Es­tú­dio Dis­co­grá­fi­co Ne­rú no Uí­ge Pro­du­to­ra de mú­si­ca com equi­pa­men­to de pon­ta

Jornal Cultura - - Artes - MA­TA­DI MA­KO­LA/UÍ­GE

Es­ta­va no iti­ne­rá­rio de Ro­sa Cruz e Silva co­nhe­cer o Es­tú­dio Dis­co­grá­fi­co Ne­rú, mis­são cum­pri­da ain­da no fi­nal da tar­de de sex­ta-fei­ra,17, adi­an­tan­do ser um gran­de ga­nho na pro­du­ção dis­co­grá­fi­ca e um ges­to do go­ver­no pro­vin­ci­al que de­ve ser aplau­di­do. Alías, das ma­kas dos mú­si­cos, ori­en­tou que se de­ve di­fun­dir os ins­tru­men­tos le­gais à dis­po­si­ção da cul­tu­ra que pos­sam fa­ci­li­tar a vi­da da clas­se ar­tís­ti­ca, co­mo é o ca­so da lei do me­ce­na­to e di­rei­tos de au­tor, im­pe­din­do que as rá­di­os pas­sem per­ma­nen­te­men­te as mú­si­cas de ar­tis­tas sem que es­tes te­nham a di­vi­da com­pen­sa­ção.

Si­tu­a­da num dos bair­ros mais ele­gan­tes da ci­da­de do Uí­ge, foi cons­truí­da de raiz pa­ra ser uma pro­du­to­ra de mú­si­ca ape­tre­cha­da com equi­pa­men­tos de pon­ta, vis­to que há um cer­to dé­fi­ce na pro­du­ção de dis­cos e es­pec­tá­cu­los na pro­vín­cia do Uí­ge, um vi­vei­ro da mú­si­ca e da cul­tu­ra e ar­tes dum mo­do ge­ral. A vi­si­ta foi gui­a­da pe­lo an­fi­trião João Ale­xan­dre, o co­nhe­ci­do mú­si­co que du­ran­te du­as dé­ca­das li­de­rou a ban­da Ver­sá­teis, uma das mais ori­gi­nais e se­gu­ra­men­te ines­que­cí­vel no pa­no­ra­ma mu­si­cal an­go­la­no, que nos brin­dou os su­ces­sos “Ca­sa­men­to”, “Than­gi­di Mu Me­su Ma­ku”, “Zu­se”, e ou­tros.

Se­gun­do o mú­si­co, es­ta ca­sa vem em boa ho­ra por­que os va­lo­res e ati­tu­des pró­pri­os do Uí­ge es­tão a per­der for­ça, e sen­te-se que o Uí­ge po­de mor­rer em ter­mos de iden­ti­da­de, ca­so tris­te pa­ra uma pro­vín­cia ri­ca em gas­tro­no­mia, mú­si­ca, dan­ça e es­cul­tu­ra. É as­sim que, pre­o­cu­pa­do, o go­ver­no lo­cal pen­sa a ca­sa Ne­rú, uma pro­du­to­ra de mú­si­ca, sen­do que nas ar­tes a mú­si­ca é uma da­que­las pé­ro­las que con­se­gue le­van­tar o bom no­me de uma re­gião e afa­ma-la com gran­de di­fu­são. A mes­ma tam­bém sur­ge pa­ra acu­dir as des­pe­sas e di­fi­cul­da­des de ar­tis­tas lo­cais e, de­pois, olhar pa­ra to­da a re­gião li­mí­tro­fe da pro­vín­cia, e tal­vez mes­mo tam­bém mú­si­cos da vi­zi­nha Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Con­go que quei­ram usu­fruir des­ta pro­du­to­ra.

A mes­ma ain­da não abriu as por­tas ao pú­bli­co, em­bo­ra to­do o edi­fí­cio já es­te­ja aca­ba­do e os equi­pa­men­tos ins­ta­la­dos. É a pri­mei­ra par­te de um pro­jec­to am­bi­ci­o­so do go­ver­no do Uí­ge, que ago­ra viu-se obri­ga­do a fa­zer uma con­ten­ção de gas­tos de­vi­do aos efei­tos da cri­se. Fu­tu­ra­men­te, não só vai pro­du­zir dis­cos co­mo vai edi­tar e pro­mo­ver es­pec­tá- cu­los na pro­vín­cia, de for­ma a des­per­tar um bo­ca­do es­te ador­me­cer da ju­ven­tu­de e de al­guns mais ve­lhos so­bre a res­pon­sa­bi­li­da­de de olhar pa­ra o co­ra­ção do Uí­ge e fa­zer des­te o seu mai­or pro­du­to de cri­a­ção ar­tís­ti­ca.

Des­te ador­me­cer, João Ale­xan­dre ad­mi­te vá­ri­as ra­zões e des­ta­ca a glo­ba­li­za­ção co­mo sen­do uma das prin­ci­pais. Le­van­ta ser ine­vi­tá­vel fo­car que as no­vas tec­no­lo­gi­as te­nham “rou­ba­do” um pou­co a aten­ção que de­ve­ria ser pa­ra al­gu­mas coi­sas lo­cais. Mas, re­pen­sa, is­so é um pro­ble­ma do mundo mo­der­no. “Fe­li­zes são aque­les paí­ses que têm a ten­dên­cia de con­ser­var os há­bi­tos e cos­tu­mes em pri­mei­ra ins­tân­cia, mes­mo sen­do mo­der­nos. Nós os afri­ca­nos te­mos es­ta­do a vi­rar a nos­sa aten­ção e for­ma de ser pa­ra o oci­den­ta­lis­mo, tan­to que al­guns se es­que­ce­ram por com­ple­to das tra­di­ções. Ho­je em dia os jo­vens não fa­lam a lín­gua na­ci­o­nal e a co­mi­da que lhes é cul­tu­ral é o ham­búr­guer. Nós per­de­mos mui­tos va­lo­res. As ar­tes fun­ci­o­nam co­mo um agen­te pro­por­ci­o­na­dor na de­vo­lu­ção des­tas cul­tu­ras, en­tão de­ve­mos tra­ba­lhar mui­to. É um tra­ba­lho ár­duo e a lon­go pra­zo”.

Qu­es­ti­o­na­mo-lo so­bre o es­ta­do da mú­si­ca do Uí­ge no Uí­ge. De­fi­ni­ti­va­men­te, quan­to à mú­si­ca, di­ag­nos­ti­cou que o Uí­ge não an­da mui­to bem, um fac­to cu­ri­o­so por­que es­se Uí­ge con­ti­nua a ser um vi­vei­ro que pro­por­ci­o­na ar­tis­tas de pa­no­râ­mi­ca na­ci­o­nal, que, em fun­ção da con­jun­tu­ra do mer­ca­do editorial, se vêm obri­ga­dos a sair do Uí­ge e ten­tar fa­zer su­ces­so fo­ra, com des­ta­que pa­ra Lu­an­da, vis­to que quem faz em Lu­an­da faz em to­do o ter­ri­tó­rio na­ci­o­nal. De­fen­de que um ar­tis­ta do Uí­ge quan­do se con­sa­gra uma es­tre­la na­ci­o­nal, os fi­lhos do Uí­ge que­rem ver es­te ar­tis­ta a can­tar o ki­kon­go que con­quis­tou ou­tras pro­vín­ci­as. Des­se per­cur­so ao su­ces­so, tem uma opi­nião di­fe­ren­te. Acha que o po­vo do Uí­ge de­ve­ria con­tri­buir pa­ra que um ar­tis­ta te­nha uma as­cen­são a par­tir de den­tro, con­quis­tan­do pri­mei­ro a au­di­ên­cia dos seus con­ter­râ­ne­os, que en­con­tra­rão nas su­as mú­si­cas can­ta­das na lín­gua da ter­ra um va­lor ex­cep­ci­o­nal. Mas tu­do acon­te­ce ao con­trá­rio. E per­ce­be que po­de ser um dos mo­ti­vos que faz com que os jo­vens não es­te­jam mui­to in­te­res­sa­dos em fa­zer mú­si­ca lo­cal, mas sim aqui­lo que se faz em Lu­an­da e no res­to do mundo. A exem­plo, com­pa­ra ser mui­to mais fá­cil um Big Ne­lo fa­zer su­ces­so com o seu rap do que um ar­tis­ta des­ta on­da que saia do Uí­ge pa­ra ir fa­zer su­ces­so em Lu­an­da, mais um mo­ti­vo pa­ra os jo­vens pen­sa­rem em in­ves­tir um bo­ca­do mais no que é da sua pro­vín­cia, se­guin­do exem­plos ac­tu­ais bem con­se­gui­dos co­mo são os ca­sos Li­na Ale­xan­dre e a Ban­da So­cor­ro, que com a sua ar­te con­se­gui­ram le­van­tar de no­vo es­tes va­lo­res e con­ven­cer as pes­so­as que an­dam com ver­go­nha e re­ceio de can­tar em ki­kon­go que es­ta po­de ser a me­lhor op­ção. Re­cor­dar os Ver­sá­teis Pou­cos de­ram con­ta que nos Ver­sá­teis só ti­nha du­as pes­so­as do Uí­ge: João e a ir­mã Toya Ale­xan­dre. Foi pe­la sim­ples ra­zão de ele­var a cul­tu­ra do Uí­ge e fa­zer ver que daí se po­dia ter boa coi­sa, por­que não foi fá­cil con­gre­gar pes­so­as do Mo­xi­co e Bié, que a ban­da Ver­sá­teis é cri­a­da na dé­ca­da de no­ven­ta, e is­so fez os Ver­sá­teis se­rem co­nhe­ci­dos co­mo ban­da do Uí­ge. Va­leu a au­to­va­lo­ri­za­rão. E ho­je, João fa­la dos Ver­sá­teis de mo­do ad­mi­ra­do um pou­co pe­la for­ma co­mo apa­re­ce, e co­mo ar­ras­tou al­gu­mas ou­tras pes­so­as pa­ra a ban­da.

Par­te de uma fa­mí­lia de mú­si­cos. Mas co­me­çou mes­mo no am­bi­en­te re­li­gi­o­so, on­de viu os seus pa­ren­tes (ca­sos de Ca­na­ni­to e Li­na Ale­xan­dre) a can­tar. Mas is­so não o ti­nha de­fi­ni­do, nun­ca ti­nha ex­plo­ra­do o can­to, de­di­can­do a sua vi­da à for­ma­ção aca­dé­mi­ca. Cu­ri­o­sa­men­te, no dia da sua de­fe­sa de te­se, du­ran­te um ban­que­te fei­to pe­los seus co­le­gas an­go­la­nos na Che­cos­lo­vá­quia, pe­gou nu­ma gui­tar­ra e de­ci­diu can­tar. De­pois can­tou num es­pec­tá­cu­lo alu­si­vo ao 11 de No­vem­bro e saiu-se mui­to bem. De re­gres­so a An­go­la deu azo à sua vo­ca­ção mu­si­cal e co­me­ça fa­zer o dis­co. Foi quan­do sen­tiu a ne­ces­si­da­de de ape­tre­cha-lo com co­ros mais ar­ran­ja­dos e to­que de gui­tar­ra que se iden­ti­fi­cas­sem me­lhor com a sua lo­ca­li­da­de de ori­gem, que, lá pa­ra a pri­mei­ra me­ta­de de 90, reu­niu ar­tis­tas de di­fe­ren­tes re­giões do país e tu­do com­bi­nou em cha­mar a ban­da de Ver­sá­teis, por to­car sem­ba, ki­la­pam­ba, ki­zom­ba, rum­ba, zouk.

João Ale­xan­dre (à es­quer­da) mos­tra o es­tú­dio à Ro­sa Cruz e Silva e en­ti­da­des lo­cais

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.