DA BA­TA­LHA DE AM­BUÍ­LA AO 11 DE NO­VEM­BRO

Lo­cal do des­pi­que é ele­va­do a Sí­tio His­tó­ri­co Na­ci­o­nal

Jornal Cultura - - Primeira Página - MA­TA­DI MA­KO­LA|

Re­za a his­tó­ria que o des­fe­cho da Ba­ta­lha de Am­bui­la te­ve co­mo con­sequên­cia a mor­te do so­be­ra­no Nvi­ta a Nkan­ga, que foi de­ca­pi­ta­do e a sua ca­be­ça trans­por­ta­da pa­ra Lu­an­da, ten­do si­do de­po­si­ta­da na Igre­ja da Mi­se­ri­cór­dia, a par­tir da qual, no dia se­guin­te, se or­ga­ni­zou uma pro­cis­são em que par­ti­ci­pou a edi­li­da­de da ci­da­de in­cluin­do o go­ver­na­dor-ge­ral, in­do uns pe­la praia, em vá­ri­as em­bar­ca­ções, e ou­tros por ter­ra. Se­pul­ta­ram a ca­be­ça do rei na Igre­ja de Na­za­ré.

A Ba­ta­lha de Am­bui­la te­ve lu­gar a 29 de Ou­tu­bro de 1665, num es­pa­ço que no dia 18 des­te mês, Dia Mun­di­al dos Mo­nu­men­tos e Sí­ti­os, o mi­nis­té­rio da Cul­tu­ra ele­vou co­mo tó­ni­ca prin­ci­pal das co­me­mo­ra­ções com a clas­si ica­ção des­te pe­da­ço de ter­ra a Sí­tio His­tó­ri­co de âm­bi­to na­ci­o­nal.

A his­tó­ria que se cons­ti­tui na al­deia de Zon­da, re­gião de Am­bui­la, mu­ni­cí­pio de Ki­te­xe, pro­vín­cia do Uí­ge, é de lu­ta e re­sis­tên­cia, re­co­nhe­ceu a mi­nis­tra da Cul­tu­ra e his­to­ri­a­do­ra, Ro­sa Cruz e Silva. Na lei­tu­ra dos fac­tos his­tó­ri­cos ine­ren­tes à ba­ta­lha, que me­re­ceu de Ro­sa Cruz e Silva uma pa­les­tra, com a pre­sen­ça no­tó­ria de go­ver­nan­tes da pro­vín­cia do Uí­ge, au­to­ri­da­des da ad­mi­nis­tra­ção do mu­ni­cí­pio em cau­sa, au­to­ri­da­des tra­di­ci­o­nais e pú­bli­co in­te­res­sa­do, sa­li­en­tou que o so­be­ra­no do Kon­go, Nvi­ta a Nkan­ga, tam­bém co­nhe­ci­do co­mo D. António I, foi quem pro­cla­mou a gu­er­ra, pois o Kon­go na oca­sião es­ta­va pres­si­o­na­do pe­los in­te­res­ses por­tu­gue­ses.

Ex­pli­cou que ti­nha se ini­ci­a­do no sé­cu­lo XV re­la­ções po­lí­ti­cas e di­plo­má­ti­cas ba­se­a­das nos prin­cí­pi­os do res­pei­to re­cí­pro­co, na tro­ca e in­ter­câm­bio de pro­du­tos co­mer­ci­ais, cul­tu­rais e ou­tros. Con­tu­do, a co­bi­ça nos re­cur­sos que avis­ta­vam nes­ta re­gião do rei­no le­vou que a cor­te por­tu­gue­sa mu­das­se o sen­ti­do das re­la­ções que vi­nha es­ta­be­le­cen­do com o rei­no do Kon­go.

Re­cu­an­do um pou­co na his­tó­ria, a mi­nis­tra fez en­ten­der que es­tas al­te­ra­ções já se ti­nham ma­ni­fes­ta­do ain­da no rei­na­do de D. Garcia I, com a che­ga­da dos ho­lan­de­ses nes­ta re­gião, quan­do os so­be­ra­nos do rei­no ma­ni­fes­ta­ram mais in­te­res­se por es­te par­cei­ro co­mer­ci­al, com o qual es­ta­be­le­ce­ram re­la­ções co­mer­ci­ais, no­me­a­da­men­te a com­pra de ar­mas eu­ro­pei­as, mei­os com que se ser­vi­am na de­fe­sa do seu ter­ri­tó­rio e da sua so­be­ra­nia.

Mas, con­ti­nua a his­to­ri­a­do­ra, a épo­ca dos ho­lan­de­ses te­ve pou­ca du­ra­ção, e a re­to­ma de Lu­an­da pe­los por­tu­gue­ses que ica­ram cer­ca de 8 anos acan­to­na­dos em Mas­san­ga­no vai al­te­rar o xadrez po­lí­ti­co, pois os por­tu­gue­ses já reins­ta­la­dos em Lu­an­da vão ago­ra exi­gir no­vas con­di­ções nas re­la­ções com o Kon­go, ra­zão que le­va Garcia II a as­si­nar um acor­do não fa­vo­rá­vel ao Kon­go e que, pos­te­ri­or­men­te, o so­be­ra­no Nvi­ta a Nkan­ga se ne­ga a cum­prir à le­tra as res­pec­ti­vas cláu­su­las do re­fe­ri­do acor­do.

A his­to­ri­a­do­ra des­ta­ca que uma das exi­gên­ci­as dos por­tu­gue­ses era efec­ti­va­men­te a ex­plo­ra­ção das mi­nas do Bem­be, lo­cal que tam­bém foi mui­to co­bi­ça­do pe­las di­fe­ren­tes po­tên­ci­as eu­ro­pei­as. Mas o Kon­go não ce­de as mi­nas e não dá mos­tras de sub­mis­são à co­ló­nia por­tu­gue­sa ins­ta­la­da em Lu­an­da. As pres­sões per­sis­tem e vão no sen­ti­do de se de­cla­rar gu­er­ra ao Kon­go, pe­la in­tran­si­gên­cia das po­si­ções in­de­pen­den­tis­tas. Aos si­nais de pre­pa­ra­ção pa­ra a ocu­pa­ção do Kon­go, D. António I re­a­ge, an­te­ci­pan­do es­sa mes­ma gu­er­ra, ten­do pa­ra efei­to mo­bi­li­za­do a sua po­pu­la­ção das zo­nas vi­zi­nhas.

An­tes da ba­ta­lha, con­tam o so­ba e al­guns mo­ra­do­res de Zon­da ao CUL­TU­RA, o rei foi abri­gar a fa­mí­lia nu­ma pe­dra enor­me que ica a me­tros do lo­cal da ba­ta­lha, e se­gun­do os mo­ra­do­res da re­gião, a fa­mí­lia icou pre­sa nes­ta pe­dra gran­de que os da re­gião cha­ma­vam de pe­dra de Ka­mu­zen­ze, saí­do de lá com um ga­lo bran­co na mão. O lo­cal exac­to da Ba­ta­lha de Am­bui­la Fi­ca as­sim sal­da­da uma dí­vi­da do mi­nis­té­rio da Cul­tu­ra à His­to­ria e ci­ên­ci­as a ins, ao apre­sen­tar o lo­cal exac­to da ocor­rên­cia da ba­ta­lha. Se­gun­do Ema­nu­el Ca­bo­co, qua­dro do mi­nis­té­rio da Cul­tu­ra no ter­re­no, to­dos os fac­tos apon­ta­vam que o exac­to lo­cal da Ba­ta­lha de Am­bui­la ica­va na con luên­cia en­tre os ri­os Lwe­ji e Nko­ji, não mui­to dis­tan­te dos sí­ti­os on­de te­rão si­do im­plan­ta­das as fa­zen­das em tem­pos mais re­cen­tes, exac­ta­men­te nos pe­río­dos de 40 e 50, as fa­zen­das Alegria e Za­la­la, e cu­jos os tra­ba­lha­do­res te­rão en­con­tra­do, ao la­vra­rem a ter­ra, ar­te­fac­tos que po­dem es­tar li­ga­dos à ba­ta­lha em ques­tão.

Ou­tro fac­to, apon­ta o es­pe­ci­a­lis­ta do mi­nis­té­rio, a tra­di­ção oral e al­guns tex­tos es­cri­tos da épo­ca da ba­ta­lha apon­ta­vam es­te lu­gar co­mo re­fe­rên­cia. Is­so le­vou a não te­rem mui­tas di icul­da­des em de­te­tar o lo­cal, tam­bém por­que re­cen-

te­men­te fo­ram acha­dos ar­te­fac­tos que po­dem re­me­ter pa­ra aque­la ocor­rên­cia. Mas, tra­ça, ago­ra so­bra um tra­ba­lho atu­ra­do, es­tu­do e pes­qui­sa ar­que­o­ló­gi­ca e de re­co­lha de ou­tras áre­as de es­tu­do, co­mo a his­tó­ria e a an­tro­po­lo­gia pa­ra o le­van­ta­men­to de mais ele­men­tos que even­tu­al­men­te es­te sí­tio ain­da te­nha. Con­si­de­ra que se­rá um tra­ba­lho que po­de­rá ter bons re­sul­ta­dos por­que o sí­tio ain­da não so­freu gran­des im­pac­tos de ac­ti­vi­da­de hu­ma­na que pos­sa fa­zer de­sa­pa­re­cer ves­tí­gi­os que aju­da­ri­am a ates­tar es­ta con­vic­ção de que foi ali on­de te­nha ocor­ri­do a Ba­ta­lha de Am­bui­la.

Aler­ta que não é só clas­si icar o sí­tio, sen­do pre­ci­so va­lo­ri­zar com in­cre­men­tos e com a cri­a­ção de in­fra­es­tru­tu­ras que per­mi­tam fa­zer a lei­tu­ra ajus­ta­da do sí­tio e ofe­re­cer con­di­ções de vi­si­ta e es­tu­do. Fa­la exac­ta­men­te de um me­mo­ri­al que dig­ni ique a he­roi­ci­da­de do po­vo do Kon­go fa­ce às in­ves­ti­das das tro­pas co­lo­ni­ais no ter­ri­tó­rio cor- res­pon­den­te ao an­ti­go rei­no do Kon­go, que vai mui­to além dos es­tri­tos li­mi­tes que ain­da con­vém a mui­ta gen­te es­ta­be­le­cer ou cri­ar dú­vi­das.

He­roi­ci­da­de da ba­ta­lha­foi um le­ga­do na con­cre­ti­za­ção do 11 de No­vem­bro de 1975

O des­cer­ra­men­to do mar­co da Ba­ta­lha de Am­bui­la coin­ci­de com o es­pe­ci­al qua­dra­gé­si­mo ani­ver­sá­rio da ce­le­bra­ção da in­de­pen­dên­cia na­ci­o­nal, vis­to por Ro­sa Cruz e Silva co­mo uma for­ma no­bre de ho­rar­mos a me­mó­ria de to­dos que tom­ba­ram nes­te sí­tio, em­pe­nha­dos na pre­ser­va­ção da so­be­ra­nia do rei­no do Kon­go ao im­pe­dir que os res­pon­sá­veis da en­tão Co­ló­nia de An­go­la pu­des­sem usur­par as po­ten­ci­a­li­da­des do rei­no, com o ob­jec­ti­vo de ocu­par e ex­plo­rar as mi­nas de Bem­be. “Ela é mui­to im­por­tan­te por ter da­do um si­nal mui­to sé­rio do que de­ve­ria ser a uni­da­de en­tre os po­vos pa­ra ga­ran­tir a so­be­ra­nia do rei­no, sen­do um im­por­tan­te le­ga­do da­qui­lo que vi­e­mos a ter a 11 de No­vem­bro de 1975. A Ba­ta­lha de Am­bui­la e ou­tras de­ram já es­se si­nal, e os lí­de­res das eli­tes sou­be­ram in­ter­pre­ta­ram bem es­te le­ga­do do rei­no do Kon­go e de ou­tros re­la­tos gran­dí­lo­quos da nos­sa his­tó­ria an­ti­ga que nos ali­men­tou co­mo fon­te de ins­pi­ra­ção pa­ra a li­ber­ta­ção do nos­so país. É so­bre­tu­do pa­ra va­lo­ri­zar­mos o nos­so pa­tri­mó­nio, os nos­sos lo­cais his­tó­ri­cos e dar a co­nhe­cer às fu­tu­ras ge­ra­ções”, in­ter­pre­ta a mi­nis­tra.

Mau es­ta­do do Mu­seu Et­no­grá ico do Kon­go e da an­ti­ga ca­deia da PIDE

Ou­tra gran­de pre­o­cu­pa­ção da mi­nis­tra re­caiu pa­ra al­gu­mas in­fra­es­tru­tu­ras que já exis­tem mas que es­tão em mau es­ta­do de con­ser­va­ção, co­mo são os ca­sos da an­ti­ga ca­deia da PIDE e do Mu­seu e Et­no­grá­fi­co do Kon­go, dois edi­fí­ci­os his­tó­ri­cos do Uí­ge que me- re­ce­ram uma vi­si­ta da mi­nis­tra. Cons­ta­tou que o edi­fí­cio da ca­deia es­tá de pé mas pre­ci­sa de um me­lhor tra­ta­men­to, pa­ra que se pos­sa apre­ci­ar e usu­fruir dos va­lo­res aqui­tec­tó­ni­co, sim­bó­li­co e his­tó­ri­co, e ja­mais per­mi­tir que o que se pas­sou den­tro da­que­las pa­re­des se­ja es­que­ci­do. A re­a­gir, pro­me­te tra­ba­lhar não só pa­ra res­ti­tuir o es­pa­ço e a es­tru­tu­ra mas tam­bém tra­ba­lhar pa­ra re­cons­ti­tuir a me­mó­ria: “É um le­ga­do que de­ve ser pas­sa­do pa­ra as no­vas ge­ra­ções que ho­je têm me­lho­res con­di­ções, bo­as es­co­las, com­pu­ta­do­res, in­ter­net, te­le­mó­veis, pos­sam va­lo­ri­zar o edi­fí­cio e so­bre­tu­do o que re­pre­sen­ta”.

Do mu­seu, re­co­nhe­ceu ser im­pe­ri­o­so que se fa­ça mu­dan­ça na sua es­tru­tu­ra, pa­ra que fu­tu­ra­men­te pos­sa al­ber­gar ser­vi­ços co­mo ces­ta­ria, ar­te­sa­na­to e ser es­pa­ço de in­ter­câm­bio cul­tu­ral a ní­vel das pro­vín­ci­as.

En­ti­da­des à vol­ta do mar­co da clas­si­fi­ca­ção da Ba­ta­lha de Am­bui­la

Par­te fron­tal da an­ti­ga ca­deia da PIDE

Nu­ma das sa­las do Mu­seu Et­no­grá­fi­co

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.