Na mor­te de Her­ber­to Hel­der Do Lo­bi­to a Lu­an­da, pas­san­do pe­la Se­vi­lha­na

Jornal Cultura - - Letras -

Co­mo foi lar­ga­men­te no­ti­ci­a­do, fa­le­ceu no pas­sa­do dia 23 em Cas­cais, Por­tu­gal, o po­e­ta Her­ber­to Hél­der, uma re­fe­rên­cia in­con­tor­ná­vel, se não a mais sig­ni­fi­ca­ti­va, da po­e­sia por­tu­gue­sa da se­gun­da me­ta­de do sé­cu­lo XX.

Ca­rac­te­ri­za­da pe­la sua ful­gu­rân­cia es­té­ti­ca, mas so­bre­tu­do pe­la sua pu­jan­ça ver­bal, Her­ber­to Hel­der é, es­sen­ci­al­men­te, o po­e­ta mí­ti­co da mo­der­ni­da­de por­tu­gue­sa con­tem­po­râ­nea, não só pe­la in­ten­si­da­de particular da sua obra ( quer con­si­de­ra­da em con­jun­to, quer na sim­ples lei­tu­ra de um úni­co dos seus ver­sos) mas tam­bém pe­lo seu es­ti­lo de vi­da dis­cre­to e aves­so a to­das as ma­ni­fes­ta­ções da ins­ti­tui­ção literária, pe­lo me­nos nos úl­ti­mos anos.

Her­ber­to Hél­der Luís Ber­nar­des de Oli­vei­ra, HH, de seu no­me com­ple­to, nas­ceu no Fun­chal 23 de no­vem­bro de 1930. Fre­quen­tou a Fa­cul­da­de de Le­tras da Uni­ver­si­da­de de Coim­bra, mu­dou-se pa­ra Lis­boa, on­de exer­ceu pro is­sões co­mo jor­na­lis­ta, bi­bli­o­te­cá­rio, tra­du­tor e apre­sen­ta­dor de rá­dio. De 1971 a 1974, tra­ba­lhou em Lu­an­da, on­de foi re­dac­tor da re­vis­ta No­tí­cia, edi­ta­da pe­la em­pre­sa Ne­o­grá ica, cu­jo ca­pi­tal era di­vi­di­do pe­lo gru­po Vi­nhas, da CU­CA, e pe­lo ban­quei­ro por­tu­guês Cu­per­ti­no de Mi­ran­da, do­no do Ban­co Co­mer­ci­al de An­go­la, BCA.

Ao con­trá­rio do que apa­re­ce nal­gu­mas bi­o­gra ias pu­bli­ca­das, Her­ber­to Hél­der nun­ca fez re­por­ta­gens de gu­er­ra, não só por­que não es­ta­va de­ci­di­da­men­te vo­ca­ci­o­na­do pa­ra tal, mas por­que no No­tí­cia ha­via um repórter es­pe­ci­a­li­za­do nis­so, com to­das as cre­den­ci­ais do exér­ci­to, o Fer­nan­do Fa­ri­nha, que an­tes de mais era fo­tó­gra­fo.

A es­ta­da em An­go­la de Her­ber­to Hél­der foi- lhe de al­gum mo­do mar­can­te, pois foi aqui que en­con­trou a se­gun­da es­po­sa, a as­sis­ten­te social Ol­ga Fer­rei­ra Li­ma, que co­nhe­ceu num cé­le­bre bar que ha­via em fren­te à Es­co­la 15, na rua que sai do Ki­na­xi­xe pa­ra o ce­mi­té­rio do Al­to das Cru­zes, a Mas­ta­ba, on­de se reu­nia um es­col de ar­tis­tas e in­te­lec­tu­ais que as for­ças re­tró­gra­das iden­ti­fi­ca­vam co­mo do re­vi­ra­lho.

Na­tu­ral­men­te, eu pri­vei com HH nos três anos em que ele es­te­ve em An­go­la, as­sim co­mo de­pois em Lis­boa, no bar Ex­pres­so do Lar­go Bor­da­lo Pinheiro, e de­pois na ter­tú­lia do So­lar das Ga­le­gas, no ci­mo das Es­ca­di­nhas do Du­que. Pri­mei­ro por­que co­la­bo­ra­va no Noi­te e Dia, uma re­vis­ta cul­tu­ral e de es­pe­tá­cu­los li­ga­da à em­pre­sa do No­tí­cia, on­de ele tra­ba­lha­va, de­pois por­que al­mo­ça­va di­a­ri­a­men­te com ele, pri­mei­ro no mes­mo res­tau­ran­te, A Se­vi­lha­na, de boa me­mó­ria, por­que se co­mia mui­to bem, e de­pois à mes­ma me­sa, quan­do des­co­briu que eu tam­bém me da­va com o Aní­bal Fer­nan­des. Es­te, en­ge­nhei­ro de pro is­são e for­ma­ção, que era na­tu­ral do Lu­ban­go, úl­ti­mo re­ben­to da co­nhe­ci­da fa­mí­lia Far­ri­ca, era di­rec­tor dos SMAE, Ser­vi­ços Mu­ni­ci­pa­li­za­dos de Água e Luz, de Lu­an­da, e ho­je con­ti­nua a ser con­si­de­ra­do em Por­tu­gal o mai­or tra­du­tor de Fran­cês pa­ra Por­tu­guês. Tra­du­ziu o Louis Fer­di­nand Cé­li­ne, o Alphon­se Al­lais, en­tre mui­tos ou­tros, os mais di íceis de tra­du­zir, os que era pre­ci­so re­cri­ar. Ve­ja-se o ca­tá­lo­go da Edi­to­ra Ulis­seia an­ti­ga, e ana­li­sem-se bem as ac­tu­ais edi­ções da As­sí­rio & Al­vim. Fez tam­bém a An­to­lo­gia do Con­to Abo­mi­ná­vel e a an­to­lo­gia De Fo­ra pa­ra Den­tro, com­pi­la­ções de tex­tos so­bre Por­tu­gal de gran­des au­to­res es­tran­gei­ros, es­tas edi­ta­das pe­la edi­to­ra Afro­di­te, do Fer­nan­do Ri­bei­ro de Me­lo. Di­ga- se de pas­sa­gem que es­ta úl­ti­ma an­to­lo­gia in­te­gra um tex­to que ele foi des­co­brir, da au­to­ria do Marquês de Sa­de, so­bre a nos­sa Rai­nha Njin­ga Mban­di.

HH che­gou a Lu­an­da pa­ra icar na re­vis­ta No­tí­cia pe­la mão do João Fer­nan­des, que an­te­ri­or­men­te fre­quen­ta­va com ele o Ca­fé Ge­lo, em Lis­boa, que era o poi­so dos Sur­re­a­lis­tas. O pri­mei­ro tex­to que HH pu­bli­cou no No­tí­cia era uma coi­sa que não era re­por­ta­gem nem ti­nha clas­si ica­ção pa­ra uma re­vis­ta ge­ne­ra­lis­ta, mas, co­mo era di­fe­ren­te, aca­bou por ser uma pe­dra­da no char­co. De vá­ri­os mo­dos cha­mou a aten­ção pa­ra ele, mes­mo quan­do as­si­na­va com um pseu­dó­ni­mo que a inal es­ta­va in­te­gra­do no seu no­me com­ple­to, Luís Ber­nar­des, o que acon­te­cia quan­do sen­tia que o que lhe man­da- vam fa­zer não era bem o cam­po de­le.

Já ago­ra, vou lem­brar um epi­só­dio pas­sa­do com ele, exac­ta­men­te por al­tu­ra de quan­do em Por­tu­gal se pas­sa­va o epi­só­dio da ten­ta­ti­va das Cal­das, a 16 de Mar­ço de 1974, pou­co tem­po an­tes do 25 de Abril. Es­ta­va ele de ser­vi­ço no Lo­bi­to, e eu igual­men­te no mes­mo hotel, o Be­lo Ho­ri­zon­te, a fa­zer a co­ber­tu­ra do II Fes­ti­val In­ter­na­ci­o­nal de Ci­ne­ma Ama­dor, quan­do o en­con­tro ao jan­tar, e lhe dou con­ta de que um dos me­lho­res il­mes des­sa tar­de era ins­pi­ra­do num po­e­ma de­le, Es­ta ter­ra não exis­te. Não des­can­sou en­quan­to não con­se­guiu que eu con­tac­tas­se a or­ga­ni­za­ção e lho fos­sem mos­trar em pro­jec­ção pri­va­da no Lo­bi­to Sport Clu­be, ins­ti­tui­ção que à da­ta era um or­ga­nis­mo mo­de­lar.

O il­me era as­si­na­do pe­lo ar­qui­tec­to Crin­ner y Din­tel, lis­bo­e­ta de ge­ma que por si­nal é um gran­de ar­tis­ta plás­ti­co, ape­sar de qua­se des­co­nhe­ci­do, e des­ta es­tó­ria o HH deu no­tí­ci­as no Pho­to­ma­ton & Vox, con­for­me há anos me cha­mou a aten­ção o po­e­ta an­go­la­no Zetho da Cu­nha Gon­çal­ves, a quem ti­nha con­ta­do o ca­so.

Ca­so que não aca­ba aqui. No dia de re­gres­so a Lu­an­da o HH quer- me con­ven­cer a re­gres­sar a Lu­an­da com ele e o fo­tó­gra­fo, Edu­ar­do Gui­ma­rães, - ho­je no Bra­sil, - pa­ra não se abor­re­ce­rem mui­to nos 500 qui­ló­me­tros. So­pe­san­do as coi­sas, ape­sar de gos­tar mais de vi­a­jar de au­to­mó­vel, pa­ra ver pai­sa­gens e pes­so­as, aca­bei por re­cu­sar, no fun­do es­ta­va mor­to por che­gar a Lu­an­da.

Li­vrei- me de boa. Os dois ti­ve­ram um aci­den­te, obri­gan­do- os a in­ter­na­men­to hos­pi­ta­lar du­ran­te vá­ri­as se­ma­nas, nun­ca se ten­do res­sar­ci­do com­ple­ta­men­te, no as­pec­to fí­si­co.

Em­bo­ra apa­ren­te­men­te des­li­ga- do, ca­be re­fe­rir que, ao mes­mo tem­po que HH, coin­ci­diu em Lu­an­da a es­ta­da do gran­de po­e­ta sur­re­a­lis­ta por­tu­guês Jo­sé Se­bag, que ve­ra­ne­ou pe­la Emis­so­ra Ofi­ci­al du­ran­te uns tem­pos e as­si­nou cró­ni­cas exem­pla­res na re­vis­ta No­tí­cia.

HH com Trou­fa Re­al e Car­los Fer­nan­des em 1971

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.