CO­MO DAVID JÚ­LIO LU­DI­BRI­OU A PIDE EM 1961

Jornal Cultura - - Barara Do Kwanza -

meu ma­ri­do ti­nha ra­zão e que ele pró­prio es­ta­va a achar o mé­di­co mui­to es­tra­nho. O meu ma­ri­do ves­tiu-se, ar­ru­má­mos as nos­sas coi­sas e saiu as­sim mes­mo do hos­pi­tal, com do­res e a bo­che­cha tão in la­ma­da que bri­lha­va. Mais tar­de, o Sr. Frei­tas le­vou-nos uns com­pri­mi­dos pa­ra as do­res e mais po­ma­da. A FU­GA No dia se­guin­te, icá­mos a sa­ber a ra­zão do com­por­ta­men­to do mé­di­co. A ci­da­de to­da es­ta­va cer­ca­da de tro­pas, cha­ma­dos de Ma­ga­las, de far­da ver­de es­cu­ra e pre­ta. Os mu­jim­bos es­pa­lha­dos pe­los co­lo­nos por­tu­gue­ses eram de que os pre­tos eram ter­ro­ris­tas e que que­ri­am ma­tar os bran­cos. Al­guns fa­mi­li­a­res que vi­e­ram vi­si­tar o do­en­te, avi­sa­ram-nos do que es­ta­va a acon­te­cer. No en­tan­to, já sa­bía­mos. Tí­nha­mos acom­pa­nha­do tu­do pe­lo pro­gra­ma “An­go­la Com­ba­ten­te”. A mi­nha tia Luísa dis­se as­sus­ta­da: “Vo­cês não po­dem mais icar aqui! E de­pois, as­sim, com es­te tu­mor? Va­mos ime­di­a­ta­men­te pa­ra Ma­lan­je!”. O meu ma­ri­do, re­lu­tan­te, res­pon­deu: “Ó tia, tam­bém não exa­ge­ra. Va­mos es­pe­rar mais uns di­as até que es­ta agi­ta­ção pas­se.” E ela re­tor­quiu con­tra­ri­a­da: “Não vai pas­sar, vai pi­o­rar! Tu es­tás aqui den­tro do­en­te, não es­tás a ver o que é que es­tá a se pas­sar. Per­gun­ta à tua mu­lher!” Eu res­pon­di: “É ver­da­de o que a tia es­tá a di­zer.” Fui apoi­a­da pe­lo Sr. Frei­tas e os res­tan­tes mem­bros da fa­mí­lia pre­sen­tes, en­tre eles os meus pais. “A rou­pa que saiu do hos­pi­tal es­tá na água. Te­mos de la­vá-la pri­mei­ro, pa­ra le­var­mos rou­pa lim­pa. Va­mos icar mais um dia até a rou­pa se­car.” Con­tu­do, a mi­nha tia or­de­nou-me que ti­ras­se a rou­pa da água, es­pre­mes­se e a co­lo­cas­se em sa­cos de plás­ti­co pa­ra par­tir­mos ime­di­a­ta­men­te. Ela pró­pria aju­dou-me a es­pre­mer a rou­pa di­zen­do pa­ra a mi­nha mãe: “Nós va­mos sair da­qui ho­je! Tu icas com a tua ne­ta. Vai a Ma­da­le­na, o do­en­te e o Quim.” O meu ilho Quim ti­nha me­ses na al­tu­ra.

Eu per­gun­to: “Mas co­mo va­mos pas­sar com es­ta tro­pa to­da?” A mi­nha tia res­pon­deu: “O teu ma­ri­do, va­mos ves­ti-lo de mu­lher. Eles não fa­zem mal às mu­lhe­res, só aos ho­mens.” Pu­sé­mos as rou­pas mo­lha­das em sa­cos plás­ti­cos amar­ra­dos, de se­gui­da abri­mos uma ma­la for­ra­da com sa­cos e uma to­a­lha pa­ra en­xu­gar a hu­mi­da­de, on­de co­lo­cá­mos os sa­cos com a rou­pa mo­lha­da. E ize­mos ou­tra ma­la com rou­pa lim­pa. Le­vá­mos o do­en­te de bi­ci­cle­ta. Com­prá­mos os bi­lhe­tes à ho­ra em que o com­boio es­ta­va a che­gar. Um miú­do le­vou de vol­ta a bi­ci­cle­ta.

Os tro­pas in­va­di­ram o com­boio e vi­ram três mu­lhe­res e uma cri­an­ça na nos­sa car­ru­a­gem. Não ize­ram ca­so e avan­ça­ram pa­ra a car­ru­a­gem se­guin­te. An­tes que o com­boio pu­des­se par­tir, apa­re­ceu o Sr. Frei­tas pa­ra des­pe­dir-se do ami­go. Viu-nos da ja­ne­la, sen­ta­dos. As­sim que se apro­xi­ma da ja­ne­la, um ji­pe mi­li­tar com Ma­ga­las es­ta­ci­o­na na es­ta­ção, pró­xi­mo do com­boio e os mi­li­ta­res avan­ça­ram em nos­sa di­rec­ção. Ime­di­a­ta­men­te o aler­ta­mos, pois se en­con­tra­va de cos­tas vol­ta­das pa­ra os tro­pas: “Olha vêm aí uns mi­li­ta­res.” O Sr. Frei­tas dis­se-nos lo­go: “Ó David, eu já es­tou...”. Nes­te pre­ci­so mo­men­to, o com­boio api­ta e ar­ran­ca. Ain­da vi­mos o Sr. Frei­tas ser es­col­ta­do pa­ra o ji­pe com um mi­li­tar de ca­da lado e, no ji­pe, se­guiu acom­pa­nha­do de mais cin­co ou seis mi­li­ta­res. Do ji­pe, o Sr. Frei­tas ace­nou-nos um úl­ti­mo adeus. Nós icá­mos tré­mu­los e chei­os de me­do e to­da vi­a­gem com o co­ra­ção aper­ta­do, mui­to tris­tes, in­qui­e­tos com a in­cer­te­za que ago­ra pai­ra­va so­bre o des­ti­no des­te nos­so qu­e­ri­do ami­go. Pas­sá­mos por Ma­te­te, Zan­ga, Ca­co­lo, Lom­be e, inal­men­te, Ma­lan­ge. Quan­do che­gá­mos ao des­ti­no, en­con­trá­mos a tro­pa, mas não nos ize­ram mal pois mais uma vez éra­mos to­das mu­lhe­res e ape­nas pren­di­am quan­do os al­vos fos­sem de­nun­ci­a­dos. O Sr. Frei­tas e o meu ma­ri­do am­bos es­ta­vam na lis­ta. Po­rém, o meu ma­ri­do não foi re­co­nhe­ci­do. Nes­ta mes­ma noi­te fo­ram à nos­sa ca­sa em Ca­cu­so, on­de par­ti­ram tu­do, ras­ga­ram in­clu­si­ve col­chões. Fo­ram à ca­sa do meu pai e às ca­sas dos meus ir­mãos, de on­de fo­ram to­dos le­va­dos. Fo­ram tam­bém pre­sos ou­tros co­le­gas do meu ma­ri­do. Se nós ti­vés­se­mos pas­sa­do a noi­te em Ca­cu­so, o meu ma­ri­do tam­bém te­ria si­do pre­so. To­dos fo­ram mor­tos. O meu pai foi pos­te­ri­or­men­te sol­to e a sua vi­da pou­pa­da, ape­nas por ser ve­lho. A ex­pe­ri­ên­cia cau­sou-lhe um for­te trau­ma psi­co­ló­gi­co e es­go­ta­men­to emo­ci­o­nal. A mi­nha mãe con­tou-nos que ele, após a sol­tu­ra, de­pois de ter tes­te­mu­nha­do a mor­te dos ilhos, ape­nas pe­dia pa­ra ser mor­to tam­bém.

Em Ma­lan­ge tí­nha­mos os nos­sos ta­xis­tas de con ian­ça, dois se­nho­res mes­ti­ços: o Sr. Cân­di­do e o Sr. Li­ma. Eram boa gen­te. Pe­di­mos ao Sr. Cân­di­do que nos le­vas­se a Ma­xin­de que era um bair­ro pró­xi­mo da ci­da­de. Du­rou ape­nas uma

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.