DE­MO­CRA­CIA CUL­TU­RAL E PRE­CON­CEI­TO CRÍTICO

Jornal Cultura - - Primeira Página - JO­SÉ LUÍS MENDONÇA

Em An­go­la, a prá­ti­ca do de­ba­te cul­tu­ral in­ter pa­res e, até mes­mo, a pró­pria crítica das Ar­tes e das Le­tras me­re­cia uma mai­or re­gu­la­ri­da­de e abran­gên­cia. Qu­a­ren­ta anos após a in­de­pen­dên­cia, é do­lo­ro­so cons­ta­tar que qua­se per­deu eco, no seio da clas­se ar­tís­ti­ca, o rep­to lan­ça­do pe­lo pri­mei­ro pre­si­den­te an­go­la­no, na UEA, a 8 de Janeiro de 1979: “É ne­ces­sá­rio o mais alar­ga­do pos­sí­vel de­ba­te de Idei­as. (..)”

Com a in­de­pen­dên­cia, vi­ria a agu­çar-se no rei­no trans­ver­sal da Cul­tu­ra a pro­ble­má­ti­ca co­lo­ni­al da di­ver­si­da­de et­no-lin­guís­ti­ca e das re­per­cus­sões do con li­to in­ter­no no es­pí­ri­to da ci­da­da­nia cul­tu­ral, pro­vo­can­do uma cer­ta au­to-cen­su­ra ou re­trai­men­to no cam­po da crítica en­saís­ti­ca. Es­te é um do­mí­nio es­pe­ci­a­li­za­do cu­ja com­pe­tên­cia in­te­lec­tu­al é de­ter­mi­na­da pe­lo apren­di­za­do uni­ver­si­tá­rio, as­sen­te na cri­a­ção de pes­qui­sa­do­res, que só che­gam a es­te pa­ta­mar de­pois de te­rem de­vo­ra­do um mar de obras li­te­rá­ri­as e ci­en­tí icas. Ora, o sis­te­ma de En­si­no Su­pe­ri­or em An­go­la não con­se­guiu pro­du­zir mas­sa crítica su ici­en­te e com­pe­ten­te (de­vi­do à per­da do há­bi­to da lei­tu­ra e aos cur­ri­cu­la me­ra­men­te teó­ri­cos dos cur­sos de Le­tras) pa­ra afe­rir so­bre os li­vros e as ou­tras di­men­sões da Cul­tu­ra que se pro­du­zi­ram nes­te pe­río­do. Es­ta cons­ta­ta­ção é ba­se­a­da nos meus con­tac­tos com os jo­vens saí­dos das Aca­de­mi­as de Le­tras, que, na sua mai­o­ria, nun­ca le­ram nem 10% dos Au­to­res Clás­si­cos angolanos. Es­sa ili­te­ra­cia li­te­rá­ria tor­na-os in­ca­pa­zes de uma ava­li­a­ção her­me­nêu­ti­ca subs­tan­ci­al das di­ver­sas ma­ni­fes­ta­ções cul­tu­rais, a co­me­çar pe­la pró­pria Li­te­ra­tu­ra. Os nos­sos jo­vens, sal­vo ra­ras ex­cep­ções não são en­si­na­dos a se­rem au­to­di­dac­tas. E qu­em to­ma es­se lu­gar na ava­li­a­ção das Ar­tes e das Le­tras são os aca­dé­mi­cos es­tran­gei­ros, na sua mai­o­ria ei­va­dos de um es­pí­ri­to de pa­ter­na­lis­mo, e que não li­dam con­nos­co, por­tan­to, não co­nhe­cem o en­tor­no só­cio-cul­tu­ral nem a al­ma do cri­a­dor.

Mes­mo se qui­ser­mos sub­trair-nos des­sa cri­se de pen­sa­men­to aca­dé­mi­co e acei­tar­mos as ava­li­a­ções das Ar­tes e das Le­tras fei­tas por au­to­di­dac­tas, o que é mui­to be­né ico e já te­ve, en­tre nós, bons cul­to­res, a ques­tão her­me­nêu­ti­ca, a ver­da­dei­ra in­ter­pre­ta­ção crítica da obra de Ar­te (Li­te­ra­tu­ra, Ar­tes Plás­ti­cas, En­saís­ti­ca) é, nos di­as de ho­je, cul­ti­va­da em grau ze­ro e ins­ta­lou-se no nos­so seio uma au­tên­ti­co pre­con­cei­to con­tra o jor­na­lis­mo cul­tu­ral, cu­jo pi­lar fun­da­men­tal é a ab­sor­ção crítica do cam­po sim­bó­li­co ins­tau­ra­do pe­la Cul­tu­ra. Es­te va­zio crítico ve­ge­ta no seio da Cul­tu­ra an­go­la­na co­mo au­tên­ti­co Cos­tu­me, de tal for­ma que to­do o pro­du­to ar­tís­ti­co lan­ça­do no mer­ca­do é apre­sen­ta­do co­mo uma obra-pri­ma, dig­na de aplau­so.

Po­rém, o que é mais do­lo­ro­so é que to­do aque­le que ten­tar le­van­tar a luz so­bre es­te pre­con­cei­to crítico, ou ten­tar apre­sen­tar uma aná­li­se mais apro­fun­da­da do ob­jec­to ar­tís­ti­co, é li­mi­nar­men­te es­cor­ra­ça­do, sen­do, por ve­zes, con­fron­ta­do com um cer­to ódio e re­van­chis­mo que já res­va­lou na im­pren­sa pri­va­da, pa­ra “argumentos” de ca­riz ét­ni­co e ou­tros que é ver­go­nho­so aqui men­ci­o­nar.

Aa­va­li­a­ção crítica (da for­ma e do con­teú­do) de um pro­du­to cul­tu­ral ex­pos­to ao con­su­mo pú­bli­co – nem sem­pre unâ­ni­me e, por ve­zes, tam­bém ela fa­lí­vel, co­mo to­da a obra hu­ma­na – aju­da, no en­tan­to, a me­lho­rar o de­sem­pe­nho do ar­tí ice cul­tu­ral e a for­ta­le­cer os pro­gra­mas do Exe­cu­ti­vo nes­te sec­tor. Ain­da que se­ja pe­lo sim­ples fac­to de sus­ci­tar a re le­xão e o de­ba­te so­bre os di­fe­ren­tes as­pec­tos da Vi­da Cul­tu­ral da Na­ção. O con­trá­rio, a au­sên­cia rei­te­ra­da de crítica ci­en­tí ica e im­par­ci­al e o pre­con­cei­to crítico, é pu­ra ilu­são e fal­si ica­ção da nos­sa Vi­da Cul­tu­ral.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.