O CO­MAN­DAN­TE, A GUER­RI­LHA E A FOR­MA­ÇÃO DO EXÉR­CI­TO

E A FOR­MA­ÇÃO DO EXÉR­CI­TO: ES­TRA­TÉ­GI­AS E FAC­TOS

Jornal Cultura - - PRIMEIRA PAGINA - MI­GUEL JÚ­NI­OR (HIS­TO­RI­A­DOR)

IN­TRO­DU­ÇÃO

No qua­dro da con­fe­rên­cia so­bre o “Lon­go Ca­mi­nho pa­ra a In­de­pen­dên­cia”, re­a­li­za­da no âm­bi­to das co­me­mo­ra­ções do Dia do He­rói Na­ci­o­nal e do qua­dra­gé­si­mo aniversário da in­de­pen­dên­cia de An­go­la, fa­ze­mos uma in­cur­são nos factos his­tó­ri­cos da lu­ta de li­ber­ta­ção na­ci­o­nal. Tra­tan­do­se de um te­ma li­ga­do à lu­ta de li­ber­ta­ção na­ci­o­nal, com des­ta­que pa­ra a lu­ta ar­ma­da con­du­zi­da pe­lo MPLA, há que mer­gu­lhar na sua história des­de as ori­gens e ana­li­sar o per­cur­so mi­li­tar do MPLA en­quan­to mo­vi­men­to de li­ber­ta­ção na­ci­o­nal até à pro­cla­ma­ção da in­de­pen­dên­cia. As­sim, com­pre­en­de­re­mos o pa­pel do lí­der, os as­pec­tos da or­ga­ni­za­ção da guer­ri­lha, as es­tra­té­gi­as e os factos co­mo tal.

1. MPLA – DA LU­TA PO­LÍ­TI­CA À LU­TA AR­MA­DA

No co­me­ço, o MPLA ori­en­tou a sua ac­ti­vi­da­de pa­ra ac­ções es­sen­ci­al­men­te po­lí­ti­cas. Cin­co anos de­pois, te­ve lu­gar a ac­ção ar­ma­da do 4 de Fe­ve­rei­ro de 1961. Es­te ac­to de bra­vu­ra dos na­ci­o­na­lis­tas an­go­la­nos as­si­na­lou o iní­cio da lu­ta ar­ma­da em no­vas con­di­ções his­tó­ri­cas e ates­tou a sua im­por­tân­cia pa­ra o der­ru­be do co­lo­ni­a­lis­mo por­tu­guês.

No iní­cio da lu­ta con­tra o co­lo­ni­a­lis­mo por­tu­guês, mui­tos an­go­la­nos jun­ta­ram-se ao MPLA. Mas al­guns des­tes na­ci­o­na­lis­tas já se en­con­tra­vam no Con­go Le­o­pod­vil­le e fo­ram eles que lan­ça­ram as ba­ses pa­ra a lu­ta ar­ma­da a par­tir do ex­te­ri­or. As­sim, o MPLA cri­ou no seu seio um De­par­ta­men­to de Gu­er­ra, em 1962, no sen­ti­do de dar corpo à lu­ta ar­ma­da.

Ao mes­mo tem­po, com ba­se num nú­me­ro re­du­zi­do de guer­ri­lhei­ros for­ma­dos no ex­te­ri­or, a or­ga­ni­za­ção cri­ou o Exér­ci­to Po­pu­lar de Li­ber­ta­ção de An­go­la – EPLA. Es­te exér­ci­to, ain­da na sua fa­se em­bri­o­ná­ria, le­vou a ca­bo em 1962 al­gu­mas ac­ções mi­li­ta­res em Ca­bin­da e pou­co mais, na me­di­da em que o Con­go Le­o­pold­vil­le im­pu­nha res­tri­ções à cir­cu­la­ção dos guer­ri­lhei­ros do MPLA.

En­quan­to de­cor­ria o ano de 1962, Agos­ti­nho Ne­to, que des­de os anos cin­quen­ta já ti­nha abra­ça­do a lu­ta do po­vo an­go­la­no con­tra o co­lo­ni­a­lis­mo por­tu­guês e es­ta­va li­ga­do ao MPLA, eva­diu-se de Por­tu­gal. Co­mo ele ti­nha cons­ci­ên­cia da im­por­tân­cia da lu­ta ar­ma­da, a sua pre­o­cu­pa­ção ime­di­a­ta foi es­ta­be­le­cer con­tac­tos com os guer­ri­lhei­ros do MPLA.

As­sim, em 1962, Agos­ti­nho Ne­to vi­si­tou os guer­ri­lhei­ros do Exér­ci­to Po­pu­lar de Li­ber­ta­ção de An­go­la – EPLA que se en­con­tra­vam em for­ma­ção em Mar­ro­cos. Es­ta vi­si­ta, di­as após a sua fu­ga de Por­tu­gal, sim­bo­li­zou de ime­di­a­to a sua dis­po­ni­bi­li­da­de pa­ra com a lu­ta ar­ma­da, o que in­fun­diu con ian­ça e mo­ti­vou so­bre­ma­nei­ra os guer­ri­lhei­ros. Agos­ti­nho Ne­to ru­mou, de se­gui­da, pa­ra o Con­go Le­o­pold­vil­le, on­de se jun­tou aos ca­ma­ra­das da lu­ta.

Qu­an­do Ne­to che­gou, na re­a­li­da­de, o MPLA vi­via uma si­tu­a­ção crí­ti­ca. “A si­tu­a­ção re­al do MPLA era pés­si­ma, pois es­ta­va qua­se sem re­cur­sos. O MPLA era acu­sa­do de ser um mo­vi­men­to que ape­nas se de­di­ca­va à lu­ta po­lí­ti­ca e não pe­las ar­mas, co­mo fa­zia a FNLA des­de Mar­ço de 1961. O qua­dro ain­da era mais [pre­o­cu­pan­te] por­que ha­via con­fu­são e al­gum des­nor­te na sua li­de­ran­ça.” (Agos­ti­nho Ne­to, 2011, p.161).

Nes­te am­bi­en­te de pres­são in­ter­na te­ve lu­gar, no im de 1962, a 1ª Con­fe­rên­cia do MPLA. Qu­an­do os com­pa­nhei­ros de lu­ta iden­ti ica­ram qua­li­da­des po­lí­ti­cas e de li­de­ran­ça em Agos­ti­nho Ne­to, eles não he­si­ta­ram e de pron­to tu­do ize­ram pa­ra a sua as­cen­são à po­si­ção de lí­der po­lí­ti­co do Mo­vi­men­to Po­pu­lar de Li­ber­ta­ção de An­go­la. A 1ª Con­fe­rên­cia do MPLA ele­geu uma no­va li­de­ran­ça e Agos­ti­nho Ne­to pas­sou a ser, de fac­to, o lí­der da or­ga­ni­za­ção.

O lí­der as­su­miu as ré­de­as da or­ga­ni­za­ção e es­ta­be­le­ceu um pla­no de ac­ção as­sen­te em di­li­gên­ci­as a im de ob­ter “ar­mas e ali­men­tos pa­ra os guer­ri­lhei­ros e di­nhei­ro pa­ra a sua ac­ção di­plo­má­ti­ca. Agos­ti­nho Ne­to pri­o­ri­zou a pro­cu­ra de apoi­os, sem os qu­ais não po­de­ria agir e im­pul­si­o­nar a lu­ta de li­ber­ta­ção.” (Agos­ti­nho Ne­to, 2011, p.164). Nes­te sen­ti­do, ele vi­si­tou al­guns paí­ses oci­den­tais e afri­ca­nos (Es­ta­dos Uni­dos da Amé­ri­ca, Re­pú­bli­ca Fe­de­ral da Ale­ma­nha, Suí­ça, Tu­ní­sia, Mar­ro­cos, Fran­ça, Grã-Bre­ta­nha e Itá­lia).

A cri­se que es­ta­va a cor­ro­er o MPLA, na ver­da­de, não foi es­tan­ca­da com os re­sul­ta­dos da 1ª Con­fe­rên­cia.

Por for­ça da si­tu­a­ção que im­pe­ra­va, a di­rec­ção do mo­vi­men­to des­mem­brou-se em 1963 e vá­ri­os qu­a­dros aban­do­na­ram a lu­ta. O MPLA con­fron­ta­va-se com as pri­mei­ras de­sis­tên­ci­as.

A si­tu­a­ção tor­nou- se mais crí­ti­ca pois a OUA ti­nha re­co­nhe­ci­do a FNLA co­mo mo­vi­men­to de li­ber­ta­ção e o MPLA foi ex­pul­so do Con­go Le­o­pold­vil­le e foi obri­ga­do a ru­mar pa­ra Braz­za­vil­le. Es­tas si­tu­a­ções e ou­tras re­pre­sen­ta­ram um gol­pe con­tra o MPLA. Em­bo­ra o MPLA te­nha per­di­do “for­ça hu­ma­na e in­te­lec­tu­al”, Agos­ti­nho Ne­to man­te­ve- se fir­me e con­fi­an­te. Ele es­ta­va con­vic­to que a lu­ta con­ti­nu­a­ria a sua mar­cha triun­fal.

Di­an­te do cer­co em que se en­con­tra­va o MPLA, Agos­ti­nho Ne­to ma­no­brou e cri­ou, em 1963, a Fren­te De­mo­crá­ti­ca de Li­ber­ta­ção de An­go­la – FDLA. Es­ta or­ga­ni­za­ção foi cri­a­da e di­ri­gi­da por ele. Se­gun­do a sua vi­são, a Fren­te De­mo­crá­ti­ca de Li­ber­ta­ção de An­go­la – FDLA per­se­gui­ria vá­ri­os ob­jec­ti­vos, sen­do os prin­ci­pais “que­brar o iso­la­men­to in­ter­na­ci­o­nal, re­du­zir a in luên­cia do­mi­na­do­ra do GRAE, mo­bi­li­zar as po­pu­la­ções do nor­te de An­go­la e a po­pu­la­ção re­fu­gi­a­da nos Con­gos e atrair apoi­os pa­ra a lu­ta de li­ber­ta­ção.” (Agos­ti­nho Ne­to, 2011, p.178). Mas os seus es­for­ços não ti­ve­ram o im­pac­to de­se­ja­do. A re­fe­ri­da or­ga­ni­za­ção foi sol de pou­ca du­ra.

Por is­so, Agos­ti­nho Ne­to man­te­ve de pé a ideia da lu­ta ar­ma­da. Mas es­ta lu­ta exi­gia qu­a­dros, dis­po­ni­bi­li­da­de e de­di­ca­ção à cau­sa do po­vo an­go­la­no. As­sim te­ve lu­gar a Con­fe­rên­cia de Qu­a­dros em 1964. Os ob­jec­ti­vos des­ta con­fe­rên­cia fo­ram “a uni­da­de e a re­or­ga­ni­za­ção do MPLA e a con­ti­nu­a­ção da lu­ta ar­ma­da e po­lí­ti­ca”.

Por for­ça dos seus re­sul­ta­dos, e fa­ce à si­tu­a­ção de­plo­ran­te em que se en­con­tra­va a or­ga­ni­za­ção, Agos­ti­nho Ne­to fez um apelo aos qu­a­dros que se en­con­tra­vam no ex­te­ri­or a im de se jun­ta­rem aos es­for­ços que ele e ou­tros com­pa­nhei­ros de lu­ta le­va­vam a ca­bo pa­ra re­ti­rar a or­ga­ni­za­ção do es­ta­do de ino­pe­rân­cia e re­to­mar a lu­ta. O seu apelo foi cor­res­pon­di­do e mui­tos qu­a­dros re­gres­sa­ram à lu­ta ar­ma­da de li­ber­ta­ção na­ci­o­nal.

Agos­ti­nho Ne­to con­ti­nu­ou os es­for­ços de re­or­ga­ni­za­ção in­ter­na, ten­do pri­o­ri­za­do a re­es­tru­tu­ra­ção do Exér­ci­to Po­pu­lar de Li­ber­ta­ção de An­go­la – EPLA. Por is­so, es­te exér­ci­to foi dis­sol­vi­do e deu lu­gar ao Corpo de Guer­ri­lhei­ros do MPLA. Com es­ta me­di­da, Agos­ti­nho Ne­to in­tro­du­ziu a con­cep­ção cor­rec­ta de guer­ri­lhei­ro e de com­ba­ten­te ar­ma­do sem qual­quer dis­tin­ção. Ao mes­mo tem­po, ele de­sen­ca­de­ou um pro­gra­ma de cons­ci­en­ci­a­li­za­ção so­bre o va­lor da lu­ta ar­ma­da em con­for­mi­da­de com os prin­cí­pi­os do MPLA.

A re­es­tru­tu­ra­ção pros­se­guiu o seu cur­so o que per­mi­tiu ex­tin­guir o De­par­ta­men­to de Gu­er­ra. Com es­ta mu­dan­ça, Agos­ti­nho Ne­to as­su­miu o co­man­do e a co­or­de­na­ção da lu­ta ar­ma­da, bem co­mo de iniu um mo­de­lo de es­tru­tu­ra ter­ri­to­ri­al da gu­er­ra de guer­ri­lhas de acor­do com as par­ti­cu­la­ri­da­des do país. Além do mais, Agos­ti­nho Ne­to va­lo­ri­zou a im­por­tân­cia da pre­pa­ra­ção mi­li­tar, pois ela era es­sen­ci­al pa­ra o de­sen­ca­de­a­men­to de no­vas ac­ções ar­ma­das no in­te­ri­or de An­go­la.

O con­jun­to de me­di­das adop­ta­das no sen­ti­do de re­lan­çar a gu­er­ra de guer­ri­lhas mais a pos­tu­ra do lí­der, que se as­su­miu co­mo o co­man­dan­te das for­ças guer­ri­lhei­ras, per­mi­tiu ao MPLA re­to­mar as ac­ções guer­ri­lhei- ras na 2ª Re­gião Mi­li­tar, em 1964, e cri­ar um cen­tro de ins­tru­ção re­vo­lu­ci­o­ná­ria.

A fé ina­ba­lá­vel na lu­ta mais a von­ta­de de man­ter ace­sa a sua cha­ma fo­ram os su­por­tes que per­mi­ti­ram con­gre­gar es­for­ços pa­ra man­ter ac­ti­va a Fren­te Nor­te. Além do mais, o pro­ces­so de a ir­ma­ção do MPLA na are­na po­lí­ti­ca im­pli­ca­va ac­ti­vi­da­des po­lí­ti­cas e mi­li­ta­res con­cre­tas. Agos­ti­nho Ne­to mais os seus com­pa­nhei­ros in­te­ri­o­ri­za­ram es­sas exi­gên­ci­as. As­sim, o MPLA con­ti­nu­ou a pri­vi­le­gi­ar a lu­ta ar­ma­da de ma­nei­ra con­cre­ta e Agos­ti­nho Ne­to pas­sou a en­fa­ti­zar a ne­ces­si­da­de de mais ac­ções mi­li­ta­res.

Por for­ça des­ta pos­tu­ra, a par­tir de 1965, o MPLA pas­sou a con­tro­lar uma par­ce­la do ter­ri­tó­rio no nor­te de Ca­bin­da, por si­nal a sua 2 ª Re­gião Mi­li­tar. Os ga­nhos al­can­ça­dos em Ca­bin­da abri­ram de for­ma au­to­má­ti­ca as por­tas pa­ra o re­co­nhe­ci­men­to do MPLA, co­mo mo­vi­men­to de li­ber­ta­ção de An­go­la, por par­te da Or­ga­ni­za­ção de Uni­da­de Afri­ca­na ( OUA). Es­te feito de­veu- se “ao enor­me es­for­ço de Agos­ti­nho Ne­to de re­or­ga­ni­za­ção e de re­ac­ti­va­ção da lu­ta ar­ma­da em Ca­bin­da”.

Do pon­to de vis­ta po­lí­ti­co e mi­li­tar, os ga­nhos evi­den­ci­a­vam-se ape­sar dos im­pe­di­men­tos que co­lo­ca­vam aos guer­ri­lhei­ros do MPLA no ter­ri­tó­rio do Con­go Le­o­pold­vil­le. As­sim, os guer­ri­lhei­ros do Es­qua­drão Ci­en­fu­e­gos che­ga­ram à 1ª Re­gião Mi­li­tar, em 1966, de­cor­ri­dos vá­ri­os anos após o 4 de Fe­ve­rei­ro de 1961.

2. O DE­SEN­VOL­VI­MEN­TO DA LU­TA AR­MA­DA

O MPLA pre­co­ni­zou o de­sen­vol­vi­men­to da lu­ta ar­ma­da e a sua ex­pan­são a to­do o ter­ri­tó­rio na­ci­o­nal, em 1964. Por is­so, qu­an­do cer­tas con­di­ções es­ta­vam cri­a­das na Re­pú­bli­ca da Zâm­bia, em 1966, o MPLA ini­ci­ou a gu­er­ra no Les­te de An­go­la. As­sim, a gu­er­ra de guer­ri­lhas che­gou ao ter­ri­tó­rio do Mo­xi­co. Es­te fac­to re­pre­sen­tou de ma­nei­ra cla­ra mais um mar­co e um avan­ço sig­ni­fi­ca­ti­vo pa­ra a lu­ta de li­ber­ta­ção na­ci­o­nal, vis­to que a 1 ª Re­gião Mi­li­tar “es­ta­va iso­la­da e qua­se inac­ti­va. [ A 2 ª re­gião Mi­li­tar] ti­nha di­fi­cul­da­des de pe­ne­tra­ção e de re­cru­ta­men­to […] ape­sar da quan­ti­da­de de ar­mas e mu­ni­ções […]” dis­po­ní­veis.

De acor­do com a vi­são de Agos­ti­nho Ne­to, a ideia es­tra­té­gi­co-ope­ra­ci­o­nal não era per­ma­ne­cer no Les­te, mas sim que “o Les­te se­ria a ba­se de guer­ri­lha. O seu ob­jec­ti­vo era atin­gir Lu­an­da”. A par­tir de Ma­lan­ge e Bié.

Ti­ran­do par­ti­do des­te ga­nho, em 1966, Agos­ti­nho Ne­to con­cep­tu­a­li­zou tam­bém a ne­ces­si­da­de “da ge­ne­ra­li­za­ção da lu­ta ar­ma­da” a to­do o ter­ri­tó­rio na­ci­o­nal. Mas es­ta ideia só foi le­va­da à prá­ti­ca em 1967. Por is­so, nes­te ano, o MPLA tra­tou de dar corpo a du­as idei­as cen­trais da lu­ta de li­ber­ta­ção na­ci­o­nal. Co­me­çou por ma­te­ri­a­li­zar a ideia da “ge­ne­ra­li­za­ção da lu­ta ar­ma­da” e ape­lou aos mem­bros da Or­ga­ni­za­ção pa­ra a “par­ti­ci­pa­ção efec­ti­va na lu­ta” ar­ma­da. Es­tas fo­ram as me­tas ixa­das por Agos­ti­nho Ne­to no pe­río­do em aná­li­se. Po­rém, em 1967, Agos­ti­nho Ne­to fre­quen­tou um “es­tá­gio po­lí­ti­co-mi­li­tar” mais cer­tos com­pa­nhei­ros na União So­vié­ti­ca.

Par­tin­do da ex­pe­ri­ên­cia acu­mu­la­da com o Es­qua­drão Ci­en­fu­e­gos, em 1967, Agos­ti­nho Ne­to, co­mo co­man­dan­te, pla­ne­ou o en­vio de mais um es­qua­drão pa­ra a 1ª Re­gião Mi­li­tar. O Es­qua­drão Kamy par­tiu, mas não te­ve a mes­ma sor­te.

Mes­mo as­sim, os es­for­ços pros­se­gui­ram no sen­ti­do de se au­xi­li­ar a 1ª Re­gião Mi­li­tar com ou­tros apoi­os, ten­do o MPLA pre­pa­ra­do o Es­qua­drão Bom­bo­ko pa­ra o efei­to. Es­te mal con­se­guiu trans­por o Zaí­re de­vi­do às ac­ções das for­ças de se­gu­ran­ça des­te país. Ape­sar de tu­do, o MPLA con­ti­nu­ou o seu tra­ba­lho pa­ra au­xi­li­ar a 1ª Re­gião Mi­li­tar me­di­an­te o en­vio da Co­lu­na Be­ne­di­to, em 1970, mas tam­bém não foi bem su­ce­di­do. Di­an­te des­tes re­cu­os, o co­man­dan­te foi for­ça­do a al­te­rar a sua es­tra­té­gia em re­la­ção à 1ª Re­gião Mi­li­tar. As­sim foi pos­sí­vel evi­tar ou­tras bai­xas no seio da or­ga­ni­za­ção.

Fru­to da vi­são do lí­der, a gu­er­ra de guer­ri­lhas do MPLA re­gis­tou um avan­ço no­tó­rio em 1968. A no­to­ri­e­da­de re­sul­tou do alas­tra­men­to da gu­er­ra de guer­ri­lhas a to­do ter­ri­tó­rio da 3ª Re­gião Mi­li­tar e ao fac­to do MPLA ter es­ten­di­do as su­as ac­ti­vi­da­des mi­li­ta­res a ou­tras áre­as ge­o­grá icas.

As­sim, o MPLA cri­ou a 4ª e a 5ª Re­giões Mi­li­ta­res. Es­te feito cri­ou, na­tu­ral­men­te, mais di icul­da­des às for­ças mi­li­ta­res co­lo­ni­ais. Mas, no dia 14 de Abril de 1968, o MPLA per­deu o co­man­dan­te Ho­ji ya Hen­da, que foi o

co­or­de­na­dor da Co­mis­são Mi­li­tar, num ata­que con­tra um quar­tel das for­ças por­tu­gue­sas em Ka­ri­pan­de. En­tre­tan­to, de­vi­do ao avan­ço da lu­ta, em 1968, Agos­ti­nho Ne­to to­mou a de­ci­são de trans­fe­rir de Braz­za­vil­le o Co­mi­té Di­rec­tor, ór­gão de di­rec­ção que era o Quar­tel Ge­ne­ral do Mo­vi­men­to, pa­ra uma re­gião do in­te­ri­or sob con­tro­le da or­ga­ni­za­ção.

Por is­so, o MPLA trans­fe­riu par­te do Co­mi­té Di­rec­tor pa­ra a Fren­te Les­te, on­de já es­ta­va bem im­plan­ta­do. Além do mais, por for­ça do alas­tra­men­to da gu­er­ra de guer­ri­lhas do MPLA em 1968, o co­man­dan­te Agos­ti­nho Ne­to an­te­viu a in­ter­ven­ção da Áfri­ca do Sul na gu­er­ra co­lo­ni­al de An­go­la em au­xí­lio ao seu ali­a­do – Por­tu­gal (Agos­ti­nho Ne­to, 1979, p.52).

A lu­ta ar­ma­da do MPLA pros­se­guiu a sua mar­cha vi­to­ri­o­sa em 1969 e 1970. Tan­to mais que o MPLA foi obri­ga­do a cri­ar no seu seio uma Co­mi­té de Co­or­de­na­ção Po­lí­ti­co-Mi­li­tar em 1970. Es­te ano re­pre­sen­tou o au­ge da lu­ta ar­ma­da. De res­to, a si­tu­a­ção apre­sen­ta­va-se bas­tan­te crí­ti­ca pa­ra as for­ças mi­li­ta­res por­tu­gue­sas no pe­río­do em aná­li­se.

Em 1971, a lu­ta ar­ma­da do po­vo an­go­la­no com­ple­tou dez anos. Por es­te fac­to, Agos­ti­nho Ne­to apro­vei­tou a oca­sião pa­ra fa­zer um ba­lan­ço da lu­ta, ten­do des­ta­ca­do a pro­pó­si­to:

“Após dez anos de lu­ta, che­ga­mos a uma si­tu­a­ção que nos dá a es­pe­ran­ça de con­so­li­dar a lu­ta pe­la in­de­pen­dên­cia do nos­so país. Mais de um ter­ço do ter­ri­tó­rio es­tá sob con­tro­lo das for­ças ar­ma­das do MPLA, se­ja no Nor­te, em Ca­bin­da, nas re­giões do Mo­xi­co e Cu­an­do Cu­ban­go e tam­bém nu­ma par­te da Lun­da e do Bié. Ve­ri ica-se uma al­te­ra­ção qua­li­ta­ti­va da lu­ta, no pla­no in­ter­no e no pla­no ex­ter­no. No pla­no in­ter­no, a nos­sa tác­ti­ca aper­fei­ço­ou-se, a nos­sa ac­ção é vi­go­ro­sa. [...] No pla­no ex­ter­no, hou­ve ao lon­go des­tes úl­ti­mos anos uma re­vo­lu­ção po­si­ti­va na opi­nião pú­bli­ca in­ter­na­ci­o­nal, o que é evi­den­te­men­te uma con­sequên­cia da lu­ta.” (Agos­ti­nho Ne­to, 1979, p.66).

3. DA GE­NE­RA­LI­ZA­ÇÃO DA LU­TA À FOR­MA­ÇÃO DO EXÉR­CI­TO

Di­an­te dos avan­ços al­can­ça­dos na lu­ta ar­ma­da con­tra as for­ças mi­li­ta­res co­lo­ni­ais, o MPLA pas­sou pa­ra ou­tro es­tá­gio de or­ga­ni­za­ção das su­as uni­da­des guer­ri­lhei­ras. As­sim fo­ram cri­a­dos os es­qua­drões e as colunas, sim­bo­li­zan­do a evo­lu­ção da guer­ri­lha e a ten­dên­cia pa­ra a sua trans­for­ma­ção em exér­ci­to.

Mas o Exér­ci­to co­lo­ni­al por­tu­guês já ti­nha pos­to em mar­cha, des­de 1970, um pla­no de mo­do a con­ter o avan­ço da gu­er­ra de guer­ri­lhas do MPLA. Por is­so, a gu­er­ra de guer­ri­lhas do MPLA co­me­çou a en­fren­tar di icul­da­des em 1972. Es­tas agra­va­ram-se mui­to mais em 1973, vis­to que a or­ga­ni­za­ção tam­bém se de­pa­rou com uma re­be­lião in­ter­na com con­tor­nos di­vi­si­o­nis­tas. Pe­ran­te es­ta si­tu­a­ção, a ac­ti­vi­da­de guer­ri­lhei­ra do MPLA na 3ª Re­gião Mi­li­tar icou pa­ra­li­sa­da.

Pa­ra re­ver­ter o qua­dro, foi ne­ces­sá­rio adop­tar uma sé­rie de me­di­das, o que pos­si­bi­li­tou es­tan­car a cri­se po­lí­ti­ca in­ter­na e re­to­mar a ac­ti­vi­da­de guer­ri­lhei­ra. Aliás, Agos­ti­nho Ne­to, co­mo lí­der po­lí­ti­co e mi­li­tar da or­ga­ni­za­ção, as­su­miu o co­man­do dos acon­te­ci­men­tos, de mo­do a in­ver­ter o qua­dro por via de um mo­vi­men­to de re­a­jus­ta­men­to. A sua ati­tu­de per­mi­tiu de­vol­ver a tran­qui­li­da­de de­se­ja­da à or­ga­ni­za­ção e re­to­mar as ac­ções guer­ri­lhas no im de 1973 e no co­me­ço de 1974.

Em 1974, o MPLA res­ta­be­le­ceu-se e a or­ga­ni­za­ção guer­ri­lhei­ra vol­tou a cres­cer do pon­to de vis­ta mi­li­tar, adop­ta­do ou­tros pa­râ­me­tros de fun­ci­o­na­men­to. De res­to, as mu­dan­ças ope­ra­das per­mi­ti­ram efec­tu­ar a tran­si­ção, com ou­tro alen­to, en­tre 1974 e 1975. Por es­ta al­tu­ra, o MPLA já dis­pu­nha das For­ças Ar­ma­das Po­pu­la­res de Li­ber­ta­ção de An­go­la – FA­PLA, co­mo seu bra­ço ar­ma­do, pro­cla­ma­da no dia 1 de Agos­to de 1974.

A cri­a­ção das FA­PLA, com fei­ções de exér­ci­to na­ci­o­nal, foi fun­da­men­tal, pois ga­ran­tiu a exis­tên­cia do MPLA no tur­bu­len­to pe­río­do de tran­si­ção po­lí­ti­ca em 1975 e per­mi­tiu en­fren­tar as in­va­sões ex­ter­nas le­va­das a ca­bo pe­lo Zaí­re e pe­la Áfri­ca do Sul. Por is­so, as FA­PLA fo­ram es­sen­ci­ais pa­ra a pro­cla­ma­ção da in­de­pen­dên­cia na­ci­o­nal.

CON­CLU­SÕES

Es­te é o per­cur­so da lu­ta ar­ma­da con­du­zi­da pe­lo MPLA, co­mo mo­vi­men­to de li­ber­ta­ção na­ci­o­nal, até ao mo­men­to da pro­cla­ma­ção da in­de­pen­dên­cia. Nes­te per­cur­so iden­ti i- cá­mos o pa­pel do co­man­dan­te Agos­ti­nho Ne­to e tu­do o que ele fez em be­ne ício da lu­ta de li­ber­ta­ção do po­vo an­go­la­no.

Além do mais, ica­ram evi­den­tes as mu­dan­ças ope­ra­das no seio dos des­ta­ca­men­tos de guer­ri­lhei­ros e a evo­lu­ção des­tes até à for­ma­ção do exér­ci­to, bem co­mo fo­ram ex­pos­tas as es­tra­té­gi­as con­ce­bi­das de mo­do a man­ter ac­ti­va a guer­ri­lha até à con­quis­ta da in­de­pen­dên­cia. Por is­so, os re­sul­ta­dos são inú­me­ros: a in­de­pen­dên­cia, a li­ber­da­de, a dig­ni­da­de dos an­go­la­nos, etc.

Bi­bli­o­gra ia

Do­cu­men­tos: História do MPLA, 1ºVo­lu­me (19401966), 2008, Cen­tro de Do­cu­men­ta­ção e In­ves­ti­ga­ção His­tó­ri­ca do MPLA, Lu­an­da.

História do MPLA, 2ºVo­lu­me (1966­ 1975), 2008, Cen­tro de Do­cu­men­ta­ção e In­ves­ti­ga­ção His­tó­ri­ca do MPLA, Lu­an­da.

Agos­ti­nho Ne­to e a Li­ber­ta­ção de An­go­la 1949­1974 Ar­qui­vos da Pi­de­DGS; Vo­lu­me I 1949­1960, 2011, Fun­da­ção Dr. An­tó­nio Agos­ti­nho Ne­to, Lu­an­da. Au­to­res: LA­RA, Lú­cio, 2006, Um Am­plo Mo­vi­men­to, Vol. I (até Fev. 1961), Lú­cio La­ra, Lu­an­da.

LA­RA, Lú­cio, 2006, Um Am­plo Mo­vi­men­to, Vol. II (1961­1962), Lú­cio La­ra, Lu­an­da.

LA­RA, Lú­cio, 2006, Um Am­plo Mo­vi­men­to, Vol. III (1963­1964), Lú­cio La­ra, Lu­an­da.

Ne­to, Agos­ti­nho, 1979, Tu­do pe­lo Po­vo, Tu­do pe­la In­de­pen­dên­cia, Tu­do pe­lo So­ci­a­lis­mo, DE­PI, CC, MPLA­PT, Lu­an­da.

Ne­to, Agos­ti­nho, 1985, Tex­tos Po­lí­ti­cos Es­co­lhi­dos, DIP, Lu­an­da.

Uma das múl­ti­plas vi­si­tas do Pre­si­den­te Ne­to acom­pa­nha­do pe­las FA­PLA

A. Ne­to com Ba­sil Da­vid­son, na Fren­te Les­te

Na Fren­te Les­te

A. Ne­to e a paz com Pror­tu­gal

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.