A AR­TE DE TRA­VES­TIR VE­LHAS EM NO­VAS IDEI­AS

Jornal Cultura - - Primeira Página - Fi­li­pe Zau*

No ano em que An­go­la irá com­ple­tar o seu 40º ani­ver­sá­rio da In­de­pen­dên­cia, con­si­de­rei in­te­res­san­te re­to­mar a fun­da­men­ta­ção lu­so- tro­pi­ca­lis­ta, her­da­da da “por­tu­ga­li­da­de”, en­quan­to dou­tri­na co­lo­ni­al. Um te­ma sem­pre ac­tu­al que, do pon­to de vis­ta aca­dé­mi­co, pas­sou a in­te­res­sar-me, após ter li­do “An­go­la sob Do­mí­nio Por­tu­guês”, de Ge­rald J. Ben­der e, mais re­cen­te­men­te, “O Mo­do Por­tu­guês de Es­tar no Mun­do: lu­so- tro­pi­ca­lis­mo e ide­o­lo­gia co­lo­ni­al por­tu­gue­sa ( 1933- 1961)”, de Cláu­dia Cas­te­lo.

Ben­der, não sen­do por­tu­guês, de­bru­çou-se so­bre o lu­so-tro­pi­ca­lis­mo e des­mon­tou as prin­ci­pais li­nhas de for­ça dos seus de­fen­so­res: os por­tu­gue­ses são por­ta­do­res de uma ca­pa­ci­da­de es­pe­ci­al pa­ra se adap­ta­rem aos es­pa­ços e po­vos tro­pi­cais (que não se en­con­tra em ne­nhum ou­tro po­vo)aten­den­doàs su­as ca­rac­te­rís­ti­cas idi­os­sin­crá­ti­cas de or­dem cul­tu­ral e ra­ci­al;o ele­men­to por­tu­guês era es­sen­ci­al­men­te po­bre e hu­mil­de, daí se en­con­trar, lo­go à par­ti­da, des­pro­vi­do de mo­ti­va­ções li­ga­das à ex­plo­ra­ção, fac­to que ca­rac­te­ri­zou ou­tros paí­ses eu­ro­peus; a sua con­di­ção de po­bre e hu­mil­de le­vou-o a es­ta­be­le­cer re­la­ções de cor­di­a­li­da­de com po­pu­la­ções não-eu­ro­pei­as, co­mo foi o ca­so do Rei­no do Kon­go, em inais do sé­cu­lo XV; o mai­or tes­te­mu­nho de au­sên­cia de ra­cis­mo no Bra­sil, cu­ja co­lo­ni­za­ção re­sul­tou num cal­de­a­men­to cul­tu­ral e nu­ma po­pu­la­ção pre­do­mi­nan­te­men­te mes­ti­ça, fru­to da li­ber­da­de so­ci­al e se­xu­al que, des­de sem­pre, exis­tiu en­tre por­tu­gue­ses e afri­ca­nos; con­tra­ri­a­men­te à Áfri­ca do Sul e aos EUA, nun­ca hou­ve em Por­tu­gal le­gis­la­ção que im­pe­dis­se os não­bran­cos de ocu­pa­rem cargos es­pe­cí icos, fa­ci­li­da­des, etc.; to­do o pre­con­cei­to ou dis­cri­mi­na­ção que hou­ve nos ter­ri­tó­ri­os an­te­ri­or­men­te go­ver­na­dos por Por­tu­gal ba­se­a­ram-se em as­pec­tos li­ga­dos à clas­se so­ci­al e nun­ca à cor da pe­le.

Cláu­dia, Cas­te­lo, Pré­mio de His­tó­ria Con­tem­po­râ­nea da Uni­ver­si­da­de do Mi­nho, for­ne­ce-nos “pis­tas pa­ra se com­pre­en­der a per­sis­tên­cia, mais de 20 anos após a in­de­pen­dên­cia das an­ti­gas co­ló­ni­as por­tu­gue­sas, de um dis­cur­so trans­ver­sal ao es­pec­tro po­lí­ti­co e ide­o­ló­gi­co na­ci­o­nal que acen­tua a imu­ni­da­de dos por­tu­gue­ses ao ra­cis­mo, a sua pre­dis­po­si­ção pa­ra o con­ví­vio com ou­tros po­vos e cul­tu­ras e a sua vo­ca­ção ecu­mé­ni­ca”.

Tam­bém, em 1998, Cris­ti­a­na Bastos, uma ou­tra in­ves­ti­ga­do­ra so­ci­al por­tu­gue­sa, atra­vés do seu tex­to “No­tas de vi­a­gem de Lé­vi-Strauss e Gil- ber­to Frey­re”, pu­bli­ca­do na Re­vis­ta Aná­li­se So­ci­al, ca­rac­te­ri­za o lu­so-tro­pi­ca­lis­mo mais co­mo uma dou­tri­na do que uma te­o­ria so­ci­al, on­de Frey­re “(...) mol­dou e mol­da ati­tu­des, re­pre­sen­ta­ções e po­lí­ti­cas vi­vi­das nos di­ver­sos es­pa­ços de lín­gua por­tu­gue­sa”.

Frey­re “não doi­ra a mis­ci­ge­na­ção bra­si­lei­ra”, co­mo re­fe­riu o po­li­tó­lo­go bra­si­lei­ro Va­mi­reh Cha­con. Po­rém, se­gun­do Cris­ti­a­na Bastos, pro­cu­rain lu­en­ci­ar-nos so­bre uma cren­ça de que os co­lo­ni­za­do­res por­tu­gue­ses ti­nham uma pré-dis­po­si­ção es­pe­ci­al pa­ra li­da­rem com as di­fe­ren­ças e fa­cil­men­te se adap­ta­rem às re­giões tro­pi­cais, on­de con­vi­vem de for­ma ami­gá­vel com as su­as po­pu­la­ções, sem que se evi­den­ci­em si­tu­a­ções de ra­cis­mo. Es­ta cren­ça “an­ga­ria cum­pli­ci­da­des, as mais di­ver­sas, dos for­ma­do­res de opi­nião ao pú­bli­co, pas­san­do pe­lo en­saís­mo so­ci­al.”

Na mes­ma li­nha de pen­sa­men­to, se en­con­tra o an­go­la­no Víc­tor Ka­ji­ban­ga, quan­do, no co­ló­quio “O Lu­so-tro­pi­ca­lis­mo Re­vi­sa­do”, re­a­li­za­do, em Fe­ve­rei­ro de 1999, na So­ci­e­da­de de Ge­o­gra ia de Lis­boa, apre­sen­tou a co­mu­ni­ca­ção “Cri­se da Ra­ci­o­na­li­da­de Lu­so­tro­pi­ca­lis­ta e do ‘Pa­ra­dig­ma’ da Cri­ou­li­da­de. O ca­so da an­tro­pos­so­ci­o­lo­gia de An­go­la”. Re­fe­riu, na al­tu­ra, Ka­ji­ban­ga, ser um gran­de equí­vo- co fa­lar-se do lu­so-tro­pi­ca­lis­mo e da cri­ou­li­da­de pa­ra o ca­so an­go­la­no. Sus­ten­tan­do-se em Ai­mé Cé­sai­re e Má­rio Pinto de An­dra­de, re­fu­tou o lu­so-tro­pi­ca­lis­mo e a ir­mou que o mes­mo ig­no­ra­va a di­men­são só­cio-eco­nó­mi­ca e po­lí­ti­ca da co­lo­ni­za­ção, “que con­sis­te na pi­lha­gem dos re­cur­sos na­tu­rais dos paí­ses co­lo­ni­za­dos, na ex­plo­ra­ção da for­ça de tra­ba­lho dos seus ha­bi­tan­tes e no de­sen­vol­vi­men­to do po­der eco­nó­mi­co, so­ci­al e po­lí­ti­co dos co­lo­ni­za­do­res”.

Uma co­lec­tâ­nea de tex­tos or­ga­ni­za­da por Cláu­dia Cas­te­lo e Mar­cos Car­dão saiu es­te ano ao pú­bli­co com o tí­tu­lo “Gilberto Frey­re: No­vas Lei­tu­ras do Ou­tro La­do do Atlân­ti­co”, edi­ta­do­pe­la Edusp, da Uni­ver­si­da­de de São Pau­lo (USP). Em uma das ba­da­nas do li­vro co­me­ça por men­ci­o­nar que “o lu­so-tro­pi­ca­lis­mo, se en­con­tra ago­ra ‘tra­ves­ti­do’ de lu­so­fo­nia, tan­to no dis­cur­so po­lí­ti­co co­mo no sen­so co­mum em Por­tu­gal”. So­bre es­te li­vro, te­rei, de cer­te­za, a opor­tu­ni­da­de de me de­bru­çar mais tar­de, “on­de ci­en­tis­tas so­ci­ais por­tu­gue­ses apre­sen­tam no­vas lei­tu­ras crí­ti­cas e plu­rais de li­vros e tex­tos de Frey­re, an­co­ra­dos em agen­das de pes­qui­sa con­tem­po­râ­ne­as”. * Ph. D em Ci­ên­ci­as da Edu­ca­ção e Mes­tre em Re­la­ções In­ter­cul­tu­rais

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.