1. O Con­ta­dor de Es­tó­ri­as

Jornal Cultura - - Letras -

O te­ma des­ti­na-se a po­le­mi­zar o pro­ces­sa­men­to da lei­tu­ra e a li­nha té­nue que se­pa­ra a uti­li­da­de da lei­tu­ra e a sua per­ver­si­da­de no en­si­no da lín­gua ma­ter­na.

Sen­do o tex­to o mó­bil da lei­tu­ra e en­ten­den­do que o tex­to ho­je não se con igu­ra uni­ca­men­te co­mo uma su­per ície sig­ni ican­te, mol­da­da pe­lo có­di­go ver­bal, di icil­men­te a prá­ti­ca da lei­tu­ra si­len­ci­o­sa re­a­li­za o pro­ces­sa­men­to do tex­to na sua ple­ni­tu­de. En­ten­da-se que a lei­tu­ra não se re­duz à des­co­di ica­ção des­se có­di­go até por­que ler é uma prá­ti­ca di­a­ló­gi­ca e co­mo tal tor­na-se mais e ici­en­te quan­do não ac­to so­li­tá­rio, quan­do re­a­li­za­do co­mo lei­tu­ra em voz al­ta, en­ten­da-se.

O trei­no da lei­tu­ra e ici­en­te co­me­ça pe­la apren­di­za­gem da es­cu­ta pois em am­bos os ca­sos a aqui­si­ção das ha­bi­li­da­des re­cor­re ao mes­mo com­por­ta­men­to cog­ni­ti­vo, daí o pa­pel do con­ta­dor de es­tó­ri­as, o pro­du­trans­mis­sor.

Pa­la­vras-cha­ve: Lei­tu­ra si­len­ci­o­sa; lei­tu­ra em voz al­ta; prá­ti­ca di­a­ló­gi­ca; tex­to; o pro­du­trans­mis­sor.

1.1. Hé­li Cha­te­lain

Quan­do a ques­tão é bi­bli­o­te­cas não po­de­mos dei­xar de ou­vir a voz au­to­ri­za­da de Ham­pâ­té Bá que imor­ta­li­zou uma fa­la bam­ba­ra que diz que “ca­da an­cião que mor­re é uma bi­bli­o­te­ca que se quei­ma” . Com es­ta frase, Ama­dou Ham­pâ­té Bá dá a di­men­são da im­por­tân­cia da trans­mis­são oral. Ele foi um dos mai­o­res pen­sa­do­res de Áfri­ca do sé­cu­lo XX e in­can­sá­vel de­fen­sor da con­tri­bui­ção de Áfri­ca, atra­vés da di­men­são da cul­tu­ra oral, pa­ra o co­nhe­ci­men­to da hu­ma­ni­da­de. A di­men­são cul­tu­ral de Áfri­ca não se me­de a par­tir da es­cri­ta e quan­do, aqui, fa­la­mos da di­men­são cul­tu­ral es­ta­mos a fa­lar fun­da­men­tal­men­te da li­te­ra­tu­ra que en­glo­ba não só os gé­ne­ros nar­ra­ti­vos e lí­ri­cos mas tam­bém os dra­má­ti­cos, ri­cos em ri­tu­ais que se re­pe­tem há cen­te­nas de anos em Áfri­ca mas que mos­tram a sua vi­ta­li­da­de mar­can­do cla­ra­men­te ri­tos cul­tu­rais fo­ra de Áfri­ca prin­ci­pal­men­te na Amé­ri­ca, de Norte a Sul.

Mas pa­ra ter­mos pre­sen­te es­sa ri­que­za cul­tu­ral so­mos obri­ga­dos a re­co­nhe­cer a exis­tên­cia do con­ta­dor de es­tó­ri­as que em fi­nais do sé­cu­lo XIX, em An­go­la, sur­pre­en­deu Hé­li Cha­te­lain.

Se a Li­te­ra­tu­ra Oral Tra­di­ci­o­nal pas­sou a ter um tra­ta­men­to cui­da­do, ba­se­a­do na cu­ri­o­si­da­de ci­en­tí ica e li­ber­to de pre­con­cei­tos de su­pe­ri­o­ri­da­de su­a­vi­za­dos pe­las ves­tes do pa­ter­na­lis­mo, mui­to o de­ve a Cha­te­lain, in­ves­ti­ga­dor que, em An­go­la, tra­ba­lhou co­mo lin­guis­ta, pri­mei­ro pa­ra as Mis­sões in­de­pen­den­tes em Áfri­ca do Bis­po Wil­li­am Tay­lor e de­pois co­mo ilo­lo­gis­ta da Pen­sa­co­la Eclip­se Ex­pe­di­ti­on, dos Es­ta­dos Unidos da Amé­ri­ca, en­tre os anos 1885 e 1894.

“To­da a li­te­ra­tu­ra de que aca­ba­mos de tra­tar é de ori­gem es­tran­gei­ra. Res­ta-nos fa­lar da li­te­ra­tu­ra pu­ra­men­te na­ci­o­nal, a qual é, sem dú­vi­da, a mais va­li­o­sa e in­te­res­san­te, não obs­tan­te ain­da não ter en­con­tra­do quem a apre­ci­as­se e a tor­nas­se pú­bli­ca pe­la im­pren­sa. Cons­ta de um ri­co te­sou­ro de pro­vér­bi­os, de con­tos, de enig­mas e de can­ti­gas, ao qual se po­dem jun­tar as tra­di­ções his­tó­ri­cas e mi­to­ló­gi­cas, os di­tos po­pu­la­res, ora sa­tí­ri­cos ou alu­si­vos, ora ale­gó­ri­cos ou igu­ra­dos; em to­dos os quais se con­den­sa a ex­pe­rên­cia dos sé­cu­los e se re lec­te a vi­da mo­ral, in­te­lec­tu­al e ima­gi­na­ti­va, do­més­ti­ca e po­lí­ti­ca das ge­ra­ções pas­sa-

das: a al­ma de um po­vo in­tei­ro.”

1.2 O con­ta­dor de es­tó­ri­as

Mas pa­ra Cha­te­lain ter re­a­li­za­do o seu tra­ba­lho de re­co­lha da “li­te­ra­tu­ra an­go­la­na, em quim­bun­do” – tal co­mo ele diz – foi pre­ci­so ter quem lha con­tas­se. Ve­mo-lo a ci­tar o con­ta­dor de es­tó­ri­as no seu li­vro, Con­tos Po­pu­la­res de An­go­la, que te­ve uma pri­mei­ra edi­ção bi­lin­gue, em quim­bun­do e in­glês, em 1894:

“Um dos mais in­cul­tos ra­pa­zes na­ti­vos foi ca­paz de nos di­tar do li­vro da sua me­mó­ria, sem au­xí­lio, mais de ses­sen­ta con­tos e fá­bu­las” .

Pa­ra além das pa­la­vras atrás ci­ta­das, Cha­te­lain te­ve opor­tu­ni­da­de de co­te­jar a cul­tu­ra literária des­se “in­cul­to ra­paz na­ti­vo” com os ado­les­cen­tes es­co­la­ri­za­dos do seu país na­tal, Suí­ça, pa­ra re­co­nhe­cer a di­fe­ren­ça abis­sal en­tre eles com a enor­me van­ta­gem pa­ra aque­le.

Per­ce­ben­do en­tão que o que es­tá em jo­go na li­te­ra­tu­ra não é sa­ber es­cre­ver ou não sa­ber es­cre­ver (mas sa­ber usar um po­li­có­di­go ac­ti­va­do e en­for­ma­do pe­lo có­di­go ver­bal, que po­de es­tar re­gis­ta­do em es­cri­ta ou na me­mó­ria), fa­cil­men­te nos in­tei­ra­mos en­tão de que um tex­to só tem vi­da quan­do se re­a­li­za a tran­sac­ção en­tre quem o pre­sen­ti ica e quem o re­cep­ci­o­na, is­to é, o tex­to só re­a­li­za a sua ina­li­da­de se hou­ver ac­to­res, si­mul­ta­ne­a­men­te do la­do da enun­ci­a­ção e do la­do do enun­ci­a­tá­rio, e en­tre eles diá­lo­go.

Ain­da re­len­do Hé­li Cha­te­lain, so­mos le­va­dos a ver a li­te­ra­tu­ra oral tra­di­ci­o­nal co­mo um veí­cu­lo pre­ci­o­so de cir­cu­la­ção de cul­tu­ra di icil­men­te en­con­tra­do no sis­te­ma es­co­lar mo­der­no vi­gen­te, que, in­si­di­o­sa­men­te, vai re­me­ten­do es­se te­sou­ro pa­ra o es­que­ci­men­to dei­xan­do a sen­sa­ção in­có­mo­da

Livros ga­ran­tem o de­sen­vol­vi­men­to

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.