2. A “ge­ra­ção ki­zom­ba”: uma tran­si­ção di­nâ­mi­ca

SO­BRE A MÚ­SI­CA PO­PU­LAR AN­GO­LA­NA

Jornal Cultura - - Artes - MBANGULA KATÚMUA

Após in­de­pen­dên­cia na­ci­o­nal, con­quis­ta­da em 1975, deu-se ao en­cer­ra­men­to de vá­ri­as gra­va­do­res no país, fac­to que afec­tou di­rec­ta­men­te a pro­du­ção mu­si­cal ten­do si­do, pos­te­ri­or­men­te, o ce­ná­rio mu­si­cal an­go­la­no do­mi­nan­do pe­la mú­si­ca an­ti­lha­na e ca­bo-ver­di­a­na. Co­mo resposta na­tu­ral, no de­al­bar da década de oi­ten­ta sur­ge um no­vo e vi­go­ro­so mo­vi­men­to ar­tís­ti­co impulsionado por jo­vens mú­si­cos reu­ni­dos em tor­no de vá­ri­os agru­pa­men­tos e pro­jec­tos mu­si­cais. Tra­ta-se da ge­ra­ção do ki­zom­ba. Uma ge­ra­ção de jo­vens en­tu­si­as­tas e afoi­ta, na mai­o­ria sem gran­de for­ma­ção mu­si­cal pré­via, que pro­cu­rou es­ta­be­le­cer uma rup­tu­ra na con­ti­nui­da­de. O ki­zom­ba sur­ge an­tes co­mo uma dan­ça, uma for­ma mo­der­na, na al­tu­ra, de se dan­çar o sem­ba nas ki­zom­ba­das - co­mo eram cha­ma­das as fes­tas na al­tu­ra. Uma dan­ça ori­gi­ná­ria da mas­sem­ba, tal co­mo o sem­ba. As su­as es­tru­tu­ras rít­mi­cas e for­mas me­ló­di­cas têm ori­gens dis­per­sas en­tre a mú­si­ca ca­bo-ver­di­a­na, con­go­le­sa, an­ti­lha­na e até mes­mo nor­tea­me­ri­ca­na, por for­ça dis­so fo­ram in­tro­du­zi­dos no­vos ins­tru­men­tos ao apa­ra­to mu­si­cal dos ar­tis­tas.

Edu­ar­do Paim Ferreira da Sil­va, ou sim­ples­men­te Edu­ar­do Paim é ge­ral­men­te ci­ta­do por es­tu­di­o­sos co­mo o prin­ci­pal pre­cur­sor des­ta no­va ge­ra­ção de mú­si­cos, por ter cri­a­do em 1979 a pri­mei­ra ban­da de ki­zom­ba de­no­mi­na­da “Os Pu­ros”. In­te­gra­vam es­ta jo­vem ban­da, cri­a­da na es­co­la Nzin­ga Mban­di, Bruno La­ra (con­tra-bai­xo e tel­cas) e Le­vi Mar­ce­li­no(gui­tar­ra rit­mo) e mais tar­de Nel­son(vi­o­la bai­xo), Ferreira (gui­tar­ra so­lo), Chi­co Mad­ne, Cas­sé (es­cri­tor), Bi­bi (per­cur­são), Sim­mons (tel­cas), co­mo os quais anos de­pois cri­am a sau­do­sa Ban­da “SOS”. Uma ban­da de mãos chei­as, que es­ban­ja­va cri­a­ti­vi­da­de atra­vés das rit­ma­das me­lo­di­as, dos tex­tos poé­ti­cos de Cas­sé bem mu­si­ca­dos ou dos ex­ce­len­tes du­e­tos en­tre Edu­ar­do Paim e Pau­lo Flo­res. Qu­em não se lem­bra do acla­ma­do te­ma “pro­ces­sos da ban­da”? Ini­ci­a­va as­sim uma no­va fa­se da nos­sa mú­si­ca po­pu­lar. Era a ge­ra­ção da ki­zom­ba que se ins­ta­la­va em meio ao va­zio dei­xa­do pe­la mú­si­ca da ge­ra­ção de qu­a­ren­ta que a mú­si­ca es­tran­gei­ra es­ta­va a ocu­par.

Ou­tra re­fe­rên­cia in­con­tor­ná­vel na his­tó­ria da ki­zom­ba são os “Ka­nau­as”. Uma ban­da tam­bém cri­a­da por Edu­ar­do Paim, após o des­mem­bra­men­to da ban­da “SOS”. Foi nes­ta ban­da em que se for­ja­ram os mú­si­cos Ru­ca Van- Du­ném, Mo­niz de Al­mei­da e Sim­mons Man­ci­ni. Edu­ar­do Paim es­te­ve tam­bém en­vol­vi­do, com Ru­ca Van-Dú­nem, Ri­car­do Abreu e Lu­an­di­no, no projecto Ki­ji­la I,II e III con­si­de­ra­do gran­de mar­co na cons­tru­ção e es­ti­li­za­ção des­te gé­ne­ro mu­si­cal.

Pau­lo Flo­res é sem dú­vi­das ou­tra gran­de re­fe­rên­cia des­sa ge­ra­ção aguer­ri­da de mú­si­cos que sou­be sem­pre, além de man­ter ace­sas as cha­mas da cul­tu­ra an­go­la­na me­di­an­te a as­sun­ção de um po­si­ci­o­na­men­to le­xí­vel e aber­to di­an­te das tendências das úl­ti­mas três dé­ca­das mu­si­cais, in­ter­pre­tar com al­ma o quo­ti­di­a­no dos angolanos. A sua sen­si­bi­li­da­de mu­si­cal foi já ve­zes sem con­ta ad­mi­ra­da por co­nhe­ci­dos crí­ti­cos, co­mo Je­ró­ni­mo Be­lo e mú­si­cos co­mo Mo­rei­ra Fi­lho pa­ra qu­em Pau­lo Flo­res “não é ape­nas um mú­si­co ta­len­to­so, é uma pes­soa de al­ma no­bre, com­pro­me­ti­do com a mú­si­ca e os mú­si­cos”. Es­ta ge­ra­ção icou tam­bém co­nhe­ci­da co­mo a ge­ra­ção da re­vo­lu­ção da mú­si­ca mo­der­na an­go­la­na. Sen­do que o sen­ti­do atri­buí­do ao “mo­der­no” nos re­me­te pa­ra fa­se de­pois da in­de­pen­dên­cia quan­do se in­tro­du­zem e mas­si icam a uti­li­za­ção de no­vos ins­tru­men­tos e téc­ni­cas mu­si­cais, co­mo o pi­a­no, as gui­tar­ras eléc­tri­cas e os sin­te­ti­za­do­res.

Es­ta fa­se que vai des­de prin­cí­pi­os dos anos oi­ten­ta até prin­cí­pi­os da década de dois mil icou mar­ca­da em ter­mos de tendências, por di­fe­ren­tes gé­ne­ros mu­si­cais, al­guns ape­nas va­ri­a­ções dos ou­tros, do­mi­na­vam os es­ti­los ki­zom­ba, ki­la­pan­ga, zouk e ku­du­ro. Ac­tu­al­men­te, so­men­te o sem­ba, ku­du­ro e ki­zom­ba po­dem ser con­si­de­ra­dos mú­si- cas po­pu­la­res. Em ver­da­de, pen­sa­mos que crí­ti­cos mais con­ser­va­do­res se­ri­am mes­mo ca­pa­zes de ex­cluir a ki­zom­ba des­ta lis­ta. O mes­mo se po­de di­zer da tar­ra­xi­nha, gé­ne­ro nas­ci­do no mes­mo pe­río­do em que o ku­du­ro, década de no­ven­ta. A tar­ra­xi­nha não obs­tan­te ser bas­tan­te con­su­mi­da, so­bre­tu­do en­tre as mais jo­vens ge­ra­ções, não se ele­vou ain­da ao ní­vel da ca­te­go­ria de mú­si­ca po­pu­lar, se­ja por não pos­suir um cor­po iel de exe­cu­tan­tes, se­ja por se apre­sen­tar, em ter­mos es­tru­tu­rais e de con­su­mo, mais co­mo uma dan­ça do que mú­si­ca pro­pri­a­men­te. Tra­ta-se de um gé­ne­ro que mais pri­vi­le­gia a com­po­nen­te ins­tru­men­tal e aco­lhe pou­co a vo­ca­li­za­ção, ape­lan­do a sen­su­a­li­da­de nos mo­vi­men­tos. É se­gu­ra­men­te uma das dan­ças da ac­tu­a­li­da­de mais ín­ti­ma e eró­ti­ca. Di­fe­ren­te do ku­du­ro, a tar­ra­xi­nha ain­da so­fre gran­de crítica e re­pú­dio das fran­jas mais con­ser­va­do­ras da so­ci­e­da­de an­go­la­na, fac­to que be­lis­ca a sua po­pu­la­ri­da­de e con­su­mo.

Pa­re­ce-nos útil abrir aqui um pa­rá­gra­fo pa­ra es­cla­re­cer uma ques­tão con­si­de­ra­da por mui­tos co­mo tri­vi­al mas que, no ac­tu­al pa­no­ra­ma da mú­si­ca an­go­la­na, tor­na-se im­pe­ri­o­so ilu­mi­nar: A di­fe­ren­ça en­tre “mú­si­ca po­pu­lar” e “mú­si­co po­pu­lar”. Pri­mei­ro ca­be di­zer que um mú­si­co po­de se tor­nar po­pu­lar sem can­tar um gé­ne­ro mu­si­cal po­pu­lar. Os rap­pers Ya­nick, Kid MC e NGA são exem­plo dis­so. São mú­si­cos mui­to po­pu­la­res, por pos­suí­rem se­gui­do­res e a sua mú­si­ca ser con­su­mi­da por vá­ri­os mi­lhões de angolanos. Es­te fac­to não tor­na o gé­ne­ro mu­si­cal RAP num gé­ne­ro po­pu­lar, o mes­mo se apli­ca ao mú­si­co An­sel­mo Ralph, pa­ra o ca­so do RNB. Exis­tem, por ou­tro la­do, mú­si­cos anó­ni­mos que can­tam mú­si­ca po­pu­lar. Os prin­ci­pais in­di­ca­do­res cos­tu­mam a ser a quan­ti­da­de de exe­cu­to­res, o ní­vel de acei­ta­ção e con­su­mo pú­bli­co. Já hou­ve ca­sos em que cer­tos mú­si­cos usa­ram a sua po­pu­la­ri­da­de pa­ra tor­nar po­pu­lar um gé­ne­ro mu­si­cal. Tra­tar-se de uma dis­tin­ção di ícil e cer­ca­da de gran­de po­lé­mi­ca en­tre es­tu­di­o­sos. En­tre as cor­ren­tes que pre­fe­rem mo­bi­li­zar va­riá­veis eco­nó­mi­cas e ou­tras as­so­ci­a­das as con­di­ções de pro­du­ção e cir­cu­la­ção e as cor­ren­tes que se cen­tram nos as­pec­tos es­té­ti­cos, de inin­do-a qua­se sem­pre em con­tra­pon­to com a mú­si­ca tra­di­ci­o­nal e/ou eru­di­ta, pa­re­ce-nos mais útil - em vez de op­tar por cri­té­ri­os dis­jun­ti­vos - to­mar­mos uma po­si­ção crítica eclé­ti­ca, aque­la que en­ca­ra a mú­si­ca po­pu­lar co­mo o re­sul­ta­do de uma fu­são de es­ti­los e in luên­ci­as da mú­si­ca tra­di­ci­o­nal e da mú­si­ca eru­di­ta, di­ri­gi­da e acei­te en­tre as mas­sas po­pu­la­res e que te­nha ins co­mer­ci­ais.

Con­si­de­ran­do as ac­tu­ais ló­gi­cas de fun­ci­o­na­men­to do mer­ca­do cul­tu­ral e ar­tís­ti­co an­go­la­no mui­tos gé­ne­ros mu­si­cais, pe­la sua acei­ta­ção e con­su­mos mas­si­vos, che­gam a pas­sar a ideia de se­rem “mú­si­ca po­pu­lar”. Es­sa ideia re­ve­la-se fal­sa pois não pas­sam ao teste da pe­re­ni­da­de. São gé­ne­ros mu­si­cais que sur­gem, po­pu­la­ri­zam-se com a mes­ma for­ça e es­pon­ta­nei­da­de que es­va­ne­cem. Es­tas não são mú­si­cas po­pu­la­res, são sim, pa­ra em­pre­gar uma ex­pres­são usa­da pe­lo gran­de mú­si­co Wal­de­mar Bastos, “po­pu­lu­xa”. É o mes­mo que di­zer po­pu­lis­ta. Uma mú­si­ca ex­ces­si­va­men­te co­mer­ci­al, for­te­men­te com­pro­me­ti­da com as au­di­ên­ci­as me­nos exi­gen­tes, que per­se­gue a quan­ti­da­de em vez da qua­li­da­de e dis­so­cia-se de qual­quer res­pon­sa­bi­li­da­de so­ci­al. Nos úl­ti­mos anos, o nos­so sis­te­ma mu­si­cal tem si­do in­va­di­do por vá­ri­os es­ti­los mu­si­cais en­qua­drá­veis nes­ta ca­te­go­ria, com des­ta­que pa­ra as in luên­ci­as da no­va mú­si­ca elec­tró­ni­ca e ur­ba­na, fei­ta nas prin­ci­pais ca­pi­tais eu­ro­pei­as e afri­ca­nas, hou­se dan­ce, ko­ay­to, rnb. As in luên­ci­as ne­fas­tas des­ta mú­si­ca que pro­me­te aos jo­vens o fá­cil es­tre­la­to já se co­me­ça a fa­zer sen­tir no sem­ba de on­de já abun­dam al­guns exe­cu­to­res me­nos fa­bu­lo­sos, que pre­te­rin­do o acús­ti­co dão à gé­ne­ros co­mo o sem­ba um ros­to es­tra­nho, por­que to­tal­men­te des­ca­rac­te­ri­za­do pe­la estridência do elec­tró­ni­co e das te­má­ti­cas já gas­tas que in­sis­tem em ex­plo­rar.

Edu­ar­do Paim

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.