DES­MIS­TI­FI­CAR A OBRA DE PAU­LO JAZZ

Jornal Cultura - - Primeira Página - HIL­DE­BRAN­DO DE ME­LO Pau­lo Jazz

Que­ria es­cre­ver já a mui­to um tex­to so­bre Pau­lo Jazz, es­te no­me ar­tís­ti­co de Jo­sé Pau­lo Es­te­ves. Pa­ra os ami­gos Jazz, co­mo sem­pre lhe cha­ma­mos na Mu­tam­ba. Um tal pin­tor que vi­via ao la­do do I.F.B.A (Ins­ti­tu­to de For­ma­ção Ban­cá­ria) no pré­dio da União Na­ci­o­nal dos Ar­tis­tas Plás­ti­cos que nor­mal­men­te pu­nha as su­as mú­si­cas, e qu­em ali pas­sa­va per­to do pré­dio da U.N.A.P ica­va es­tu­pe­fac­to com o que via, na sua ja­ne­la, obras ata­fu­lha­das com mis­tu­ra de mú­si­cas com vo­lu­me al­to e gri­tos do mes­mo. De cá de fo­ra, vi­su­a­li­za­va-se pin­tu­ras, umas a saí­rem pe­la va­ran­da de­cré­pi­ta do edi ício de cons­tru­ção co­lo­ni­al de no­me Men­des & Va­la­das. Ele que se fa­zia va­gue­ar pe­la ci­da­de com um ar re­mi­nis­cen­te a década 80, com um as­pec­to de qu­em pa­re­cia que saiu há pou­co de um con­cer­to da Ni­na Ha­gen, dos The Cu­re, ou The Clash, uma mis­tu­ra de gó­ti­co com a ur­be de Lu­an­da, com o seu ca­rac­te­rís­ti­co cha­péu. De­pois de mu­dar pa­ra o ae­ro­por­to, lá vai ele a des­cer do ae­ro­por­to, on­de vi­ve pre­sen­te­men­te, até a Mu­tam­ba, com um tra­ba­lho seu de­bai­xo do bra­ço. Pa­ra qu­em se atre­ver a com­prar.

E pa­ra que en­ten­des­sem um pou­co do Uni­ver­so des­te Pin­tor, gos­ta­va que di­vi­dís­se­mos por partes es­te meu tex­to. Por um la­do, a sua in­te­rac­ção com a so­ci­e­da­de, por ou­tro, a sua pes­soa, o seu va­lor es­té­ti­co, a sua obra e, em de­tri­men­to de is­to tu­do, pa­ra que pos­sa­mos fa­zer um olhar de re­cuo, co­mo se fos­se uma ita de uma cas­se­te an­ti­ga VHS, de fren­te pa­ra trás, a re­bo­bi­nar, co­mo ou­tro­ra fa­zía­mos com os il­mes, pro­po­nho-vos: A so­ci­e­da­de v.s Pau­lo Jazz, a obra, a es­té­ti­ca, o seu va­lor, o tra­jec­to, tu­do is­to sem des­cu­rar de­sai­res pes­so­ais. De ter per­di­do a es­po­sa, uma ilha e co­mo tu­do is­so re­per­cu­tiu in­cons­ci­en­te­men­te na sua for­ma de pin­tar e olhar o mun­do.

Re­cor­do-me, em me­a­dos de 1999, quan­do o en­con­trei no Bair­ro Azul aon­de mo­ra­va, es­ta­va mais si­su­do, for­mal, es­ta­va a go­zar jul­go eu de ter si­do uma apa­ri­ção nas ar­tes plás­ti­cas an­go­la­nas. A década 90 foi pa­ra Jazz uma década de ou­ro, ti­nha apa­re­ci­do com uma pin­tu­ra no­va pa­ra a crítica que não era mui­ta na al­tu­ra. Não tí­nha­mos mui­tos crí­ti­cos de ar­te. Mas, pa­ra a nor­ma ou o ha­bi­tu­al es­ta­be­le­ci­do que vi­a­mos e do que con­sul­tei pa­ra a al­tu­ra, era re­al­men­te um sal­to mais à fren­te do Cu­bis­mo, es­ti­lo e for­ma que o pró­prio pers­cru­tou ao lon­go da sua car­rei­ra. Só que aqui es­ta­va ali­cer­ça­da, mui­to mais, uma pin­tu­ra de Piz­zi­ca­to, co­mo qu­em de­di­lha uma cor­da de gui­tar­ra. A sua pin­tu­ra era co­mo um or­ga­nis­mo vi­vo de dois ou um ele­men­to que in­te­ra­gi­am en­tre si e to­ma­vam to­do o es­pa­ço que ha­via pa­ra to­mar den­tro do cam­po de uma pin­tu­ra. Era ele, ti­nha en­con­tra­do um ca­mi­nho, que é o que to­dos den­tro da ar­te pre­ten­dem e que­rem atin­gir. Uma lin­gua­gem sua, um es­ti­lo seu, pa­ra que se di­fe­ren­ci­as­se dos de­mais ar­tis­tas do cam­po vi­su­al. Is­to é Ro­bert Raus­chen­berg, Is­to é um Pi­cas­so, ou, da con­tem­po­ra­nei­da­de, is­to é Wal­ker, Ka­ra Wal­ker. Tam­bém nes­ta fa­se do Pau­lo po­dia di­zer-se o mes­mo.

Só que, de um mo­men­to pa­ra ou­tro, no vi­rar da década, ve­mos um Jazz mais Cu­bis­ta. Porquê? Ou­ve um re­cuo por cau­sa de even­tos pes­so­ais que cau­sa­ram gran­de im­pac­to na sua obra, daí ele ter fei­to o re­cuo den­tro da sua pin­tu­ra e vol­tar a uma zo­na de con­for­to que já do­mi­na­va há mui­to: o Cu­bis­mo. A vi­da qua­se sem­pre é tor­tu­o­sa pa­ra o artista, de va­ri­a­dís­si­mas for­mas, por­que acom­pa­nha o artista uma gran­de in­sa­tis­fa­ção ao lon­go da car­rei­ra. En­cru­zi­lha­das em que por ve­zes não sa­be­mos que ca­mi­nho se­guir den­tro du­ma idi­os­sin­cra­sia, e mui­tas das ve­zes, se não bem acon­se­lha­dos, to­ma­mos ca­mi­nhos er­ra­dos. E a nos­sa ar­te tor­na-se mo­nó­to­na pa­ra o es­pec­ta­dor ou pou­co ape­la­ti­va. Per­gun­tei e in­qui­ri ar­tis­tas mais bem su­ce­di­dos, e to­dos con­cor­da­ram que de­pois não é o di­nhei­ro que sa­tis­faz, mui­to me­nos a cri­a­ção, es­sa, sim, tem de exis­tir, por­que se tor­na a úl­ti­ma es­pe­ran­ça do artista, co­mo se de um por­to se­gu­ro se tra­tas­se, um re­fú­gio on­de po­de, qu­em pen­sa di­fe­ren­te, re­cos­tar. Por­que as per­gun­tas as­sal­tam-nos mais do que aos co­muns mor­tais, tal­vez, qu­em sa­be!

Em Lu­an­da, é ter­ri­vel­men­te en­gra­ça­do, uso a pa­la­vra ter­rí­vel, por cau­sa da fal­ta do amor ao pró­xi­mo, to­dos os di­as ve­mos pes­so­as me­nos bem pe­la rua e ig­no­ra­mos. E, quan­do não te­mos ex­pli­ca­ção pa­ra o com­por­ta­men­to de al­guém, ape­li­da­mos lo­go de “Ma­lu­co”, de­se­qui­li­bra­do men­tal. Em so­ci­e­da­des in­dus­tri­al­men­te mais de­sen­vol­vi­das, pes­so­as des­ta na­tu­re- za, com olha­res di­fe­ren­tes so­bre o mun­do, são ob­jec­to de pes­qui­sa. Em An­go­la, são des­pre­za­dos…

Num es­tu­do du­ma Uni­ver­si­da­de na Is­lân­dia, ana­li­sa­ram pa­drões com­por­ta­men­tais en­tre pes­so­as com pro is­sões nor­mais e pes­so­as com pro is­sões da Ar­te. Pa­ra­do­xal­men­te, de­pois dos es­tu­dos, con­cluí­ram que as pes­so­as cri­a­ti­vas, os Pin­to­res e os Es­cri­to­res, são pro­pen­sos a ter ge­nes de es­qui­zo­fre­nia e trans­tor­no bi­po­lar. E di­zem que, ali­a­do a es­te pos­sí­vel fac­to, "A cri­a­ti­vi­da­de po­de ser vis­ta de vá­ri­as ma­nei­ras, e, em­bo­ra se­ja um con­cei­to di ícil de de inir, pa­ra ins ci­en­tí icos, a pes­soa cri­a­ti­va é mais fre­quen­te­men­te con­si­de­ra­da aque­la que to­ma no­vas abor­da­gens, exi­gin­do pro­ces­sos cog­ni­ti­vos que são di­fe­ren­tes mo­dos de pen­sa­men­to ou ex­pres­são pre­do­mi­nan­te", eles es­cre­ve­ram. "Pen­sar de for­ma di­fe­ren­te dos ou­tros é, por­tan­to, um pré-re­qui­si­to pa­ra a cri­a­ti­vi­da­de.”

Des­ta fei­ta, de­vía­mos olhar es­tes se­res com mais ca­ri­nho, por­que o que se­ria a so­ci­e­da­de sem os ar­tis­tas? já pen­sa­ram? Já ima­gi­na­ram um mun­do sem mú­si­ca, sem pin­tu­ra, sem Ar­te? Se é a Ar­te que nos faz so­nhar pa­ra ir­mos a sí­ti­os que, de ou­tra for­ma, nun­ca lá che­ga­ría­mos!

E dei­xo aqui um ape­lo: olhe­mos os nos­sos ar­tis­tas com o de­vi­do apre­ço e ca­ri­nho que me­re­cem.

A Ar­te é um pri­vi­lé­gio de Deus…

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.