UM POU­CO DO ES­TA­DO AC­TU­AL DA AR­TE CON­TEM­PO­R­NEA EM AN­GO­LA

Jornal Cultura - - Artes -

Quan­do me pro­pus es­cre­ver pa­ra o jor­nal de Cul­tu­ra, as­sal­tou-me a se­guin­te ideia: so­bre o que es­cre­ve­ria eu ? En­tão pen­sei em es­cre­ver so­bre o ac­tu­al sis­te­ma ar­tís­ti­co e o es­ta­do da ar­te em Lu­an­da, An­go­la, aon­de acon­te­ce gran­de par­te dos mai­o­res even­tos de ar­te no mo­men­to. Ve­jo e vi­ven­cio coi­sas bo­as a acon­te­cer em Lu­an­da. Umas me­re­cem uma mai­or aten­ção, ou­tras nem por is­so me­re­cem tan­ta aten­ção da mi­nha par­te. Te­nho ido, quer em vi­si­ta, quer a tra­ba­lho e quan­do fa­lo de tra­ba­lho, fa­lo de ex­por as mi­nhas obras nos prin­ci­pais even­tos mun­di­ais de ar­te con­tem­po­râ­nea da ac­tu­a­li­da­de, ter­tú­li­as, en­con­tros com per- so­na­li­da­des. Daí pu­der es­ta­be­le­cer um ter­mo com­pa­ra­ti­vo com a pro­du­ção dos ar­tis­tas lo­cais, su­as di icul­da­des e de­bi­li­da­des.

Qua­se to­dos os ar­tis­tas con­tem­po­râ­ne­os meus, já se cru­za­ram comigo, quer em ver­nis­sa­ges, quer em inau­gu­ra­ções de ex­po­si­ções de co­le­gas e, des­ta a par­te, pos­so fa­lar do sis­te­ma ac­tu­al das ar­tes plás­ti­cas em An­go­la. Cla­ro que es­tas bre­ves li­nhas não espelham to­do o tra­jec­to que tem fei­to a Ar­te. Daí eu es­tar nes­te mo­men­to com o projecto de li­vro do que foi a Ar­te Con­tem­po­râ­nea An­go­la­na nos úl­ti­mos 100 anos, apro­xi­ma­da­men­te. Mas qui­se­ra com es­te pe­que­no es­quis- so de tex­to lem­brar ou re­lem­brar o que foi a ul­ti­ma década ou mo­men­tos mais mar­can­tes.

AR­TE DO PÓS-GUER­RA E UNAP

O sis­te­ma mal co­me­çou, mas já es­tá mo­ri­bun­do, nes­te pós-guer­ra, per­cor­ri­dos já apro­xi­ma­da­men­te 14 anos des­de o in­dar do con li­to bé­li­co que as­so­lou o país. Pas­sa­do es­te tem­po, não ve­mos qual­quer de­sen­vol­vi­men­to nes­te cam­po so­ci­al. Fal­tam sa­las pa­ra ex­po­si­ções e aqui fa­la­mos de ini­ci­a­ti­va pri­va­da/Es­ta­tal, mer­ca­do pri­má­rio, ga­le­ri­as. Nes­te con­tex­to, de­ve­ria de exis­tir uma ga­le­ria do Es­ta­do, com ini­ci­a­ti­vas es­ta­tais. Não te­mos… Ga­le­ria es­sa exis­ten­te em to­das as me­tró­po­les e que, de cer­ta for­ma, é o front dos me­lho­res ar­tis­tas na­ci­o­nais e in­ter­na­ci­o­nais. Co­mo é o ca­so da Ga­le­ria Ser­pen­ti­ne em Londres ou a Ber­li­na­le em Ber­lin. E, se te­mos al­gu­ma coi­sa den­tro des­ta área, que é o ca­so do Mu­seu de His­tó­ria Na­tu­ral (SIEXPO) ou o Sa­lão in­ter­na­ci­o­nal da UNAP, não têm mis­são, lin­gua­gem ar­tís­ti­ca (em in­glês “sta­te­ment”). Re­la­ti­va-

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.