CUL­TU­RA TRA­DI­CI­O­NAL AN­GO­LA­NA?

QUO VA­DIS

Jornal Cultura - - Primeira Página - Ilus­tra­ções de GUI­ZEF

A co­me­mo­ra­ção dos 40 anos da in­de­pen­dên­cia na­ci­o­nal cons­ti­tui uma oca­sião su­bli­me pa­ra a re le­xão so­bre a idi­os­sin­cra­sia da nos­sa po­pu­la­ção, par­ti­cu­lar­men­te da ci­ta­di­na.

O pas­sa­do le­gou-nos uma so­ci­e­da­de or­ga­ni­za­da, com prin­cí­pi­os mo­rais e va­lo­res fa­mi­li­a­res bem vin­ca­dos, ve­ri icá­veis ain­da em fa­mí­li­as con­ser­va­do­ras; tra­di­ções e há­bi­tos cul­tu­rais, co­mo a mú­si­ca, vis­ce­ral­men­te en­rai­za­da no nos­so po­vo; a gas­tro­no­mia e o ar­te­sa­na­to pe­cu­li­a­res, den­tre in­con­tá­veis ele­men­tos en­dé­mi­cos.

No pre­sen­te, pe­los so­pros da glo­ba­li­za­ção, pe­lo lon­go pe­río­do de con li­to pós-in­de­pen­dên­cia que impôs so­fri­men­to às po­pu­la­ções, co­mo é dis­so exem­plo o des­mem­bra­men­to das fa­mí­li­as, vi­ve­mos nu­ma so­ci­e­da­de em fa­se de ama­du­re­ci­men­to da sua iden­ti­da­de.

Diá­ria e ino­pi­na­da­men­te, tes­te­mu­nha­mos si­tu­a­ções da vi­da ci­ta­di­na tra­du­to­ras do mo­dus vi­ven­di da nos­sa po­pu­la­ção. È nes­se con­tex­to que se in­se­rem os lai­vos de an­go­la­ni­da­de de­du­tí­ves dos mul­ti­fa­ce­ta­dos ca­sos da vi­da re­al do­ra­van­te re­la­ta­dos:

12 Mar13

Ao che­gar ao pré­dio on­de re­si­di­mos de­pa­rá­mo-nos com um enor­me écran à en­tra­da do edi ício: es­tá a de­cor­rer o jo­go de fu­te­bol en­tre o Bar­ce­lo­na e o AC Mi­lan re­fe­ren­te à 2ª eli­mi­na­tó­ria da Li­ga dos Cam­peões Eu­ro­peus. Uma vin­te­na de es­pec­ta­do­res acom­pa­nha as pe­ri- pé­ci­as da con­ten­da, sen­ta­da no pá­tio de aces­so ao edi ício; ou­tros fa­zem-no do la­do de fo­ra do mu­ro, al­guns agar­ra­dos à ar­ma­ção do mes­mo, mo­ti­va­dos, tal­vez, pe­lo ner­vo­sis­mo pro­vo­ca­do pe­las in­ci­dên­ci­as da par­ti­da. Uns en­ver­gam a ca­mi­so­la do Bar­ce­lo­na; mui­tos tor­cem pe­lo clu­be ca­ta­lão.

A can­ti­nei­ra, aza­fa­ma­da, as­sa fran­gos e pin­chos e dis­tri­bui be­bi­das, na sua mai­o­ria cer­ve­ja. Me­sas e ca­dei­ras de plás­ti­co, es­pa­lha­das, trans­for­mam a en­tra­da do pré­dio nu­ma im­pro­vi­sa­da e con­cor­ri­da es­pla­na­da.

Já em ca­sa, va­mos es­cu­tan­do a en­sur­de­ce­do­ra gri­ta­ria dos sim­pa­ti­zan­tes ao ce­le­bra­rem ca­da um dos três go­los com que o Bar­ce­lo­na eli­mi­na o AC Mi­lan, de­pois de, no pri­mei­ro jo­go, ter per­di­do em S. Si­ro por 0 – 2.

27Abr13

Es­ta­mos a al­mo­çar num apar­ta­men­to si­tu­a­do jun­to ao Ci­ne São Pau­lo. Es­pe­vi­ta­dos por uma al­ga­zar­ra pro­ve­ni­en­te da ave­ni­da, as­so­ma­mos à ja­ne­la. Nos pas­sei­os, os ven­de­do­res de rua e cli­en­tes, no fre­ne­sim co­mer­ci­al, pa­re­cem for­mi­gas!

Vis­lum­bra­mos, a con­tor­na­rem a ro­tun­da, adep­tos vin­dos do Bair­ro Pa­lan­ca pa­ra apoi­ar o Ka­bus­corp no jo­go com o Re­cre­a­ti­vo do Li­bo­lo, re­la­ti­vo a uma das jor­na­das do Gi­ra­bo­la. Fa­zem­se trans­por­tar em du­as car­ri­nhas, uma de cai­xa fe­cha­da. Nes­ta, os jo­vens pen­du­ram-se nas ja­ne­las e so­bres­sa­em da es­can­ca­ra­da por­ta de trás, agi­tan­do ca­che­cóis e ban­dei­ras; ges­ti­cu­lan­do; dan­çan­do de pé, agar­ra­dos uns aos ou­tros; be­ben­do cer­ve­ja em la­ta e en­to­an­do can­tos pe­cu­li­a­res des­ta po­pu­lar e ru­gi­do­ra fa­lan­ge clu­bis­ta.

01Abr14

Fre­quen­te­men­te, mo­ças, so­zi­nhas ou aos pa­res, sim­plo­ri­a­men­te ata­vi­a­das, ba­tem à por­ta dos apar­ta­men­tos a ofe­re­cer os seus prés­ti­mos: «Bom dia, tio. Nós ta­mos pro­cu­rá tra­ba­lho: as­sim la­vá, in­gu­má…» In­va­ri­a­vel­men­te, res­pon­de­mos: «Não, mo­ças, não pre­ci­sa­mos. Já te­mos a Cân­di­da.» Mas elas in­sis­tem: «O pai gran­de num sa­be qu­em pre­ci­sa?» Olhan­do com­pas­si­va­men­te pa­ra as su­as isi­o­no­mi­as ex­pec­tan­tes, re­ma­ta­mos: «Per­gun­tem aos vi­zi­nhos ou nas du­as can­ti­nas exis­ten­tes no rés-do-chão.»

No im da tar­de do dia se­guin­te, so­mos aler­ta­dos por ba­te­de­las vindas da rua. Ce­le­re­men­te, cor­re­mos pa­ra a mar­qui­se, abri­mos uma das ja­ne­las e ob­ser­vá­mos du­as se­nho­ras, de pa­nos, a pas­sar em fren­te à La­van­da­ria Ses­sen­ta, com im­bam­bas na ca­be­ça, ba­ten­do, com co­lhe­res de so­pa: a jo­vem, nu­ma la­ta de lei­te Ni­do vazia e gas­ta; e a mais-ve­lha, atrás, na ba­se du­ma pa­ne­la vi­ra­da ao con­trá­rio. Ca­mi­nha­vam mu­das.

O ca­so, ines­pe­ra­do e ca­ri­ca­to, fez-nos re­cu­ar 40 anos e re­lem­brar os cos­tu­mei­ros e apre­go­a­dos de­sa­pa­re­ci­men­tos de cri­an­ças, no Golf da nos­sa in­fân­cia: «Es­ta­ri­am à pro­cu­ra de al­gu­ma?»

Sá­ba­do, de ma­nhã, fo­mos so­bres­sal­ta­dos pe­lo cha­ma­men­to es­tri­den­te da ma­na: - De­pres­sa, vem ver! Ató­ni­tos, cor­re­mos pa­ra a va­ran­da tra­sei­ra da ha­bi­ta­ção.

Vin­do do sen­ti­do do Ser­vi­ço de Iden­ti ica­ção, apro­xi­ma-se um cor­te­jo de imen­sas mo­to­ri­za­das.

Si­mul­ta­ne­a­men­te, ou­tras tan­tas mo­tas con­cen­tram-se na zo­na dos se­má­fo­ros da Av. Ho­ji Ya Hen­da, à es­qui­na do pré­dio, en­quan­to um po­lí­cia vai ori­en­tan­do a cir­cu­la­ção de veí­cu­los, pro­cu­ran­do mi­ni­mi­zar a in­con­ve­ni­ên­cia do apa­ra­to mo­to­ri­za­do.

À me­di­da que o des ile se apro­xi­ma, va­mos des­co­brin­do a ra­zão do mes­mo: a úl­ti­ma mo­ta traz, atre­la­do, um… cai­xão!

Pro­vo­ca­do pe­lo pa­vi­men­to es­cor­re­ga­dio, pe­la co­pi­o­sa chu­va que caí­ra na vés­pe­ra, pe­la quan­ti­da­de de bu­ra­cos exis­ten­tes na via, ou de­vi­do à con­du­ção des­cui­da­da do mo­to­ci­clis­ta, a ur­na cai pa­ra o chão la­ma­cen­to!

Ra­pi­da­men­te, al­guns jo­vens aban­do­nam as mo­tas pa­ra au­xi­li­ar o con­du­tor a re­co­lo­cá-la no im­pro­vi­sa­do re­bo­que.

O cor­te­jo fú­ne­bre jun­ta-se aos motociclistas si­ti­a­dos, e, se­gui­da­men­te, par­tem ron­can­do em di­rec­ção ao ce­mi­té­rio de San­ta­na!

En­quan­to re­co­lhía­mos aos apo­sen­tos, pro­cu­rá­mos con­tex­tu­a­li­zar a ocor­rên­cia que aca­bá­ra­mos de tes­te­mu­nhar: «Mo­da ou epi­só­dio in­só­li­to?»

Na se­gun­da-fei­ra, ca­mi­nhá­va­mos pa­ra a Lu­sía­da pe­la Rua Ca­pê­lo e Ivens. Du­as mo­ça­sem fren­te de nós, uma tra­jan­do uma blu­sa ala­ran­ja­da e cal­ças de gan­ga; a ou­tra, um ves­ti­do de chi­ta com mi­nús­cu­las lo­res es­pa­lha­das pe­lo mes­mo. À de­ter­mi­na­da al­tu­ra, a pri­mei­ra ti­ra da ma­la um pe­que­no sa­co de plás­ti­co e des­te um pe­da­ço de pa­no, e, cur­van­do-se pa­ra fren­te, vai lim­pan­do as san­dá­li­as, igual­men­te ala­ran­ja­das.

As­sim cur­va­da, en­quan­to vai lim­pan­do o cal­ça­do, apri­mo­ran­do o cro­ma­do das fi­ve­las, com a mão es­quer­da se­gu­ra a pre­si­lha cen­tral das cal­ças, pu­xan­do- a pa­ra ci­ma, ao en­con­tro da bai­nha da blu­sa, num ges­to in­ten­ci­o­nal pa­ra im­pe­dir, aos de­mais tran­seun­tes, a vi­são do cós das cu­e­cas.

Es­ta ac­ção cons­ti­tui um há­bi­to pu­di­co le­va­do a efei­to por mui­tas mo­ças an­go­la­nas, quan­do es­tão sen­ta­das em ban­cos, so­bem es­ca­da­ri­as e, prin­ci­pal­men­te, em ce­ri­mó­ni­as re­li­gi­o­sas, co­mo a eu­ca­ris­tia.

Con­tra­ri­a­men­te, mui­tos ra­pa­zes ca­mi­nham co­lo­can­do a t-shirt por ci­ma do cós das cu­e­cas, bo­xers ou cal­ções, cin­tan­do as cal­ças ao meio das ná­de­gas, a im de mos­tra­rem a me­ta­de ci­mei­ra des­ta pe­ça de ves­tuá­rio!

Es­ta re­cen­te có­pia mas­cu­li­na do mo­do de ves­tir ju­ve­nil, e já vul­gar, em al­guns paí­ses es­tran­gei­ros, vem es­tan­do ali­a­da à ou­tra, igual­men­te re­cen­te, de inú­me­ros jo­vens pas­se­a­rem, na via pú­bli­ca, fa­zen­do-se acom­pa­nhar de cães – sem açai­me – dos ti­pos pit bull e pas­tor-ale­mão.

Ora, es­tes dois pro­ce­di­men­tos afi­gu­ram- se per­ni­ci­o­sos por três ra­zões: no pri­mei­ro ca­so, além da im­pu­di­cí­cia na amos­tra­gem da lin­ge­rie mas­cu­li­na, os jo­vens, que as­sim ves­tem as cal­ças, ten­dem a ca­mi­nhar com as per­nas ar­que­a­das, co­mo se fos­sem cam­bai­os, pa­ra evi­tar que as mes­mas cai­am, o que lhes po­de en­tor­tar as per­nas, nu­ma ida­de em que a sua es­tru­tu­ra ós­sea ain­da es­tá em de­sen­vol­vi­men­to. O pro­ce­di­men­to ca­ní­deo é um cla­ro aten­ta­do à in­te­gri­da­de fí­si­ca dos de­mais tran­seun­tes.

Ao ci­mo da via, jun­to ao se­má­fo­ro, um nú­me­ro con­si­de­rá­vel de jo­vens, exi­bin­do as sa­que­tas de plás­ti­co, in­ter­pe­lam, di­a­ri­a­men­te, os pas­san­tes pa­ra a ven­da de im­pres­sos e se­los is­cais – cu­jo pre­ço va­ria em fun­ção da ca­pa­ci­da­de ar­gu­men­ta­ti­va do com­pra­dor – pa­ra os vá­ri­os ti­pos de do­cu­men­tos re­la­ci­o­na­dos com au­to­mó­vel, a se­rem tra­ta­dos na con­tí­gua Di­rec­ção Na­ci­o­nal de Vi­a­ção e Trân­si­to.

No im do dia, ob­ser­vá­mos a ma­no­bra pe­ri­go­sa de um mo­to­quei­ro que, des­res­pei­tan­do a li­nha di­vi­só­ria das fai­xas de ro­da­gem, ape­nas ima­gi­ná­ria, pois já ine­xis­ten­te, em­ba­te con­tra um car­ro li­gei­ro: mo­to e con­du­tor es­ta­te­lam-se no chão! O po­lí­cia de trân­si­to, ha­bi­tu­al na­que­le cru­za­men­to, to­ma con­ta da ocor­rên­cia. De­pres­sa um ma­go­te de tran­seun­tes cir­cun­da os en­vol­vi­dos, ex­pli­can­do a cau­sa, di­tan­do sen­ten­ças so­bre o apa­ra­to­so aci­den­te. Uma das tes­te­mu­nhas ocu­la­res co­lo­ca o si­nis­tra­do no car­ro em­ba­ti­do, acom­pa­nha o do­no do mes­mo no trans­por­te do aci­den­ta­do pa­ra o hos­pi­tal, en­quan­to ou­tros aju­dam o agen­te a re­ti­rar a mo­to pa­ra ci­ma do pas­seio, em fren­te à La­van­da­ria Ses­sen­ta. En­tre­tan­to, uma se­nho­ra pas­sa, trans­por­tan­do, à ca­be­ça, uma bo­ti­ja de gás as­sen­te nu­ma ro­di­lha.

22Nov14

Atrás do pré­dio on­de re­si­di­mos, um ra­paz, com cer­ca de 15 anos, la­va a rou­pa em dois dos três tan­ques de pe­dra exis­ten­tes no pá­tio, (se­me­lhan­tes àque­les on­de a sau­do­sa la­va­dei­ra Ana, nas dé­ca­das de ses­sen­ta e se­ten­ta, la­va­va a rou­pa da fa­mí­lia, nos bair­ros do Pren­da e do Golf), ati­ran­do as pe­ças la­va­das pa­ra ou­tro, pa­ra as re­pas­sar por água lim­pa ex­traí­da da cis­ter­na aí exis­ten­te.

Mas não es­tá só. Além da cri­an­ça­da que brin­ca no es­pa­ço co­mum, ou­tros ra­pa­zes re­ti­ram o pre­ci­o­so lí­qui­do pa­ra en­cher os bi­dões ama­re­los, de 20 li­tros – ori­gi­nal­men­te uti­li­za­dos pa­ra óleo ve­ge­tal ou de pal­ma – pa­ra ven­da, em al­guns dos apar­ta­men­tos do pré­dio ou no seu ex­te­ri­or.

28Ago15

Aten­den­do ao fac­to de a Uni­ver­si­da­de Lu­sía­da icar lo­ca­li­za­da na bai­xa da ci­da­de, apro­vei­tá­mos a dis­po­ni­bi­li­da­de diá­ria pa­ra, por ve­zes, en­trar nas igre­jas aqui si­tu­a­das, pa­ra al­guns mo­men­tos de in­tros­pec­ção.

Cul­ti­va­mos es­te há­bi­to des­de ten­ra ida­de, quan­do en­trá­va­mos pa­ra es­ses tem­plos levados pe­la mão da pi­e­do­sa mãe. Nes­sa era, “res­pi­ra­va­se” um cli­ma ex­tá­ti­co, em que as ora­ções em gru­po, co­mo o ro­sá­rio, eram re­ci­ta­das nu­ma voz can­di­da­men­te har­mo­ni­o­sa; o si­lên­cio e a obs­cu­ri­da­de im­pe­ra­vam, con­vi­dan­do à con­tem­pla­ção e à me­di­ta­ção.

Ac­tu­al­men­te, um cren­te ra­ra­men­te en­con­tra, no in­te­ri­or das igre­jas, o am­bi­en­te ide­al pa­ra o pro­cu­ra­do re­co­lhi­men­to. De tal mo­do que, em di­fe­ren­tes pe­río­dos do dia: de ma­nhã, à ho­ra do al­mo­ço ou à tar­de, gru­pos de se­nho­ras, en­ver­gan­do len­ços, ca­mi­so­las e pa­nos com mo­ti­vos re­li­gi­o­sos, pos­ta­das nos ban­cos di­an­tei­ros, re­zam o ter­ço, e ou­tros ti­pos de ora­ções, num tom de voz de­ma­si­a­da­men­te al­te­a­do, di­fi­cul­tan­do, aos res­tan­tes e sin­gu­la­res fiéis, a im­pres­cin­dí­vel con­cen­tra­ção pa­ra a de­se­ja­da “con­ver­sa” com Deus e/ou Nos­sa Se­nho­ra.

Ou­tra mo­da que tem ti­do a ade­são de mu­lhe­res dos di­fe­ren­tes es­tra­tos so­ci­ais é a do ti­po de tra­ta­men­to que dis­pen­sam ao ca­be­lo, pre­fe­rin­do ade­re­ços ao ca­be­lo na­tu­ral.

Fa­zem- no por o te­rem en­ca­ra­pi­nha­do, ou pa­ra ex­ten­são do li­so que pos­su­em, ou, ain­da, pa­ra al­te­ra­rem o vi­su­al: en­co­brem o ca­be­lo na­tu­ral com tran­ças pos­ti­ças, gros­sas ou fi­nas, vi­ra­das, “san­gui­ta”, “es­ca­mas”, “Bobs” “cocks” ou “Lei­la”; fa­lhas loi­ras, com ca­be­lo bra­si­lei­ro, ca­che­a­do ou li­so; tis­sa­gens, apli­ca­das fio por fio ou por cos­tu­ra, fei­tas com ca­be­lo de fi­bra ou… hu­ma­no! Fa­zem- no, sim­ples­men­te por es­ti­lo, sem ra­zões de que­da ou ine­xis­tên­cia de ca­be­lo na­tu­ral.

A pre­o­cu­pa­ção em não ex­por a ca­ra­pi­nha é de tal mo­do a li­ti­va que mui­tas em­pre­ga­das do­més­ti­cas, por exem­plo, so­cor­rem-se de cha­péus pa­ra a es­con­de­rem du­ran­te o cur­to pe­río­do da mu­dan­ça de pe­ru­ca ou de pen­te­a­do; sa­cri ican­do mui­tos dos par­cos kwan­zas que au­fe­rem, nes­se ti­po de vai­da­de ca­pi­lar!

Se o alin­da­men­to ar­ti­fi­ci­al­pro­cu­ra­do é du­vi­do­so, cer­tos são os seus in­con­ve­ni­en­tes: a fre­quen­te co­mi­chão na ca­be­ça e a que­bra do ca­be­lo ori­gi­nal. Acres­cen­te- se ou­tro da­no co­la­te­ral: os ca­be­los de bai­xo cus­to não ra­ras ve­zes são co­mer­ci­a­li­za­dos com pi­o­lhos!

O ci­da­dão mais dis­traí­do po­de­ria ser le­va­do a co­gi­tar que, a es­ta mo­da, ade­rem ape­nas as mo­ças e mu­lhe­res jo­vens; pu­ro en­ga­no, pois ido­sas há que usam es­te ti­po de or­na­men­to ca­pi­lar! A mo­da já vai abran­gen­do al­gu­mas bes­san­ga­nas que, de­bai­xo do tra­di­ci­o­nal len­ço, dei­xam à mostra a fran­ja, ou pon­tas, da in­ter­ven­ção efec­tu­a­da no ca­be­lo!

Quan­to às es­tu­dan­tes, vi­mos cons­ta­tan­do que al­gu­mas pas­sam as au­las mais pre­o­cu­pa­das em ajei­tar a pe­ru­ca, ou a ali­sar a tis­sa­gem, do que a ti­rar apon­ta­men­tos so­bre a ma­té­ria que es­tá a ser ex­pla­na­da!

Es­te fe­nó­me­no so­ci­al tem-nos le­va­do a co­gi­tar: «Se­rá que a glo­ba­li­za­ção trou­xe pa­ra Áfri­ca o cos­tu­me dos ca­be­los li­sos das ne­gras nor­te-ame­ri­ca­nas?»; «Se­rá que, num fu­tu­ro pró­xi­mo, dei­xa­rão de exis­tir se­nho­ras com len­ços na ca­be­ça, na so­ci­e­da­de an­go­la­na?»

En­tão, da­mos con­nos­co a lem­brar de que es­ta ten­dên­cia já es­ta­va pro­fe­ti­za­da na ve­lha can­ção po­pu­lar, em vo­ga na nos­sa in­fân­cia: «Ne­gra de ca­ra­pi­nha du­ra não es­tra­ga o teu ca­be­lo, me ju­ra! Você não vai es­tra­gar o que vovó dei­xou pra você!»

De res­to, «tran­ças cor­ri­di­nhas» usam-nas as ado­les­cen­tes e, «com mis­san­gas a cair», as me­ni­ni­nhas. Que en­can­ta­do­ras elas icam, com as ba­tas bran­cas a ca­mi­nho da es­co­la, ou com ves­tes cui­da­das pa­ra a mis­sa do­mi­ni­cal! Quo va­dis cul­tu­ra tra­di­ci­o­nal an­go­la­na?

MÁ­RIO ARAÚ­JO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.