Pro­sa bei­ja-flor pa­ra Bi­to Pa­che­co

Jornal Cultura - - Letras - JO­SÉ LUÍS MENDONÇA

Bi­to Pa­che­co, te can­ta­mos es­ta pro­sa bei­ja- lor a vo­ar en­tre as pé­ta­las da his­tó­ria do nos­so país que não es­que­ce o teu sor­ri­so. Ce­le­bra­mos tua mão ami­ga, tua voz con­se­lhei­ra e teu olhar com­pa­nhei­ro de to­das as ho­ras.

Se a im­pren­sa diz“ter­ça-fei­ra, 22 de Se­tem­bro, em Lu­an­da, ví­ti­ma de do­en­ça”, nós não te­mos des­co­ra­gem de te cho­rar. Po­de­mos mes­mo cho­rar “uma lá­gri­ma no can­to do olho”, mas des­con­se­gui­mos ir aon­de le­vam teus olhos fe­cha­dos, nes­sa ter­ra a que cha­mam úl­ti­ma mo­ra­da. Tua mo­ra­da per­pé­tua (não úl­ti­ma) é aqui no co­ra­ção e es­te se per­pe­tua de sen­ti­men­tos e não há adeus. O que há é o fru­to ma­du­ro­do teu plan­tar ver­sá­til por en­tre as ma­te­bei­ras da mis­são do Es­ta­do. Es­se nos ali­men­ta, ir­mão-ca­ma­ra­da-Álvaro Pa­che­co dos San­tos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.