ES­PÍ­RI­TO CALUANDA

Jornal Cultura - - Primeira Página -

Abriu a 12 de No­vem­bro no CA­MÕES/CEN­TRO CUL­TU­RAL POR­TU­GUÊS uma ex­po­si­ção de Pin­tu­ra, Fo­to­gra­fia e Ins­ta­la­ção do con­sa­gra­do Mes­tre AN­TÓ­NIO OLE. Pa­ra­le­la­men­te à ex­po­si­ção, o Ca­mões/Cen­tro Cul­tu­ral Por­tu­guês apre­sen­ta, nos um Ci­clo de Ci­ne­ma de­di­ca­do ao Ar­tis­ta, du­ran­te o qual se­rão exi­bi­dos dois Do­cu­men­tá­ri­os re­a­li­za­dos por AN­TÓ­NIO OLE e um Do­cu­men­tá­rio so­bre a sua vi­da e obra, re­a­li­za­do por Rui Si­mões

Nes­te seu mais re­cen­te tra­ba­lho, AN­TÓ­NIO OLE apre­sen­ta 22 obras de pin­tu­ra, fo­to­gra­fia e ins­ta­la­ção, na sua mai­o­ria iné­di­tas, en­tre as quais se des­ta­cam dois tríp­ti­cos de fo­to­gra­fia e cai­xas de luz, que evo­cam o “ES­PÍ­RI­TO CALUANDA”.

Com o “ES­PÍ­RI­TO CALUANDA”, Ar­tis­ta re­to­ma um te­ma re­cor­ren­te no seu per­cur­so. Ci­tan­do Fi­li­pe Cor­reia de Sá, “já em 2004 AN­TÓ­NIO OLE dá a in­di­ca­ção de que Lu­an­da tem al­go que o in­tri­ga, lhe es­ten­de uma re­de em que se quer en­re­dar, não fos­se ele lu­an­den­se por nas­ci­men­to (...). Em 2009, com a ex­po­si­ção “Na Pe­le da Ci­da­de”, vol­ta de no­vo o es­pí­ri­to de Lu­an­da a do­mi­nar a cri­a­ti­vi­da­de do OLE (...). Sen­te-se aqui uma ca­mi­nha­da, não em cír­cu­los, mas em for­mas, de­ter­mi­na­das pe­las pis­tas que o ar­tis­ta vai en­con­tran­do pe­lo ca­mi­nho e atra­vés das quais ele es­ta­be­le­ce um diá­lo­go com o meio que o ro­deia e cum­pre um pro­gra­ma so­ci­al de que não ab­di­ca, até por­que o ES­PÍ­RI­TO DE CALUANDA, sem bem o en­ten­do, a is­so obri­ga: ci­da­da­nia, res­pon­sa­bi­li­da­de cí­vi­ca. Ain­da re­cen­te­men­te, quan­do se pre­pa­ra­va pa­ra le­var a sua ar­te à Bi­e­nal de Ve­ne­za 2015 ( co­mo Ar­tis­ta e co­mo Cu­ra­dor da re­pre­sen­ta­ção de An­go­la), AN­TÓ­NIO OLE vol­tou a ins­pi­rar-se na ci­da­de pa­ra fa­zer uma pe­ça pa­ra a qual uti­li­zou bal­des, des­ses que as qui­tan­dei­ras usam nos seus afa­ze­res, de vá­ri­as co­res, en­car­na­dos, azuis, ver­des, ama­re­los. Ter­mi­na­da a ins­ta­la­ção OLE co­lo­cou- a na par­te fron­tei­ra do es­tú­dio, que tem uma pa­re­de de vi­dro. A umas se­nho­ras que pas­sa­vam não pas­sou des­per­ce­bi­da a ex­po­si­ção, atraí­das pe­la cor e sem dú­vi­da pe­la cui­da­da for­ma em que se ex­pu­nham e fo­ram ter com o AN­TÓ­NIO OLE a quem per­gun­ta­ram: Es­tão a ven­der ba­ci­as?

AQUI NES­TA CE­NA, EM QUE A AR­TE DÁ EN­CON­TRO COM O RE­AL QUE A INS­PI­RA, QUEM VA­LEU E QUEM FA­LOU FOI MES­MO O ES­PÍ­RI­TO CALUANDA. O OLE PRO­VA: ELE EXIS­TE!”

Pin­tu­ra, Fo­to­gra ia, Ins­ta­la­ção e Ci­ne­ma

Nas­ci­do em Lu­an­da em 1951, An­tó­nio Ole é um dos artistas an­go­la­nos ac­tu­ais de re­no­me. De­pois do seu pri­mei­ro apa­re­ci­men­to fo­ra de An­go­la, no Mu­seu de Ar­te Afro-Ame­ri­ca­na, em Los An­ge­les, 1984, os seus tra­ba­lhos nun­ca mais dei­xa­ram de cir­cu­lar pe­lo mer­ca­do in­ter­na­ci­o­nal de ar­te.

Co­nhe­ci­do tam­bém co­mo fo­tó­gra­fo e re­a­li­za­dor de ci­ne­ma, Olé cri­ou uma obra ím­par no con­tex­to da re­cen­te his­tó­ria cul­tu­ral de An­go­la, sen­do os seus tra­ba­lhos mos­tra­dos em vá­ri­as par­tes do mun­do nos mais di­ver­sos fes­ti­vais e bi­e­nais de ar­te.

En­tre mui­tas ou­tras in­ter­ven­ções, par­ti­ci­pou três ve­zes na Bi­e­nal de Ha­va­na (1986, 1988 e 1997), du­as ve­zes na Bi­e­nal de Jo­a­nes­bur­go (1995 3 1997).

Em 1992, foi um dos artistas an­go­la­nos que es­ti­ve­ram pre­sen­tes no Pa­vi­lhão Afri­ca­no na Ex­po­si­ção In­ter­na­ci­o­nal de Sevilha e no ano de 2013 al­gu­mas das su­as sé­ri­es de fo­tos fo­ram in­cluí­das na ex­po­si­ção “Struc­tu­re of Sur­vi­val”, no Fes­ti­val de Ve­ne­za.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.