A FU­GA DAS IN­FÂN­CI­AS E DAS JU­VEN­TU­DES

Jornal Cultura - - Grafitos Na Alma -

co­mo car­tão pos­tal da ci­da­de.

Mas ge­ral­men­te op­ta­va, com mui­tas re­ti­cên­ci­as, pe­la me­lho­ria do meu, en­tão, já com­ba­li­do­con­di­ci­o­na­men­to ísi­co, e da­va sequên­cia à ac­ti­vi­da­de en­tão ini­ci­a­da. Con­ta­va, tam­bém, que os­pró­xi­mos oi­to qui­ló­me­tros de cor­ri­da me per­mi­ti­ri­am, co­mo já o fa­zi­am há vá­ri­os anos, pen­sar ee­qua­ci­o­nar uma sé­rie de ques­tões das in­ves­ti­ga­ções ci­en­tí icas que fa­zia à épo­ca, as quais ain­da­re­cla­ma­vam so­lu­ções e ina­li­za­ções.

Na­que­les tem­pos, a vi­o­lên­cia, já pre­sen­te na "ci­da­de ma­ra­vi­lho­sa", ain­da não ha­via es­co­lhi­do­a­que­le lu­gar pa­ra fa­zer as su­as ví­ti­mas. Os de­lin­quen­tes de en­tão, adul­tos que já ti­nham apa­ga­do­qual­quer ves­tí­gi­os de su­as in­fân­ci­as e ju­ven­tu­de, nos as­sal­ta­vam nas ru­as, nos ban­cos, nas­re­si­dên­ci­as e, vez por ou­tra, re­cru­ta­vam al­guns me­no­res pa­ra fa­zer ar­ras­tão na praia.

Ha­via tam­bém al­guns ga­ro­tos que, ti­mi­da­men­te, ame­a­ça­vam, com caco de vi­dro à mão, um ou­ou­tro mo­to­ris­ta pa­ra­do em um si­nal fe­cha­do, que por dis­trac­ção dei­xa­ra a ja­ne­la do car­ro aber­ta.

Eram, em sua mai­o­ria, ino­fen­si­vos e qual­quer gri­to, via de re­gra, os afu­gen­ta­va.

As­sas­si­na­tos eram as­sun­to pra gen­te gran­de, e eles ocor­ri­am mui­to lon­ge da la­goa em ques­tão.

A inal, ali era lu­gar pa­ra re­cre­a­ção e ac­ti­vi­da­de ísi­ca. Ima­gi­no que os as­sal­tan­tes da década de 70su­pu­nham que as pes­so­as que lá iam não car­re­ga­vam va­lo­res. Na­que­la épo­ca, es­ses as­sal­tan­tes­não in­cluíam a bi­ci­cle­ta em su­as lis­ta de ob­jec­tos a se­rem sub­traí­dos das pes­so­as alhei­as, até­por­que as ci­clo­vi­as ain­da não ha­vi­am da­do as su­as ca­ras e o nú­me­ro de ci­clis­tas era bem me­nor.

Ago­ra, con­tu­do, qu­a­ren­ta e cin­co anos de­pois, as coi­sas mu­da­ram de tal for­ma que te­mos­sau­da­des dos as­sal­tos de ou­tro­ra. As in­fân­ci­as e as ju­ven­tu­des de al­guns me­ni­nos e jo­vens osa­ban­do­na­ram tão an­tes do tem­po, que são ca­pa­zes de co­me­ter cri­mes im­pi­e­do­so­se as­sus­ta­do­res.

Cri­mes es­ses que têm ocor­ri­do com mui­ta frequên­cia na La­goa Ro­dri­go de Frei­tas, qua­se to­dos­ten­do as bi­ci­cle­tas, ago­ra em abun­dân­cia, co­mo al­vo prin­ci­pal.

Co­mo dis­se aci­ma, as cor­ri­das ao re­dor da la­goa me aju­da­vam a re­sol­ver com­pli­ca­das si­tu­a­ções­de pes­qui­sas, sei, en­tre­tan­to, que di­an­te da com­ple­xi­da­de do pro­ble­ma, mes­mo se pu­dés­se­mos,com se­gu­ran­ça, dar mil vol­tas ali, não con­se­gui­ría­mos en­con­trar a so­lu­ção pa­ra con­ter acri­mi­na­li­da­de en­tre es­ses gru­pos de cri­an­ças e ado­les­cen­tes que pe­ram­bu­lam pe­las ru­as. Não

en­quan­to não re­jei­tar­mos o mo­de­lo de so­ci­e­da­de ac­tu­al e a re­pen­sar­mos em um no­vo pa­râ­me­tro, omais rá­pi­do pos­sí­vel.

San­to Agos­ti­nho cos­tu­ma­va di­zer: No­nin­tem­po­re, sed­cum­tem­po­re Deus cre­a­vit­ca­el a et­ter­ram.

(Não no tem­po, mas com tem­po Deus cri­ou o céu e a ter­ra). Sou obri­ga­do a dis­cor­dar de nos­so­que­ri­do San­to. Não po­de­mos es­pe­rar mais que a so­lu­ção ve­nha com o tem­po, ela pre­ci­sa se­ren­con­tra­da no tem­po, e es­se tem­po foi on­tem.

(Pau­lo Kus­sy)

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.