A DIÁS­PO­RA AR­TÍS­TI­CA E A RE­CONS­TRU­ÇÃO NA­CI­O­NAL

Jornal Cultura - - Grafitos Na Alma -

Apa­la­vra diás­po­ra tem sua ori­gem no ter­mo gre­go “di­as­pei­ró”, que quer di­zer “dis­per­são”. Ini­ci­al­men­te de­sig­na­va ape­nas a dis­per­são de po­vos por di­fe­ren­tes ter­ri­tó­ri­os es­tran­gei­ros, por mo­ti­vos ét­ni­cos e re­li­gi­o­sos, de que o po­vo he­breu é o exem­plo mais co­nhe­ci­do. Mais tar­de pas­sou a re­fe­rir­se a to­da as des­lo­ca­ções for­ça­das ou vo­lun­tá­ria de in­di­ví­du­os pa­ra ter­ri­tó­ri­os es­tran­gei­ros, on­de per­se­guin­do os mais di­ver­sos in­te­res­ses ixam re­si­dên­cia por tem­po in­de­ter­mi­na­do.

Es­ta­mos no ano do 40º ani­ver­sá­rio da nos­sa in­de­pen­dên­cia na­ci­o­nal. To­dos jun­tos ize­mos um lon­go e si­nu­o­so percurso atra­vés da his­tó­ria. Um percurso vi­to­ri­o­so de que to­dos nos or­gu­lha­mos. Fun­da­mos o Es­ta­do e di­a­ri­a­men­te tra­ba­lha­mos pa­ra a con­so­li­da­ção das su­as ins­ti­tui­ções e uni ica­ção da na­ção. O pre­sen­te tex­to é um conviteà re le­xão em tro­no do pa­pel que a diás­po­ra ar­tís­ti­ca an­go­la­na po­de de­sem­pe­nhar nes­ta fa­se cru­ci­al de re­cons­tru­ção na­ci­o­nal.

O Pla­no Na­ci­o­nal de For­ma­ção de Qua­dros (PNFQ) pa­ra 2013 -2020, apre­sen­ta um di­ag­nós­ti­co só­brio da ofer­ta no do­mí­nio das ar­tes, de­sign e mo­da. De acor­do com es­te do­cu­men­to, es­tas áre­as não pos­su­em ne­nhu­ma ofer­ta em to­do o país. Co­mo resposta a es­te qua­dro, es­tão pre­vis­tas a aber­tu­ra de cur­sos no do­mí­nio das ar­tes grá icas, plás­ti­cas e vi­su­ais e ma­nu­ten­ção de pi­a­nos. É aqui que nos­sa diás­po­ra ar­tís­ti­ca po­de­rá de­sem­pe­nhar um du­plo pa­pel: o de au­men­tar o stock de qua­dros na­ci­o­nais e o de con­tri­buir com know es­pe­ci­a­li­za­do no do­mí­nio da ges­tão e en­si­no nas es­co­las su­pe­ri­o­res de be­las ar­tes, a prá­ti­ca de cu­ra­do­ria ar­tís­ti­ca, mu­se­o­lo­gia, ges­tão do pa­tri­mó­nio ar­tís­ti­co e cul­tu­ra e ou­tros cu­ja de ici­ên­cia é ac­tu­al­men­te gri­tan­te. Ten­do em con­ta o pas­sa­do re­cen­te do nos­so país e as pri­vi­le­gi­a­das re­la­ções co­o­pe­ra­ção que man­te­mos com ou­tros Es­ta­dos, nas úl­ti­mas du­as dé­ca­das as­sis­ti­mos a for­ma­ção de um gran­de diás­po­ra an­go­la­na, so­bre­tu­do nos paí­ses da eu­ro­pa, nor­te de afri­ca e amé­ri­ca. So­bre es­ta diás­po­ra, par­ti­cu­lar­men­te a ar­tís­ti­ca, pou­co sa­be­mos. Os pou­cos ele­men­tos que de­les pos­suí­mos são mais de na­tu­re­za es­ta­tís­ti­ca e so­ci­o­grá ica. Tor­na-se, por is­so, ur­gen­te de­sen­vol­ver­mos ac­ções que nos per­mi­tam co­nhe­cer a si­tu­a­ção das nos­sas co­mu­ni­da­des ar­tís­ti­cas que há anos se for­ma­ram em ci­da­des co­mo Pa­ris, Lis­boa, Hus­ton, Mi­a­mi, Rio de Janeiro, São Pau­lo, Lu­xem­bur­go, Ames­ter­dão ou Jo­a­nes­bur­go, pa­ra ci­tar ape­nas es­tas. Mas do que nú­me­ro, tal­vez te­nha já che­ga­do o mo­men­to de olhar­mos pa­ra a sua con­di­ção so­ci­o­pro is­si­o­nal, su­as com­pe­tên­ci­as téc­ni­cas e ex­pec­ta­ti­vas so­bre o país. Só des­ta for­ma po­de­mos, em con­jun­to, en­con­trar for­mas de en­qua­drá-los na ac­tu­al es­tra­té­gia e pla­no de de­sen­vol­vi­men­to em cur­so no país. A inal to­dos con­ta­mos pa­ra An­go­la e An­go­la con­ta com to­dos nós!

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.