YvesSaintLau­rent, Je­an Paul Gaul­ti­er e Ale­xan­derMc­que­en tam­bém mui­to ido­la­tra­ram o cor­te mas­cu­li­no e o trans­por­ta­ram pa­ra o cor­po fe­mi­ni­no tor­nan­do o mundo do ho­mem ain­da mais de­se­já­vel.

Na úl­ti­ma edi­ção do Mo­da Lu­an­da 2015 que te­ve co­mo te­ma “Aroundtheworld” ou tra­du­zin­do “À vol­ta do mundo” eu co­mo de cos­tu­me em qual­quer even­to ob­ser­vo aten­ta­men­te aos mo­de­li­tos que des ilam pe­la pas­sa­dei­ra ver­me­lha mas prin­ci­pal­men­te num even­to de mo­da on­de co­mo tal num bai­le de car­na­val to­do e qual­quer in­di­ví­duo sen­te- se livre de se apre­sen­tar con­for­me os seu gos­to e se pre­fe­rir achar es­te o mo­men­to ide­al pa­ra CAU­SAR al­gu­mas das ve­zes dan­do pa­ra o la­do obs­cu­ro da pa­la­vra. Eu con­fes­so de que pou­co me in­te­res­sei pa­ra o que a mai­o­ria das mu­lhe­res usa­vam ao con­trá­rio dos ho­mens que no nos­so País ca­da vez se ves­tem me­lhor dei­xan­do no ar char­me e pos­tu­ra de um ver­da­dei­ro Lord.

São mui­tos os es­ti­los que fo­ram fa­zen­do com que o ho­mem se tor­nas­se o cen­tro das aten­ções. Desde os anos 90 que gra­ças a al­guns mú­si­cos Norte-Ame­ri­ca­nos que mui­tos jo­vens pas­sa­ram a usar o que qui­zes­sem sem me­do que a sua mas­cu­li­ni­da­de fos­se ques­ti­o­na­da. Ho­je em dia na nos­sa so­ci­e­da­de eu me de­pa­ro em ca­da es­qui­na com o cha­ma­do Me­tro­se­xu­al, e mui­tos tal­vez não ica­ri­am con­ten­tes com a ex­pres­são. O que é o Me­tro­se­xu­al? Não se tra­ta desde já de uma ori­en­ta­ção se­xu­al pa­ra o alívio de mui­tos, mas sim é a de ini­ção do ho­mem he­te­ro­se­xu­al que se as­su­me co­mo sen­do su­per vai­do­so(mais do que al­gu­mas mu­lhe­res), ten­do sem­pre o mai­or cui­da­do com o ca­be­lo , pe­le, unhas, e não dei­xan­do de es­tar aten­to ao úl­ti­mo gri­to que a mo­da dá de seis em seis me­ses. Pa­ra mais fa­cil­men­te con­ven­cer al­guns ho­mens a acei­ta­rem a sua me­tros­se­xu­a­li­da­de aqui vão al­guns exem­plos: David Beckham, Cris­ti­a­no Ro­nal­do e até mes­mo na mi­nha opi­nião o nos­so Fredy Cos­ta e Síl­vio Nas­ci­men­to. Ho­je os ho­mens cau­sam in­ve­ja, pe­lo me­nos a mim, pois em­bo­ra não pa­re­ça, gos­to mui­to do es­ti­lo an­dró­ge­no e uma das pe­ças de ves­tuá­rio que mais gos­to é o bla­zer e só Deus sa­be o quan­to co­bi­ço vá­ri­os nas nos­sa ru­as e fes­tas.

A le­gen­da­ria de­sig­ner Co­co Cha­nel uma vez dis­se:”Vis­ta-se mal e no­ta­rão o ves­ti­do, vis­ta-se bem e no­ta­rão a mu­lher”. Te­mos mu­lhe­res que se ves­tem mui­to bem e que são ex­tre­ma­men­te ele­gan­tes mas ho­je em dia são pou­cas as que são no­ta­das pois mui­tas me­tem água e as ve­zes bem su­ja e em bal­de fu­ra­do. Já por ou­tro la­do me en­con­tro ren­di­da ao que os ho­mens ves­tem e pas­so par­te do tem­po a apre­ciá-los pois se­ja ca­su­al ou for­mal de­mons­tram usar pe­ças de qua­li­da­de tal co­mo bom gos­to na con­ju­ga­ção das mes­mas. Per­gun­ta­ri­am­se tal­vez se­ja mais fá­cil por ha­ver me­nos op­ções no guar­da-rou­pa mas­cu­li­no? Ho­je em dia não di­ria tan­to pois op­ções não fal­tam.É ób­vio de que a mo­da fe­mi­ni­na mu­da mais ra­pi­da­men­te e por is­so com­pra­mos mais e tal­vez por ter­mos mui­tas op­ções é que se tor­na por ve­zes di ícil de acer­tar. Mas ape­sar des­ta ob­ser­va­ção eu con­fes­so que o es­ti­lo mas­cu­li­no sem dú­vi­da ho­je em dia fas­ci­na mais do que nun­ca e em particular o ho­mem an­go­la­no tal co­mo Car­los Mo­rais pa­ra Oá­sis es­tá Sem­pre Fresh e tem que­bra­do bar­rei­ras. Eu apro­vei­to pa­ra agra­de­cer por ter om­bros lar­gos pois sem­pre que sen­tir sau­da­des dos tem­pos que já lá vão sem­pre pos­so usar um fa­to e gra­va­ta que por si­nal na igu­ra fe­mi­ni­na pa­ra além de dar um ar po­de­ro­so e sen­su­al ica sem­pre mui­to bem.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.