DE­DÉ DE­DI­NHO DO MAR­ÇAL, CON­TO DE AN­TÓ­NIO QUI­NO

CON­TO de An­tó­nio Qui­no Ilus­tra­ção de Marcela Costa

Jornal Cultura - - Primeira Página -

Par­ti­lhan­do sol e lua com os an­ti­gos bal­neá­ri­os do bair­ro Mar­çal, ali bem ao la­do da lo­ja do sô Tavares do gás, va­ga­bun­de­a­va com frequên­cia um mi­zan­ga­la. De­dé De­di­nho de sua graça. Ho­ras. Di­as. Se­ma­nas. Me­ses.

Ao con­trá­rio dos ngu­los, De­di­nho não ma­ra­va se­não pa­ra o céu, mes­mo fos­san­do na ter­ra com a ga­na de ma­tar as lom­bri­gas que se amo­ti­na­vam no seu bu­cho, em­bo­ra sem lu­xo, mas com fo­me de hu­ma­no.

Ca­mi­nha­va tal qual um ra­fei­ro com o ra­bo en­tre as per­nas, en­cos­ta­do às pa­re­des. De­pois, sem­pre que se de­pa­ras­se com um va­zio de ca­sas, por me­nos cur­va que fos­se, ele pa­ra­va e de­sor­bi­ta­va-se em pre­ces ao tec­to do so­lo. Olha­va pa­ra­do. Pa­ra­do, ele olha­va. O de­do in­di­ca­dor da mão ca­nho­ta er­guia pa­ra apon­tar o in ini­to. Na­que­les ins­tan­tes, que não che­ga­vam a ser mi­nu­to, nin­guém o con­se­guia de­mo­ver. Nem mes­mo as pe­dras dos me­ni­nos ar­re­mes­sa­das con­tra o seu cor­po frá­gil e mal­tra­pi­lha­do. Nem mes­mo as gar­ga­lha­das da mo­ça­da in­gé­nua do Co­ro­nel à Ja­có. Nem até os res­mun­gos das ma­mãs no cha­fa­riz que o que­ri­am lon­ge da­li, gru­nhin­do ame­a­ças, por te­me­rem al­gu­ma mal­di­ção que jul­ga­vam es­tar ele a evo­car. Se sua graça se co­nhe­ce, mal se co­nhe­ce a sua des­gra­ça. Bo­cas su­ma­ren­tas no Mar­çal ju­ram de pés jun­tos que De­dé De­di­nho ti­nha si­do gra­ve­men­te atin­gi­do por on­da das for­tes, não di­fe­ren­te da­que­la do Ndom­be Gran­de ou do Ku­ro­ca. Do ta­ma­nho da­que­la do Gu­lun­go Al­to. Um fei­ti­ço que a gran­de­za de bra­ços so­ma­dos por na­tu­rais do Mar­çal não con­se­gui­ria kan­dan­dar. Tal pa­re­cia o ta­ma­nho do fei­ti­ço que nin­guém se ofe­re­cia pa­ra sal­var aque­le po­bre jo­vem as­se­nho­ra­do nas des­di­tas da vi­da.

Co­mo vi­via en­car­di­do, la­van­do­se em to­do o char­co de água que en­con­tras­se, acres­cen­ta­ram à fo­fo­ca que, quan­do no­vo, De­dé De­di­nho en­gra­vi­da­ra uma lin­da mo­ça na rua da Bri­ga­da. Lin­da afa­ma­da por tro­car de com­pa­nhei­ro ao sa­bor do seu ci­clo mens­tru­al. Sem tem­po pa­ra abor­tar, foi en­cos­ta­da a pa­re­de pe­los pais e de­pois de apon­tar o de­do in­di­ca­dor da mão ca­nho­ta, as fa­mí­li­as no lo­an­do sen­ta­ram.

Quan­do ques­ti­o­na­do pe­lo avô da me­ni­na Lin­da, De­dé De­di­nho te­rá in­sul­ta­do a fa­mí­lia:

- Eu, en­gra­vi­dar es­sa aí? Eu não dur­mo com su­jas, que chei­ram xi­xi e an­dam com to­dos! Por­tan­to, a gra­vi­dez ja­mais po­de­ria ser sua, ajun­tou sem mui­tos en­tre­tan­tos.

Se­guin­do-se aos bur­bu­ri­nhos e tor­pe­dos que mar­ca­ram as re­la­ções en­tre os gru­pos con­ten­do­res, veio a gra­ve re­ac­ção da fa­mí­lia da en­gra­vi­da­da na voz do an­cião:

- Si­lên­cio e res­pei­tem a mi­nha ida­de! – pe­diu, pa­ra a se­guir dis­pa­rar: – An­tão, o mi­ni­no falô que não dor­me com chu­ja! A mi­nha ne­ta já é que é a chu­ja? Nós na fa­mí­lia não lh’en­si­na­mo a to­mar ba­nho e a se lim­par quan­do saí da re­tre­te na ca­sa de ba­nho? – fez uma pau­sa pa­ra dei­xar as su­as pa­la­vras en­tra­nha­rem no co­ra­ção dos pre­sen­tes – Só se o mi­ni­no é no­cen­te e só se a mi­nha ne­ta mê­mo é chu­ja, por­que co­mo o mi­ni­no não dor­me com as chu­ja, você vais pas­sar o res­to dos teu dia a se la­var pra nun­ca que nun­ca ica chu­jo na fren­te das pes­soa!

Do ou­tro la­do hou­ve uma re­ac­ção vi­ru­len­ta, de­fen­den­do-se da pra­ga lan­ça­da ao seu me­ni­no. Mas Ti’mbu­ku, avô ma­ter­no da ra­pa­ri­ga al­ve­ja­da com um sé­men de pro­ve­ni­ên­cia até aí não iden­ti ica­do, nas cal­mas que só com mui­ta ida­de se con­se­gue ter, des­pa­chou-os:

- An­tão, o vos­so ilho não falô que não dor­me com chu­ja que chei­ra xi­xi? Tão cu’me­do atra­vés de quê? Pos­sam sair, que nós que­re­mo cho­ra a nos­sa ver­go­nha sem es­tra­nho na ca­sa.

As su­cu­len­tas bo­cas do Mar­çal que con­tam is­so, não pa­ram de ju­rar e ga­ran­tir, com um si­nal da cruz pe­lo meio, que re­al­men­te é ver­da­de a ver­são so­bre o en­car­di­do do Mar­çal.

Fo­ra as fo­fo­cas, De­dé De­di­nho vi­via olhan­do pa­ra o céu, apal­pan­do as pa­re­des e pro­nun­ci­an­do mo­nos­sí­la­bos que só ele en­ten­dia. Pre­su­mia-se.

Os pu­tos jo­ga­vam dar­dos so­bre o po­bre ho­mem. As ma­mãs, re­ce­an­do que o ac­to se pu­des­se re lec­tir so­bre os seus me­ni­nos, res­ga­ta­vam e fe­cha­vam os pe­ti­zes em ca­sa, re­pre­en­den­do-os com vo­lu­mo­sas in­ti­mi­da­ções e im­pro­pé­ri­os na de­vi­da me­di­da.

Sem­pre a par­ti­lhar sol e lua com os ar­re­do­res dos an­ti­gos bal­neá­ri­os do Mar­çal, De­dé De­di­nho con­ti­nu­a­va a frequên­cia. Meio cam­ba­le­an­te, far­tos ca­be­los es­pi­ca­ça­dos em es­pi­rais, bar­ba acas­ta­nha­da co­mo uma cer­ra­da ma­ta de­sam­pa­ra­da, ven­tre pro­e­mi­nen­te de grá­vi­da em tem­po de par­to emi­nen­te. No seu cor­po, ios de rou­pa que al­gum es­ti­lis­ta mais ou­sa­do te­ria fei­to for­tu­na se ne­le apos­tas­se.

De­dé De­di­nho apa­re­cia e de­sa­pa­re­cia do bair­ro Valódia pa­ra lá da rua da Bri­ga­da. Um ho­mem com as­pec­to re­pug­nan­te, mal chei­ro­so, que se ba­nha­va até nas águas das fos­sas, la­van­do o ca­nas­tro pre­en­chi­do por far­ra­pos e es­co­ri­a­ções di­ver­sas, al­gu­mas pa­re­cen­do fe­ri­das cró­ni­cas e ou­tras pro­vo­ca­das por dar­dos ar­re­mes­sa­dos pe­los seus ado­rá­veis apre­ci­a­do­res. Os mes­mos me­ni­nos que sa­bi­am in­clu­si­ve a sua ho­ra e es­pe­ra­vam- no pa­ra, ca­ri­nho­sa­men­te, ape­dre­ja­rem aque­le brin­que­do hu­ma­no.

As ma­mãs, dis­traí­das e en­tre­ti­das nas con­ver­sas do cha­fa­riz dos an­ti­gos bal­neá­ri­os, não se des­li­ga­vam das tra­qui­ni­ces dos seus re­ben­tos. O olhar po­li­ci­al es­ta­va sem­pre ne­les. Mas a e icá­cia da in­fân­cia su­pe­ra­va qua­se can­di­da­men­te a vi­gi­lân­cia ma­ter­nal. Até que che­gou um dia di­fe­ren­te. Tal co­mo ha­via apa­re­ci­do, de re­pen­te De­dé De­di­nho dei­xou de apa­re­cer. Os me­ni­nos, tris­tes, can­sa­ram- se de es­pe­rar com pe­dri­nhas nas mãos. Des­mo­ra­li­za­ram- se, mas não se des­mo­bi­li­za­ram. Con­quis­ta­ram o há­bi­to de ape­dre­jar vi­zi­nhos char­cos de água.

As ma­mãs es­tra­nha­ram a tris­te­za dos seus ilhos, mas tam­bém elas pre­o­cu­pa­das com o de­sa­pa­re­ci­men­to de De­di­nho. Su­jo ou en­car­di­do, mes­mo as mais res­pei­tá­veis igu­ras do Mar­çal per­gun­tam por De­dé De­di­nho.

Nu­ma es­tra­té­gi­ca pa­re­de da rua da Gi­gi, al­guém pin­chou uma lem­bran­ça. Fa­la­va mal do De­dé De­di­nho, além de lan­çar um pro­cu­ra de pa­ra­dei­ro meio jo­co­so. Reu­ni­dos na pra­ça da Cha­pa­da, des­gos­ta­ram da­que­la brin­ca­dei­ra con­tra tão pre­ci­o­sa des igu­ra. E um kim­bom­bei­ro foi man­da­do apa­gar aque­les di­ze­res.

Nas con­ver­sas, a bus­ca con­ti­nu­a­va. Com aque­le an­dar de ro­bocop não po­de­ria ter ido lon­ge. Nin­guém o iria rap­tar. So­bre­vi­vi­do ao fei­ti­ço do Ti’mbu­ku, mor­to era im­pen­sá­vel es­tar. Qu­em sa­be no avô Ki­to­ko po­de­ria ser des­co­ber­to acor­ren­ta­do. Tam­bém não. Ha­via ir­me­za na resposta.

As­sim, de re­pen­te, De­dé De­di­nho de­sa­pa­re­ceu do Mar­çal. E nin­guém mes­mo sa­bia di­zer que des­ti­no te­rá to­ma­do o De­dé De­di­nho.

Qu­em sa­be on­de es­ta­rá o De­dé De­di­nho, o en­car­di­do do Mar­çal?

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.