“AN­GO­LA­NOS CON­TRI­BUÍ­RAM ENOR­ME­MEN­TE PA­RA O DNA BRA­SI­LEI­RO”

EM­BAI­XA­DOR NOR­TON RAPESTA

Jornal Cultura - - Diálogo Intercultural - JO­SÉ LUÍS MEN­DON­ÇA

“Pa­ra en­ten­der a CPLP e a co­o­pe­ra­ção cul­tu­ral com An­go­la, é pre­ci­so lem­brar que o Bra­sil e An­go­la têm uma his­tó­ria co­mum: o mes­mo co­lo­ni­za­dor e o fac­to de que mi­lhões de afri­ca­nos, dos quais mui­tos an­go­la­nos, fo­ram le­va­dos pa­ra o Bra­sil du­ran­te sé­cu­los, e ape­sar e te­rem si­do le­va­dos de ma­nei­ra for­ça­da, con­tri­buí­ram enor­me­men­te pa­ra a cul­tu­ra bra­si­lei­ra e pa­ra o DNA bra­si­lei­ro, a cu­li­ná­ria, a lín­gua, pa­la­vras co­mo ban­gue­la, qui­tan­da, cam­ba­da, são to­das pa­la­vras da­qui”, a ir­mou o em­bai­xa­dor Nor­ton de An­dra­de Me­lo Rapesta em en­tre­vis­ta ao jor­nal Cul­tu­ra.

Na ver­da­de, a re­la­ção An­go­la-Bra­sil pos­sui du­as di­men­sões: uma, in­ter­na­ci­o­nal, que tem e ver com a lín­gua por­tu­gue­sa, a CPLP e ou­tra, mais du­al, que tem a ver com o pa­tri­mó­nio ban­tu le­va­do pa­ra o Bra­sil com as po- pu­la­ções que vi­vi­am no ter­ri­tó­rio que ho­je in­te­gra o ma­pa de An­go­la.

Daí que o em­bai­xa­dor bra­si­lei­ro ve­ja o in­ter­câm­bio cul­tu­ral en­tre An­go­la e o Bra­sil co­mo “um re le­xo, um re­sul­ta­do na­tu­ral des­sa his­tó­ria co­mum”. O fac­to de o Bra­sil ter si­do o pri­mei­ro país a re­co­nhe­cer a in­de­pen­dên­cia de An­go­la é o re­sul­ta­do de “uma obri­ga­ção”, dis­se Nor­ton Rapesta. “Bra­si­lei­ros fo­ram tam­bém man­da­dos pa­ra cá, tam­bém fo­ram for­ça­dos: os In­con iden­tes (da In­con idên­cia Mi­nei­ra de 1792), con­de­na­dos ao de­gre­do em An­go­la e que fo­ram mo­rar em Ben­gue­la. E já ha­via co­mér­cio de pro­du­tos. Na­da mais na­tu­ral do que a ini­ci­a­ti­va do Bra­sil de pro­por a cri­a­ção da CPLP, não só por cau­sa de An­go­la, mas por­que, as­sim co­mo a In­gla­ter­ra tem a Com­monwe­alth, com as ex-co­ló­ni­as, a CPLP foi uma or­ga­ni­za­ção não co­man­da­da pe­la ex-me­tró­po­le, mas uma coi­sa ho­ri­zon­tal, on­de to­dos os paí­ses têm o mes­mo pe­so... e on­de se in­sis­te na in­ten­ção de apro­xi­mar, de co­nhe­cer mais as nos­sas cul­tu­ras”. INTERCÃMBIO HU­MA­NO Ve­ri ica-se, por via des­se en­tro­sa­men­to his­tó­ri­co se­cu­lar, um in­ter­câm­bio re­al, pro­mo­vi­do por ins­ti­tui­ções pri­va­das e por ci­da­dãos. Os an­go­la­nos con­so­mem mui­ta mú­si­ca bra­si­lei­ra, o sam­ba, por exem­plo. E as no­ve­las bra­si­lei­ras, que até in­du­zem os an­go­la­nos a fa­lar à moda do Rio de Janeiro ou de São Pau­lo. Um in­ter­câm­bio vi­vo e não o ici­al, que ga­nhou raí­zes de ir­man­da­de.

“Ain­da bem”, con­si­de­rou o em­bai­xa­dor bra­si­lei­ro. “Eu acho que a co­o­pe­ra­ção, o in­ter­câm­bio de­ve ser en­tre po­vos, não en­tre go­ver­nos so­men­te. Os go­ver­nos cri­am as fa­ci­li­da­des, cri­am mui­tas ve­zes as con­di­ções, mas ca­be aos po­vos que têm in­te­res­ses, se apro­xi­ma­rem. Te­mos mú­si­ca bra­si­lei­ra aqui e tam­bém te­mos mú­si­ca an­go­la­na no Bra­sil. Te­mos até in luên­cia da mú­si­ca an­go­la­na na mú­si­ca bra­si­lei­ra. Lem­bra­mos o Ka­lun­ga, quan­do Chico Bu­ar­que, há 35 anos, compôs uma mú­si­ca aqui, Mo­re­na de An­go­la.”

So­bre o Ka­lun­ga III, qui­se­mos sa­ber do em­bai­xa­dor se iria de­mo­rar co­mo o in­ter­reg­no que se ve­ri icou en­tre o pri­mei­ro e o se­gun­do, ao que Nor­ton Rapesta sor­riu de ca­xe­xe: “A ideia é jus­ta­men­te que não es­pe­re­mos mais 35 anos pa­ra ter o Ka­lun­ga III. Tu­do le­va a crer que se­rá já no ano que vem, por­que os artistas que vi­e­ram ago­ra pe­la pri­mei­ra vez a An­go­la que­rem vol­tar em bre­ve e é uma for­ma de pas­sar o bas­tão pa­ra as no­vas ge­ra­ções que que­rem de­sen­vol­ver re­ci­pro­ca­men­te a mú­si­ca dos dois paí­ses. CO­O­PE­RA­ÇÃO CUL­TU­RAL No do­mí­nio da co­o­pe­ra­ção téc­ni­ca, An­go­la e o Bra­sil ir­ma­ram dois pro­jec­tos: um di­ri­gi­do ao for­ta­le­ci­men­to da Ges­tão do Pa­tri­mó­nio Cul­tu­ral de An­go­la e ou­tro, que vi­sa o for­ta­le­ci­men­to da Pre­ser­va­ção da Me­mó­ria e da Pro­du­ção de Au­di­o­vi­su­ais de An­go­la. Se­rá que a cri­se glo­bal es­tá a im­pe­dir a con­cre­ti­za­ção ple­na dos acor­dos?

O em­bai­xa­dor dis­se que “há vá­ri­os pro­jec­tos em fal­ta e que ain­da não de­co­la­ram. Por ve­zes, é a bu­ro­cra­cia dos dois la­dos, sur­gem ou­tras pri­o­ri­da­des, mas eu acho que es­ses são dois pro­jec­tos mui­to im­por­tan­tes. Não é ape­nas uma ques­tão de cri­se. Sei que já te­mos con­tri­buí­do pa­ra o pro­jec­to li­ga­do à mu­se­o­lo­gia. Do au­di­o­vi­su­al ain­da não vi na­da nos cin­co me­ses que es­tou aqui. 40 ANOS DE IN­DE­PEN­DÊN­CIA O Em­bai­xa­dor Nor­ton de An­dra­de Me­lo Rapesta não par­tiu sem dei­xar uma men­sa­gem, em no­me do po­vo bra­si­lei­ro, ao po­vo an­go­la­no. Uma men­sa­gem de agra­de­ci­men­to, por­que, dis­se, mui­to do que o Bra­sil é ho­je é de­vi­do à con­tri­bui­ção de An­go­la, do po­vo an­go­la­no du­ran­te sé­cu­los. “Co­mo dis­se an­tes, a cul­tu­ra bra­si­lei­ra é mui­to in lu­en­ci­a­da, o bra­si­lei­ro aqui se sen­te em ca­sa. Lu­an­da po­dia ser uma ci­da­de lo­ca­li­za­da en­tre o Rio de Janeiro e Sal­va­dor. A mi­nha men­sa­gem é de con ian­ça, de es­pe­ran­ça. An­go­la vai con­se­guir con­ti­nu­ar a cons­truir es­te be­lo país que já o é por na­tu­re­za e de Na­tu­re­za, com uma so­ci­e­da­de me­lhor, uma so­ci­e­da­de de mai­or in­clu­são so­ci­al, com mais de­sen­vol­vi­men­to, é um tra­ba­lho ár­duo, com mui­to es­for­ço, mui­tos sa­cri íci­os e mui­tos bons re­sul­ta­dos. A nos­sa pa­la­vra é de es­pe­ran­ça e de agra­de­ci­men­to por tu­do o que nos trou­xe, as em­pre­sas bra­si­lei­ras es­tão aqui há trin­ta anos, con­tri­buin­do, tra­ba­lhan­do, for­man­do mão-de-obra, for­man­do an­go­la­nos, pa­ra que ca­da vez mais An­go­la ande pe­los seus pró­pri­os pés.”

Nor­ton Rapesta

Ma­pa da ro­ta dos es­cra­vos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.