O QUE SE­RÁ O KALUPETEKISMO?

Jornal Cultura - - Primeira Página -

Co­me­ça­mos a nos­sa dis­ser­ta­ção com uma per­gun­ta: o que se­rá o kalupetekismo? Es­sa per­gun­ta sur­ge na sequên­cia dos acon­te­ci­men­tos que ocor­re­ram re­cen­te­men­te na Pro­vín­cia do Huambo e que, em nos­sa mo­des­ta opi­nião, exi­ge uma re le­xão em tor­no de ou­tra ques­tão: “o que di­zer do in­di­ví­duo que, sem ins­tru­ção, a ir­ma ter en­con­tra­do na re­li­gião resposta pa­ra to­dos os pro­ble­mas”?

Im­por­ta re­fe­rir que a com­ple­xi­da­de do fe­nó­me­no em cau­sa re­quer um es­tu­do in­ter e mul­ti­dis­ci­pli­nar, e, ape­sar de não ser­mos ex­perts em ma­té­ria de re­li­gião, pre­ten­de­mos ape­nas re lec­tir so­bre a ques­tão co­lo­ca­da com o pró­po­si­to de iden­ti icar al­gu­mas das cau­sas que te­rão mo­ti­va­do o sur­gi­men­to do kalupetekismo.

O con­cei­to de kalupetekismo

Não nos pa­re­ce ser fá­cil de inir oka­lu­pe­te­kis­mo – ex­pres­são cri­a­da pe­lo eco­no­mis­ta Mau­rí­cio Mu­ne­ne. Ora fa­la-se em sei­ta re­li­gi­o­sa, ora em Igre­ja (a Luz­do Mun­do), ha­ven­do ain­da qu­em fa­le de mo­vi­men­to fun­da­men­ta­lis­ta cris­tão. Ao que pa­re­ce, as de ini­ções não pa­ram por aqui, po­rém, li­mi­ta­mo-nos a es­tas por se­rem as mais co­nhe­ci­das.

Com ba­se em al­guns da­dos que têm si­do pu­bli­ca­dos, re­la­ti­vos à bi­o­gra ia de Ju­li­noKa­lu­pe­te­ka, de ini­mos o kalupetekismo co­mo um mo­vi­men­to re­li­gi­o­so saí­do da Igre­ja Ad­ven­tis­ta do Sé­ti­mo Dia. Es­ta con is­são re­li­gi­o­sa, de on­de saiu Ju­li­noKa­lu­pe­te­ka, fun­da­men­ta a sua dou­tri­na no Ad­ven­to de Cris­to e,al­guns es­tu­dos fei­tos até ao pre­sen­te(cf. Os Jo­vens per­gun­tam; Sei­tas e He­re­si­as),apon­tam a da­ta­ção do re­gres­so de Cris­to­co­mo um dos ele­men­tos da dou­tri­na ad­ven­tis­ta nos pri­mei­ros anos da sua exis­tên­cia.

Por­tan­to, se, por um la­do, os da­dos apon­tam pa­ra o en­qua­dra­men­to do ka­lu­pe­te­kis­mo­no con­cei­to de sei­ta re­li­gi­o­sa, por ou­tro la­do, a da­ta­ção do re­gres­so de Cris­to in­se­re-se no re­tor­no a uma es­pé­cie de «pu­re­za dou­tri­ná­ria» - uma das ca­rac­te­rís­ti­cas de um mo­vi­men­to fun­da­men­ta­lis­ta.

A men­sa­gem de ka­lu­pe­te­ka

Pa­ra al­guns lí­de­res es­pi­ri­tu­ais “Deus não es­co­lhe le­tra­dos pa­ra o mi­nis­té­rio pas­to­ral”. Pa­ra es­ses pre­ga­do­res, ser “le­tra­do” equi­va­le a ser “ar­ro­gan­te”, daí que, se­gun­do tais pas­to­res,“Deus es­co­lhe o hu­mil­de” pa­ra o mi­nis­té­rio pas­to­ral. In­fe­liz­men­te o anal­fa­be­tis­mo con­fun­de-se aqui com hu­mil­da­de.

É nes­se sen­ti­do que a men­sa­gem de Ka­lu­pe­te­kaé vis­ta co­mo um aten­ta­do ao pro­gra­ma de de­sen­vol­vi­men­to hu­ma­no que pas­sa, en­tre ou­tros, pe­la ele­va­ção do ní­vel de ins­tru­ção dos ci­da­dãos. Por ou­tro la­do, ela pa­re­ce re­ve­lar o bai­xo ní­vel de ins­tru­ção do pre­ga­dor que ten­ci­o­na­va cri­ar, num lo­cal inós­pi­to, um mun­do de ile­tra­dos, is­to é, à sua ima­gem e se­me­lhan­ça.

Uma aná­li­se mais pro­fun­da so­bre a sua men­sa­gem pa­re­ce re­ve­lar al­gum te­mor ou in­se­gu­ran­ça de Ju­li­noKa­lu­pe­te­ka em re­la­ção aos mem­bros da sua con is­são re­li­gi­o­sa com um ni­vel de ins­tru­ção su­pe­ri­or ao seu.

Co­mo se sa­be, a ins­tru­ção ha­bi­li­ta o in­di­ví­duo a exer­cer o po­der­da­crí­ti­ca­so­brea re­a­li­da­de so­ci­o­cul­tu­ral; a ins­tru­ção cria men­tes re le­xi­vas con­si­de­ra­das de “in­sub­mis­sas e re­bel­des” por cer­tos “pro­fe­tas”. Es­tes, com o te­mor da per­da do po­der e do ex­ces­si­vo pro­ta­go­nis­mo que têm no seio do re­ba­nho, des­va­lo­ri­zam a ci­ên­cia e so­bre­va­lo­ri­zam o co­nhe­ci­men­to re­li­gi­o­so, mui­tas ve­zes dis­tor­ci­do, com o qual se apre­sen­tam co­mo “au­to­ri­da­des in­con­tes­tá­veis e ir­re­fu­tá­veis” na in­ter­pre­ta­ção dos tex­tos sa­gra­dos, po­rém, pro­fa­na­dos pe­la con­du­ta in­de­co­ro­sa dos mes­mos.

Se­não, co­mo com­pre­en­der que um in­di­ví­duo, ou se­ja, um cren­te qua­li ica­do de “ka­pan­ga” por um su­pos­to «pro­fe­ta» se sin­ta aco­mo­da­do com tal ad­jec­ti­vo? So­men­te a per­ma­nên­cia no obs­cu­ran­tis­mo, que im­pos­si­bi­li­ta a lei­tu­ra e a in­ter­pre­ta­ção cor­rec­ta da men­sa­gem bí­bli­ca de amor, e a acei­ta­ção de cer­tos dog­mas, po­dem jus­ti icar a pas­si­vi­da­de do re­ba­nho, em ge­ral, e da ovelha em par­ti­cu­lar, di­an­te de ta­ma­nho des­res­pei­to!

Um Je­sus ile­tra­do?

Co­mo foi pos­sí­vel um me­ni­no com ape­nas 12 anos ida­de ter des­per­ta­do a ad­mi­ra­ção dos dou­to­res da Lei? (Lc. 2:41-52) Pa­ra os cris­tãos, a a ir­ma­ção se­gun­do a qual Je­sus Cris­to te­ria si­do anal­fa­be­to, ape­sar de ter si­do o mai­or pro­fe­ta, re­pre­sen­ta por si só um ac­to de dis­tor­ção e de pro­fa­na­ção do Evan­ge­lho. Por ou­tro la­do, es­ta­be­le­cer à for­ça uma con­ver­gên­cia en­tre o que te­ria si­do a con­di­ção so­ci­al de Cris­to com a deKa­lu­pe­te­ka,pa­re­ce ter si­do o mo­ti­vo da dis­tor­ção da men­sa­gem bí­bli­ca so­bre es­te pon­to.

Se as­sim for, di­re­mos que tal ob­jec­ti­vo es­tá lon­ge de ser al­can­ça­do, pois, ape­sar da Sua ori­gem di­vi­na, hu­ma­na­men­te Je­sus per­ten­cia à li­nha­gem do rei Da­vid, por­tan­to, de­ten­to­ra de um ele­va­do ní­vel de ins­tru­ção – ele­men­to im­por­tan­te pa­ra exer­cer o po­der e in luên­cia em Is­ra­el (ver o ca­so de Sa­lo­mão, ilho de Da­vid, no li­vro II de Cró­ni­cas, cap. 2). Con­cluin­do Sem pre­ten­são de con­cluir­mos a abor­da­gem do fe­nó­me­no, di­re­mos ape­nas que a his­tó­ria do kalupetekismo con­fun­de-se com a tra­jec­tó­ria de vi­da do seu lí­der in­ter­li­ga­da, du­ran­te al­gum tem­po, com a Igre­ja Ad­ven­tis­ta do Sé­ti­mo Dia. O es­tu­do da dou­tri­na pro­fes­sa­da por es­ta con is­são re­li­gi­o­sa nos pri­mei­ros tem­pos da sua exis­tên­cia cons­ti­tui um ele­men­to im­por­tan­te pa­ra a com­pre­en­são do re­fe­ri­do fe­nó­me­no.

Des­te mo­do, es­pe­ra­mos que ou­tras re le­xões so­bre o as­sun­to em re­fe­rên­cia se­jam tra­zi­das a es­te es­pa­ço com o pro­pó­si­to de en­ri­que­cer o de­ba­te so­bre um as­sun­to que diz res­pei­to a to­dos os ci­da­dãos.

Ove­lhas

Pa­pi­ros

João N’go­la Trin­da­de

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.