APROCIMA ini­cia NGOLLYWOOD

Jornal Cultura - - Primeira Página - MATADI MAKOLA

AAs­so­ci­a­ção dos Pro is­si­o­nais de Ci­ne­ma-APROCIMA apre­sen­tou no dia 14 de Ou­tu­bro a cur­ta-me­tra­gem in­ti­tu­la­da ´Ku­du­ro no San­gue´, es­cri­ta e pro­du­zi­da pe­los alu­nos do pri­mei­ro cur­so in­ten­si­vo de ci­ne­ma re­a­li­za­do pe­la re­fe­ri­da as­so­ci­a­ção nas ins­ta­la­ções do Ins­ti­tu­to An­go­la­no de Ci­ne­ma, Au­di­o­vi­su­al e Mul­ti­mé­dia-IACAM. Os mais de du­as de­ze­nas de alu­nos que al­me­jam con­tri­buir pa­ra o re­nas­ci­men­to do ci­ne­ma an­go­la­no re­ce­be­ram os seus di­plo­mas de im de cur­so nes­te dia, apro­vei­tan­do a opor­tu­ni­da­de pa­ra tro­ca de ex­pe­ri­ên­cia e exi­bi­ção des­ta cur­ta que não é mais do que o pri­mei­ro fru­to des­te ide­al que re­sol­ve­ram de­no­mi­nar NGOLLYWOOD, as­pi­ra­ção pa­ra um res­sur­gir do ci­ne­ma an­go­la­no.

´Ku­du­ro no San­gue´ tem du­ra­ção de pou­co mais de 30 mi­nu­tos e con­ta a es­tó­ria de dois jo­vens (Bez­bo e Leo) do Hu­am­bo que par­tem pa­ra Lu­an­da on­de so­nham atin­gir o es­tre­la­to co­mo ku­di­ris­tas. Pas­sam por al­gu­mas pe­ri- pé­ci­as até se­rem vi­tos por um em­pre­sá­rio que re­sol­ve apos­tar no pro­du­to mu­si­cal dos jo­vens. Or­ça­do em 60 mil kwan­zas, o ar­gu­men­to es­te­ve a car­go de Bliss Ha­ma e a pro­du­ção de Armando Cruz, sen­do Lu­an­da o pa­no de fun­do des­ta cur­ta, re­a­çan­do-lhe es­pa­ços co­mo a Pra­ça da In­de­pe­den­cia e ar­re­do­res. Le­o­nel Efe Le­o­nel Efe é um dos mais an­ti­gos ho­mens do ci­ne­ma an­go­la­no, que pro­vou ain­da a dé­ca­da de oi­ro do ci­ne­ma an­go­la­no e guar­da sau­da­des des­se tem­po. En­ga­jou-se nes­ta em­prei­ta­da e deu os seus prés­ti­mos pa­ra que a for­ma­ção saís­se pro­vei­to­sa, lem­bran­do des­te mo­do que nas mais de três dé­ca­das, aí des­de 78, sem­pre se vem fa­lan­do em for­ma­ção, des­de que exis­tiu o IACA e IACAM mas o ci­ne­ma nun­ca foi mui­to pro­te­gi­do, co­mo se fos­se uma coi­sa de ma­lu­cos a fa­ze­rem umas coi­sas, e que só ago­ra, ao im des­tes anos to­dos, tem o pra­zer imen­so de ter co­la­bo­ra­do nu­ma coi­sa que sem­pre an­dou a lu­tar por ela: a for­ma­ção.

Re­cor­da que co­nhe­ceu mui­tos jo­vens com uma von­ta­de fér­rea de fa­zer ci­ne­ma mas que de­pois aca­ba­vam por icar pe­lo ca­mi­nho, não por­que que­ri­am, mas sim por­que não ti­nham in­cen­ti­vos. E se en­xer­ga mu­dan­ça, diz: “Nes­te mo­men­to a APROCIMA fez al­go que po­de de fac­to apro­xi­mar as pes­so­as, e por is­so me­re­ce os nos­sos pa­ra­béns, e po­de­mos ci­tar no­mes co­mo ós­car Gil, As­drú­bal de Aze­ve­do, Ma­nu­el Ma­ri­a­nos e to­dos es­tes an­ti­gos do ci- ne­ma que ain­da po­dem con­se­guir dar o seu me­lhor às no­vas ge­ra­ções. No fun­do, o pri­mei­ro fru­to da APROCIMA foi es­te cur­so, que não po­de­mos con­si­de­rar ser bem um cur­so a sé­rio, mas sim um cur­so pa­ra apro­xi­mar as pes­so­as à vol­ta do ci­ne­ma. Já em tem­pos hou­ve ini­ci­a­ti­vas do gé­ne­ro mas aca­ba­vam sem­pre por mor­rer em qual­quer coi­sa. Mas es­te eu te­nho que dar os pa­ra­béns, por­que a gran­de ale­gria de um ci­ne­as­ta é ver o seu il­me pro­jec­ta­do. É co­me­çar e aca­bar. Não va­mos ain­da dis­cu­tir se o il­me que eles ize­ram é bom ou é mau. Não in­te­res­sa. Eles ain­da são for­man­do. Va­mos lou­var a ini­ci­a­ti­va”.

Sem es­ca­par à ma­ka da fal­ta de apoi­os fi­nan­cei­ros e os al­tos cus­tos do ci­ne­ma, o prin­ci­pal mó­bil do qua­dro ir­re­gu­lar das pro­du­ções, ad­mi­tiu que ain­da há o pro­ble­ma da fal­ta de fun­do pa­ra o ci­ne­ma, co­mo tam­bém fa­zer ci­ne­ma se­ja mes­mo ca­ro. Pa­ra re­ver­ter um pou­co a si­tu­a­ção, su­ge­re ser viá­vel fa­zer pe­que­nos mas gran­des fil­mes, e fa­zer va­ler a Lei do Me­ce­na­to que vem pe­lo me­nos pa­ra dar uma aju­da, is­to por­que as em­pre­sas po­de­rão se en­vol­ver. Mas, ori­en­ta, é pre­ci­so fa­zer pres­são a es­tas em­pre­sas e in­di­ca a co­mu­ni­ca­ção so­ci­al co­mo um par­cei­ro for­te pa­ra aju­dar o pro­ces­so a ga­nhar efi­cá­cia.

Le­o­nel (o pri­mei­ro da es­quer­da). Fo­to: APROCIMA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.