´Gui­a­do­res´ ex­pos­tos

Jornal Cultura - - Artes - MATADI MAKOLA

“Man­go­vo apre­sen­ta nes­ta ex­po­si­ção 27 pin­tu­ras e 3 es­cul­tu­ras nu­ma co­lec­c­ção que abar­ca di­fe­ren­tes pe­río­dos de ma­tu­ra­ção, técnica e es­ti­lo. Obras co­mo ´Can­don­guei­ro de ve­rão´ e ´En­con­tro das Zun­guei­ras´, ex­pres­si­o­nis­tas por si só, per­mi­tem uma di­nâ­mi­ca mais emo­ci­o­nal, já que re­pre­sen­tam to­da es­ta tra­di­ção e ener­gia (mui­tas ve­zes do ca­os), nu­ma dan­ça e mis­tu­ra de co­res; ´134´, ´Uni­ver­so azul´ e ´Ener­gia da paz´ re­me­tem-nos pa­ra um pro­ces­so de cons­ci­en­ci­a­li­za­ção da vi­o­lên­cia e da ne­ces­si­da­de de paz”, as­sim ana­li­sa a cu­ra­do­ra, Só­nia Ribeiro, num dos pon­tos do tex­to de apre­sen­ta­ção da ex­po­si­ção in­di­vi­du­al ´Gui­a­do­res´, do ar­tis­ta plás­ti­co an­go­la­no Man­go­vo, ex­pos­ta ao pú­bli­co no Me­mo­ri­al Dr. Agos­ti­nho Ne­to de 8 a 14 de Ou­tu­bro.

Por ou­tro la­do, Só­nia apon­ta que “traz-nos tam­bém o la­do mais con­tem­po­râ­neo do ar­tis­ta, ex­pres­so no es­ti­lo hy­per­re­a­lis­mo e nos te­mas mais glo­bais, que, atra­vés da no­ção de ´mo­tor­man´, en­quan­to me­tá­fo­ra, re­me­te-nos pa­ra a im­por­tân­cia da au­to­no­mia e de in­de­pen­dên­cia, so­bre­tu­do no pen­sa­men­to (“Eu qu­e­ro”) e da ur­gên­cia de de­sen­vol­vi­men­to. A mo­to é um meio pa­ra atin­gir um im e é ex­pres­são da evo­lu­ção no con­tex­to dos paí­ses em vi­as de de­sen­vol­vi­men­to”. Acres­cen­ta que as obras ´Bu­si­ness as usu­al´, ´Da­lai La­ma´ e ´Pa­pa´ per­mi­tem a to­ma­da de cons­ci­ên­cia so­bre a pró­pria ca­pa­ci­da­de (e res­pon­sa­bi­li­da­de dos lí­de­res) de in­te­grar a paz e a luz (im­por­tan­te na es­cu­ri­dão e no ca­os) e de re lec­tir co­mo se de um es­pe­lho se tra­tas­se ou co­mo uma luz ao fun­do do tú­nel.

Da in­ten­ção e li­ga­ção do ar­tis­ta ao seu tem­po, Só­nia co­men­ta que es­te es­tá com­pro­me­ti­do com as prin­ci­pais ques­tões es­pe­cí­fi­cas do con­tex­to em que ope­ra, co­mo a pro­tec­ção am­bi­en­tal, os di­rei­tos da mu­lher, ou so­bre te­mas co­mo o con­su­mis­mo, os va­lo­res hu­ma­nos, as re­la­ções so­ci­ais ou o ur­ba­nis­mo, ten­do co­mo fra­mework a pai­sa­gem ur­ba­na e as ce­nas da vi­da quo­ti­di­a­na. Cris­ti­a­no Man­go­vo Ca­bin­den­se nas­ci­do em 1982. Vem de uma fa­mí­lia com dom pa­ra o de­se­nho. Quan­do ain­da me­nor foi pa­ra o Con­go-Kinsha­sa co­mo re­fu­gi­a­do e com o apoio da fa­mí­lia se ma­tri­cu­la nes­te pais fran­có­fo­no no cur­so de Hu­ma­ni­da­des Ar­tís­ti­cas no co­lé­gio das Be­las Artes ESPRORA, na área de pin­tu­ra, ten­do vin­do a ob­ter, em 2003, o Di­plo­ma de Es­ta­do. Pros­se­guiu ao ní­vel do en­si­no su­pe­ri­or na Aca­de­mia de Be­las Artes de Kinsha­sa, mas an­tes pas­sou nu­ma for­ma­ção que du­rou me­ses no ate­li­er do ar­tis­ta plás­ti­co Nar­ci­so Nsi­mam­bo­te, com ob­jec­ti­vo de com­ple­tar a sua for­ma­ção em bus­ca de do­mí­nio na com­po­si­ção pic­tu­ral e da sua pa­le­ta. Por im, abra­ça a cri­a­ção pic­tu­ral de­pois de aban­do­nar a ar­te da rua e de­se­nho nas pa­re­des da ci­da­de. Aos pou­cos, a me­lho­ria do seu tra­ba­lho tor­na-se re­al gra­ças ao apoio e ri­gor do seu pro­fes­sor de o ici­na, Henry Ka­la­ma. A sua gran­de pre­o­cu­pa­ção é do­mi­nar a ar­te de dis­tor­ção, lon­ge de câ­no­nes aca­dé­mi­cos que já ma­ni­pu­la.

Man­go­vo

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.