EGOÍS­MO DA UR­BA­NI­ZA­ÇÃO MO­DER­NA

Jornal Cultura - - Primeira Página - IMANNI DA SIL­VA

Olha­mos pa­ra os Ar­ra­nha-céus que aos pou­cos to­mam con­ta da nos­sa ci­da­de ca­pi­tal e pen­sa­mos que es­tá a me­lho­rar a apa­rên­cia da mes­ma dan­do um to­que mo­der­no com chei­ri­nho a 1ºmun­do com ar­qui­tec­tu­ra fu­tu­ris­ta dan­do lu­gar a no­vas re­si­dên­ci­as ou es­ta­be­le­ci­men­tos co­mer­ci­ais. A ver­da­de é que por mais que es­tes monstros nos se­jam úteis ou pos­sam em­be­le­zar a ci­da­de tam­bém es­con­dem a be­le­za dos es­pa­ços e edi íci­os que em­bo­ra com ru­gas nos seus te­lha­dos não dei­xam de en­can­tar com a sua im­po­nen­te pre­sen­ça em­bo­ra pa­re­çam umas cri­an­ças ain­da a en­ga­ti­nhar ao la­do dos gi­gan­tes­cos adul­tos de con­cre­to. Os edi íci­os per­ten­cen­tes a Lu­an­da an­ti­ga des­per­tam em mim en­can­to por trans­por­ta­rem-me a tem­pos que não vi­vi e fú­ria pe­la fal­ta de aten­ção e des­pre­zo que so­frem. Nos Paí­ses on­de a in­te­li­gen­te in­dús­tria do tu­ris­mo pre­ser­va e glo­ri ica mo­nu­men­tos de até 1000 anos re­co­nhe­ce a im­por­tân­cia não só de man­ter vi­va a sua his­tó­ria tal co­mo a ne­ces­si­da­de de fas­ci­nar e apai­xo­nar os tu­ris­tas que com en­tu­si­as­mo bus­cam al­go com­ple­ta­men­te di­fe­ren­te do seu País de ori­gem. Já Ima­gi­na­ram se fos­se de­mo­li­da a fan­tás­ti­ca Ca­te­dral de No­tre Da­me de Pa­ris com os seus 852 anos pa­ra dar lu­gar a um no­vo ho­tel, ou o Co­li­seu de Ro­ma inau­gu­ra­do no ano 80 D.C pa­ra um cen­tro co­mer­ci­al ou até as eter­nas pi­râ­mi­des do Egip­to pa­ra um no­vo con­do­mí­nio de lu­xo? Pa­ra nós é im­pen­sa­vel tal co­mo en­di­rei­tar a fa­bu­lo­sa­men­te tor­ta tor­re de Pi­sa. A fal­ta de in­te­res­se em pre­ser­var os nos­sos ve­lhos edi ici­os é im­pres­si­o­nan­te até um no­vo Su­per mer­ca­do es­tá a ser cons­truí­do de fren­te ao for­te de São Mi­guel e só es­pe­ro que não ga­nhe mais an­da­res que aca­ba­ri­am por cu­bri-lo de to­do dei­xan­do ape­nas co­mo pre­sen­ça a ban­dei­ra na­ci­o­nal. Eu per­gun­to o porquê do pou­co in­te­res­se em pre­ser­var os edi ici­os da era co­lo­ni­al? Lem­bro­me que se não fos­se pe­lo des­con­ten­ta­men­to e ma­ni­fes­ta­ção do pú­bli­co o Pa­lá­cio Dna Ana Jo­a­qui­na tal­vez não ti­ves­se si­do re­cons­truí­do on­de ho­je fun­ci­o­na o Tri­bu­nal pro­vin­ci­al de Lu­an­da( ape­sar de se pre­ser­var a his­tó­ria sem­pre ser­viu pa­ra al­go) Que ri­dí­cu­lo e que ver­go­nha pa­ra nós angolanos aos pou­cos ter­mos me­nos pa­ra mos­trar aos vi­si­tan­tes da nos­sa ci­da­de ca­pi­tal. O es­tran­gei­ro não vem pa­ra ver os pré­di­os mo­der­nos mas sim pe­ga­das de nos­sa his­tó­ria e cul­tu­ra e que­ren­do ou não a ar­qui­tec­tu­ra não fo­ge a re­gra. In­fe­liz­men­te o Elin­ga tea- tro irá abai­xo pa­ra su­pos­ta­men­te dar lu­gar a um par­que de es­ta­ci­o­na­men­to e di­vi­din­do opi­niões so­bre o seu es­ta­do de pre­ser­va­ção al­guns acham que me­re­ce mor­rer por es­tar a cair aos bo­ca­dos ou­tros co­mo eu acre­di­tam de que po­de­ria ser re­mo­de­la­do ou ate mes­mo re­cons­truí­do dan­do lu­gar a um no­vo Cen­tro cul­tu­ral pois já te­mos pou­cos. Se­rá que não se ve de que se apos­ta­rem na con­ser­va­ção e fun­ci­o­na­men­to des­tes es­pa­ços o País ga­nha­ria eco­no­mi­ca­men­te ten­do sem­pre mais pa­ra atraír tu­ris­tas de to­do o mun­do? Que­rem imi­tar Dubai mas es­que­cem-se de que es­te País en­ri­que­ceu gra­ças ao tu­ris­mo? Sem dei­xar de sa­li­en­tar de que o Dubai que , o que não é o nos­so ca­so. Es­tes es­pa­ços são ven­di­dos a em­pre­sas que por sua vez não pen­sam du­as ve­zes em os trans­for­ma­rem em pó. E que é que ga­nha com is­to tu­do? No meio de tan­ta in­dig­na­ção ain­da te­mos o bri­lho do Ban­co Na­ci­o­nal de An­go­la. Fi­nal­men­te o Mu­seu Na­ci­o­nal de His­tó­ria Na­tu­ral es­tá a re­ce­ber aten­ção ci­rur­gi­ca e só fal­ta a tor­re do Por­to de Lu­an­da fa­zer jus a sua ma­jes­to­sa pre­sen­ça anun­ci­an­do aos lu­an­den­ses o pas­sar das ho­ras com um som ca­paz de in­ti­mi­dar o rei da sel­va. Não sou con­tra a mo­der­ni­za­ção da nos­sa ci­da­de, mui­to pe­lo con­trá­rio acho que de­ve­mos cons­truír no­vos es­pa­ços que se­jam úteis e fun­ci­o­nais fa­ci­li­tan­do a vi­da de seus ha­bi­tan­tes mas acre­di­to de que abra­çar o nos­so pas­sa­do e man­te-lo en­gran­de­ce e em­be­le­za mui­to mais a nos­sa ci­da­de. So­bre is­to há mui­to mais pa­ra es­cre­ver por is­so es­tou a ter­mi­nar uma pes­qui­sa re­la­ci­o­na­da ao mais re­cen­te lan­ça­men­to li­te­rá­rio in­ti­tu­la­do AN­GO­LA CI­NE­MAS um projecto de Wal­ter Fernandes e Mi­guel Hurst em con­jun­to com o Go­ethe-Institut.

CON­TI­NUA...

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.