“UOL STRITE” NÃO CUIA

Jornal Cultura - - Primeira Página -

1 Mes­mo que An­go­la te­nha pre­ten­sões, ao mais al­to ní­vel po­lí­ti­coad­mi­nis­tra­ti­vo, de se­guir a vi­ra­gem pro­ta­go­ni­za­da pe­lo Rwan­da, ao ins­tau­rar o in­glês co­mo lín­gua ofi­ci­al, mes­mo ad­mi­tin­do es­sa hi­pó­te­se da go­ver­na­ção an­go­la­na, atri­buir o no­me de “Uol Strite” ( Wal Stre­et) ao pri­mei­ro cen­tro fi­nan­cei­ro da ci­da­de de Lu­an­da as­se­me­lha-se a uma sub­mis­são cul­tu­ral de An­go­la à glo­ba­li­za­ção neo- li­be­ral ( an­glo­sa­xó­ni­ca) es­ta­du­ni­den­se.

A no­tí­cia avan­ça­da pe­lo Jor­nal de An­go­la, na edi­ção de 10 de Se­tem­bro, pe­la voz do pre­si­den­te do con­se­lho exe­cu­ti­vo da So­ci­e­da­de Baía de Lu­an­da, Mi­guel Carneiro, dei­xa-nos (est)eti­ca­men­te ar­re­pi­a­dos. 2 Em pri­mei­ro lu­gar, por ra­zões his­tó­ri­cas. Se a in­ten­ção é glo­ri icar um sím­bo­lo da his­tó­ria dos EUA, com a atri­bui­ção do no­me de “Uol Strite” a um em­pre­en­di­men­to em Lu­an­da, ape­nas es­ta­re­mos a hon­rar os que tru­ci­da­ram os pe­les-ver­me­lhas (ín­di­os) e lhes rou­ba­ram as ter­ras pa­ra fa­zer a me­ga­ló­ma­na na­ção que é ho­je os EUA. A pres­tar ho­me­na­gem à his­tó­ria e à so­ci­e­da­de nor­te-ame­ri­ca­na e aos seus va­lo­res, se­ria mais hon­ro­so dar o no­me des­se em­pre­en­di­men­to àque­le che­fe ín­dio, Touro Sen­ta­do, que der­ro­tou o ge­ne­ral Cus­ter e os sol­da­dos fa­cas lon­gas na ba­ta­lha de Lit­tle Big Horn (Pe­que­no Gran­de Chi­fre), em 1876, na re­gião on­de ho­je ica o es­ta­do de Mon­ta­na. Pe­lo me­nos, es­ta­ría­mos a ser so­li­dá­ri­os com os au­tóc­to­nes nor­te-ame­ri­ca­nos, cu­ja his­tó­ria de ocu­pa­ção e de lu­ta se as­se­me­lha à nos­sa.

Em se­gun­do lu­gar, por ra­zões cul­tu­rais (lin­guís­ti­cas). Nós, angolanos, her­da­mos dois pa­tri­mó­ni­os in­con­tor­ná­veis do En­con­tro de Ci­vi­li­za­ções ini­ci­a­do nes­te ter­ri­tó­rio no sé­cu­lo XV. O pri­mei­ro é a lín­gua por­tu­gue­sa. O se­gun­do é o ma­pa em for­ma de qua­dri­lá­te­ro de um país on­de ca­bem po­vos de di­fe­ren­tes pa­la­vras bantu. A lín­gua por­tu­gue­sa de­tém um pa­pel cen­tral na co­mu­ni­ca­ção, por is­so foi con­si­de­ra­da des­de a in­de­pen­dên­cia na­ci­o­nal, co­mo a lín­gua o ici­al. Dar no­mes às coi­sas da nos­sa ter­ra na lín­gua que fa­la a Rai­nha de In­gla­ter­ra não se­rá uma es­pé­cie de ali­e­na­ção cul­tu­ral? O Co­ló­quio so­bre a Cul­tu­ra Na­ci­o­nal, que de­cor­reu em Lu­an­da, em Se­tem­bro de 2014, re­al­çou “a ques­tão da cons­tru­ção de uma Na­ção prós­pe­ra ba­sea

da na iden­ti­da­de so­ci­o­cul­tu­ral do ho­mem an­go­la­no”, e propôs “o uso e a uti­li­za­ção de mo­ti­vos cul­tu­rais na­ci­o­nais em in­dús­tri­as, ins­ti­tui­ções e ser­vi­ços, bem co­mo em to­das as áre­as da vi­da e da ac­ti­vi­da­de dos ci­da­dãos (...)”. 3 Nós não so­mos in­gle­ses. Tão pou­co nor­te-ame­ri­ca­nos. Te­mos uma lín­gua o ici­al, o por­tu­guês, e te­mos seis gran­des lín­guas afri­ca­nas ca­pa­zes de no­me­ar se­ja que em­pre­en­di­men­to for que se er­ga em An­go­la. Além dis­so, te­mos igu­ras so­ci­ais e his­tó­ri­cas que po­dem con­fe­rir, me­lhor que “Uol Strite”, um no­me hon­ro­so ao pri­mei­ro cen­tro inan­cei­ro da ci­da­de de Lu­an­da. Veio-me, de re­pen­te, à me­mó­ria, Car­los Rocha Di­lolwa, guer­ri­lhei­ro, eco­no­mis­ta e mi­nis­tro do Pla­ne­a­men­to e Co­or­de­na­ção Eco­nó­mi­ca do 1º Go­ver­no de An­go­la. E ele há ou­tras fon­tes cul­tu­rais na­ci­o­nais ou mes­mo da Áfri­ca que ser­vi­ri­am me­lhor que “Uol Strite” es­sa in­ten­ção to­po­ní­mi­ca.

Se­ja­mos or­gu­lho­sa­men­te angolanos. “Uol Strite” não cuia.

JO­SÉ LUÍS MENDONÇA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.