50 ANOS DOS KI­E­ZOS KI­TU­XI RE­COR­DA MAR­ÇAL

Jornal Cultura - - PRIMEIRA PAGINA - MATADI MAKOLA

Há 50 anos, ain­da no tem­po do Ti Makoi, o pri­mei­ro em­pre­sá­rio na­tu­ral dos Ki­e­zos, nes­se tem­po em que a área da B4, bair­ro Ne­li­to So­a­res, ain­da não era as­fal­ta­da e as ca­sas eram de ma­dei­ra, ha­via uma con­tri­bui­ção – na épo­ca con­tri­buía-se com mu­fe­te, fun­je e vi­nho – de umas mo­ças gé­me­as que gos­ta­vam de as­sis­tir o con­jun­to a en­sai­ar. E co­mo a apa­re­lha­gem da bo­da era do Ti Makoi, os jo­vens do con­jun­to ga­nha­ram co­ra­gem e pe­di­ram às mo­ças pa­ra apre­sen­ta­rem al­guns dos seus te­mas, mas es­tas não acre­di­ta­vam que as mú­si­cas fos­sem agra­dar os con­vi­da­dos. Os mú­si­cos in­sis­ti­ram di­zen­do que que­ri­am ape­nas ex­pe­ri­men­tar se o som sai­ria bem ou não. Ti­nham co­me­ça­do a ino­cen­te ac­tu­a­ção à bo­leia de uma me­lo­dia de Eli­as Dya Ki­mu­e­zo, em­bo­ra ape­nas per­cus­são, mas que um dia os le­va­ria a ter pro­ble­mas com o Rei, num fu­tu­ro ain­da não sus­pei­ta­do por ne­nhum de­les, num re­veil­lon no Cen­tro So­ci­al São Pau­lo. Con­tu­do, foi tan­to o su­ces­so que o com­pas­so dan­çan­te das pes­so­as pre­sen­tes le­van­tou al­gu­ma po­ei­ra. Pe­di­ram que pa­ras­sem pa­ra bor­ri­far o chão e tra­ze­rem as vas­sou­ras (ki­e­zu, em ki­bun­do) pa­ra var­rer. Re­co­me­ça­ram e a fes­ta se es­ten­deu até ao dia se­guin­te, abrin­do a pos­si­bi­li­da­de de se cha­ma­rem “Ki­e­zos”, em me­mó­ria da­que­le fe­liz dia pa­ra um gru­po de jo­vens mú­si­cos ain­da mu­si­cal­men­te ima­tu­ros e in-

se­gu­ros com o fu­tu­ro mu­si­cal.

Faz mais ou me­nos três me­ses que a im­pren­sa na­ci­o­nal fez eco da me­re­ci­da ho­me­na­gem em Ben­gue­la dos 50 anos dos Ki­e­zos, dan­do re­ve­lo a es­te em­ble­má­ti­co gru­po que mar­cou com dis­tin­ção o pe­río­do dos con­jun­tos, anos 70-80, e que se­ria tam­bém me­re­ce­dor de uma ho­me­na­gem do já vin­ca­do Show do Mês, aco­lhi­do em Lu­an­da no Royal Pla­za, em Ta­la­to­na. Acon­te­ceu nos di­as 4 e 5 des­te Se­tem­bro. Lu­an­da te­ve en­tão a opor­tu­ni­da­de de vol­tar a vi­ver o fei­ti­ço mu­si­cal des­te con­jun­to, nu­ma fes­ta que con­tou com o apoio dos mú­si­cos da no­va ge­ra­ção, Ri­car­do Lem­vo, Tony do Fu­mo Fi­lho e Pa­trí­cia Fa­ria, es­ta úl­ti­ma, nas ca­ri­nho­sas pa­la­vras que di­ri­giu aos so­bas Ki­e­zos, ain­da te­ve a gen­ti­le­za de pe­dir pu­bli­ca­men­te que os ór­gãos com­pe­ten­tes e a so­ci­e­da­de não icas­sem “in­sen­sí­veis ao sem­ba”.

Foi nes­te dia, 4 de Se­tem­bro, que mais uma vez tra­va­mos al­guns bo­ca­dos de con­ver­sa com Ki­tu­xi, com a sua voz afó­ni­ca mais pa­ra den­tro do que pa­ra fo­ra, o seu por­te já me­nos ver­ti­cal, um vul­to do ra­pa­gão al­to e vai­do­so que fo­ra, efe­bo de­se­ja­do por mui­tas mo­ças do seu Mar­çal.

Co­me­çou por con­tar-nos que o no­me Ki­tu­xi veio por cau­sa da tra­di­ção das ma­mãs que ti­nham com­pli­ca­ções na ho­ra do par­to e cu­jo tra­ta­men­to se cha­ma ki­tu­xi (pro­ble­ma), fei­to com mis­san­gas pre­tas, bran­cas e ver­me­lhas. Nas­ceu Do­min­gos An­tó­nio Mi­guel da Sil­va em 1950, no Sam­bi­zan­ga. Não viu bem o Sam­bi­la, pois mui­to ce­do foi mo­rar no Mar­çal, em 1959. Na in­fân­cia tra­vou ami­za­de com Vate Costa e Car­los Lamartine, co­nhe­cen­do bem o seio fa­mi­li­ar des­tes ami­gos. A sua mãe, Do­na Ca­veia, era uma ilhéu e o pai era de Ma­lan­ge. Ka­po­lo­bo­xi En­tre os anos 60 a prin­cí­pi­os da pri­mei­ra me­ta­de de 70, as­si­na­la que tu­do ini­ci­ou no Ka­po­lo­bo­xi, no Bair­ro Mar­çal, sem gran­de am­bi­ção. Era ape­nas uma ini­ci­a­ti­va de jo­vens que de­se­ja­vam cri­ar uma tur­ma mu­si­cal. De­pois apa­re­ce Adol­fo Co­e­lho que mo­ra­va no la­do do Zé das Mo­las e que na­mo­ra­va uma mo­ça que mo­ra­va no la­do do Ka­po­lo­bo­xi, de no­me Di­ni­nha. Quan­do ia à pro­cu­ra da na­mo­ra­da, pas­sa­va sem­pre e via jo­vens a to­ca­rem de­sin­te­res­sa­da­men­te. Apro­xi­mou-se e sim­pa­ti­zou com os jo­vens. Eram Avo­zi­nho, Ki­tu­xi, Castro, Ti­ni­nho e Ma­ri­to. Ti­nham mais ou me­nos 15 anos. E foi Adol­fo Co­e­lho que dis­se ao jo­vens que ti­nha um ami­go que sa­bia to­car vi­o­la. As­sim, vão ter com Costa Venâncio, que ar­ran­ja­va vi­o­las com ma­dei­ras que vi­am da Pan­ga-Pan­ga. Faz uma pa­ra o Ma­ri­to, que an­tes ti­nha a sua com ibras de me­tal de ace­le­ra­dor de mo­ta. Co­me­çam a en­sai­ar na ca­sa da mãe de Ki­tu­xe. Ma­ri­to, Adol­fo e Hum­ber­to Vi­ei­ra Di­as, que veio jun­tar-se de­pois, pas­sa­vam as noi­tes na ca­sa do ami­go Ki­tu­xi. Mas ape­nas Ma­ri­to, Adol­fo e Ki­tu­xi, uni­dos por uma ami­za­de pro­fun­da, se man­ti­nham cren­tes. En­tra­vam e sai­am vá­ri­as pes­so­as. Ma­ri­to era che­ga­do a um gru­po de ir­mãos que da­vam far­ras, os Ma­nos Gra­ci­a­nos. As­sim ica­ram a ser ape­nas um gru­po de ami­gos mú­si­cos que mar­ca­vam pre­sen­ça nas far­ras de quin­tal.

Quan­do co­me­çam a pen­sar no fu­tu­ro do gru­po, Ki­tu­xi já tra­ba­lha­va na Ma­cam­bi­ra e Ma­ri­to mos­tra­va sem­pre a sua in­sa­tis­fa­ção de que o gru­po não es­ta­va a pro­gre­dir. As­sim, por in luên­cia de Ma­no­ma­no, um dos ir­mãos Gra­ci­a­no, vão ter com o Ti Makoi pa­ra lhes fa­cul­tar uma apa­re­lha­gem. Ki­tu­xi ga­nha­va oi­ten­ta es­cu­dos e num des­tes

di­as do sa­lá­rio dá com Ma­ri­to e Adol­fo Co­e­lho à es­pe­ra de­le nos ar­re­do­res da fá­bri­ca, ao la­do da va­la. Com­pram a vi­o­la e vão par­ti­ci­par num pro­gra­ma de in­te­res­se da No­cal emi­ti­do na Emis­so­ra Ca­tó­li­ca, que era si­tu­a­da na cal­ça­da do Pa­lá­cio, e ame­a­lham 350 es­cu­dos. Não pen­sa­ram mui­to e fo­ram lo­go ter à lo­ja Sony que ica­va no Ki­na­xi­xi, pa­ra com­prar um vi­bra­dor pa­ra co­lo­car na vi­o­la de cai­xa. E as­sim co­me­çam a tra­ba­lhar com o apa­re­lho do Ti Makoi, que mo­ra­va no bair­ro in­dí­ge­na e era cu­nha­do do Ma­no­ma­no, li­ga­do com um am­pli ica­dor Towa. Lem­bra os no­mes Avo­zi­nho, Ga­bi Pe­re­za, Ma­ri­to e Adol­fo. Ten­ta­ram uma ida ao Ku­to­no­ca mas con­tra a von­ta­de de Luiz Mon­tez, que mos­tra­va sem re­ser­vas que o gru­po era ain­da mui­to fra­co pa­ra es­tar nu­ma ro­da on­de já ac­tu­a­vam os Gin­gas, Ngo­la Rit­mos e Ne­go­lei­ros do Rit­mo, ti­dos co­mo os con­jun­tos de gran­de su­ces­so da épo­ca.

A resposta ne­ga­ti­va de Luiz Mon­tez foi mo­ti­vo pa­ra al­guns ele­men­tos du­vi­da­rem do projecto em­bri­o­ná­rio, da­do que o em­pre­sá­rio Ti Makoi dis­po­ni­bi­li­za­va pou­cos re­cur­sos pa­ra os jo­vens. Co­me­çam uma no­va fa­se, mas cons­ci­en­te e pre­pa­ra­da, lan­çan­do-se nos sa­lões de Lu­an­da, co­mo o Lu­ar das Ro­sas da Bri­ga­da, Sen­gu­la, Rua da Do­na Ma­lha, e Bra­guês e Ku­di­san­ga, no Sam­bi­zan­ga… O so­lis­ta Ma­ri­to já era apren­diz do Duia, uma re­fe­rên­cia do seu tem­po; acom­pa­nha­do por Ki­tu­xi, Adol­fo, Ju­ven­ti­no e mais um ele­men­to.

Uma vez, aí mes­mo na Do­na Ma­lha, fo­ram to­car no Sa­lão dos Jo­vens com o apa­re­lho do Ti Makoi e só ti­nham co­mo con­vi­da­dos os Ki­e­zos e os Gin­gas. Ini­ci­al­men­te, Duia, em jei­to de brin­ca­dei­ra, ti­nha go­za­do que não po­dia to­car com o seu apren­diz Ma­ri­to. Os Gin­gas to­ca­ram pri­mei­ro. Foi nes­se dia, du­ran­te a ac­tu­a­ção dos Ki­e­zos, que Ma­ri­to me­re­ceu o res­pei­to do Duia, que ti­nha no­ta­do e elo­gi­a­do o seu pro­gres­so. To­da a gen­te icou em­pol­ga­da com a mú­si­ca dos jo­vens. Ou­tro mo­men­to, ain­da na Do­na Ma­lha, ago­ra num cír­cu­lo on­de ti­nha um im­bon­dei­ro e que era lo­cal de al­gu­mas ac­ti­vi­da­des cul­tu­rais, tam­bém afa­ma­do por um dia Artur Adri­a­no ter lá can­ta­do com su­ces­so o re­gis­to ´Su­maú­ma´, aí ga­nha­ram a ad­mi­ra­ção do pú­bli­co da­que­la zo­na do Mar­çal.

Du­ran­te mui­to tem­po, es­prei­ta­vam os en­sai­os dos Ne­go­lei­ros do Rit­mo, Ngo­la Rit­mos, Mu­san­go­la e ou­tros de pe­so com o in­tui­to de apren­derm al­gu­ma coi­sa. E apren­de­ram mui­to.

Sô Ben­ge

Sa­bi­no Pas­sos Ben­ge ´Sô Ben­ge´, de­pois de ter vis­to o con­jun­to nu­ma ac­tu­a­ção no Ma­xin­de, pe­de a Makoi pa­ra jun­tos aju­da­rem o gru­po a vin­car, já ten­do pas­sa­gens no Co­ton­ca e N´go­la Ci­ne e con­quis­ta­do o seu es­pa­ço. Fi­cam sob a res­pon­sa­bi­li­da­de de Sô Ben­ge, fun­ci­o­ná­rio dos des­por­tos, que fez ia­dos de mo­der­nos apa­re­lhos de sons pa­ra o con­jun­to. Foi mais ou me­nos nes­se pe­río­do que Avo­zi­nho e Ga- bi sa­em e en­tra Hum­ber­to Vi­ei­ra Di­as, já ma­du­ro na gui­tar­ra. Ben­ge le­va­va sem­pre o con­jun­to na Bri­ga­da e da­va um jan­tar no bar Jai­me Bra­ga.

Uma vez, de­pois de te­rem to­ca­do por mui­to tem­po na fes­ta de Pedro Franco, atra­sa­ram-se nu­ma ac­ti­vi­da­de mar­ca­da na Ilha no sa­lão da Do­na Xi­ca, mo­ti­vo que fez com que o pú­bli­co não en­tras­se e que en­fu­re­ceu Sô Ben­ge, co­nhe­ci­do por ser ri­go­ro­so e me­tó­di­co, a úni­ca zan­ga que re­cor­da. Com ele, o gru­po an­da­va na li­nha.

Sô Ben­ge vi­a­ja pa­ra Por­tu­gal e dei­xa o con­jun­to sob a res­pon­sa­bi­li­da­de do seu cu­nha­do, Ka­ma­ka. Mas es­te não aguen­ta­va do­mi­nar as ré­de­as do con­jun­to com tal ze­lo. O gru­po já ro­da­va nos mais no­bres sa­lões da ca­pi­tal, sen­do pa­ra o pú­bli­co o mais so­li­ci­ta­do, às ve­zes cha­ma­do de ar­ras­tão. Eram Car­li­tos Vi­ei­ra Di­as, Vate, Hel­der, Ma­ri­to, Ju­ven­ti­no, Faus­to (an­ti­go tam­bor da Es­co­la do Sem­ba do Mar­çal), Ki­tu­xi e Adol­fo Co­e­lho.

Vas­co Costa foi um bran­co na­tu­ral de Ben­gue­la que co­me­çou a an­dar à von­ta­de nas ar­té­ri­as do Mar­çal de­vi­do à gran­de ami­za­de que man­ti­nha com os Ki­e­zos. Era o bran­co per­do­a­do por aque­le po­vo. Tra­ba­lha­va na So­nan­gol e che­gou a mor­rer em Por­tu­gal. Foi es­te ben­gue­len­se o úl­ti­mo a aguen­tar o gru­po por al­gum tem­po. De­pois o gru­po icou en­tre­gue à sua sor­te.

No Voz de Ca­bo Ver­de

Ki­tu­xi re­cor­da co­mo um dos gran­des mo­men­tos um show pas­sa­do no Lo­bi­to ain­da na pri­mei­ra me­ta­de dos anos 70, mo­men­tos em que a in­de­pen­dên­cia já era uma cer­te­za, for­ti ica­da com a que­da do re­gi­me fas­cis­ta a 25 de Abril 1974. Foi um show que es­tre­me­ceu o co­ra­ção de to­dos os can­to­res aí pre­sen­tes. Foi quan­do o Ur­ba­no de Castro, já com to­da a ga­na sol­ta, so­be ao pal­co ves­ti­do com uma rou­pa fei­ta com a ban­dei­ra do MPLA, con­vic­to de que a in­de­pen­dên­cia era uma cer­te­za e era pre­ci­so de­mons­trar. Dis­se em resposta: “Nós es­ta­mos in­de­pen­den­tes”. A po­lí­cia por­tu­gue­sa sau­do­sis­ta do re­gi­me fas­cis­ta ain­da quis in­ter­vir, mas al­guns mem­bros já avi­sa­dos do qua­dro po­lí­ti­co em Por­tu­gal mui­to cui­da­do­sa­men­te dei­xa­ram a sa­gra­da ale­gria dos angolanos con­ti­nu­ar, em­bo­ra os mú­si­cos angolanos te­nham aca­ba­do nu­ma es­qua­dra de Ben­gue­la pa­ra pres­tar es­cla­re­ci­men­tos que não de­ram em na­da. Con­ti­nu­a­ram a agen- da e to­ca­ram nou­tros lu­ga­res, já com os por­tu­gue­ses sa­bi­dos que ti­nham ho­ra mar­ca­da de re­gres­so a Por­tu­gal.

Mi­lho­ró cau­sa pri­são a Vate Costa

Ideia de Mu­rim­ba show e de um ir­mão de Car­los Lamartine de no­me Teó ilo, li­ga­do ao jor­nal ´O Mus­se­que´, que mo­ra­va bem de­fron­te ao Hos­pi­tal Amé­ri­co Boa Vi­da. Quan­do foi apre­sen­ta­da na CDA pa­ra ser gra­va­da, Ma­ri­to se opôs re­ce­an­do as con­sequên­ci­as que po­di­am ad­vir. Fal­ta­vam al­gu­mas can­ções pa­ra com­ple­tar o dis­co e de­ci­dem im­pro­vi­sar um pou­co. Era ´Ro­sa Ro­sé´, ´Com­boio´, ´Sá da Ban­dei­ra´ e ´Mi­lho­ró´. Foi por cau­sa des­ta mú­si­ca que o vo­ca­lis­ta Vate Costa é pre­so por dois me­ses pe­la po­lí­cia por­tu­gue­sa. Pedro Ben­ge e Her­mí­nio Es­cór­cio ten­ta­ram con­ven­cer a po­lí­cia por­tu­gue­sa que os mú­si­cos não es­ta­vam a fa­zer po­lí­ti­ca e sim ati­rar pi­a­da a ou­tro gru­po de mú­si­ca, nes­se ca­so o Ca­bin­da Rit­mo, que ti­nham im­pos­to uma rít­mi­ca pró­xi­ma a do Con­go De­mo­crá­ti­co e con­quis­ta­do mui­tos ad­mi­ra­do­res, pa­ra al­gum ciú­me dos res­tan­tes con­jun­tos. Os ho­mens do CI­TA (Cen­tro de In­for­ma­ção e Tu­ris­mo de An­go­la), res­pon­sá­veis pe­las tra­du­ções de kim­bun­du pa­ra por­tu­guês, é que da­vam a en­ten­der que se tra­ta­va mes­mo de uma pi­a­da aos co­lo­nos por­tu­gue­ses. O pro­ble­ma icou ain­da pi­or quan­do foi en­tre­gue à mãe de Vate Costa a rou­pa do ilho já en­san­guen­ta­da, si­nal de que o ilho já po­de­ria ter si­do as­sas­si­na­do pe­la PIDE. Pedro Ben­ge e Her­mí­nio Es­cór­cio con­se­gui­ram mes­mo fa­zer al­gu­ma pres­são e o mú­si­co foi sol­to.

Pos­te­ri­or­men­te, vi­e­ram agre­gar-se ao con­jun­to no­mes co­mo Tony do Fu­mo e Ze­cax, am­bos já fa­le­ci­dos. Vate veio a fa­le­cer em 2010. O con­jun­to Os Ki­e­zos atra­ves­sa as mu­dan­ças so­ci­o­cul­tu­rais do país e ain­da ho­je man­tém uma for­ma­ção com no­vos in­te­gran­tes pa­ra fa­zer per­du­rar es­te sa­bo­ro­so fei­ti­ço mu­si­cal.

Ki­tu­xi

Da esq- Ki­tu­xi, Ma­ri­to, Adol­fo Co­e­lho, Gi­no (lá atrás) e Tony do Fu­mo (de cha­peu), nu­ma ac­ti­vi­da­de em Itá­lia

Faus­to Le­mos (no cen­tro)

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.