A VOZ PERFUMADA, A VOZ POEIRADA E O RIO

Jornal Cultura - - Artes - MATADI MAKOLA|

No dia 24 de Se­tem­bro, quan­do o re­ló­gio mar­ca­va exac­ta­men­te 21 ho­ras, o mar es­bel­to que banha a ci­da­de foi ou­tro me­ro es­pec­ta­dor do es­pec­tá­cu­lo mu­si­cal que acon­te­ceu na Baia de Lu­an­da: Jaz­zing. Foi a pri­mei­ra edi­ção des­te projecto mu­si­cal de es­ti­má­vel qua­li­da­de e que pro­me­te tra­zer du­as ve­zes por ano ar­tis­tas do me­lhor que há, tan­to de Áfri­ca co­mo do mun­do. O an­go­la­no To­tó foi o an itrião de uma noi­te que pro­me­tia Di­an­ne Re­e­ves, can­to­ra ame­ri­ca­na de­ten­to­ra do Grammy de Me­lhor Ál­bum de Jazz Vo­cal de 2015 e que já le­va na ba­ga­gem mais de 15 ál­buns lan­ça­dos, e Nne­ka, a ni­ge­ri­a­na que Lu­an­da não es­que­ce de­vi­do aos seus in­con­tor­ná­veis su­ces­sos que são trans­ver­sais no con­ti­nen­te ber­ço e por ser tam­bém um exem­plo ex­cel­so que a ac­tu­al Áfri­ca ge­ra no mun­do. Voz perfumada A voz de Di­an­ne Re­e­ves é mais do que um can­to, é uma mar­ca dis­tin­ta que ica gra­va­da no co­ra­ção. Por is­so, quan­do abriu o es­pec­tá­cu­lo, de­ci­diu ofe­re­cer-nos a sua sin­ge­la pre­sen­ça co­me­çan­do com uma bre­ve per­for­man­ce vo­cal sua, fei­ta a par­tir dos bas­ti­do­res, en­quan­to o quar­te­to que a acom­pa­nha­va ia se ins­ta­lan­do in­ti­ma­men­te no pal­co. Mal so­ou o seu can­to, na­da mais se fez si­lên­cio, tu­do pa­re­cia cum­prir uma re­gra so­no­ra. Ha­via or­dem, can­ta­va co­mo qu­em cons­truía. Pa­re­ce-nos não mui­to dú­bio adi­vi­nhar que Di­an­ne traz na gar­gan­ta uma lor aro­ma­ti­zan­te e que o seu can­to não é mais se­não do que o per­fu­me des­ta lor a de­sa­bro­char, a exa­lar di­rec­ta­men­te o co­ra­ção co­mo se fos­se o úni­co des­ti­no do seu can­to. Ape­nas ao co­ra­ção, le­va­do na gra­vi­ta­ção de to­das as su­as me­mó­ri­as e sen­ti­men­tos sob o som per­fu­ma­do da sua voz. A ame­ri­ca­na não icou ape­nas nas pi­ta­das de jazz tor­ra­das à me­di­da que o si­bi­lan­te sa­xo­fo­ne da­va às pes­so­as a in­ve­ro­sí­mil sen­sa­ção de que o cor­po le­vi­ta­va à for­ça da sua me­lo­dia, mis­tu­rou no seu can­to um pou­co de bos­sa no­va. Voz poeirada Nne­ka não é uma flor, em­bo­ra se pa­re­ça. Fez- se pe­dra. É uma pe­dra ati­ra­da nas águas do rio cal­mo da al­ma, pa­ra a cons­ci­ên­cia des­per­tar sob a mais in­có­mo­da se­du­ção des­te no­ta cu­jos es­pi­nhos que re­ti­ra das ma­ze­las da Áfri­ca ate­ou o seu can­to em­po­ei­ra­do pe­las es­tra­das ain­da não as­fal­ta­das que fa­zem as ar­té­ri­as pa­ra o ma­to Áfri­ca, e co­mo cri­an­ça que brin­ca de de­sen­ro­lar um no­ve­lo com­pos­to de ima­gens des­fi­gu­ra­das, Nne­ka sol­ta de den­tro pa­ra fo­ra um can­to de voz poeirada. Do êx­ta­se do reg­gae, com ´ Bo­ok of Job ´ co­me­çou co­mo qu­em se de­ba­tia por ques­tões es­pi­ri­tu­ais, le­vou- nos a uma sen­sa­ção de ago­nia exis­ten­ci­al, en­quan­to a fi­gu­ra da artista, di­an­te do seu can­to do­len­te e que­bra­do, ain­da con­ser­va­va nas fei­ções e no sor­ri­so a ima­cu­la­da ino­cên­cia das cri­an­ças. Mas tam­bém que­brou- se com ´ My Lo­ve ´ , ´ Baby­lon ´ , ´ Shi­nings­tar ´ , ´ He­art­be­at ´ e ou­tros que lhe fi­ze­ram vol­tar à al­ma, ser so­pro de um can­to em pre­ce pa­ra um con­ti­nen­te, co­mo foi em ´Pray for You´. O rio Nu­ma pas­sa­gem pe­los su­ces­sos que o ize­ram uma voz pro­mis­so­ra nas mú­si­cas de fu­são en­tre soul e R&B, re­fa­zen­do de mo­do cal­mo re­gis­tos co­mo ´Abre a Por­ta Tânia´, pa­ra gran­de de­lí­rio dos pre­sen­tes, To­tó fez-se mais rio nes­ta noi­te em que ga­nhou mais a lu­en­tes. Va­mos ver aon­de de­sa­gua­rá.

Di­an­ne, Nne­ka e To­tó no JAZ­ZING

To­tó

Nne­ka

Di­an­ne

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.