TRANSCULTURALISMO E OU­SA­DIA NE­GO­CI­AL

Jornal Cultura - - Primeira Página - LAU­REN EKUÉ

Em­pre­sá­rio, ho­mem de mí­dia, co­lec­ci­o­na­dor, Clau­de Grunitzky vi­ve a cem a ho­ra. Co­mu­ni­car com ele é de­sa iar os fu­sos ho­rá­ri­os. E mo­ver-se de um con­ti­nen­te pa­ra ou­tro, à ve­lo­ci­da­de de um pis­car de olhos. O ca­va­lhei­ro hi­per­po­li­glo­ta trans­for­ma as su­as pai­xões em ac­ti­vi­da­des ren­tá­veis. Se o seu no­me abre uma par­te da his­tó­ria do To­go, ele quer se des­ta­car da sua fa­mí­lia pa­ra cri­ar pon­tes de an­co­ra­gem ori­gi­nais en­tre ar­te, cul­tu­ra, co­mu­ni­ca­ção e ne­gó­ci­os. Es­te em­bai­xa­dor de um no­vo gé­ne­ro in­car­na ísi­ca e vis­ce­ral­men­te uma cer­ta ideia de diá­lo­go in­ter­cul­tu­ral com ta­len­to, mo­der­ni­da­de e um to­que de ou­sa­dia ple­no de ale­gria. O pa­ra­dig­ma re­ve­la o dom ina­to des­te ‘ glo­be­trot­ter’. O ar­can­jo de olho es­te­ta es­tá pres­tes a ex­ce­der os li­mi­tes de sua fi­li­a­ção mí­ti­ca ao des­fru­tar os pri­vi­lé­gi­os re­sul­tan­tes da for­ça de tra­ba­lho, ou­sa­dia e re­fle­xões. Cul­tu­ra sur­pre­en­deu es­te es­tra­nho pás­sa­ro em ple­no voo nu­ma en­tre­vis­ta in­crí­vel co­mo uma lon­ga jor­na­da pe­la gran­de Áfri­ca.

A nos­sa sec­ção é cha­ma­da DIÁ­LO­GO IN­TER­CUL­TU­RAL, so­bre­tu­do es­se diá­lo­go atra­vés das ar­tes e da li­te­ra­tu­ra, o que is­so lhe ins­pi­ra?

Des­de a mi­nha in­fân­cia em Lo­mé nos anos 70, ar­tes, mú­si­ca, li­te­ra­tu­ra, cul­tu­ra aglu­ti­na­ram to­das as es­pe­ran­ças, am­bi­ções e to­da a mi­nha exis­tên­cia. Eu pas­so mui­to tem­po com ar­tis­tas e de­sig­ners de to­do o mun­do. Eu no­to que es­ta­mos mui­tas ve­zes no mes­mo com­pri­men­to de on­da, es­pe­ci­al­men­te quan­do evo­ca­mos e par­ti­lha­mos as nos­sas "uto­pi­as". Es­te diá­lo­go que cha­mei de "trans­cul­tu­ral" nos meus li­vros e na mí­dia ho­je tem um ba­lan­ço. Es­te úl­ti­mo é in le­xí­vel so­bre a ma­nei­ra co­mo as ci­vi­li­za­ções oci­den­tais – es­tou a pen­sar na Eu­ro­pa – aco­lhem e tra­tam a ge­ra­ção trans­cul­tu­ral afri­ca­na. Nós, que nas­ce­mos na Áfri­ca, que co­nhe­ce­mos bem o nos­so con­ti­nen­te, que que­re­mos nos ex­pres­sar so­bre o fu­tu­ro das nos­sas so­ci­e­da­des, às ve­zes sen­ti­mos co­mo intrusos na Eu­ro­pa, imi­gra­dos, mi­gran­tes. O es­for­ço con­sis­te em cri­ar, atra­vés do po­der de no­vas fer­ra­men­tas, in­cluin­do a In­ter­net, um no­vo sis­te­ma que irá des­ta­car a cri­a­ti­vi­da­de e os ta­len­tos das no­vas ge­ra­ções afri­ca­nas.

O seu in­te­res­se pe­la ar­te, es­pe­ci­al­men­te a de Áfri­ca, é co­nhe­ci­da. Fa­le-nos da sua pai­xão.

A cri­a­ção de meu pri­mei­ro ór­gão, TRUE Ma­ga­zi­ne, re­mon­ta a 1995. Tra­vo uma lu­ta pe­la ex­pres­são ar­tís­ti­ca das cul­tu­ras de Áfri­ca e dos mun­dos afros. Es­tou em ac­ção por 20 anos, tan­to em Lo­mé, Jo­a­nes­bur­go, Nai­ro­bi, Londres, No­va Ior­que ou Tóquio. Tu­do o que fa­ço, tu­do que me faz so­nhar, to­dos es­tes ar­ti­gos, es­tas his­tó­ri­as, par­ti­ci­par na di­fu­são da ex­ce­lên­cia ar­tís­ti­ca nas­ceu de um de­se­jo de ex­pres­sar uma no­va cons­ci­ên­cia ne­gra. For­mei as mi­nhas equi­pas, pa­ra cri­ar uma va­ri­e­da­de nos mei­os de co­mu­ni­ca­ção. Tam­bém or­ga­ni­za­mos ex­po­si­ções nos cin­co con­ti­nen­tes. No en­tan­to, eu dis­se a mim mes­mo que ti­nha que pa­rar de cor­rer, e en­con­trar tem­po pa­ra a re le­xão, me­di­ta­ção e par­ti­lha de coi­sas es­sen­ci­ais, es­pe­ci­al­men­te aque­las pai­xões que mol­dam as nos­sas iden­ti­da­des trans­cul­tu­rais-afri­ca­nas. As­sim nas­ceu o de­se­jo de par­ti­ci­par no pro­ces­so de do­cu­men­ta­ção das me­lho­res pro­jec­tos cul­tu­rais em Áfri­ca e sua diás­po­ra. E, vin­te anos mais tar­de, ve­ri ico que o fa­ço a ca­da dia num mo­vi­men­to co­lec­ti­vo, no seio de gran­des re­des de trans­cul­tu­rais, trans­con­ti­nen­tais, te­ci­das ao lon­go dos anos.

Po­de a Áfri­ca al­me­jar ao de­sen­vol­vi­men­to atra­vés da ar­te e da cul­tu­ra?

O de­sen­vol­vi­men­to cul­tu­ral na Áfri­ca não foi bem o que eu ima­gi­nei quan­do co­me­cei na aven­tu­ra da TRUE e, mais tar­de, na TRA­CE. As ati­tu­des mu­da­ram, por meio da co­nec­ti­vi­da­de ha­bi­li­ta­da pe­la web. No en­tan­to, es­ta evo­lu­ção tem si­do mais len­ta do que o es­pe­ra­do. Ago­ra, as coi­sas es­tão se ace­le­ran­do. A ju­ven­tu­de afri­ca­na rom­pe to­dos os có­di­gos em ar­te e cul­tu­ra. Is­so trans­mi­te mui­ta es­pe­ran­ça, e es­sa ener­gia me mo­ve. En­con­trar-se ho­je nas me­tró­po­les afri­ca­nas com es­tes jo­vens ta­len­tos, con­duz-nos a um no­vo cru­za­men­to, es­tar no cen­tro do fu­tu­ro. Que in­ten­si­da­de! Que pro­mes­sas, re­a­li­za­ções, pro­jec­tos a ima­gi­nar, ce­ná­ri­os por acon­te­cer, a acon­te­cer..

Você tem al­gum sen­ti­men­to de es­tar pos­suí­do pe­lo de­se­jo de es- tar, atra­vés de su­as ini­ci­a­ti­vas, à al­tu­ra do no­me que car­re­ga? Se­rá es­ta uma ma­nei­ra de se cons­truir a si mes­mo, as­su­min­do ao mes­mo tem­po, a sua he­ran­ça his­tó­ri­ca?

Mui­tas pes­so­as pen­sam que a mi­nha fa­mí­lia – os Grunitzky e os Olym­pio – te­rão ti­do um tre­men­do su­ces­so na po­lí­ti­ca no To­go. Na re­a­li­da­de, não se pas­sou lá mui­to bem pa­ra aque­les que con­se­gui­ram to­mar o po­der na década de 1960. Eu mon­to as mi­nhas pró­pri­as ini­ci­a­ti­vas à mar­gem da es­fe­ra po­lí­ti­ca. Man­te­nho a mi­nha in­de­pen­dên­cia. Aos pou­cos, es­tou cer­ca­do por uma equi­pe in­crí­vel, to­tal­men­te trans­cul­tu­ral. Aco­lhe­mos ca­da vez mais jo­vens afri­ca­nos. Tra­ba­lhei du­ro e for­mei-me em tor­no de cer­tos va­lo­res fa­mi­li­a­res tan­to to­go­le­ses co­mo afri­ca­nos. Gos­ta­ria de en­car­nar uma es­pé­cie de mo­der­ni­da­de afri­ca­na, uma no­va ma­nei­ra de ser que não re­ne­gue a mi­nha ili­a­ção nem mi­nha he­ran­ça to­go­le­sa. Es­te sé­cu­lo é pro­mis­sor. Sin­to que se­re­mos bem su­ce­di­dos na iden­ti ica­ção, em tor­no dos jo­vens afri­ca­nos e os na diás­po­ra, de no­vas ac­ti­vi­da­des eco­nó­mi­cas, cul­tu­rais e ar­tís­ti­cas.

Em 2008, você pu­bli­cou um en­saio “Trans­cul­tu­ra­lis­mos”. Co­mo vê a evo­lu­ção des­te con­cei­to ho­je e co­mo ele se en­cai­xa em seus mui­tos pro­jec­tos e es­ti­los de vi­da?

Eu ti­ve a ideia pa­ra o li­vro "Trans­cul­tu­ra­lis­mos" em 11 de Se­tem­bro de 2001. Na épo­ca, eu mo­ra­va em No­va Ior­que e en­fren­tei o cho­que dos ata­ques, eu pen­sei que fal­ta­va um no­vo li­vro que en­fa­ti­zas­se as mi­nhas ex­pe­ri­ên­ci­as, as dos meus co­la­bo­ra­do­res e ami­gos, a im de des­cons­truir cer­tos es­te­reó­ti­pos so­bre imi­gra­ção, re­li­gião, fun­da­men­ta­lis­mo. Es­te en­saio é mais uma re­co­lha que aju­da a es­ca­par, de ma­nei­ra fe­liz, às bar­rei­ras da iden­ti­da­de ixa. Es­te li­vro, es­cri­to co­lec­ti­va­men­te, per­mi­tiu-me es­cla­re­cer a mi­nha vi­são do mun­do, as ten­sões en­tre so­ci­e­da­des ur­ba­nas, ét­ni­cas e lu­xos emi­gra­tó­ri­os.

Você vi­a­ja por to­dos o la­do, tem al­gum vín­cu­lo com a Áfri­ca lu­só­fo-

CLAUDE GRUNITZKY

Claude Grunitzky. Fo­to de Ge­or­gia Kuhn

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.