“CON­TOS MA­RA­VI­LHO­SOS DO MEU KIM­BU” A

Jornal Cultura - - Letras -

ren­te» (11), per­pas­sa pe­lo país in­tei­ro, in­su­flan­do-lhe um di­na­mis­mo en­dó­ge­no em que os mes­mos con­tos, trans­plan­ta­dos do mi­cro­cos­mo ru­ral e reim­plan­ta­dos no mais am­plo es­pa­ço na­ci­o­nal, não se­jam vis­tos co­mo que pa­ra­dos no tem­po. PRE­SEN­ÇA FE­MI­NI­NA Ou­tra ca­rac­te­rís­ti­ca, per­cep­tí­vel na obra em análise, tal­vez in lu­en­ci­a­da pe­lo per­ma­nen­te con­tac­to com o seu am­bi­en­te pro is­si­o­nal, é a de que na mai­o­ria dos con­tos (pa­ra não di­zer em to­dos), ve­ri ica-se, co­mo que num ri­tu­al má­gi­co, a pre­sen­ça fe­mi­ni­na (a pro­cri­a­do­ra, a con­so­la­do­ra, a con­se­lhei­ra, a sal­va­do­ra, em su­ma, a mãe: as Ma­mãs Sa­ra, Ma­til­de, Ri­ta, e ou­tras). Es­ses con­tos, on­de o an­ti­go – não é de­mais re­pe­ti-lo – con­ju­ga-se ex­pli­ci­ta­men­te com a mo­der­ni­da­de ( 1.«A pla­cen­ta pro­di­gi­o­sa», 3. «A me­ni­na Ki­tu­xi», 6. «Um me­ni­no des­co­nhe­ci­do», 9. «A re­po­si­ção da ver­da­de eco­ló­gi­ca»…) sur­gem re­vi­ta­li­za­dos não só gra­ças ao uso dos sig­nos (li­te­rá­ri­os/es­ti­lís­ti­cos), cri­te­ri­o­sa­men­te es­co­lhi­dos, mas tam­bém pe­lo cons­tan­te re­gis­to de nas­ci­men­tos sub­se­quen­tes, dra­má­ti­cos uns, lí­ri­cos ou­tros, mas que, em to­do o ca­so, sim­bo­li­zam a ne­ces­si­da­de do ad­ven­to de no­vos re­ben­tos, pre­nhes de ener­gia vi­tal, a evo­car o des­pon­tar, no ho­ri­zon­te an­go­la­no, de uma no­va ju­ven­tu­de ra­di­an­te.

É sa­bi­do que os ar­te­fac­tos téc­ni­cos, usu­al­men­te uti­li­za­dos nes­te gé­ne­ro, não es­tão isen­tos de uma cer­ta com­ple­xi­da­de, com­ple­xi­da­de es­sa que, no en­tan­to, o autor, mer­cê de uma idi­os­sin­cra­sia sen­ti­da, di­ria on­ti­ca­men­te, e de uma me­to­do­lo­gia in­clu­si­va, sou­be con­tor­ná-la, ofer­tan­do - nu­ma vi­são

Pau­lo Cam­pos, à es­quer­da do apre­sen­ta­dor, Bar­ros Ne­to

Al­deia

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.