MAHAM A A o de u a por u

Jornal Cultura - - Diálogo Intercultural -

A vi­da é um chá sem açú­car. Te­mos que ado­çar ao lon­go dos di­as que nos se­pa­ram da mor­te. O per­cur­so do gru­po Maham­ba: Cri­a­ção e Produções Ar­tís­ti­cas foi as­sim. No iní­cio sem sa­bor, di ícil, mas a per­sis­tên­cia deu re­sul­ta­dos. O gru­po já tem 20 anos, ape­sar de não ter um es­pa­ço pró­prio pa­ra en­sai­os, ga­ran­te que “com­ba­teu um bom com­ba­te”. Pa­ra as­si­na­lar as du­as dé­ca­das, o gru­po pre­pa­rou uma sé­rie de es­pec­tá­cu­los pa­ra os pró­xi­mos me­ses.

Ma­ria Ata­lia (Zi­nha) pe­diu um chá sem açú­car e um pa­co­te de bo­la­chas. Abre do pa­co­te, par­te ao meio a pri­mei­ra bo­la­cha e com­par­ti­lha com o ir­mão, Da­di­vo Jo­sé. Em si­mul­tâ­neo in­tro­du­zem a bo­la­cha na chá­ve­na. Al­guns dos seus alu­nos pas­sam do lo­cal on­de es­ta­mos sen­ta­dos e os com­pro­me­tam com ges­tos in­for­mais e um le­ve sor­ri­so. De­pois de ter­mi­na­rem as me­ta­des da bo­la­cha, ain­da com as mi­ga­lhas a pin­ta­rem os seus lábios, eles abrem um ou­tro pa­co­te, não de bo­la­chas, mas de me­mó­ri­as e nos dão a co­nhe­cer o per­cur­so do seu gru­po. A gé­ne­se de um so­nho Maham­ba já foi um gru­po nu­me­ro­so, mas ac­tu­al­men­te é for­ma­do por dois mem­bros: Da­di­vo Jo­sé e Ma­ria Ata­lia. Ele é ac­tor, dra­ma­tur­go, en­ce­na­dor, his­to­ri­a­dor e do­cen­te. Ela é ac­triz, en­ce­na­do­ra e do­cen­te. Além dos la­ços de san­gue, eles com­par­ti­lham o gos­to pe­las artes.

“Fa­zía­mos par­te do gru­po Voz Ver­de. Em 1995, eu e al­guns dos mem­bros des­te gru­po saí­mos e for­ma­mos o gru­po Maham­ba”, re­cor­da Da­di­vo.

Pe­la ida­de Ata­lia não in­te­grou o gru­po no prin­cí­pio. “Mi­nha fa­mí­lia icou con­tra, pois eu era mui­to novinha. Na épo­ca, não era co­mum um pré ado­les­cen­te fa­zer par­te de um gru­po ar­tís­ti­co”.

Do ze­ro, o gru­po so­nhou fa­zer ar­te. “Fal­ta­va tu­do, mas per­sis­ti­mos, pois tí­nha­mos for­ça von­ta­de, cri­a­ti­vi­da­de e mui­ta pai­xão pe­lo que fa­zía­mos”, nar­ra Da­di­vo.

Com Se­mião Mahu­ma­ne co­mo pi­lar do gru­po, en­ce­na­dor, dra­ma­tur­go e di­rec­tor ar­tís­ti­co, o gru­po so­bre­vi­veu. “Ele era o mais ex­pe­ri­en­te, com for­ma­ção em Te­a­tro, e co­nhe­cia o mer­ca­do, ti­nha bons con­tac­tos”, ad­mi­tem.

Das mãos de­le saiu a pri­mei­ra pe­ça do gru­po: “Car­ta de um Mor­to In­dis­ci­pli­na­do”. A pe­ça foi con­ce­bi­da, em 1996, e exi­bi­da, em 1997, em uma tem­po­ra­da no Ci­ne Te­a­tro Gil Vi­cen­te. Com a pe­ça o gru­po par­ti­ci- pou no Fes­ti­val de Te­a­tro da SADC (Co­mu­ni­da­de pa­ra o De­sen­vol­vi­men­to da Áfri­ca Aus­tral).

Da­di­vo ges­ti­cu­la com emo­ção quan­do re­cor­da da pe­ça. Ne­la ele foi o pro­ta­go­nis­ta. “Ape­sar de ter ini­ci­a­do a mi­nha car­rei­ra em 1992, já ter al­gu­ma ex­pe­ri­en­cia, ser ac­tor prin­ci­pal é uma res­pon­sa­bi­li­da­de. Eu ain­da era miú­do. Re­cor­do que em Car­ta de um Mor­to In­dis­ci­pli­na­do ti­nha 15 mi­nu­tos de mo­nó­lo­go, foi um de­sa­fio pa­ra mim”.

Nes­ta pe­ça Ata­lia en­trou em ce­na e en­car­nou a ilha do viú­vo. “Foi um pa­pel mar­can­te. Na pe­ça ves­ti a ca­pa de uma me­ni­na pro­vo­can­te. As pes­so­as me in­ter­pe­la­vam na rua e aplau­di­am­me pe­lo meu tra­ba­lho”, nar­ra en­tre sus­pi­ros de emo­ção.

Maham­ba tra­zia uma mis­tu­ra de te­a­tro, dan­ça e mu­si­ca. Uma for­ma de te­a­tro al­ter­na­ti­vo que ar­ran­ca aplau­sos e apre­ço do pú­bli­co. Com a pri­mei­ra pe­ça o ní­vel aní­mi­co do gru­po foi cres­cen­do.

En­tre os anos de 1998 e 1999 Mahu­ma­ne deu a luz ( es­cre­veu e en­ce­nou) “O Fo­go da rai­nha Mar­ro­ma­na”. “A pe­ça foi exi­bi­da em tem­po­ra­da no te­a­tro Ave­ni­da. Com ela par­ti­ci­pa­mos no fes­ti­val Sa­vu­ka da Su­a­zi­lân­dia e no Fes­ti­val de Agos­to de 1999”, lem­bra Ata­lia.

Nes­ta épo­ca a di­vul­ga­ção das pe­ças era um pro­ble­ma. “Não exis­ti­am re­des so­ci­ais, só te­nha­mos a rádio e a te­le­vi­são e por ve­zes não te­nha­mos fun­dos su­fi­ci­en­tes pa­ra tal”, re­cor­da Da­di­vo. A pe­ça “Os Olhos Fo­fo­ca” te­nha tu­do pa­ra dar cer­to, mas pe­la fra­ca di­vul­ga­ção foi exi­bi­da ape­nas uma vez. A cri­se Na vi­ra­gem do mi­lé­nio, en­quan­to o mun­do ques­ti­o­na­va-se so­bre o fim da ter­ra. Os mem­bros do Maham­ba de­ba­ti­am- se pe­la so­bre­vi­vên­cia gru­po. “Vi­veu- se uma saí­da de re­cur­sos hu­ma­nos: o nos­so en­ce­na­dor e dra­ma­tur­go, Se­mião, foi fa­zer o seu mes­tra­do no ex­te­ri­or. A for­ma­ção aca­dé­mi­ca pro­pici­ou a saí­da de ou­tros mem­bros do gru­po. Pa­ra pi­o­rar a si­tu­a­ção, per­de­mos o es­pa­ço on­de en­saiá­va­mos”, re­cor­dam. O gru­po es­ta­va por um io. Se­ria es­se o im? “Ape­sar da fa­se di ícil, não nos dei­xa­mos aba­ter. Fo­ca­mos. Abri­mos um es­pa­ço pa­ra no­vos ta­len­tos e en­si­na­mos o pou­co que sa­bía­mos pa­ra eles. Em pa­ra­le­lo de­sen­vol­vía­mos ou­tras ac­ti­vi­da­des” nar­ra Ata­lia.

“E a his­tó­ria re­pe­te-se. Do mal, por mal, pa­ra o mal”, de 2002 a 2003, mar­cou o re­gres­so aos pal­cos do gru­po Maham­ba com a di­rec­ção Da­di­vo Jo­sé e en­ce­na­ção Po­li­car­po e El­li­ot Alex. A Pe­ça foi exi­bi­da du­ran­te dois me­ses no te­a­tro Ave­ni­da. No Cen­tro Cul­tu­ral Franco Mo­çam­bi­ca­no (CCFM) e no te­a­tro Ma­pi­ko. Mais tar­de, a pe­ça foi re­pos­ta pe­lo gru­po Lu­ar­te.

Te­a­tro co­mu­ni­tá­rio: edu­can­do atra­vés da ar­te

O ano de 2003 mar­cou es­se gru­po. “Fir­ma­mos uma par­cei­ra com a FDC. De­sen­vol­vi pes­qui­sas so­bre com­por­ta­men­tos de ris­co e as­pec­tos cul­tu­rais que in­ter­fe­rem na dis­cus­são em vol­ta do HIV/SI­DA. Fru­to des­ta pes­qui­sa foi cri­a­da a pe­ça Tu­do pe­la Vi­da”, re­cor­da Da­di­vo.

Es­ta foi exi­bi­da de 2003 a 2006 em to­dos os dis­tri­tos da zo­na sul de Mo­çam­bi­que, to­das as ca­pi­tais pro­vin­ci­ais de Mo­çam­bi­que, atin­giu uma au­di­ên­cia de mais de 30. 000 Es­pec­ta­do­res.

A par­cei­ra com a FDC mos­trou-se e icaz. Du­ran­tes es­tes três anos fo­ram or­ga­ni­za­dos Três Ro­ad Shows de Te­a­tro con­tra Si­da em to­da zo­na sul, ten­do fei­to mais de 300 even­tos de ca­rác­ter mo­bi­li­za­dor.

Além dos ro­ad shows, fo­ram or­ga­ni­za­das pa­les­tras, de­ba­tes, es­pec­tá­cu­los, en­tre ou­tras ac­ti­vi­da­des de so­ci­a­bi­li­za­ção das po­pu­la­ções. Mes­mo com o tér­mi­no da par­cei­ra com a FDC, o gru­po con­ti­nua a de­sen­vol­ver o te­a­tro co­mu­ni­tá­rio.

O te­a­tro co­mu­ni­tá­rio exe­cu­ta­do por es­te gru­po tem ou­tros ingredientes pa­ra além da sen­si­bi­li­za­ção, edu­ca­ção cí­vi­ca. “Mos­tra­mos que é pos­sí­vel fa­zer te­a­tro de qua­li­da­de e edu­car. O nos­so te­a­tro ti­nha as mar­cas da cul­tu­ra, hu­mor e mui­ta ar­te. Tra­ba­lhá­va­mos no igu­ri­no, na en­ce­na­ção, re­pre­sen­ta­ção”, de­ta­lha Ata­lia.

Além da exi­bi­ção de pe­ça, es­te gru­po fa­zia, e ain­da faz, for­ma­ções de ac­ti­vis­tas e ac­to­res ac­ti­vis­tas. Por exem­plo, no ano pas­sa­do, 2014, foi fei­ta a for­ma­ção de 25 cri­an­ças e jo­vens ac­ti­vis­tas, dos 13 a 20 anos, em ma­té­ria de di­rei­tos da cri­an­ça. Ou­tro olho fo­ca­do nos pal­cos Em pa­ra­le­lo com as ac­ti­vi­da­des de sen­si­bi­li­za­ção, o gru­po con­ti­nuo tra­ba­lhan­do em ou­tras pe­ças. Em 2003, foi con­ce­bi­da a pe­ça o Rei Ubu, uma co-pro­du­ção Maham­ba e Te­a­tro Ago­ra da Fin­lân­dia. Pe­ça exi­bi­da em Ma­pu­to no CCFM. Ou­tras pe­ças sur­gi­ram, tais os ca­sos de: Na Al­deia dos Mis­té­ri­os (2005), Mu­lhe­res – Guer­ras - Har­mo­nia II (2004). No ano de 2006, Da­di­vo Jo­sé es­cre­veu e di­ri­giu Em­bru­lha­dos na Inocência pa­ra o gru­po Lu­art. Pe­ça exi­bi­da pe­lo gru­po Lu­ar­te em 2006 e 2010 no pal­co de Te­a­tro Ave­ni­da e pa­ra os mem­bros da Po­li­cia, da­do ca­rác­ter crí­ti­co em re­la­ção aos va­lo­res no seio da po­lí­cia. Aca­de­mia ao ser­vi­ço dos pal­cos O en­si­no e a apren­di­za­gem é um dos fo­cos do gru­po. “A aca­de­mia es­te­ve sem­pre a fren­te, em pri­mei­ro. Te­ve uma épo­ca que pau­sei pa­ra ter­mi­nar o meu cur­so, En­si­no de His­tó­ria e Ge­o­gra ia, na Uni­ver­si­da­de Pe­da­gó­gi­ca. De­pois co­me­cei a lec­ci­o­nar na Es­co­la Se­cun­da­ria de Lau­la­ne. Re­ce­bi uma pro­pos­ta pa­ra ser do­cen­te na Es­co­la de Co­mu­ni­ca­ção e Ar­te (ECA), mas pre­ci­sa­va de mais con­di­men­to. Li­cen­cie-me em dra­ma na Uni­ver­si­da­de da Wits na Áfri­ca de Sul e te­ve uma for­ma­ção na Ho­lan­da e dai me sen­ti ir­me pa­ra lec­ci­o­nar” nar­ra.

Ata­lia tem uma cer­te­za: as for­ma­ções trou­xe­ram ro­bus­tez ao gru­po. “Tam­bém in­ves­te na for­ma­ção. Sou li­cen­ci­a­da em Te­a­tro, com in­cli­na­ção pa­ra en­ce­na­ção, na ECA on­de ac­tu­al­men­te sou do­cen­te. Com os co­nhe­ci­men­tos que ob­te­mos en­ca­ra­mos o pal­co com ou­tros olhos” cons­ta­ta.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.