KO­TA CA­LA­BE­TO É UMA ES­CO­LA

70 ANOSDEIDADEE53 DECARREIRA

Jornal Cultura - - Primeira Página - Ma­ta­di Ma­ko­la

Nas­ci­do a 3 de Abril de 1945, António Mi­guel Ma­nu­el Francisco “Ca­la­be­to” (o tam­bém Kô­ta Bwê) co­me­mo­rou no dia 5 os seus 70 anos de ida­de ro­de­a­do de fa­mi­li­a­res, ami­gos e co­le­gas de pro is­são no Cen­tro Re­cre­a­ti­vo Ki­lam­ba, no Ran­gel, sen­do o ani­ver­sa­ri­an­te a atrac­ção prin­ci­pal do muzongué de do­min­go. Na me­sa o mu­fe­te, o fun­je de ca­lu­lú, o cal­do de pei­xe e ou­tras igua­ri­as tí­pi­cas da gas­tro­no­mia an­go­la­na, de­gus­ta­das ao bom som de re­gis­tos que fa­zem fu­ror desde os anos se­ten­ta aos di­as ac­tu­ais.

Ro­ber­ti­nho, acom­pa­nha­do pe­la ban­da da Rá­dio Na­ci­o­nal, or­de­nou gen­til­men­te os pre­sen­tes a en­che­rem a pis­ta de dan­ça ao tra­zer bem lapidado o seu imor­tal “Ki­owa” e ou­tros su­ces­sos des­ta gran­de voz do sem­ba. Na vez de Dom Ca­e­ta­no, o mes­tre de ce­ri­mó­nia, ri­pos­tou ao ti­rar do seu re­per­tó­rio o su­ces­so “Sou An­go­la­no”, aca­ban­do a sua ac­tu­a­ção com uma ho­me­na­gem mu­si­ca­da ao to­que da ka­zu­ku­ta do Ka­bo­co­meu.

Foi ao seu jei­to me­xi­do que Ca­la­be­to su­biu ao pal­co, tra­zen­do na pon­ta da lín­gua es­tó­ri­as de amor e de lu­ta num Kim­bun­du abun­dan­te. Dos seis te­mas in­ter­pre­ta­dos, “Tus­so­ca­na ki­e­bi” dei­xou o Ki­lam­ba nu­ma azá­fa­ma des­con­cer­tan­te, as ma­mãs ves­ti­das a bes­san­ga e as se­nho­ras de tra­jes oci­den­tais não con­se­gui­ram es­tar qui­e­tas, qua­se to­das fo­ram bus­car um com­pa­nhei­ro que sa­ci­as­se a von­ta­de de dan­çar es­te su­ces­so. Con­fes­so ad­mi­ra­dor da pos­tu­ra de sem­bis­ta de Ca­la­be­to, Edy Tus­sa su­biu ao pal­co pa­ra fa­zer vin­car o seu “Amor a Mwangolé”. Mas não icou ape­nas com su­ces­sos no­vos, par­ti­lhou o pal­co com o ani­ver­sa­ri­an­te no su­ces­so “Ngui Dia Ngui Nua”, da au­to­ria de Ca­la­be­to e que o jovem in­ter­pre­ta no seu mais re­cen­te cd in­ti­tu­la­do “Gran­des Mun­dos”.

Sau­da­des na forja Con­ta 70 anos de ida­de e a ca­mi­nho de 53 de car­rei­ra. Ca­la­be­to já tem uma es­tra­da mui­to lon­ga, e ar­gu­men­ta que é pre­ci­so ter dis­ci­pli­na pa­ra po­der aguen­tar.

Qu­es­ti­o­na­mos pa­ra quan­do a pró­xi­ma obra. Sem da­ta pre­vis­ta, ale­gou que pro­ble­mas inan­cei­ros o im­pen­dem de avan­çar com o pro­jec­to. No en­tan­to, en­fa­ti­za que as mú­si­cas e os re­cur­sos hu­ma­nos exis­tem, não tem é di­nhei­ro pa­ra gra­var o pró­xi­mo dis­co, que mui­to gos­ta­ria de o fa­zer. Ca­so saia, par­ti­lhou que se­ria in­ti­tu­la­do Sau­da­de, tí­tu­lo de uma das 10 fai­xas mu­si­cais que o mes­mo com­por­ta­ria.

Guar­da mui­tas bo­as me­mó­ri­as do Ki­lam­ba e re­co­nhe­ce o es­for­ço da pro­du­ção do Muzongué (en­ca­be­ça por Es­te­vão Cos­ta) por pro­mo­ver a mú­si­ca e os mú­si­cos an­go­la­nos que já não apa­re­cem fre­quen­te­men­te na im­pren­sa.

Do seu re­ca­do à no­va ge­ra­ção, dis­se es­tar aber­to a dar en­si­na­men­tos e in­cen­ti­vou que con­ti­nu­em a can­tar: “Eu já vou com se­ten­ta e Eli­as Dya Ki­mu­e­zo já vai nos oi­ten­ta. Se­rá mui­to bom que os jo­vens sai­bam in­ter­pre­tar a mú­si­ca an­go­la­na, por­que po­de­mos so­frer uma in­va­são cul­tu­ral. O país tem his­tó­ria e tem cul­tu­ra e de­ve ter de­fen­so­res fer­vo­ro­sos des­te sen­ti­do de es­tar”.

De Edy Tus­sa ica­mos a sa­ber que es­te mo­men­to é si­nal de que os mais ve­lhos es­tão a dei­xar o tes­te­mu­nho pa­ra os mais no­vos e que os da sua ge­ra­ção de­vem pres­tar aten­ção no que os ko­tas fa­zem e na en­tre­ga de­les à cau­sa da mú­si­ca an­go­la­na: “A ge­ra­ção do ko­ta Ca­la­be­to es­tá a pas­sar o tes­te­mu­nho. É nos­sa obri­ga­ção re­ce­ber e pre­ser­var pa­ra a con­ti­nui­da­de do gé­nio de ge­ra­ções an­te­ri­o­res. Es­tá de pa­ra­béns o ko­ta Ca­la­be­to: é uma es­co­la. É im­por­tan­te sen­tar­mos, so­bre­tu­do os jo­vens, à vol­ta de­le e ou­vir his­tó­ri­as com raí­zes de nós. Es­sa con­vi­vên­cia pro­fun­da com ko­tas des­ta ín­do­le ge­ra em nós uma ati­tu­de dis­tan­ci­a­da em re­la­ção a mui­tas coi­sas do es­tran­gei­ro que te­mos tra­zi­do pa­ra nos­sa pra­ça e a ir­mar­mos co­mo se fos­se nos­sa, ig­no­ran­do to­tal­men­te que os pró­pri­os es­tran­gei­ros sem­pre sou­be­ram fa­zer me­lhor”.

Nu­ma bre­ve com­pa­ra­ção, Edy Tus­sa re­co­nhe­ceu que a mú­si­ca des­ses ko­tas to­ca há mais de trin­ta anos e ain­da se im­põe co­mo su­ces­so no seio dos seus ad­mi­ra­do­res, pro­va mais que su ici­en­te de que a sua ge­ra­ção ain­da não es­tá a fa­zer me­lhor, sen­do que a dos ko­tas abriu ca­mi­nhos, exal­tou o sem­ba e as lín­guas na­ci­o­nais em pe­río­dos di íceis. Um pou­co con­trá­rio ao que acon­te­ce com as es­tre­las dos di­as re­cen­tes, que cri­am su­ces­sos que não so­bre­vi­vem meio ano e ca­em em to­tal es­que­ci­men­to.

António Mi­guel Ma­nu­el Francisco “Ca­la­be­to”, nas­ci­do em Lu­an­da, a 3 de Abril de 1945, ini­ci­ou a sua ac­ti­vi­da­de na Mis­são Evan­gé­li­ca, fa­zen­do par­te do co­ro da­que­la con­gre­ga­ção re­li­gi­o­sa. Em 1958, fun­dou a Tur­ma Rio de Ja­nei­ro. Com uma car­rei­ra ini­ci­a­da na dé­ca­da de 1950, Ca­la­be­to pos­sui um re­per­tó­rio no qual se des­ta­cam vá­ri­os te­mas de su­ces­so, co­mo “Nzam­bi”, “Ngo­lo Ya­mi”, “Avan­te o Po­der Po­pu­lar”, “Tus­so­ca­na Ki­e­bi”, “Ca­ma­ra­da Pre­si­den­te” e “A Vi­tó­ria é Cer­ta”. Tem no mer­ca­do o CD “Kam­ba Dya­mi” e a par­ti­ci­pa­ção no pro­jec­to “Ge­ra­ção do Sem­ba” (vo­lu­mes 1 e 2).

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.