TRA­TA­DO ELE­MEN­TAR SO­BRE BI­BLI­O­TE­CA MA­NU­AL DE TUR­MA

CAR­TA ABER­TA AOS MI­NIS­TROS DA EDU­CA­ÇÃO E DO EN­SI­NO SU­PE­RI­OR

Jornal Cultura - - Primeira Página - JO­SÉ LUÍS MEN­DON­ÇA

"Um país se faz com ho­mens e li­vros"

Mon­tei­ro Lo­ba­to

1 Dis­se o Pro­fes­sor Je­ró­ni­mo, mes­tre bra­si­lei­ro: “Li­vro: aber­to, mes­tre mu­do que en­si­na; fe­cha­do, mes­tre que im­plo­ra; aban­do­na­do, mes­tre en­tris­te­ci­do; da­ni ica­do, mes­tre que la­men­ta.”

Den­tro de por­tas, ates­ta a im­por­tân­cia e a fun­ção so­ci­al do mes­tre mu­do o es­cri­tor Da­rio de Me­lo, ao con­si­de­rar que os li­vros "têm sem­pre um ca­rác­ter pe­da­gó­gi­co, na me­di­da em que ques­ti­o­nam o lei­tor. Por­que põem em re­le­vo de­ter­mi­na­dos pro­ble­mas pa­ra le­var o lei­tor a pen­sar. O li­vro é sem­pre uma si­tu­a­ção que obri­ga as pes­so­as a ques­ti­o­nar qual­quer coi­sa."

É um da­do ad­qui­ri­do que a lei­tu­ra de bons li­vros au­men­ta a cul­tu­ra ge­ral do lei­tor. Tam­bém é am­pla­men­te re­co­nhe­ci­do que a li­te­ra­tu­ra per­mi­te ao seu cul­tor um do­mí­nio mai­or da lín­gua e, con­se­quen­te­men­te, uma mai­or apre­en­são dos con­cei­tos e uma mai­or ca­pa­ci­da­de ló­gi­co-de­du­ti­va. Por is­so, se deu o no­me de mes­tres mu­dos aos li­vros. O li­vro dá- nos uma no­ção das vá­ri­as di­men­sões em que se es­tru­tu­ra o vi­ver so­ci­al e a mar­cha da Hu­ma­ni­da­de. E a pes­soa que ad­qui­re o há­bi­to ou o ví­cio in­con­tor­ná­vel de ler é a que mais sen­te a fo­me do co­nhe­ci­men­to, é aque­la que fi­ca en­tra­nha­da do ví­cio sau­dá­vel da lei­tu­ra.

2 Mas é igual­men­te um da­do ad­qui­ri­do que, em An­go­la, o li­vro viu re­du­zi­do o seu im­pac­to cul­tu­ral, edu­ca­ti­vo e re­cre­a­ti­vo, a par­tir de me­a­dos dos anos 80, de­vi­do à cri­se de lei­tu­ra que afec­tou to­da a po­pu­la­ção, prin­ci­pal­men­te a es­co­lar, e par­ti­cu­lar­men­te a po­pu­la­ção in­fan­to-ju­ve­nil. É uma cri­se so­ci­al e com­por­ta­men­tal com raí­zes na ca­rên­cia de li­vros a pre­ços aces­sí­veis e na bai­xa pro­du­ção li­vrei­ra, pa­ra além da fra­ca pro­mo­ção e dis­tri­bui­ção do li­vro por par­te das edi­to­ras e dos pro­fes­sors e que se en­qua­dra na cri­se ge­ral que to­cou o país, com o re­cru­des­ci­men­to do con li­to e a sua per­pe­tu­a­ção por lon­gos anos, e cu­jas se­que­las ain­da vi­ve­mos ho­je, con­ju­ga­da com o im­pac­to da Glo­ba­li­za­ção ci­ber­né­ti­ca.

Con­tu­do, den­tre os di­ver­sos ca­nais de in­for­ma­ção e cul­tu­ra que An­go­la pos­sui, so­mos de opi­nião que o li­vro de­sem­pe­nha e de­sem­pe­nha­rá, por lon­gos anos, uma fun­ção in­for­ma­ti­va e cul­tu­ral in­subs­ti­tuí­vel, cu­jos re­sul­ta­dos vão pa­ra além dos al­can­ça­dos pe­la cres­cen­te apos­ta na te­le­vi­são e/ou na In­ter­net. É que, pa­ra além de se sa­ber que a gran­de mai­o­ria da ju­ven­tu­de an­go­la­na não tem aces­so do­més­ti­co às fa­ci­li­da­des cri­a­das pe­la In­ter­net, a in­for­ma­ção trans­mi­ti­da pe­lo li­vro, o cha­ma­do “mes­tre mu­do” per­du­ra e es­tá sem­pre à mão de se­me­ar.

In­ves­tir no li­vro em An­go­la é, por­tan­to, uma adap­ta­ção às pró­pri­as con­di­ções his­tó­ri­co-so­ci­ais que do­mi­nam o país. Se ana­li­sar­mos o ci­clo ro­ta­ti­vo, on­de se en­cai­xam as qua­tro com­po­nen­tes, a sa­ber, o au­tor, o li­vro, o li­vrei­ro e o

lei­tor, ve­re­mos que es­te é um ci­clo di­nâ­mi­co. Ao pro­mo­ver-se a com­po­nen­te do lei­tor, ou da lei­tu­ra, for­çar-se-á, em cer­to sen­ti­do, a mo­vi­men­ta­ção das ou­tras par­tes, ou se­ja, da cri­a­ção li­te­rá­ria (au­tor), da pro­du­ção li­vrei­ra (edi­ção) e da ven­da e pro­mo­ção do li­vro (li­vrei­ros e pro­fe­so­res).

De­sa­for­tu­na­da­men­te, em An­go­la, mui­tas cri­an­ças cres­cem em am­bi­en­tes fa­mi­li­a­res ile­tra­dos on­de não há as­sis­tên­cia dos pais pa­ra que os ilhos ad­qui­ram as ca­pa­ci­da­des bá­si­cas de li­te­ra­cia (lei­tu­ra e es­cri­ta). Por is­so, pa­ra es­te gru­po es­pe­ci­fi­co, con­si­de­ra­do o Fu­tu­ro da Na­ção, Li

te­ra­tu­ra e Edu­ca­ção cons­ti­tu­em um bi­nó­mio in­se­pa­rá­vel. Na ver­da­de, são a Es­co­la e a Aca­de­mia os mei­os mais pro­pí­ci­os, tan­to pa­ra in­cen­ti­var o gos­to pe­la lei­tu­ra, co­mo – e con­se­quen­te­men­te – pa­ra di­vul­gar os li­vros e os au­to­res, for­jan­do des­se mo­do aque­le ci­clo di­nâ­mi­co de cri­a­ção, pro­du­ção, lei­tu­ra, que con­cor­re pa­ra a pro­jec­ção da ofer­ta e da pro­cu­ra, in­cen­ti­van­do o mer­ca­do do li­vro.

3 Com ba­se nes­tes pres­su­pos­tos, le­va­mos à me­sa de tra­ba­lho de Vossas Exas. Srs. Mi­nis­tros da Edu­ca­ção, Dr. Pinda Si­mão, e do En­si­no Su­pe­ri­or, Dr. Adão do Nas­ci­men­to, o con­cei­to de BI­BLI­O­TE­CA MA

NU­AL DE TUR­MA (BMT), que na­da mais é que uma es­pi­ral de lei­tu­ra mó­vel e em ex­pan­são e que ca­da pro­fes­sor de Lín­gua Por­tu­gue­sa po­de im­ple­men­tar, des­de o en­si­no de ba­se ao uni­ver­si­tá­rio. Tra­ta-se de uma bi­bli­o­te­ca di­nâ­mi­ca e não es­tá­ti­ca, num pro­ces­so de cir­cu­la­ção per­ma­nen­te do li­vro por to­dos os lei­to­res, que dis­pen­sa es­tan­tes, fun­ci­o­ná­ri­os, se­cre­tá­ri­as e qual­quer ou­tro ma­te­ri­al e equi­pa­men­to de es­cri­tó­rio pró­prio das bi­bli­o­te­cas co­muns. Na BMT, o li­vro es­tá sem­pre em cir­cu­la­ção, de mão em mão.

A es­tra­té­gia da BMT con­sis­te em cons­ti­tuir bi­bli­o­te­cas ma­nu­ais em ca­da tur­ma, atra­vés do pro­ces­so de cir­cu­la­ção do li­vro por to­dos os alu­nos. É ga­ran­ti­da a au­to-su ici­ên­cia na aqui­si­ção dos li­vros, atra­vés da cons­ti­tui­ção de um fun­do li­te­rá­rio pró­prio em ca­da tur­ma, com con­tri­bui­ções vo­lun­tá­ri­as dos pró­pri­os alu­nos (ao pre­ço mé­dio de um re­fri­ge­ran­te). Es­ta es­tra­té­gia é fá­cil de apli­car, ha­ven­do li­vros dis­po­ní­veis. A aqui­si­ção de­ve ser fei­ta pe­lo de­le­ga­do de tur­ma, sob ori­en­ta­ção e is­ca­li­za­ção do pro­fes­sor.

Pa­ra além do prin­cí­pio da au­to-su ici­ên­cia, anun­ci­a­do atrás, es­te pro­jec­to tam­bém é re­gi­do pe­lo prin­cí­pio da sim­pli­ci­da­de, se­gun­do o qu­al, um só li­vro

é su ici­en­te pa­ra o ini­cio da sua im­ple­men­ta­ção. Es­tes dois prin­cí­pi­os, as­sim co­mo a es­tra­té­gia de ini­da, cons­ti­tu­em as pe­dras ba­si­la­res do pro­jec­to. Por

ou­tro la­do, o prin­cí­pio da sim­pli­ci­da­de es­ta­be­le­ce que quan­to mais sim­ples for a im­ple­men­ta­ção e os re­cur­sos a in­ves­tir, mais exequí­vel se tor­na o pro­jec­to. O prin­ci­pio da sim­pli­ci­da­de é in­com­pa­tí­vel com a ex­ces­si­va bu­ro­cra­ti­za­ção do pro­ces­so da lei­tu­ra. A úni­co re­gis­to que se faz é o dos tí­tu­los do li­vros dis­tri­buí­dos e os no­mes dos lei­to­res, pa­ra con­tro­lo es­ta­tís­ti­co e pa­ra o pró­prio con­tro­lo do per­cur­so do li­vro. E aí en­tra em fun­ção o de­le­ga­do de tur­ma, que ano­ta es­tes da­dos nas úl­ti­mas pá­gi­nas do seu pró­prio ca­der­no es­co­lar.

O Es­ta­do não pre­ci­sa de in­ves­tir di­nhei­ro al­gum, tor­nan­do-se a BMT uma com­po­nen­te es­sen­ci­al, nor­mal e re­gu­lar da di­dác­ti­ca do en­si­no da Lín­gua Por­tu­gue­sa.

Nes­ta fa­se ime­di­a­ta, a bi­bli­o­te­ca é exequí­vel com uma bi­bli­o­gra ia mí­ni­ma, com ba­se nos Clás­si­cos da Li­te­ra­tu­ra An­go­la­na a in­tro­du­zir co­mo lei­tu­ra obri­ga­tó­ria em ca­da ní­vel de for­ma­ção dos pro­fes­so­res de Lín­gua Por­tu­gue­sa, bem co­mo pa­ra o cor­res­pon­den­te ní­vel do en­si­no es­co­lar. Quer di­zer, o pro­fes­sor de­ve ler os mes­mos li­vros que fo­rem da­dos a ler aos alu­nos de de

ter­mi­na­do ní­vel, pa­ra po­der fa­lar com pre­ci­são des­sas obras.

4 Es­ta pro­pos­ta in­tro­duz um mo­de­lo de de­sen­vol­vi­men­to das ca­pa­ci­da­des de apren­di­za­gem e de co­mu­ni­ca­ção so­ci­al que vi­sa, em úl­ti­ma ins­tân­cia, in­cu­tir no sub­cons­ci­en­te do lei­tor a ima­gem do li­vro co

mo ob­jec­to vi­tal, ob­jec­to fe­ti­che, pa­ra o seu de­sen­vol­vi­men­to cul­tu­ral e es­pi­ri­tu­al. O alu­no e o pro­fes­sor che­ga­rão ao im do ci­clo da ex­pe­ri­ên­cia de lei­tu­ra, com a ideia ir­ma­da no seu sub­cons­ci­en­te, de que, as­sim co­mo não po­dem pres­cin­dir de um brin­que­do ou de ou­tro ins­tru­men­to de pra­zer in­di­vi­du­al, tam­bém não de­vem pres­cin­dir de ler um li­vro e se sin­tam atraí­dos, de mo­do na­tu­ral, pa­ra o li­vro e ma­ni­fes­tem o de­se­jo ir­re­sis­tí­vel de o ad­qui­rir.

Co­mo re­sul­ta­do, cria-se uma cer­ta cum­pli­ci­da­de na lei­tu­ra de um mes­mo tí­tu­lo ou gru­po de tí­tu­los se­lec­ci­o­na­dos, con­du­zin­do os lei­to­res a uma no­va ocu­pa­ção cul­tu­ral, for­man­do uma es­pé­cie de cír­cu­lo, no cen­tro do qu­al bri­lha o in­te­res­se co­mum da lei­tu­ra e o fas­cí­nio que de­la ad­vém. Por ou­tro la­do, os lei­to­res vêem alar­gar-se o seu ho­ri­zon­te in­te­lec­tu­al, pa­ra além do en­ri­que­ci­men­to vo­ca­bu­lar no do­mí­nio da Lín­gua Por­tu­gue­sa. A Bi­bli­o­te­ca Ma­nu­al de Tur­ma vai ao en­con­tro des­te sen­ti­do de cons­truir

o no­vo país com ho­mens cul­tos. Ela abar­ca o sen­ti­do his­tó­ri­co de ino­va­ção e hu­ma­ni­za­ção do pro­gres­so, e pro­põe a pro­du­ção de su­jei­tos so­ci­ais que cri­em e re­cri­em o es­pa­ço e a vi­da so­ci­al. A lei­tu­ra re­gu­lar faz do ci­da­dão um ho­mem ou uma mu­lher de cul­tu­ra ver­bal dis­cur­si­va, in­ter­pre­ta­ti­va e vo­ca­bu­lar, fon­te do pro­gres­so das gran­des na­ções.

A es­co­la é o es­pa­ço pri­vi­le­gi­a­do da lei­tu­ra

Li­vro, o mes­tre-mu­do

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.