CEN­TRO CUL­TU­RAL BRA­SIL-AN­GO­LA O CO­RA­ÇÃO BRA­SI­LEI­RO DE SAN­GUE AN­GO­LA­NO

O CO­RA­ÇÃO BRA­SI­LEI­RO DE SAN­GUE AN­GO­LA­NO

Jornal Cultura - - PRIMEIRA PAGINA - MATADI MAKOLA

Ar­tis­tas, es­tu­dan­tes, di­plo­ma­tas, po­lí­ti­cos e in­te­lec­tu­ais angolanos e bra­si­lei­ros es­ti­ve­ram pre­sen­tes no dia 7, se­gun­da-fei­ra, pa­ra tes­te­mu­nhar que o Cen­tro Cul­tu­ral Bra­sil-An­go­la, si­tu­a­do na bai­xa da ci­da­de, já é um fac­to na ur­be lu­an­den­se, inau­gu­ra­do e aber­to ao pú­bli­co pe­las má­xi­mas en­ti­da­des go­ver­na­men­tais da Cul­tu­ra bra­si­lei­ra e an­go­la­na. Ao som da ma­rim­ba e do be­rim­bau, a mi­nis­tra da Cul­tu­ra de An­go­la, Ro­sa Cruz e Sil­va, e o mi­nis­tro da Cul­tu­ra do Bra­sil, Ju­ca Ferreira, cor­ta­ram a ita e des­cer­ra­ram a pla­ca in­di­ca­ti­va na en­tra­da do ele­gan­te edi ício que se­rá pal­co do mais no­bre in­ter­câm­bio cul­tu­ral en­tre es­tes dois paí­ses. “As li­te­ra­tu­ras bra­si­lei­ra e an­go­la­na, as ar­tes plás­ti­cas, o te­a­tro, a mú­si­ca, o ci­ne­ma, a dan­ça, o pa­tri­mó­nio ma­te­ri­al e ima­te­ri­al e as nos­sas tra­di­ções te­rão aqui um es­pa­ço pa­ra os fa­ze­do­res da cul­tu­ra pa­ra que a so­ci­e­da­de an­go­la­na pos­sa fa­zer fruir e fa­zer jus à Cul­tu­ra en­quan­to po­de­ro­so ins­tru­men­to”, des­ta­cou a mi­nis­tra. O seu ho­mó­lo­go bra­si­lei­ro, o mi­nis­tro Ju­ca Ferreira, con­tex­tu­a­li­zou que “são du­as cul­tu­ras ir­mãs a to­dos ins­tan­tes: na lín­gua, na ar­qui­tec­tu­ra, na cu­li­ná­ria, nos ti­pos hu­ma­nos, na es­té­ti­ca e na lin­gua­gem não-ver­bal. É um pas­so de sig­ni ica­ti­va im­por­tân­cia pa­ra uma mai­or apro­xi­ma­ção des­tes po­vos, num con­tex­to de na­ções so­be­ra­nas em pro­ces­so de cons­tru­ção, e An­go­la es­te­ve e es­tá pre­sen­te de for­ma mar­can­te na for­ma­ção do po­vo bra­si­lei­ro”. Edi ício do Cen­tro Cul­tu­ral Bra­sil-An­go­la Ce­di­do pe­la Fun­da­ção Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos – FESA, o edi ício de pri­mei­ro an­dar foi re­es­tru­tu­ra­do sem pôr em cau­sa a sua a an­ti­ga con igu­ra­ção ex­te­ri­or. O pre­si­den­te da FESA, Is­ma­el Di­o­go da Sil­va, re­cor­dou que es­ta ini­ci­a­ti­va é um ges­to de re­tri­bui­ção ini­ci­a­do aquan­do da cri­a­ção da Ca­sa da Cul­tu­ra de An­go­la na Baía, Bra­sil, que mo­ti­vou o Pre­si­den­te Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos a re­tri­buir o ges­to, co­mo re­co­nhe­ci­men­to das cor­di­ais e his­tó­ri­cas re­la­ções de ami­za­de e a ini­da­de cul­tu­rais en­tre os po­vos, e a im­pul­si­o­nar com­pro­mis­sos que vi­sam a ce­dên­cia de es­pa­ços e imó­veis pa­ra o sec­tor cul­tu­ral em An­go­la e no Bra­sil.

Par­te in­de­lé­vel da me­mó­ria co­lec­ti­va dos angolanos, cons­truí­do em 1910, pró­xi­mo da praia do por­to-cais, on­de en­tão de­sem­bar­ca­vam com seus gran­des baús os pas­sa­gei­ros che­ga­dos nos va­po­res oriun­dos de Por­tu­gal, tra­ta-se do pri­mei­ro projecto exe­cu­ta­do em Lu­an­da com ins de ser­vir de ho­tel de lu­xo. É um exem­plar que ilus­tra a ar­qui­tec­tu­ra tro­pi­cal do es­ti­lo da épo­ca. Pe­las su­as ca­rac­te­rís­ti­cas, vir­tu­a­li­da­des e sa­bo­ro­sa aqui­tec­tu­ra, foi pro­mo­vi­da a sua clas­si ica­ção por des­pa­cho nº 47 de 8 de Ju­lho de 1992 pe­la en­tão Se­cre­ta­ria de Es­ta­do da Cul­tu­ra.

“Hon­ra-nos que es­te edi ício es­te­ja trans­for­ma­do num es­pa­ço de cul­tu­ra e ar­te, que vai fa­zer a di­fe­ren­ça pa­ra me­lho­ria da qua­li­da­de da vi­da da bai­xa, res­pei­tan­do o sen­ti­do úl­ti­mo do nos­so es­for­ço em pre­ser­var a nos­sa his­tó­ria e a nos­sa cul­tu­ra. Es­te mo­men­to vai con­tri­buir pa­ra que os bra­si­lei­ros e angolanos te­nham aces­so a al­go fun­da­men­tal co­mo um es­pa­ço de po­pu­la­ri­za­ção de am­bas as cul­tu­ras, pre­ser­van­do a sua sig­ni ican­te es­tru­tu­ra, cui­da­da e har­mo­ni­o­sa ar­qui­tec­tu­ra ex­te­ri­or e adap­tan­do o seu in­te­ri­or às ar­tes e às hu­ma­ni­da­des”, fri­sou o pre­si­den­te da FESA.

De­pois de um lon­go pe­río­do de de­clí­nio e de­sa­pa­re­ci­men­to, o Gran­de Ho­tel Lu­an­da foi sub­me­ti­do a um es­me­ra­do tra­ba­lho de res­tau­ra­ção que du­rou 2 anos, e renasce co­mo Fénix pa­ra re­to­mar o seu de­vi­do lu­gar na ce­na lu­an­den­se, pon­tu­ou o em­bai­xa­dor bra­si­lei­ro em An­go­la, Nor­ton Ra­pes­ta. E acres­cen­tou que mais uma vez abri­ga­rá vi­a­jan­tes. Mas, des­ta fei­ta, vi­a­jan­tes dou­tro ti­po, que não gu­ar­dam pa­ra si o que sen­tem e o que pen­sam, e que usa­rão es­te es­pa­ço pa­ra com­par­ti­lhar fan­ta­si­as, emo­ções, so­nhos, sons, le­tras. “Es­te cen­tro nas­ce com a es­sên­cia des­tes dois po­vos, ba­ten­do um co­ra­ção bra­si­lei­ro com o san­gue an­go­la­no a cir­cu­lar por den­tro”, con­clui.

So­bre as su­as exi­gên­ci­as, a mi­nis­tra da Cul­tu­ra as­se­gu­rou que é um mo­men­to par­ti­cu­lar na his­tó­ria da ci­da­de ca­pi­tal, que ga­nha um equi­pa­men­to com­ple­ta­men­te res­tau­ra­do de acor­do com os me­lho­res pa­drões re­co­men­dá­veis pe­la UNES­CO.

Além do plau­sí­vel ci­ne-te­a­tro Ovi­dio Me­lo, em ho­me­na­gem ao di­plo­ma­ta bra­si­lei­ro que se em­pe­nhou pes­so­al e pro is­si­o­nal­men­te no mo­men­to de­ci­si­vo da a ir­ma­ção da Na­ção An­go­la­na aos olhos do Bra­sil, con­se­guin­do pres­ti­gi­o­sa­men­te que o Bra­sil fos­se o pri­mei­ro país a re­co­nhe­cer a in­de­pen­dên­cia de An­go­la, a bra­si­lei­ra Tes­sa Pis­con­ti, a an­ti­ga di­rec­to­ra da ago­ra ex­tin­ta Ca­sa da Cul­tu­ra do Bra­sil e di­rec­to­ra do no­vo e ca­bal Cen­tro Cul­tu­ral Bra­sil-An­go­la, enu­me­rou que es­tá re­par­ti­do em sa­las de au­las e lei­tu­ra in­fan­til e sa­lão de ex­po­si­ção. “Mu­da­mos de lo­cal e de de­sig­na­ção mas não de ob­jec­ti­vos, em­bo­ra ago­ra com uma ac­ção mai­or”, es­cla­re­ce Tes­sa. Show Ka­lun­ga II No pal­co do ci­ne-te­a­tro Ovi­dio Me­lo, uma plêi­a­de de can­to­res bra­si­lei­ros en­cer­rou o dia 7 en­can­tan­do o pú­bli­co lu­an­den­se com as vá­ri­as facetas que o sam­ba tem. Ma­ri­e­ne de Castro acer­tou as ro­tas do seu can­to e dan­ça an­ge­li­cal com ba­la­das que exal­ta­ram a for­ça da na­tu­re­za bra­si­lei­ra; Nei Lo­pes, sem­pre com no­vi­da­des na pon­ta da lín­gua, trou­xe de vol­ta o te­ma ´Can­don­guei­ro´ e deu-nos a co­nhe­cer o bantu Pi­xin­gui­nha, con­si­de­ra­do o mai­or mú­si­co bra­si­lei­ro do sé­cu­lo XX; Ge­ral­do de Azevedo, o mú­si­co do nor­des­te bra­si­lei­ro, fez-nos so­nhar e cor­rer pe­lo cais das prai­as que a sua gui­tar­ra fa­zia nas­cer, e, num jo­go eclético de gran­de so is­ti­ca­ção, compôs uma mú­si­ca com vá­ri­os re­cor­tes e ca­mi­nhos da poesia de Ne­to. Foi no iní­cio de car­rei­ra da con­cei­tu­a­da El­ba Ra­ma­lho, há 35 anos, quan­do se deu a pri­mei­ra edi­ção do Show Ka­lun­ga – com pas­sa­gens por Lu­an­da, Ben­gue­la e Lo­bi­to. Da­qui­lo que foi a sua pri­mei­ra im­pres­são di­an­te de mi­lha­res de es­pec­ta­do­res angolanos, El­ba con­ta que era ape­nas “um vi­o­lão e ela ner­vo­sís­si­ma”. Des­ta vez, a lau­ta ar­re­pi­a­va, mas era o ca­va­qui­nho que me­lhor acom­pa­nhou El­ba, a can­to­ra que in­ter­pre­tou o te­ma da no­ve­la Ro­que San­tei­ro, cog­no­me do me­mo­rá­vel e tí­pi­co mer­ca­do que um dia exis­tiu em Lu­an­da; o vi­o­li­nis­ta Ya­man­du Costa dei­xou cla­ro que a mú­si­ca ain­da tem co­mo se rein­ven­tar ao cri­ar um re­per­tó­rio úni­co, de co­nhe­ci­men­to in­ti­mis­ta; Fran­cis e Olí­via Hi­me e Miú­cha fo­ram três no­tas a des­bra­var a al­ma num can­to à mo­da pe­ne­tran­te do fa­do; Mar­ti­nho da Vi­la e Mart´Ná­lia ina­li­za­ram o mo­men­to com to­da uma ale­gria de dei­xar a vi­da nos le­var pe­lo sam­ba que nos en­si­nou a de­gus­tar o fun­je e a fei­jo­a­da.

Ju­ca Ferreira e Ro­sa Cruz e Sil­va inau­gu­ran­do o Cen­tro Cul­tu­ral Bra­sil-An­go­la

Vis­ta ex­ter­na do Cen­tro

Is­ma­el Di­o­go da Sil­va

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.