´GAGOS´ FI­CÁ­MOS

TOP DOS MAIS QUE­RI­DOS 2015

Jornal Cultura - - Primeira Página - MATADI MAKOLA|

Fei­tas as con­tas des­tes 10 me­ses de vo­ta­ção pú­bli­ca, ´Ga­go´, de Yu­ri da Cu­nha, foi a mais elo­quen­te, a mais cha­ma­ti­va, a que me­lhor con­quis­tou o co­ra­ção dos aman­tes da mú­si­ca em 2015. As­sim po­de­mos con­si­de­rá-la des­de a noi­te de 2 Ou­tu­bro, dia em que foi con­sa­gra­da can­ção ven­ce­do­ra do Top dos Mais Que­ri­dos 2015, anúncio fei­to na ga­la re­a­li­za­da no Cen­tro de Con­ven­ções de Be­las, pro­mo­vi­da pe­la Rá­dio Na­ci­o­nal de An­go­la. Saí­da no ál­bum “O In­tér­pre­te”, lan­ça­do no prin­cí­pio des­te ano, icou com 23 por cen­to dos vo­tos. Foi a von­ta­de do pú­bli­co, jus­ta ou não pa­ra al­guns ar­tis­tas que ize­ram mui­to nes­te in­ter­va­lo de 2014-2015. Aliás, ain­da a co­me­çar a ga­la, já Afon­so Quin­tas, nas ves­tes de mes­tre de ce­ri­mó­nia, ti­nha lo­go aler­ta­do que não es­ta­va em cau­sa a me­lhor mú­si­ca ou percurso mas sim o mais vo­ta­do nes­te ano, e mais tar­de, a des­cor­ti­nar a fran­ja que mais vo­ta, foi opor­tu­no ao tra­zer a pú­bli­co que são as pes­so­as en­tre os 18 e 25 anos que mais vo­ta­ram, ate­an­do des­ta for­ma a dis­cus­são dos pú­bli­cos da mú­si­ca ac­tu­al, seus prós e con­tras e as va­riá­veis ida­de ver­sus qua­li­da­de mu­si­cal.

Diz um ve­lho adá­gio que di ícil se­ria agra­dar a gre­gos e troi­a­nos ao mes­mo tem­po, bem co­mo tam­bém se­ria jus­to pa­ra­fra­se­ar o cé­le­bre ver­so de Ca­mões que diz: “Mu­dam-se os tem­pos, mu­dam-se as von­ta­des”, que­ren­do com is­to acla­rar que os pú­bli­cos têm os seus gos­tos e de­vem ser res­pei­ta­dos, tal co­mo os ar­tis­tas são in lu­en- ci­a­dos pe­las ten­sões so­ci­ais dos seus tem­pos, pa­ra não pro­du­zi­rem um ob­jec­to ar­tís­ti­co de­sen­rai­za­do do seu mo­men­to. Qu­em es­te­ve pre­sen­te vi­veu es­se di­le­ma se­gun­dos após te­rem in­for­ma­do o re­sul­ta­do ina­pe­lá­vel que o Yu­ri, es­te show­man da no­vís­si­ma ge­ra­ção do sem­ba e que nos úl­ti­mos tem­pos tem pro­cu­ra­do be­ber mais ful­gor do sem­ba tras­bor­dan­te da ca­ba­ça de Bon­ga, se­ria en­tão o mais que­ri­do de 2015. Na pla­teia, mai­o­ri­ta­ri­a­men­te jo­vem, de ime­di­a­to mais de uma dú­zia de pes­so­as se le­van­tou gri­tan­do o no­me de Kya­ku Kya­daff, es­ta pro­mes­sa que con­quis­tou o co­ra­ção da ju­ven­tu­de e dos ko­tas, dos sem­bis­tas de far­ras de quin­tal aos de sa­lões, bem co­mo de al­guns po­li­dos aman­tes de jazz, que apre­ci­a­ram e de­ram boa no­ta ao re­gis­to que deu tí­tu­lo a es­te ál­bum de Kya­ku lan­ça­do no inal de 2014, ´Se Hungwi­le´. Era cla­ro que o ra­paz do Zai­re po­dia mes­mo ter me­re­ci­do es­ta edi­ção do Top e não ser na­da ex­ces­si­vo, pe­lo su­ces­so que tem es­ta­do a fa­zer des­de 2014 (pré­mio Co­ca­co­la do Top dos Mais Que­ri­dos) a 2015, sem­pre com o seu no­me nos mais im­por­tan­tes even­tos que ser­vem de fac­tos ir­re­fu­tá­veis pa­ra con­si­de­rar­mos o ní­vel de po­pu­la­ri­da­de des­te ou da­que­le can­tor. Kya­ku, que con­cor­reu com a mú­si­ca ´Pra­zer que­bra­do´, con­se­guiu o ter­cei­ro des­te Top, com 12 por cen­to dos vo­tos.

Ou­tro artista com gran­de no­to­ri­e­da­de nes­tes dois anos tem si­do C4 Pedro, que con­se­guiu im­por a sua mar­ca en­tre gue­ro­zouk e ki­zom­ba com o seu mo­do ca­rac­te­rís­ti­co de tor­cer as pa­la- vras até ga­nha­rem uma so­no­ri­da­de ali­te­ra­da, pa­ra não fa­lar de Yo­la Se­me­do, que des­ta vez o seu ´Aba­na´ não aque­ceu o su ici­en­te, de Ary, que em­pre­gou ra­pi­dez ao in­ter­pre­tar ´Des­pe­di­da do Lar´, da au­to­ria de Be­to Cruz, ou de Ne­lo de Carvalho, com a acer­ta­da le­tra de ´Mi­nha Lin­da´.

Es­ta­ría­mos com cer­te­za di­an­te de mais um da­que­les mo­men­tos mar­can­tes do nos­so show­biz do­més­ti­co, se Ma­ti­as Da­má­sio se con­sa­gras­se o mais que­ri­do de 2015, igua­lan­do as­sim o ro­mân­ti­co Pe­dri­to, até ago­ra o que­ri­dís­si­mo com três edi­ções no seu percurso. Ma­ti­as, que con­cor­reu com a mú­si­ca ´Bei­jo rai­nha´, icou em se­gun­do lu­gar com 17 por cen­to dos vo­tos, dei­xan­do es­ta pro­e­za da sua car­rei­ra pa­ra edi­ções fu­tu­ras.

´Me agar­ra só no uhm´ faz Lan­drick Pré­mio Co­ca­co­la

So­bre fac­tos no­vos ou si­nais de uma ge­ra­ção no­va à ca­be­ça do show­biz da mú­si­ca an­go­la­na, na edi­ção pas­sa­da, em Ma­lan­ge, vi­mos NGA a ca­sar mu­si­cal­men­te com a ver­sá­til gui­tar­ra­da de Tedy e Ya­nick (Afro­mem) nu­ma das po­si­ções ci­mei­ras. Se há águas que ba­tem até a pe­dra fu­rar, tam­bém há es­te rap que se es­for­ça por con­quis­tar o seu pú­bli­co e que se faz pre­sen­ça no­tó­ria nas úl­ti­mas edi­ções do Top, dei­xan­do até já a pos­si­bi­li­da­de de um dia ser o mais que­ri­do do ano, co­mo es­ca­pou em Ma­lan­ge quan­do o qua­dro dos dez ti­nha Ya­nick, Dji Ta inha e NGA. Só pa­ra re­cor­dar, já em Ma­lan­ge, o pró­prio Ya­nick, um exem­plo do la­do po­si­ti­vo do rap, ti­nha se mos­tra­do fe­liz pe- lo es­pa­ço que o rap co­me­ça­va a ga­nhar no seio de in­di­vi­du­a­li­da­des da mas­sa crítica an­go­la­na que ou­tro­ra não fa­zia mais do que lan­çar pe­dras e des­de­nhar es­te es­ti­lo mar­ca­da­men­te ju­ve­nil. Ho­je, o rap deu a vol­ta por ci­ma e se mos­trou cons­ci­en­te, por um la­do. Por ou­tro la­do, há um rap que ser­ve pa­ra in­fes­tar um pro­ble­ma que tem si­do a fe­bre da ju­ven­tu­de, ele­van­do va­lo­res ao ex­tre­mo com a exi­bi­ção de uma lu­xú­ria sur­re­al pa­ra a re­a­li­da­de eco­nó­mi­ca de mui­tos dos seus aman­tes, nu­dis­mo, se­xo explícito, drogas e gan­gues, as mes­mís­si­mas coi­sas do pa­co­te ame­ri­ca­no pa­ra mon­tar a men­ti­ra do car­pe di­em, de vi­ver a vi­da e sus­ci­tar uma ati­tu­de he­do­nis­ta.

Na noi­te do dia 2, os The Gro­o­ve mos­tra­ram o seu hou­se mas foi Lan­drick a no­tí­cia da noi­te. O ra­paz da Bom Som, pro­du­to­ra de An­sel­mo Ralph, foi o Pré­mio Co­ca­co­la, pe­lo su­ces­so que tem fei­to nos úl­ti­mos me­ses, sus­ten­tan­do com le­tras que in­si­nu­am ter­mos e dis­cri­ções des­ca­ra­da­men­te se­xu­ais co­mo re­me­xer que cuia bwé,

en­cos­tar até ro­çar e me agar­ra só no uhm, es­te úl­ti­mo o no­vo ter­mo in­tro­du­zi­do por Lan­drick co­mo con­tri­bui­ção do pos­sí­vel di­ci­o­ná­rio, qua­se to­do ele re­che­a­do de in­ten­ção eró­ti­ca, de ter­mos mu­si­ca­dos na ex­plo­são mu­si­cal 2000, par­te do co­ro da can­ção que tem fei­to su­ces­so no seio da ju­ven­tu­de, uma re­a­li­da­de da no­vís­si­ma mú­si­ca an­go­la­na que ca­da vez mais se im­põe com mais for­ça, sem cor­rec­ções atem­pa­das, co­mo se to­dos es­ti­vés­se­mos gagos ao ana­li­sar a mo­ral mu­si­cal de uma épo­ca.

Yu­ri da Cu­nha (à es­quer­da) re­ce­be a cha­ve sim­bó­li­ca do pré­mio

Ma­ti­as Da­má­sio (à es­quer­da) re­ce­be o ga­lar­dão e po­sa pa­ra fo­to

Kya­ku Kya­daff (à es­quer­da) re­ce­be o ga­lar­dão e agra­de­ce aos fãs

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.