A LI­TE­RA­TU­RA E AS GUER­RAS EM AN­GO­LA

Jornal Cultura - - Primeira Página -

Se não for por ca­tar­se, di­ga-se que a tão re­pe­ti­da­men­te evo­ca­da Guer­ra Co­lo­ni­al de 1961/74 foi sim­ples­men­te a úl­ti­ma das mui­tas guer­ras que se se­gui­ram à pri­mei­ra, tra­va­da en­tre as hos­tes de Pau­lo Di­as de No­vais e Ngo­la Ki­lu­an­je, em 1575. De fac­to, com a se­gun­da che­ga­da de Di­o­go Cão, em 1484, e o seu re­la­ci­o­na­men­to com o Ma­ni-Soyo, ain­da se po­de­rá fa­lar de “co­lo­ni­za­ção mis­si­o­ná­ria” (ex­pres­são eu­fe­mís­ti­ca de Adriano Mo­rei­ra pa­ra ca­rac­te­ri­zar to­da a co­lo­ni­za­ção por­tu­gue­sa…), de tal mo­do fo­ram cor­di­ais e de in­te­res­ses re­cí­pro­cos as re­la­ções en­tre por­tu­gue­ses e an­go­la­nos. De­pois, foi o que é con­sa­bi­do: o trá ico de es­cra­vos e a bus­ca de ou­ro e pra­ta for­ma­ta­ram as re­la­ções e os in­te­res­ses ao pon­to de nem os mis­si­o­ná­ri­os es­ca­pa­rem à ten­ta­ção da ri­que­za – lem­bre-se os pa­dres dos Loi­os.

Só do pri­mei­ro tem­po em que o ad­jec­ti­vo co­lo­ni­al ain­da re­me­tia pa­ra o éti­mo la­ti­no co­lo­nus (o que cul­ti­va a ter­ra em lu­gar do seu do­no) se po­de­ria di­zer, pa­ra­fra­se­an­do a Bí­blia, que No Prin­cí­pio era o Ver­bo, por­que a con ian­ça na Pa­la­vra di­ta e os ac­tos con­se­quen­tes fa­zi­am jus ao pen­sa­men­to de San­to Agos­ti­nho, um mi­lé­nio an­tes, de que o tem­po é o es­pa­ço on­de de­cor­rem as coi­sas. Mas já an­tes Cí­ce­ro ad­ver­tia: o tem­po­ra! o mo­res! E co­mo se viu até aos nos­sos di­as, os in­te­res­ses, as prá­ti­cas e os cos­tu­mes, pe­se em­bo­ra a pri­mei­ra Pa­la­vra, mu­da­ram o es­pa­ço e o tem­po, até que…

…por im, a Pa­la­vra trans­bor­dou co­mo com­po­nen­te de um vul­cão ador­me­ci­do, que de­pois en­tra em erup­ção: pri­mei­ro mag­ma, de­pois lava. Tal co­mo na na­tu­re­za hu­ma­na: pri­mei­ro, con­for­ma­ção, re­sig­na­ção, es­pe­ran­ça; de­pois, in­con­for­mi­da­de, pro­tes­to, lu­ta.

No ca­so, to­da­via, em du­as ver­ten­tes: uma, que se re­por­ta­va aos in­te­res­ses do co­lo­ni­za­dor; ou­tra, do co­lo­ni­za­do – ge­ran­do (até 1961…), no di­zer de Má­rio An­tó­nio, a res­pei­to de al­guns tex­tos ques­ti­o­ná­veis con­ti­dos na re­vis­ta Men­sa­gem, “um cal­do de am­bi­gui­da­des”.

Es­se “cal­do”, en­quan­to pa­la­vra es­cri­ta, es­tá já pre­sen­te nos pri­mei- ros jor­nais que se fun­da­ram em An­go­la, a par­tir de 1866 (o pri­mei­ro ar­re­me­do de in­for­ma­ção co­me­çou em 1845, com a cri­a­ção pe­lo Go­ver­no do Bo­le­tim O ici­al). Até en­tão a es­cri­ta, já li­te­rá­ria, fa­zia-se num Al­ma­na­ch de Lem­bran­ças Lu­zo-Bra­si­lei­ro e nos re­cor­tes que iam che­gan­do do Bra­sil pe­la mão dos ma­çons es­ta­be­le­ci­dos ou de­gre­da­dos em An­go­la, co­mo fo­ram os im­pli­ca­dos na In­con idên­cia Mi­nei­ra, em 1789: Jo­sé Álvares Ma­ci­el, o ideó­lo­go da in­ten­to­na, Iná­cio Jo­sé de Al­va­ren­ga Pei­xo­to, Do­min­gos de Abreu Vieira, Luís Vaz de To­le­do e Fran­cis­co An­tó­nio de Oli­vei­ra Lopes, uns li­te­ra­tos, ou­tros mi­li­ta­res de car­rei­ra.

Com a in­ten­to­na que a in­de­pen­dên­cia do Bra­sil ins­pi­rou nas ci­da­des de Ben­gue­la e Lu­an­da, de­no­mi­na­da Con­fe­de­ra­ção Bra­sí­li­ca, em 1822/23, sob a égi­de de um di­to “par­ti­do bra­si­lei­ro”, cons­ti­tuí­do por bra­si­lei­ros, por­tu­gue­ses e an­go­la­nos, sal­ta­va à vis­ta que a nar­ra­ti­va da Por­tu­ga­li­da­de no fu­tu­ro de An­go­la te­ria vá­ri­os pro­nun­ci­a­men­tos.

Um de­les já ti­nha vin­do de um por­tu­guês que in­te­gra­ra a co­ló­nia for­ma­da em Per­nam­bu­co, em con­sequên­cia da Re­vol­ta Prai­ei­ra, e que em 1849/50 de­man­da­ra a re­gião de Mo­çâ­me­des, na ex­pec­ta­ti­va de subs­ti­tuir um Bra­sil em es­ta­do de re­vol­ta na­ti­vis­ta por uma no­va “Ter­ra da Pro­mis­são”. Cha­ma­va-se An­tó­nio Fran­cis­co No­guei­ra (li­te­ra­ri­a­men­te A.F.No­guei­ra), sem uma pro is­são de ini­da (fo­ra co­mer­ci­an­te, agri­cul­tor e ban­cá­rio), re­ve­lan­do-se du­ran­te a sua per­ma­nên­cia no Sul de An­go­la co­mo um et­nó­gra­fo au­to­di­dac­ta com ar­ti­gos em jor­nais de An­go­la e da Me­tró­po­le e, por úl­ti­mo, um im­por­tan­te li­vro de en­sai­os com o tí­tu­lo ge­né­ri­co de A RA­ÇA NE­GRA, pu­bli­ca­do em 1880 em Lis­boa, de que é obri­ga­tó­rio ixar es­ta pas­sa­gem:

(…) E não nos im­pres­si­o­na a ob­jec­ção de que ci­vi­li­zar os in­dí­ge­nas das nos­sas pos­ses­sões de Áfri­ca é o mes­mo que eman­ci­par es­sas co­ló­ni­as. Se ao mes­mo tem­po que edu­can­do o Ne­gro tra­tar­mos de acli­mar o Bran­co on­de is­so for pos­sí­vel es­te se­rá ain­da por mui­to tem­po um apoio se­gu­ro pa­ra nós. Mas da­do que a inal a co­ló­nia se ve­nha a eman­ci­par – e es­se é o des­ti­no de to­das as co­ló­ni­as – que de­ve­mos pre­fe­rir: con­ser­vá-la es­té­ril e im­pro­du­ti­va co­mo até ago­ra, ou con­ver­tê-la em uma na­ção ami­ga, e mes­mo ir­mã ao me­nos sob o pon­to de vis­ta da ci­vi­li­za­ção e dos cos­tu­mes?

(…) Ora o Ne­gro é o nos­so au­xi­li­ar in­dis­pen­sá­vel nes­sa em­pre­sa. Se ci­vi­li­zan­do-o o ti­ver­mos eman­ci­pa­do, nem por is­so te­re­mos dei­xa­do de con­se­guir o nos­so im, an­tes o te­re­mos con­se­gui­do ple­na­men­te. Oxa­lá que a Eu­ro­pa, a ci­vi­li­za­ção, a hu­ma­ni­da­de,nos ti­ves­sem a lan­çar em nos­so ros­to mui­tas des­sas fal­tas!

Es­te co­lo­no-ser­ta­ne­jo an­te­ci­pa­va a vi­são re­a­lis­ta de Afonso Cos­ta quan­do, mu­da­do o re­gi­me por­tu­guês, a ir­ma­va que “a Re­pú­bli­ca não vai con­ti­nu­ar a Mo­nar­quia, no que diz res­pei­to a pro­ces­sos de ad­mi­nis­tra­ção co­lo­ni­al”. Mas, no es­sen­ci­al, con­ti­nu­ou. Três dé­ca­das de­pois, o jor­na­lis­ta Jo­sé de Ma­ce­do, que du­ran­te al­guns anos foi o re­dac­tor prin­ci­pal do jor­nal de Lu­an­da “De­fe­za de An­go­la”, afec­to à Ma­ço­na­ria, de re­gres­so a Portugal es­cre­veu em 1910 um li­vro de gran­de im­pac­to, Au­to­no­mia de An­go­la, em que ob­ser­va:

Por­que é pre­ci­so que is­to se sai­ba, que is­to se di­ga, bem al­to: em An­go­la há uma, em­bo­ra pou­co po­de­ro­sa, mas em to­do o ca­so la­ten­te, cor­ren­te se­pa­ra­tis­ta. Nin­guém que lá te­nha vi­vi­do des­co­nhe­ce que não só en­tre os in­dí­ge­nas ci­vi­li­za­dos (e há-os que hon­ram o seu no­me) co­mo en­tre os co­lo­nos eu­ro­peus, exis­te uma ma­ni­fes­ta­ção de hos­ti­li­da­de, que nem pe­las ar­mas, nem pe­la mai­or cen­tra­li­za­ção se po­de­rá já ex­tin­guir.

Ma­ce­do sa­bia bem do que fa­la­va: em 1901 ti­nha vin­do a lu­me, im­pres­so em Portugal, um li­be­lo es­cri­to por des­ta­ca­das per­so­na­li­da­des an­go­la­nas, ci­vis e re­li­gi­o­sas, que sob ano­ni­ma­to ver­be­ra­vam as crí­ti­cas ra­cis­tas de um de­pu­ta­do por­tu­guês de vi­si­ta a An­go­la. In­ti­tu­la­va-se es­se li­vro Voz de An­go­la Cla­man­do no De­ser­to, cu­jo pri­mei­ro de­poi­men­to, – “So­lem­nia Ver­ba” – por mui­to apa­zi­gua­dor que fos­se, não ilu­dia o que sub­jaz à ex­pres­são la­ti­nis­ta: So­le­ne Ad­ver­tên­cia.

O Ver­bo, a Pa­la­vra inal, con­ti­nu­ou por di­zer nos anos se­guin­tes, até ao mo­men­to em que um po­e­ta já re­vo­lu­ci­o­ná­rio, Vi­ri­a­to da Cruz, em 1956 de­fen­deu o im­pe­ra­ti­vo de cri­ar um Mo­vi­men­to Po­pu­lar de Li­ber­ta­ção de An­go­la, sen­do ver­da­de que, des­de an­tes, es­cri­to­res, po­e­tas e jor­na­lis­tas já ti­nham as­su­mi­do, em re­vis­tas e jor­nais, o di­rei­to ina­li­e­ná-

vel a uma iden­ti­da­de pró­pria, política e cul­tu­ral. O Po­e­ta Mai­or, Agos­ti­nho Ne­to, ex­pres­sá-la-ia pos­te­ri­or­men­te nu­ma tría­de pa­ra­dig­má­ti­ca: Sa­gra­da Es­pe­ran­ça, A Re­nún­cia Im­pos­sí­vel, Nós So­mos! Em 1951, no pri­mei­ro nú­me­ro da re­vis­ta Men­sa­gem, da As­so­ci­a­ção dos Na­tu­rais de An­go­la, ain­da a Cul­tu­ra era um cam­po on­de fe­cun­da­vam as as­pi­ra­ções e ger­mi­na­vam os ide­ais:

(…) MEN­SA­GEM se­rá – nós o que­re­mos! – o mar­co ini­ci­a­dor de uma Cul­tu­ra No­va, de An­go­la e por An­go­la, fun­da­men­tal­men­te an­go­la­na, que os jo­vens da nos­sa Ter­ra es­tão cons­truin­do. E por­que as­sim é, por­que é sin­ce­ro o nos­so de­se­jo de au­to­re­a­li­za­ção, não ad­mi­ti­mos o pre­con­cei­to, o com­pa­drio; abo­mi­na­mos a hi­po­cri­sia e a in­jus­ti­ça; sur­pre­en­de-nos a lou­va­mi­nha, o elo­gio mú­tuo; de­sa­gra­dam-nos as mei­as tin­tas.

Ba­te­mo-nos pe­la Ver­da­de, pe­la ver­da­de for­te, sem a ver­ri­na da agres­si­vi­da­de mas com a jus­ti­ça da nos­sa sin­ce­ri­da­de; so­mos pe­los gran­des ho­ri­zon­tes, sem nu­vens, mas com a lu­mi­no­si­da­de for­te do sol que nos aquece; pe­la ge­ne­ro­si­da­de dos nos­sos ide­ais, pe­la gran­de­za dos nos­sos Pro­ble­mas.(…)

A re­vis­ta du­rou ape­nas dois anos, com dois nú­me­ros pu­bli­ca­dos.

Cin­co anos de­pois, em No­vem­bro de 1957, uma no­va re­vis­ta, CUL­TU­RA (II), edi­ta­da pe­la So­ci­e­da­de Cul­tu­ral de An­go­la (já ti­nha exis­ti­do uma pri­mei­ra CUL­TU­RA, em 1942/47, de ins­pi­ra­ção li­ce­al ir­re­le­van­te) propôs-se pros­se­guir e ac­tu­a­li­zar a li­nha edi­to­ri­al da Men­sa­gem. Co­mo se a ir­ma no edi­to­ri­al do seu nº8, de Ju­nho de 1959, não as­si­na­do mas sen­do pre­si­den­te da ins­ti­tui­ção o ad­vo­ga­do e en­saís­ta Eugénio Fer­rei­ra:

Nós que­re­mos que a So­ci­e­da­de Cul­tu­ral de An­go­la se­ja um or­ga­nis­mo vi­vo, di­nâ­mi­co na sua ac­ção, ob­jec­ti­vo pe­ran­te os pro­ble­mas da vi­da an­go­la­na. Um or­ga­nis­mo des­pre­ten­ci­o­sa­men­te ca­paz de pos­si­bi­li­tar aos ho­mens de An­go­la, e so­bre­tu­do à sua ju­ven­tu­de, um meio de abor­dar quan­tos pro­ble­mas ator­men­tam o seu es­pí­ri­to. O tem­po e o homem de An­go­la são os ele­men­tos de­ci­si­vos na ges­ta­ção de uma cul­tu­ra an­go­la­na, na­ci­o­nal pe­la for­ma e pe­lo con­teú­do, uni­ver­sal pe­la in­ten­ção, ca­paz de ul­tra­pas­sar a in­ci­pi­ên­cia do exo­tis­mo tro­pi­cal e do pri­mi­ti­vis­mo tu­rís­ti­co. Não po­de­mos ilu­dir nem ig­no­rar os pro­ble­mas. Não po­de­mos aban­do­nar as su­as so­lu­ções às con­tin­gên­ci­as do aca­so. Nem su­bor­di­ná-las a in­te­res­ses pes­so­ais e tran­si­tó­ri­os. Não po­de­mos con­ten­tar-nos com exer­cí­ci­os de ora­tó­ria mais ou me­nos opor­tu­na, pa­ra não di­zer opor­tu­nis­ta. Ne­ces­si­ta­mos de pôr, com cla­re­za e co­ra­gem, os nos­sos pro­ble­mas em equa­ção; dis­cu­ti-los sem re­ser­vas, fran­ca e ho­nes­ta­men­te, sem to­los me­lin­dres nem des­ca­bi­das vai­da­des e en­con­trar as so­lu­ções jus­tas, jus­tas sob o pon­to de vis­ta na­ci­o­nal, jus­tas sob o pon­to de vis­ta hu­ma­no. Só as­sim lan­ça­re­mos as ba­ses de uma cul­tu­ra (…)

O ano de 1959 é par­ti­cu­lar­men­te trá­gi­co pa­ra os in­te­lec­tu­ais de An­go­la, on­de a PIDE/DGS já es­ta­va ins­ta­la­da des­de 1957. Deu inequí­vo­co si­nal da sua pre­sen­ça com a for­ma­ta­ção do fa­mi­ge­ra­do “pro­ces­so dos 50” e a con­se­quen­te pri­são e des­ter­ro de al­guns di­ri­gen­tes da So­ci­e­da­de Cul­tu­ral de An­go­la e co­la­bo­ra­do­res li­te­rá- ri­os da CUL­TU­RA (já o ti­nham si­do da Men­sa­gem), tam­bém “mar­ca­dos” pe­la sua par­ti­ci­pa­ção na cam­pa­nha pre­si­den­ci­al de Ar­lin­do Vi­cen­te/Humberto Del­ga­do, pe­las ja­ne­las que ela pro­me­tia abrir pa­ra os ho­ri­zon­tes de uma No­va An­go­la.

CUL­TU­RA é ex­tin­ta em No­vem­bro de 1960, com 12 nú­me­ros pu­bli­ca­dos. Pe­se em­bo­ra uma de­cla­ra­ção de in­te­res­ses, é sig­ni ica­ti­vo que na úl­ti­ma pá­gi­na do seu úl­ti­mo nú­me­ro se­ja re­gis­ta­do, com no­ta po­si­ti­va, o sur­gi­men­to, na ci­da­de de Sá da Ban­dei­ra (ho­je Lu­ban­go), da Co­lec­ção Im­bon­dei­ro, nu­ma re­cen­são as­si­na­da por A.A. (o co­nhe­ci­do cau­sí­di­co e po­e­ta “men­sa­gei­ro” An­te­ro de Abreu):

No po­bre pa­no­ra­ma li­te­rá­rio de An­go­la, a ini­ci­a­ti­va da “Co­lec­ção Im­bon­dei­ro” re­ves­te-se da mai­or im­por­tân­cia, pe­lo que re­ve­la de es­for­ço e se­ri­e­da­de, pe­lo que re­pre­sen­ta de amor a uma li­te­ra­tu­ra cons­ci­en­te e de qua­li­da­de, pe­los ca­mi­nhos que abriu e abri­rá. Até ao seu apa­re­ci­men­to, a ac­ti­vi­da­de edi­to­ri­al em An­go­la, ti­ra­da a im­pren­sa e os bo­le­tins des­ta ou da­que­la or­ga­ni­za­ção cul­tu­ral, con­sis­tia na pu­bli­ca­ção de um ou dois li­vros anu­ais, a mai­or par­te das ve­zes de ver­sos, co­mo é na­tu­ral, e em edi­ção dos au­to­res. Ho­je, com a “Co­lec­ção Im­bon­dei­ro”, já se po­de fa­lar em mo­vi­men­to edi­to­ri­al em An­go­la. Por is­so, e por­que é efec­ti­va­men­te uma re­a­li­za­ção cui­da­da e sé­ria, a obra ini­ci­a­da por Ga­ri­bal­di­no de An­dra­de, Le­o­nel Cos­me, Mau­rí­cio Soares e Car­los San­ches, pre­sen­te­men­te man­ti­da pe­los dois pri­mei­ros ape­nas, tem já assegurado o seu lu­gar nu­ma futura his­tó­ria da li­te­ra­tu­ra (de An­go­la).

A Im­bon­dei­ro foi cri­a­da em Ja­nei­ro de 1960, ten­do co­mo su­por­te le­gal a clas­si ica­ção de li­vra­ria-dis­tri­bui­do­ra, já que, no con­tex­to po­lí­ti­co da épo­ca, co­mo edi­to­ra não se­ria ob­vi­a­men­te au­to­ri­za­da. Por pre­cau­ção e co­mo sub­ter­fú­gio, to­dos os ca­der­nos da “Co­lec­ção Im­bon­dei­ro”, de­di­ca­dos ao con­to e à po­e­sia, re­fe­ri­am, na úl­ti­ma pá­gi­na, que eram pro­pri­e­da­de e edi­ção dos au­to­res. Ao oi­ta­vo ca­der­no, a PIDE lo­cal pe­diu pa­ra lhe ser mos­tra­da a li­cen­ça da ac­ti­vi­da­de: um al­va­rá co­mer­ci­al pas­sa­do pe­la Re­par­ti­ção de Fi­nan­ças do Lu­ban­go …

Era o pri­mei­ro “avi­so”. Não a dis­traí­ra o fac­to de o quin­to ca­der­no ser pre­en­chi­do por um con­to de Jo­a­quim Pa­ço d’Ar­cos, con­si­de­ra­do au­tor si­tu­a­ci­o­nis­ta, en­tre ou­tros au­to­res con­si­de­ra­dos se­pa­ra­tis­tas. Nem lhe di­mi­nui­ra a sus­pei­ção o Pro­pó­si­to apa­ren­te­men­te inó­cuo ex­pres­so no pri­mei­ro ca­der­no:

Du­as ra­zões nos le­va­ram a lan­çar es­ta co­lec­ção: a ne­ces­si­da­de de dar a co­nhe­cer ao pú­bli­co por­tu­guês os va­lo­res ul­tra­ma­ri­nos que se es­pa­lham pe­los can­tos do mun­do on­de se fa­la a lín­gua lu­sía­da, des­de a Gui­né até Ma­cau, e o di­rei­to, que se im­põe, de os ma­ni­fes­tar con­jun­ta­men­te à luz du­ma cons­ci­ên­cia na­ci­o­nal que não po­de dei­xar de re­co­nhe­cer, nos ca­pri- cho­sos tons da gran­de agua­re­la lu­si­ta­na, um cu­ri­o­so te­ma de in­te­res­ses re­cí­pro­cos, so­li­ci­ta­dos por an­sei­os de es­pí­ri­to ou por a ini­da­des de cul­tu­ra tra­di­ci­o­nal.

Não se pas­sa­rá, ime­di­a­ta­men­te, du­ma ten­ta­ti­va em mol­des sim­ples (tão de­pen­den­te de va­ri­a­dos fac­to­res), tra­du­zi­da em tra­ba­lho bre­ve, mas res­pon­sá­vel, co­mo é o con­to: ex­pli­ca-a, de res­to, es­ta for­ma pri­má­ria da Li­te­ra­tu­ra, que, se­ja em An­go­la co­mo em Mo­çam­bi­que, não pos­sui, por ora, ar­ca­boi­ço adul­to com re­cur­sos igua­lá­veis aos de uma ter­ra de an­ti­ga exis­tên­cia li­te­rá­ria.

Mas, den­tro da es­trei­te­za das pos­si­bi­li­da­des, se­rá nos­so in­tui­to cum­prir a ta­re­fa com o me­lhor apro­vei­ta­men­to dos mui­tos va­lo­res es­par­sos, mai­o­res ou me­no­res, que ain­da hi­ber­nam – na es­prei­ta du­ma au­ro­ra que ces­se a já lon­ga es­cu­ri­dão – à som­bra dos bra­ços cla­mo­ro­sos dum ve­lhís­si­mo im­bon­dei­ro…

A am­bi­gui­da­de des­te tex­to inau­gu­ral pres­ta­va-se a vá­ri­as in­ter­pre­ta­ções, em que a es­co­lha da ár­vo­re im­bon­dei­ro (m’bondo no éti­mo an­go­la­no) pa­ra si­gla da “edi­to­ra” não era fru­to do aca­so, mas um sím­bo­lo, qui­çá um íco­ne, a que as ca­rac­te­rís­ti­cas da mi­le­ná­ria “ár­vo­re sa­gra­da”, pa­ra os na­ti­vos (que de­la re­ti­ra­vam ali­men­tos e re­mé­di­os), da­vam o sen­ti­do de­se­ja­do. O que se viu quan­do a par da “Co­lec­ção Im­bon­dei­ro” fo­ram sur­gin­do as co­lec­ções “Má­kua”(po­e­sia) e “Den­de­la”(con­tos in­fan­tis), is­to é, o fru­to e a lor da im­bon­dei­ro.

Na mais pa­cí ica in­ter­pre­ta­ção, a ini­ci­a­ti­va con­vi­da­va ao re­co­nhe­ci­men­to de uma Lu­so­fo­nia no vas­to es­pa­ço lu­so­tro­pi­cal… Es­ta te­rá si­do a pri­mei­ra lei­tu­ra dos epí­go­nos do re­gi­me co­lo­ni­al, a PIDE in­cluí­da, não des­men­ti­da quan­do ou­tras Co­lec­ções do ti­po da Im­bon­dei­ro sur­gi­ram em No­va Lis­boa (Bai­lun­do), no Lo­bi­to (Ca­pri­cór­nio) e em Ca­bo Ver­de (Dra­go­ei­ro), es­tas de vi­da cur­ta.

E por­que o pro­pó­si­to da Im­bon­dei­ro não dis­tin­guia, li­te­ra­ri­a­men­te fa­lan­do, os au­to­res de di­ver­sas for­ma­ções ide­o­ló­gi­cas, e por is­so che­gou a ser cri­ti­ca­do no Bo­le­tim da Ca­sa dos Es­tu­dan­tes do Im­pé­rio, tam­bém cha­ma­do Men­sa­gem, viu ne­ces­sá­rio, ao se­gun­do ano de exis­tên­cia, de­fen­der o seu “eclec­tis­mo cul­tu­ral”, que não ex­cluía (pois tam­bém os pu­bli­cou) os au­to­res “pro­gres­sis­tas” que cons­ti­tuíam a Co­lec­ção Au­to­res Ul­tra­ma­ri­nos da C.E.I., aliás de cur­ta du­ra­ção:

(… au­sên­cia de op­ções, por­tas aber­tas a to­do o pen­sa­men­to dos nos­sos es­cri­to­res, in­de­pen­den­te­men­te das su­as ten­dên­ci­as li­te­rá­ri­as e so­ci­ais – se­guin­do en im uma li­nha de ru­mo que, agra­dan­do ou não a gre­gos e troi­a­nos, vem sen­do cum­pri­da des­de o pri­mei­ro ins­tan­te: isen­ção, fran­que­za e in­de­pen­dên­cia, na con­vic­ção ir­me de que só os ca­mi­nhos da li­ber­da­de in­te­lec­tu­al po­dem con­du­zir ao

Ma­cha­do. Mu­seu Dap­per

LE­O­NEL COS­ME

Ca­der­nos Im­bon­dei­ro

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.