HIS­TÓ­RIA MI­LI­TAR DE AN­GO­LA

Jornal Cultura - - Primeira Página - ANTÓNIO JO­SÉ TE­LO

Pu­bli­cou-se em Lu­an­da, em Abril de 2015, uma obra co­lec­ti­va in­ti­tu­la­da “His­tó­ria Mi­li­tar de An­go­la”, co­or­de­na­da pe­lo Tenente Ge­ne­ral Mi­guel Jú­ni­or e pe­lo Pro­fes­sor Ma­nu­el Ma­ria Di­fui­la, on­de co­la­bo­ram se­te ou­tros au­to­res, to­dos An­go­la­nos (Edi­to­ra Ki­lom­be­lom­be).

É uma obra pi­o­nei­ra, a pri­mei­ra so­bre a his­tó­ria mi­li­tar de An­go­la fei­ta de­pois da in­de­pen­dên­cia e se­rá uma re­fe­rên­cia in­con­tor­ná­vel pa­ra to­da a his­to­ri­o­gra ia futura.

Fa­zer a his­tó­ria mi­li­tar de An­go­la é um de­sa io imen­so, mui­to em particular quan­do fa­la­mos de uma obra que pro­cu­ra sin­te­ti­zar 500 anos. É um de­sa io imen­so por­que, em pri­mei­ro lu­gar, o ter­ri­tó­rio an­go­la­no é mui­to di­ver­si ica­do e com­ple­xo, abar­can­do ao lon­go des­tes sé­cu­los so­ci­e­da­des mui­to va­ri­a­das, com uma or­ga­ni­za­ção mi­li­tar pró­pria e adap­ta­da às su­as cir­cuns­tân­ci­as par­ti­cu­la­res. Tu­do se com­pli­ca por­que hou­ve, não uma, mas mui­tos ti­pos de gu­er­ra e ca­da so­ci­e­da­de particular te­ve uma for­ma ori­gi­nal de re­sis­tir à co­lo­ni­za­ção e pro­cu­rar pre­ser­var as su­as tra­di­ções, cul­tu­ra e au­to­no­mia pos­sí­vel.

Hou­ve de tu­do um pou­co, desde as so­ci­e­da­des que ize­ram pac­tos com os eu­ro­peus pa­ra me­lhor se a ir­mar e até pa­ra sub­me­ter as vi­zi­nhas, até ou­tras que re­sis­ti­ram fron­tal­men­te, lan­çan­do mão de to­dos os seus re­cur­sos e ten­tan­do for­mas ino­va­do­ras pa­ra se man­te­rem. Ao lon­go de cin­co sé­cu­los, co­mo é fá­cil de ima­gi­nar a si­tu­a­ção mu­dou mui­to e as so­ci­e­da­des que ho­je fa­zi­am en­ten­di­men­tos e pro­cu­ra­vam a cooperação, ama­nhã op­ta­vam pe­la re­sis­tên­cia mi­li­tar fron­tal.

Mas não fo­ram só lu­tas e gu­er­ras de re­sis­tên­cia que se tra­va­ram no ter­ri­tó­rio an­go­la­no. Re­gis­ta­ram-se igual­men­te con­fron­tos en­tre os po­de­res eu­ro­peus, desde a conquista de gran­de par­te de An­go­la pe­los Paí­ses Bai­xos, até à sua re­con­quis­ta a par­tir do Bra­sil de­pois de 1640, às ten­sões com os Bel­gas e Ale­mães no sé­cu­lo XIX, à pres­são Bóer so­bre o Sul no im des­se sé­cu­lo, ou à gu­er­ra aber­ta com os ale­mães em Nau­li­la (1914).

Pa­ra en­ten­der a com­ple­xi­da­de des­te pro­jec­to bas­ta re­cor­dar a imen­sa ri­que­za e va­ri­e­da­de da his­tó­ria mi­li­tar de An­go­la no úl­ti­mo meio sé­cu­lo. An­go­la foi o Es­ta­do que co­nhe­ceu mais anos de gu­er­ra em to­do o con­ti­nen­te africano, com mais de três dé­ca­das de con li­tos per­ma­nen­tes a par­tir de 1961. Nes­sas dé­ca­das, pa­ra além dos An­go­la­nos, lu­ta­ram em An­go­la mui­tas ou­tras na­ci­o­na­li­da­des de três con­ti­nen­tes: Por­tu­gue­ses, Cu­ba­nos, Sul-Afri­ca­nos, pa­ra men­ci­o­nar so­men­te as na­ci­o­na­li­da­des mais re­pre­sen­ta­das, a que se po­di­am so­mar pe­que­nos gru­pos de de­ze­nas de ou­tras. Ca­da uma des­tas na­ci­o­na­li­da­des tra­zia a sua for­ma pró­pria de fa­zer a gu­er­ra, a sua es­tra­té­gia pe­cu­li­ar, mei­os mui­to di­fe­ren­tes e tác­ti­cas e or­gâ­ni­cas a eles adap­ta­das. To­das elas mu­da­ram e se adap­ta­ram com a ex­pe­ri­ên­cia an­go­la­na que, du­ran­te dé­ca­das, foi a gran­de es­co­la prá­ti­ca da ar­te mi­li­tar em Áfri­ca, o la­bo­ra­tó­rio on­de as úl­ti­mas no­vi­da­des a to­dos os ní­veis eram ex­pe­ri­men­ta­das. Fo­ram gu­er­ras de to­dos os ti­pos, desde mas­sa­cres e ten­ta­ti­vas de ex­ter­mí­nio das po­pu­la­ções, a gu­er­ras sub­ver­si­vas, con­tra-sub­ver­si­vas, in­sur­re­ci­o­nais ou re­gu­la­res. An­go­la co­nhe­ceu no­me­a­da­men­te as mai­o­res ba­ta­lhas de blin­da­dos da Áfri­ca sub-saha­ri­a­na, que no con­ti­nen­te africano só fo­ram ex­ce­di­dos pe­los cho­ques de blin­da­dos na Lí­bia e no Egip­to, na 2ª Gu­er­ra Mun­di­al, ou pe­las gu­er­ras no Si­nai en­tre árabes e is­ra­e­li­tas. Es­ta­mos pe­ran­te uma ex­pe­ri­ên­cia riquís­si­ma e úni­ca, que ser­viu de ber­ço pa­ra a ac­tu­al An­go­la.

Por in­crí­vel que pa­re­ça, até ho­je, 40 anos de­pois da in­de­pen­dên­cia, não ha­via uma obra que pro­cu­ras­se fa­zer a sín­te­se des­ta imen­sa ex­pe­ri­ên­cia, abar­can­do uma das mais im­por­tan­tes ver­ten­tes da cri­a­ção de An­go­la nu­ma abor­da­gem con­jun­ta. Exis­ti­am, ob­vi­a­men­te, mui­tas obras par­ti­cu­la­res so­bre es­te ou aque­le con li­to e so­bre es­ta ou aque­la ope­ra­ção ou ba­ta­lha; ha­via tam­bém al­gu­mas obras de sín­te­se mais ou me­nos vas­tas, so­bre­tu­do pa­ra o pe­río­do co­lo­ni­al, on­de se des­ta­ca o es­tu­do de Re­né Pel­li­si­er. Mas fal­ta­va a ten­ta­ti­va de jun­tar tu­do, de pro­cu­rar ofe­re­cer uma pers­pec­ti­va de con­jun­to e abran­gen­te. É es­se imen­so va­zio que ago­ra ica pre­en­chi­do e não pos­so dei­xar de dar os mais ca­lo­ro­sos pa­ra­béns aos co­or­de­na­do­res e pro­mo­to­res da obra.

É uma obra inal e per­fei­ta? Na­da dis­so! Ne­nhu­ma obra é inal e fe­cha um as­sun­to, por mai­or e mais com­ple­ta que se­ja, en­quan­to a per­fei­ção é um ob­jec­ti­vo que não es­tá ao al­can­ce dos ho­mens. Es­te li­vro é jus­ta­men­te o con­trá­rio: um pri­mei­ro pas­so, uma por­ta que se abre, uma a ir­ma­ção da von­ta­de e da ma­es­tria de uma pri­mei­ra ge­ra­ção de his­to­ri­a­do­res mi­li­ta­res an­go­la­nos, que se de­se­nha a tra­ços gros­sos, ain­da so­men­te es­bo­ça­dos.

Me­re­ce es­pe­ci­al des­ta­que o tex­to ini­ci­al, da au­to­ria do Tenente Ge­ne­ral Mi­guel Jú­ni­or. Me­re­ce des­ta­que, em pri­mei­ro lu­gar, por­que é o mai­or, co­brin­do cer­ca de um ter­ço do li­vro; não é pa­ra ad­mi­rar que as­sim se­ja, pois abar­ca qua­tro dos cin­co sé­cu­los con­tem­pla­dos, desde o XVI ao XIX. Mas a prin­ci­pal ra­zão por­que me­re­ce des­ta­que não é o seu ta­ma­nho, ou a vas­ti­dão da te­má­ti­ca abran­gi­da, mas a sua qua­li­da­de. O au­tor re­cor­re am­pla­men­te a fon­tes pri­má­ri­as, o que, só por si, faz a fron­tei­ra en­tre os ama­do­res e os ex­pe­ri­en­tes nes­ta ar­te que é a His­tó­ria. Mui­tos pen­sam que a His­tó­ria é uma des­cri­ção, um amon­to­a­do de even­tos in­ter­li­ga­dos que se ex­põem com uma or­de­na­ção cro­no­ló­gi­ca. A ver­da­de, po­rém, é que a His­tó­ria, a que me­re­ce es­se no­me e a maiús­cu­la, não é na­da dis­so, mas sim uma ex­pli­ca­ção, uma cons­tru­ção ló­gi­ca que pro­cu­ra con­du­zir a um en­ten­di­men­to su­pe­ri­or do seu ob­jec­to, nor­mal­men­te atra­vés da apa­rên­cia de uma me­ra dis­cri­ção. A ar­te do his­to­ri­a­dor – e de uma ar­te se tra­ta – é a de dar uma ex­pli­ca­ção atra­vés da apa­ren­te nar­ra­ção.

É jus­ta­men­te is­so que Mi­guel Jú­ni­or faz, mos­tran­do-se aqui co­mo um his­to­ri­a­dor ma­du­ro e ri­go­ro­so, que vai às fon­tes pri­má­ri­as, que as cru­za, que pro­cu­ra li­ga­ções e en­ca­de­a­men­tos ló­gi­cos pa­ra che­gar à sua ex­pli­ca­ção. Faz is­to com a dis­tan­ci­a­ção que ca­rac­te­ri­za os his­to­ri­a­do­res de ga­ba­ri­to, pro­cu­ran­do co­brir com isen­ção não só a his­tó­ria da re­sis­tên­cia, mas tam­bém a da edi ica­ção do edi ício mi­li­tar do co­lo­ni­a­lis­mo, com ela in­ti­ma­men­te li­ga­da e mes­mo os sig­ni ica­do e os for­ma­tos dos cho­ques en­tre eu­ro­peus no ter­ri­tó­rio de An­go­la.

Não es­con­do que nem to­dos os tex­tos do li­vro têm uma qua­li­da­de se­me­lhan­te e que é vi­sí­vel que es­te le­que de his­to­ri­a­do­res es­tá em fa­ses mui­to di­fe­ren­tes do seu per­cur­so de vi­da. É nor­mal que as­sim se­ja nu­ma pri­mei­ra obra, que ica­rá pa­ra as ge­ra­ções fu­tu­ras co­mo um mar­co no co­me­ço de uma es­tra­da, a pri­mei­ra ten­ta­ti­va de sín­te­se, vas­ta e abran­gen­te, da His­tó­ria Mi­li­tar de An­go­la de­pois da in­de­pen­dên­cia.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.