OS RM OS MCMU E

Jornal Cultura - - Diálogo Intercultural -

Os il­mes in­de­pen­den­tes nos Es­ta­dos Uni­dos têm res­ga­ta­do a per­di­da tra­di­ção do me­lhor ci­ne­ma do país.

Em meio à ato­ar­da en­sur­de­ce­do­ra do mar­ke­ting mi­li­o­ná­rio de bi­li­o­ná­ri­as produções anó­di­nas, quan­do não com­ple­ta­men­te im­be­ci­li­za­das (as la­tas va­zi­as é que fa­zem ba­ru­lho, já di­zia Bu­da), os jo­vens ci­ne­as­tas es­ta­du­ni­den­ses não com­pro­me­ti­dos ou co­op­ta­dos pe­la in­dús­tria do en­tre­te­ni­men­to vêm re­a­li­zan­do il­mes au­to­rais, ba­se­a­dos em pro­pos­tas subs­tan­ci­o­sas de­ri­va­das de sé­ria pre­o­cu­pa­ção hu­ma­nis­ta e ati­la­da vi­são do mun­do.

En­tre inú­me­ros exem­plos, in­fe­liz­men­te não tão inú­me­ros quan­to se de­se­ja e, prin­ci­pal­men­te, se faz ne­ces­sá­rio, in­clui-se Os Ir­mãos McMul­len (The Brothers McMul­len, EE.UU., 1995), de Edward Burns (1968-). À se­me­lhan­ça de seus con­gê­ne­res, di­ri­gi­dos por Spi­ke Lee, Hal Har­tley, Way­ne Wang, Gus Van Sant, Qu­en­tin Ta­ran­ti­no (ape­nas o de Cães de Alu­guel), Bryan Singer, Jim Jar­mus­ch, en­tre ou­tros, o il­me de Burns fe­re uma das ques­tões re­ais do ser hu­ma­no, no ca­so, a ati­tu­de dos jo­vens fa­ce ao re­la­ci­o­na­men­to amo­ro­so.

Não qual­quer jo­vem ou o jo­vem em ge­ral, mas, de­ter­mi­na­da fai­xa, sin­gu­la­ri­za­da pe­la des­cen­dên­cia (ir­lan­de­sa), lo­ca­li­za­ção (No­va Ior­que), re­li­gião (ca­tó­li­ca), con­di­ção so­ci­al (clas­se mé­dia) e épo­ca (dé­ca­da de 1990).

Iso­la­do es­se te­ci­do do cor­po so­ci­al, o ci­ne­as­ta o sub­me­te a exa­me, sec­ci­o­nan­do par­tes, ex­pon­do o in­te­ri­or, aden­tran­do in­ters­tí­ci­os, re­bus­can­do pre­ce­den­tes, mas, dei­xan­do li­vres seus ele­men­tos pa­ra que, de sua vi­vên­cia, se­jam re­ti­ra­dos e ex­pos­tos sen­ti­men­tos, emo­ções, idei­as e ide­ais, con­cei­tos e pre­con­cei­tos, li­mi­ta­ções, po­ten­ci­a­li­da­de e pos­si­bi­li­da­des.

Con­tu­do, não só dos pro­ta­go­nis­tas, mas, tam­bém, de su­as com­pa­nhei­ras. Se não em igual in­ten­si­da­de, pe­lo me­nos com se­me­lhan­te óti­ca. Se os pro­ta­go­nis­tas en­con­tram-se (os três es­tão na mes­ma si­tu­a­ção), mer­gu­lha­dos em dú­vi­das e per­ple­xi­da­des, su­as par- cei­ras, ao con­trá­rio, apre­sen­tam-se de­ci­di­das e se­gu­ras.

Na re­a­li­da­de, fa­ce à po­si­ção mas­cu­li­na e fe­mi­ni­na, as coi­sas acon­te­cem as­sim mes­mo até que os ho­mens se de inam. Quan­do is­so ocor­re – e ge­ral­men­te ocor­re – os im­pas­ses são su­pe­ra­dos e a vi­da se­gue seu iti­ne­rá­rio em di­re­ção a ru­mo ge­ral­men­te pre­vi­sí­vel, sal­vo aci­den­tes de per­cur­so.

Burns, co­nhe­ce­dor da re­a­li­da­de fo­ca­li­za­da, vis­to in­se­ri­do ne­la, par­te de três re­la­ci­o­na­men­tos dis­tin­tos, ca­da um de­les sin­gu­la­ri­za­do pe­la ati­tu­de do res­pec­ti­vo pro­ta­go­nis­ta e pe­la re­a­ção da com­pa­nhei­ra.

Mes­mo per­ma­ne­cen­do à su­per ície do com­por­ta­men­to das per­so­na­gens, o ci­ne­as­ta des­ven­da e ex­põe mo­ti­va­ções, ex­trai sig­ni ica­do e re­ve­la sen­ti­do. Não ob­je­ti­va nem se com­praz, pois, em nar­rar a es­tó­ria e nem se es­go­ta na urdidura da tra­ma.

O re­sul­ta­do é ra­di­o­gra ia de cer­ta par­te da ju­ven­tu­de de seu país, da­que­la que pau­ta sua exis­tên­cia nos li­mi­tes da nor­ma­li­da­de so­ci­al.

Sob o as­pec­to ar­tís­ti­co e até mes­mo téc­ni­co, o il­me re le­te as cir­cuns­tân­ci­as de sua pro­du­ção. É sim­ples, de­sa­ta­vi­a­do, lu­en­te e pre­ci­so nos en­qua­dra­men­tos, va­lo­ri­za­dos por ade­qua­da mon­ta­gem.

A des­pre­ten­si­o­si­da­de for­mal tra­duz a pos­tu­ra e a na­tu­ra­li­da­de das per­so­na­gens, es­ta­be­le­cen­do apro­pri­a­da sim­bi­o­se en­tre re­a­li­za­ção e en­tre­cho.

Não é co­mé­dia, co­mo por ve­zes clas­si ica­do, po­rém, dra­ma des­ti­tuí­do de exa­ge­ros e gran­di­loquên­cia, nor­mal­men­te inú­teis, quan­do não des­pro­po­si­ta­dos.

(do li­vro Ci­ne­ma Con­tem­po­râ­neo dos Es­ta­dos Uni­dos, em preparo)

______________

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.