DA AU­DI­ÊN­CIA DE PAU­LO VI A NE­TO, CA­BRAL E MAR­CE­LI­NO

PRO­FU­SÃO DE INÉ­DI­TOS, 45 ANOS DE­POIS Da au­di­ên­cia de Pau­lo VI a Agos­ti­nho Ne­to Amíl­car Ca­bral e Mar­ce­li­no dos San­tos

Jornal Cultura - - Primeira Página - SI­O­NA CA­SI­MI­RO

Um co­ló­quio as­si­na­lou, a 1 de Ju­lho de 2015 em Lu­an­da, o 45 º ani­ver­sá­rio da au­di­ên­cia do Pa­pa Pau­lo VI aos três lí­de­res na­ci­o­na­lis­tas da Áfri­ca lu­só­fo­na. Me­di­tou- o sob a te­má­ti­ca “O Con­tri­bu­to das Igre­jas Cris­tãs no Pro­ces­so da In­de­pen­dên­cia de An­go­la”.

A jor­na­da re­pre­sen­tou a 6ª edi­ção dos ‘Diá­lo­gos em Fa­mí­lia”, tra­di­ci­o­nal ini­ci­a­ti­va ci­en­tí ica da Fun­da­ção An­tó­nio Agos­ti­nho Ne­to (FAAN). A pro­gra­ma­ção ori­gi­nal pre­via a pre­sen­ça do mo­çam­bi­ca­no Mar­ce­li­no Dos San­tos, úni­co sobrevivente dos três lí­de­res. Os dois ou­tros fo­ram o bis­sau-gui­ne­en­se Amíl­car Ca­bral e o an­go­la­no An­tó­nio Agos­ti­nho Ne­to. A saú­de im­pe­diu-o em úl­ti­ma ho­ra, acla­rou a ve­ne­ran­da viú­va do Pri­mei­ro an­go­la­no, Ma­ria Eu­gé­nia Ne­to, e an itriã da con­fe­rên­cia no Au­di­tó­rio das AAA. «Por ra­zões de saú­de e de ou­tra ín­do­le, al­gu­mas in­di­vi­du­a­li­da­des in­fe­liz­men­te não es­ta­rão pre­sen­te», acla­rou ao sau­dar a as­sis­tên­cia. Fron­ta­li­da­de e ver­da­de his­tó­ri­ca Nem es­ta fa­lha afec­tou a va­lia in­te­lec­tu­al do exer­cí­cio, que cul­mi­nou num fes­ti­val de re­ve­la­ções iné­di­tas, lon­ge de his­té­ri­co cul­to da per­so­na­li­da­de.

E a pró­pria viú­va deu o tom com es­tes ras­gos de fron­ta­li­da­de e ver­da­de his­tó­ri­ca: « As es­co­las ru­rais das igre­jas cris­tãs, além de abrir as por­tas ao do­mí­nio das le­tras e dos nú­me­ros, aju­da­ram a mo­der­ni­zar e a cons­ci­en­ci­a­li­zar os angolanos. Por es­sa ra­zão, uma boa par­te dos mi­li­tan­tes e guer­ri­lhei­ros da lu­ta de li­ber­ta­ção pro­vêm das igre­jas cris­tãs, dos quais des­ta­co o Có­ne­go Ma­nu­el das Ne­ves, Jo­a­quim Pinto de An­dra­de, Re­ve­ren­do Do­min­gos da Sil­va, en­tre ou­tros. (…) As igre­jas cris­tãs tam­bém ti­ve­ram um pa­pel dú­bio e am­bí­guo nas su­as re­la­ções com a ad­mi­nis­tra­ção co­lo­ni­al. Por es­se fac­to cri­a­ram al­gu­ma ten­são com o mo­vi­men­to de li­ber­ta­ção na­ci­o­nal. Mais tar­de, a igre­ja cris­tã foi an­go­la­ni­za­da e pas­sou a jo­gar um pa­pel im­por­tan­te na co­e­são so­ci­al de An­go­la e na de­fe­sa da uni­da­de e in­te­gri­da­de ter­ri­to­ri­al.»

Na mes­ma li­nha, Ma­ria Eu­gé­nia Ne­to enal­te­ceu os so­gros, Rev. Agos­ti­nho Pedro Ne­to, pai de Agos­ti­nho Ne­to e sua mãe, D. Ma­ria da Sil­va, «pe­lo tra­ba­lho que re­a­li­za­ram na Igre­ja Me­to­dis­ta Uni­da».

Cou­be a hon­ra da aber­tu­ra dos tra­ba­lhos ao Se­cre­tá­rio do Bu­re­au Po­lí­ti­co pa­ra os Ve­te­ra­nos da Pá­tria e An­ti­gos Com­ba­ten­tes, Pau­lo Kas­so­ma. Seu bre­ve dis­cur­so rea ir­mou o re­co­nhe­ci­men­to do par­ti­do no po­der ao con­tri­bu­to das Igre­jas na con­quis­ta da in­de­pen­dên­cia de An­go­la.

A FAAN em­par­cei­rou com o Cen­tro de Es­tu­dos ‘Po­pu­lo­rum Pro­gres­sio-An­go­la’, na pre­pa­ra­ção e or­ga­ni­za­ção des­ta 6 ª edi­ção dos ‘ Diá­lo­gos em Fa­mí­lia’.

Pro­mo­ção de ho­mens que pos­sam con­du­zir

Um co­que­tel de 12 pa­les­tran­tes in­tro­du­ziu o de­ba­te em ca­da oca­sião du­ran­te 20 mi­nu­tos.

Dois vi­e­ram do Va­ti­ca­no, de­sig­na­da­men­te: Dom Car­los Al­ber­to de Azevedo, Ar­ce­bis­po, His­to­ri­a­dor, De­le­ga­do do Pon­ti ício Con­se­lho pa­ra a Cul­tu­ra; o Prof. Fi­lo­me­no Lo­pes, Bis­sau-gui­ne­en­se, jornalista da ´Ra­dio Va­ti­ca­no´. Com o An­go­la­no Si­o­na Ca­si­mi­ro, exu­ma­ram a me­mó­ria da his­tó­ri­ca au­di­ên­cia, com iné­di­tos por­me­no­res e rico exer­cí­cio ilo­so­fal.

O pre­la­do, em par­ti­cu­lar, des­ven­dou a in luên­cia de­ci­si­va do Ar­ce­bis­po de Co­na­cri na épo­ca, no sur­pre­en­den­te aco­lhi­men­to do Pa­pa.

Ex­pli­ci­tan­do su­as fon­tes atu­ra­da­men­te pes­qui­sa­das, o ve­te­ra­no Si­o­na fri­sou:

A au­di­ên­cia do Pa­pa foi pre­ce­di­da de ver­da­dei­ras “ne­go­ci­a­ções”, em que in­ter­vi­e­ram di­ver­sas fi­gu­ras ita­li­a­nas, ca­tó­li­cas, aten­tas à cau­sa dos po­vos afri­ca­nos. (…) Es­tas pes­so­as, que co­nhe­ci­am a re­a­li­da­de afri­ca­na, con­se­gui­ram que o pe­di­do de au­di­ên­cia fos­se exa­mi­na­do, pe­di­do que o Pa­pa ime­di­a­ta­men­te aco­lheu de mo­do fa­vo­rá­vel.”

O Pa­pa mos­trou- se de­fen­sor da jus­ti­ça so­ci­al e da in­de­pen­dên­cia dos po­vos, ten­do re­co­men­da­do o uso de mé­to­dos pa­cí­fi­cos aos seus in­ter­lo­cu­to­res.

Tam­bém, lhes dis­se que a ques­tão mais im­por­tan­te de mo­men­to era a pro­mo­ção de ho­mens que pos­sam con­du­zir a evo­lu­ção da si­tu­a­ção.

No im da au­di­ên­cia, ofe­re­ceu um exem­plar da En­cí­cli­ca ‘Po­pu­lo­rum Pro­gres­sio’ a ca­da um

Co­men­tá­rio de um Pre­la­do Li­be­ral sob ano­ni­ma­to na al­tu­ra à AFP: «A sur­pre­sa das pes­so­as não dei­xa de me es­pan­tar: se­rá que não con­se­guem com­pre­en­der o Pa­pa? Há anos que os con­tes­ta­do­res da di­rei­ta e da es­quer­da di­fun­dem uma ima­gem in­fan­til e de­for­ma­da de Pau­lo VI. O Pa­pa da En­cí­cli­ca ‘Po­pu­lo­rum Pro­gres­sio’ e das vi­si­tas aos bair­ros de la­ta é um dos cen­so­res mais lú­ci­dos da so­ci­e­da­de de con­su­mo».

No­tá­vel pa­les­tran­te foi, ain­da, o Dr. Je­an-Léo­nard Tou­a­di. Emi­gra­do de Con­go-Braz­za­vil­le, é ho­je em dia As­ses­sor do Mi­nis­té­rio das Re­la­ções Ex­te­ri­o­res da Itá­lia, on­de che­gou a ser de­pu­ta­do. Abran­gên­cia ecu­mé­ni­ca A abran­gên­cia ecu­mé­ni­ca ca­rac­te­ri­zou igual­men­te es­te VI Diá­lo­go em Fa­mí­lia, com sor­ra­tei­ros avi­sos pro­fé­ti­cos à na­ve­ga­ção ho­di­er­na.

A CEAST fa­lou por D Fran­cis­co Vi­ti, Ar­ce­bis­po Emé­ri­to do Huambo, e D Zacarias Kamwe­nho, Ar­ce­bis­po Emé­ri­to do Lu­ban­go.

O pri­mei­ro lem­brou o seu pri­mei­ro fren­te-a-fe­ren­te pri­va­do com Ne­to. Ba­se­a­do nas im­pres­sões que lhe dei­xou aque­le con­tac­to, exor­tou as jo­vens ge­ra­ções a me­re­ce­rem do or­gu­lho de per­ten­cer e cons­truir uma Na­ção Afri­ca­na, li­vre e em paz no mun­do.

D Kamwemho fez uma in­cur­são no re­mo­to re­co­nhe­ci­men­to da Igre­ja Ca­tó­li­ca da iden­ti­da­de es­pe­cí ica das po­pu­la­ções au­tóc­to­nes de An­go­la. Evo­cou, de se­gui­da, a sua lo­ca­li­za­ção na al­tu­ra da cé­le­bre au­di­ên­cia, o im­pac­to no seio do jo­vem cle­ro au­tóc­to­ne e a in­ci­dên­cia na eman­ci­pa­ção ace­le­ra­da do mes­mo - pro­ces­so em cur­so até ago­ra. Re­al­çou co­mo par­ti­lhou a ale­gria dos tem­pos da in­de­pen­dên­cia, en­can­ta­do com a poesia das es­tre­las até na­ci­o­na­li­za­das pe­lo Po­vo. E ter­mi­nou com a di­ver­ti­da pi­a­da de in­ter­ro­gar «co­mo es­tá o bri­lho das es­tre­las ho­je?».

In­ter­vi­e­ram, tam­bém, o Bis­po Emí­lio de Carvalho, Emé­ri­to da Igre­ja Me­to­dis­ta, e o Bis­po Gas­par Do­min­gos, em vi­gên­cia na mes­ma con is­são. Am­bos sa­li­en­ta­ram as vi­cis­si­tu­des es­pe­ci­ais a que fo­ram sub­me­ti­dos cor­re­li­gi­o­ná­ri­os da sua fé e pas­to­res, em pro­por­ção aos ou­tros.

Diá­lo­go em fa­mí­lia

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.