BE­AU­TÉ CON­GO

QUAN­DO O CA­LOR CON­GO­LÊS DI­NA­MI­TA O ES­PÍ­RI­TO PA­RI­SI­EN­SE

Jornal Cultura - - Primeira Página - LAU­REN EKUÉ

Es­te ar­ti­go já não é uma cró­ni­ca. Es­te ar­ti­go inau­gu­ra a era do kon­gos­sa li­te­rá­rio. As mun­da­ni­da­des da ce­na ar­tís­ti­ca afro-pa­ri­si­en­se, dos ter­ra­ços chi­ques ao ver­nis­sa­ge mais es­pe­ra­do da tem­po­ra­da, tu­do o que foi di­to, lei­to­res, as­sis­ti­rão a tu­do. É ve­rão, vi­bre­mos com tu­do!

En­tra­das : Al­gu­mas no­tas de Isa­ac Hayes com ace­pi­pes HipHop.

O sol dá às pes­so­as a mes­ma cor,quan­do um tem­po quen­tís­si­mo se aba­te so­bre a ca­pi­tal das ar­tes. Quan­do a Tour Eif­fel der­re­te, os ar­tis­tas des­per­tam nu­ma atmosfera me­tá­li­ca. O ca­lor tor­na-nos eléc­tri­cos. Na mi­nha ca­ça aos ar­tis­tas, co­me­ço por des­co­brir uma no­va can­to­ra, Ales­sia Ca­ra; es­ta mu­lher pe­que­ni­na de voz po­de­ro­sa é a no­va pe­pi­ta da edi­to­ra DefJam. Es­ta can­to­ra pos­sui uns pul­mões po­ten­tes e cor­das vo­cais que fa­ri­am dan­çar a lu­xu­ri­an­te ve­ge­ta­ção do ter­ra­ço de Mon­si­eur-Bleu no Pa­lá­cio de Tóquio. A de­gus­ta­ção foi má­gi­ca. No ou­tro ex­tre­mo da ci­da­de, mu­dan­ça de am­bi­en­te to­tal. Mu­dan­ça ra­di­cal de ruí­do. A Ca­ser­na de Reuilly aco­lhe ar­tis­tas de graf iti num es­pa­ço de 1000m2; na noi­te do ver­nis­sa­ge, mais de 1000 pes­so­as en­che­ram es­se es­pa­ço pa­ra ad­mi­rar, dan­çar, ce­le­brar, a fa­ce mais arty da cul­tu­ra ur­ba­na.

Pra­to prin­ci­pal: Be­au­té Con­go, 1926-2015, Con­go Ki­to­ko, 11 de Ju­lho - 15 de No­vem­bro de 2015.

A Fun­da­ção Car­ti­er pa­ra a Ar­te Con­tem­po­râ­nea ho­me­na­geia o Con­go cri­a­ti­vo e re­cre­a­ti­vo. No pro­gra­ma es­tão 90 anos de ar­te no Con­go! A cu­ra­do­ria da ex­po­si­ção es­tá a car­go do emi­nen­te An­dré Mag­nin. A al­ma fo­go­sa, efer­ves­cen­te, de um gran­de po­vo de ar­tis­tas explode nos mu­ros da ex­po­si­ção. Dir-se-ia es­tar­mos num con­cer­to de Ba­lo­ji com gran­des de­sem­pe­nhos em to­dos os sen­ti­dos. Re­gres­sa­mos aos anos 20, com os ar­tis- tas pre­cur­so­res. A re­par­ti­ção do es­pa­ço, in­tei­ra­men­te re­pen­sa­do, re­di­men­si­o­na os gé­ne­ros e as ins­ta­la­ções. Se to­das es­tas be­le­zas ma­dein Con­go exis­tem, é por­que o país re­sis­te ape­sar de tu­do, re­sis­te so­bre­tu­do. Um po­vo cri­a­ti­vo é um po­vo que não de­sis­te. Por trás da ener­gia, exis­te a vi­da. O fo­go, o fo­go, o fo­go per­ma­ne­ce sa­gra­do. E a cor? As man­chas de tin­ta dou­ra­das co­mo os so­nhos, es­ses bo­los pre­sen­tes em to­das as fes­tas. A cul­tu­ra pop, o cool à afri­ca--

MI­KA

Ales­sia Ca­ra

Ché­riSam­ba

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.