OS MU­SEUS AN­GO­LA­NOS

Jornal Cultura - - Grafitos Na Alma -

em e o eua sAn­go­la re­a­li­zou a 25 de Maio, o Eno­con­tro dos Mu­seus, no con­tex­to da co­e­me­mo­ra­ção da Jor­na­da de Áfri­ca. oTen­ta­re­mos nes­ta nos­sa con­tri­buia ção, en­tre­ver as li­nhas de pro­jec­ção e e se­me­lhan­ças do pa­no­ra­ma da ca­deia idas ins­ti­tui­ções mu­se­o­ló­gi­cas do no­se so país com o res­to do con­ti­nen­te na te­má­ti­ca in­ti­tu­la­da “Os Mu­seus an­go­la­nos e o de­sen­vol­vi­men­to sus­ten­tá­vel de Áfri­ca”.

No nos­so en­ten­der, o con­cei­to sus­ten­tá­vel é si­nó­ni­mo de du­ra­doi­ro e per­fei­ta­men­te re­no­vá­vel.

A du­ra­bi­li­da­de do im­pac­to dos mu­seus pas­sa:

- pe­la sua in luên­cia (pri­mei­ro in­put) nos re­cur­sos hu­ma­nos, vi­san­do o au­men­to da sua au­to-es­ti­ma his­tó­ri­ca, o or­gu­lho das su­as ci­vi­li­za­ções, uma mai­or ade­rên­cia à ter­ra an­go­la­na ou africana e, con­se­quen­te­men­te, uma me­lho­ra dis­po­si­ção pro­du­ti­va. Nes­ta sen­da, as nos­sas es­tru­tu­ras de ca­rác­ter et­no­grá ico de­vem re­al­çar o pe­río­do da pro­to-his­tó­ria sa­li­en­tan­do a par­ti­da dos Grass ields, as tro­cas ci­vi­li­za­ci­o­nais ni­ló­ti­cas com o Egip­to an­ti­go, a che­ga­da ao ac­tu­al ter­ri­tó­rio an­go­la­no, o sur­gi­men­to no im do pri­mei­ro mi­lé­nio da nos­sa era de for­ma­ções so­ci­ais bem es­tru­tu­ra­das e na pri­mei­ra me­ta­de do se­gun­do mi­lé­nio da nos­sa era, de Es­ta­dos fe­de­rais tais co­mo o Kon­go;

- pe­lo seu se­gun­do in­put, atra­vés de mu­seus te­má­ti­cos, tais co­mo o nos­so Mu­seu da Es­cra­va­tu­ra que ixa a me­mó­ria co­lec­ti­va, an­go­la­na e africana, da tra­gé­dia do Atlân­ti­co, das gu­er­ras de cap­tu­ra, das in­ter­mi­ná­veis e mor­tí­fe­ras ca­ra­va­nas, dos ani­ma­li­zan­tes bar­ra­co­nes, das fu­nes­tas tra­ves­si­as do Mar, a ven­da em lei­lo­es, a ins­ta­la­ção nas fa­zen­das de ca­na de açú­car ou de ca­fé e nas mi­nas.

Des­ta­ca, igual­men­te, as re­vol­tas, a or­ga­ni­za­ção dos qui­lom­bos e pa­len­ques, as­sim co­mo a par­ti­ci­pa­ção nas gu­er­ras de in­de­pen­dên­cia nas Amé­ri­cas e nas Ca­raí­bas.

Re­lem­bra o sub­ter­fú­gio ju­rí­di­co do tra­ba­lho for­ça­do e o We­le ku Ton­ga, a par­ti­da pa­ra as ilhas de São To­me e Prín­ci­pe;

- pe­lo seu ter­cei­ro in­ci­ta­men­to, atra­vés de mu­seus bi­o­grá icos ou re­lem­bran­do a re­sis­tên­cia ao co­lo­ni­a­lis­mo tais co­mo o do Mu­seu dos Reis do Kon­go ou o Mu­seu da His­tó­ria Mi­li­tar.

O MRK, es­pe­ci ica­men­te, em­bar­ca a his­tó­ria dos so­be­ra­nos do an­ti­go te­ci­do fe­de­ral ho­je par­ti­lha­do pe­la An­go­la, os dois Con­gos e o Ga­bão.

SINTESE E CON­CLU­SÃO

A con­tri­bui­ção do exem­plo dos mu- seus an­go­la­nos ao de­sen­vol­vi­men­to sus­ten­tá­vel de Áfri­ca po­de ser exa­mi­na­da no do­mí­nio do tu­ris­mo.

Uma das ma­ni­fes­ta­ções cul­tu­rais mais ex­pres­si­vas dos mu­seus é, in­du­bi­ta­vel­men­te, o for­ma­to dos seus acer­vos, que re­pre­sen­ta ge­ral­men­te uma re­fe­rên­cia na me­mó­ria co­lec­ti­va dos visitantes.

O que nos obri­ga a afir­mar, pe­remp­to­ri­a­men­te, que sem cul­tu­ra não há tu­ris­mo. As ofer­tas tu­rís­ti­cas cons­ti­tu­em, em cer­ta me­di­da, o su­por­te que ser­ve, em An­go­la e em Áfri­ca, a mé­dio pra­zo, de meio à re­ge­ne­ra­ção das cul­tu­ras, con­cor­ren­do em gran­de me­di­da pa­ra a sua pro­mo­ção mun­di­al.

Com efei­to, os mu­seus an­go­la­nos vão con­tri­buir pa­ra uma mai­or com­pre­en­são das ci­vi­li­za­ções pro­to- his­tó­ri­cas afri­ca­nas, do pe­río­do do Cap­ti­ve Pas­sa­ge e da re­sis­tên­cia con­tra o co­lo­ni­a­lis­mo.

Os mu­seus an­go­la­nos, à se­me­lhan­ça dos de Áfri­ca, cri­am gra­du­al­men­te uma in­dús­tria tu­rís­ti­ca apli­can­do in­ves­ti­men­tos nos trans­por­tes, na ho­te­la­ria, in­for­ma­ção, na gas­tro­no­mia, no ar­te­sa­na­to, nos even­tos cul­tu­rais.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.