DIÁS­PO­RA E RESPIGO DA IDI­OS­SIN­CRA­SIA AN­GO­LA­NA

Jornal Cultura - - Primeira Página - MÁ­RIO ARAÚ­JO

A de ini­ção do ser an­go­la­no im­pli­ca, ine­xo­ra­vel­men­te, o re­co­nhe­ci­men­to da con­tri­bui­ção das his­tó­ri­cas vi­cis­si­tu­des ex­pe­ri­en­ci­a­das pe­los an­go­la­nos, pa­ra aqui­lo que nós so­mos: po­vo com ca­rac­te­rís­ti­cas pe­cu­li­a­res.

Aten­te­mos que a idi­os­sin­cra­sia que ho­je evi­den­ci­a­mos co­me­çou a ser bu­ri­la­da no es­pí­ri­to guer­rei­ro da an­ces­tral­mo­nar­quia (de que Ngo­laKi­lu­an­ji, Nzin­gaBan­di e Lu­e­ji são igu­ras arqué­ti­pas). Pos­te­ri­or­men­te, a nos­sa gé­ne­se foi tem­pe­ra­da pe­la con­vi­vên­cia se­cu­lar com o po­vo por­tu­guês. Na con­tem­po­ra­nei­da­de, ini­ci­a­da com a fa­se pós-in­de­pen­dên­cia, apre­sen­ta­mos uma mes­cla de tem­pe­ra­men­to, cos­tu­mes, va­lo­res e ten­dên­ci­as que é o re­po­si­tó­rio das me­ta­mor­fo­ses pe­las qu­ais os an­go­len­ses pas­sa­ram.

As­sim, das mul­ti­fa­ce­ta­das pe­ri­pé­ci­as vi­ven­ci­a­das por mi­lhões de an­go­la­nos, no de­cur­so da sua His­tó­ria, pro­po­mo-nos abor­dar a diás­po­ra, por nos pa­re­cer in­con­tor­ná­vel nes­se per­cur­so iden­ti­tá­rio.

Nes­ta con­for­mi­da­de, a odis­seia, a se­guir nar­ra­da, re­la­ta a que­bra de uma vi­vên­cia har­mo­ni­o­sa pe­lo êxo­do po­pu­la­ci­o­nal ocor­ri­do na se­gun­da me­ta­de da dé­ca­da de se­ten­ta.

É um tem­po de ale­gria in­fan­til, an­gús­tia adul­ta e de amar­gu­ra e cho­ro pa­ra mui­tas fa­mí­li­as aqui re­si­den­tes.

UMA VI­DA CO­MUM

A vi­da dos ilhos do ca­sal Sou­sa se­gue o rit­mo de ou­tro­ra: Ja­bu­ru e Ze­zi­nha já a tra­ba­lhar, e os res­tan­tes a es­tu­dar; Gi­ni­nho, Ín­dio e Na­ta­lí­cio na Es­co­la Pre­pa­ra­tó­ria João Cri­sós­to­mo, To­zé e Qu­e­li­nha nu­ma Es­co­la Pri­má­ria per­to de ca­sa. É uma vi­da co­mumà da mai­o­ria das fa­mí­li­as lu­an­den­ses: du­ran­te a se­ma­na, os ilhos es­tu­dam e, aos ins­de-se­ma­na, fre­quen­tam a ca­te­que­se, as­sis­tem à mis­sa, vão à praia, ao ci­ne­ma ou dar um pas­seio com os res­pec­ti­vos en­car­re­ga­dos de edu­ca­ção.

Pa­ra co­me­mo­rar as res­pec­ti­vas pas­sa­gens do ano lec­ti­vo, Na­ta­lí­cio e os ir­mãos com­bi­nam uma ida às Pis­ci­nas de Al­va­la­de. De­pois de re­a­li­za­das as obri­ga­tó­ri­as ta­re­fas do­més­ti­cas, pre­pa­ram o lan­che.

Che­ga­dos à es­tân­cia bal­ne­ar, os ir- mãos mais ve­lhos acan­to­nam-se na zo­na des­ti­na­da aos adul­tos, or­de­nan­do ao mais no­vo que se ba­nhe no es­pa­ço de­di­ca­do aos in­fan­tis.

- Porquê que eu te­nho que icar afas­ta­do de vo­cês? - Per­gun­ta, re­ve­lan­do não con­tar com es­ta con­fran­ge­do­ra de­ter­mi­na­ção.

Di­rec­ci­o­nan­do a sua aten­ção pa­ra as pran­chas, os ma­nos não lhe res­pon­dem, e aque­le ca­mi­nha pa­ra o des­ti­no or­de­na­do, con­tra­ri­a­do.

De lon­ge, Na­ta­lí­cio ob­ser­va os mer­gu­lhos dos ma­nos cres­ci­dos, en­quan­to cha­pi­nha com ou­tros me­ni­nos ain­da mais no­vos.

- Tam­bém que­ro to­mar ba­nho aqui! – Diz Na­ta­lí­cio, em voz al­ta, aos ir­mãos, en­quan­to ob­ser­va, de per­to, as su­as acro­ba­ci­as.

- Não po­des icar con­nos­co por­que tu ain­da não sa­bes na­dar, e es­te la­do é fun­do! – Dis­pa­ra o Ín­dio, ao pre­pa­rar mais um sal­to. - Mas da­que­le la­do só tem be­bés! - Vai prò sí­tio que te in­di­ca­mos e não nos ar­ran­jes pro­ble­mas! – Sen­ten­cia, pro­fe­ti­ca­men­te, o Ja­bu­ru, saí­do das pro­fun­de­zas da ape­te­cí­vel água.

- Não que­ro! Vou sen­tar-me aqui, nas es­ca­das, e só mo­lho os pés!

- En­tão se­gu­ra-te bem pa­ra não caí­res pa­ra a água! – Apa­zi­gua o Gi­ni­nho, de­pois de ter na­da­do em to­do o com­pri­men­to da pis­ci­na.

Dan­do o as­sun­to co­mo en­cer­ra­do, Ja­bu­ru, Gi­ni­nho e Ín­dio vão dis­pu­tan­do pe­rí­ci­as de mer­gu­lha­do­res.

A da­do mo­men­to, Ja­bu­ru, aler­ta­do pe­la res­pon­sa­bi­li­da­de cons­tan­te e ine­ren­te à sua con­di­ção de co­man­dan­te, per­gun­ta: - On­de es­tá o Na­ta­lí­cio? Repentina e si­mul­ta­ne­a­men­te, os ir­mãos olham pa­ra a to­a­lha do de­sa­pa­re­ci­do, dei­xa­da des­lei­xa­da­men­te na ber­ma da pis­ci­na. Ins­tin­ti­va­men­te, mer­gu­lham pa­ra o fun­do da azu­la­da água.

- Não o en­con­trei! – Diz o Ín­dio, emer­gin­do pa­ra res­pi­rar.

- Eu tam­bém não! – Res­pon­de o Gi­ni­nho, de­pois de ter pro­cu­ra­do, a na­do, em tor­no da pis­ci­na.

Nis­so, am­bos os ir­mãos tam­bém dei­xam de ver o ma­no mais ve­lho, o que lhes au­men­ta a an­gús­tia.

Uns se­gun­dos de­pois, Gi­ni­nho e Ín­dio, já sem sa­be­rem o que fa­zer, ob­ser­vam o Ja­bu­ru a tre­par os de­graus da es­ca­da com o ma­no mais no­vo de­bai­xo do so­va­co do bra­ço es­quer­do!

Es­ten­dem-no, ao com­pri­do, na to­a­lha, e re­pe­tem a ope­ra­ção de re­ti­ra­da da água do estô­ma­go, efec­tu­a­da em 1969, no epi­só­dio das ma­ban­gas, na praia da Co­rim­ba!

ÊXO­DO

Nes­se ano de 1975, con­fran­gi­das pe­la con­vul­são so­ci­al imi­nen­te, mi­lha­res de fa­mí­li­as aban­do­nam o país, re­fu­gi­an­do-se em des­ti­nos dís­pa­res, co­mo Por­tu­gal. O êxo­do é re­a­li­za­do de au­to­mó­vel pa­ra a Na­mí­bia e Áfri­ca do Sul, por exem­plo; por bar­co ou por meio de uma pon­te aé­rea cri­a­da pa­ra es­se pro­pó­si­to.

Os que vi­a­ja­vam de avião, per­ma­ne­ci­am acan­to­na­dos no ae­ro­por­to, du­ran­te al­guns di­as, es­pe­ran­do pe­la vez pa­ra o an­si­a­do em­bar­que. Os vo­lun­tá­ri­os da Cruz Ver­me­lha Por­tu­gue­sa des­do­bra­vam-se na dis­tri­bui- ção de man­tas cin­zen­tas, que iam ser­vin­do de col­chão so­bre as la­jes fri­as dos cor­re­do­res.

No es­pa­ço de ju­ris­di­ção do ae­ro­por­to, rei­na­va um cli­ma de ab­so­lu­ta in­se­gu­ran­ça!

As­sim se en­con­tra­va Do­na Lur­des, com cin­co dos se­te ilhos. O pai Zé vi­si­ta­va-os, ao im do dia, pa­ra in­da­gar ne­ces­si­da­des e re­fre­ar te­mo­res.

Ca­da pas­sa­gei­ro ape­nas ti­nha di­rei­to a trans­por­tar vin­te qui­los, pe­lo que o pe­so re­ma­nes­cen­te se­guia via ma­rí­ti­ma, sem a cer­te­za de o re­ce­be­rem nu­ma ter­ra que era to­tal­men­te des­co­nhe­ci­da pa­ra a mai­o­ria dos re­fu­gi­a­dos.

O êxo­do de mi­lhões de pes­so­as cons­ti­tuiu, de fac­to, uma odis­seia pre­nhe de dor, in­cer­te­za e de­ter­mi­na­ção.

Den­tro do “bar­ri­ga-de-jin­gu­ba”, da For­ça Aé­rea Por­tu­gue­sa, Na­ta­lí­cio ven­ce os ir­mãos na dis­pu­ta por um lu­gar per­to de uma das pou­cas e mi­nús­cu­las ja­ne­las!

Jun­to à sua, em­pre­en­de vi­a­gem ou­tra fa­mí­lia an­go­la­na com­pos­ta pe­la mãe e dois ilho­tes. Ini­ci­al­men­te, a jo­vem mãe sen­ta-se no lu­gar do meio, cer­ta­men­te, pa­ra apla­car as ha­bi­tu­ais e, por is­so, pre­vi­sí­veis tra­qui­ni­ces en­tre os ir­mãos. A pre­vi­são re­ve­lou-se acer­ta­da quan­do o ilho mais no­vo, as­sen­ta­do nu­ma das pon­tas da cor­ren­te­za de ban­cos, co­me­çou a rei­vin­di­car o ban­co jun­to à ja­ne­la! Pe­ran­te a in­sis­tên­cia des­te e a re­cu­sa do mais ve­lho em ce­der o seu apre­ci­a­do lu­gar, a pa­ci­en­te pro­ge­ni­to­ra tro­ca de ban­cos com o ben­ja­mim, ican­do, des­ta for­ma, os dois ma­nos jun­tos, e per­to de Na­ta­lí­cio.

Re­sol­vi­da a con­ten­da dos lu­ga­res,

co­me­ça a ba­te­ria de per­gun­tas:

- Ma­mã, quan­do é que o avião co­me­ça a an­dar? Por­que é que as pes­so­as to­das es­tão a aper­tar os cin­tos?

- Ca­la-te, Chi­qui­nho! Es­tás a in­co­mo­dar os ou­tros pas­sa­gei­ros!

En­tre­tan­to, o pe­que­no Na­ta­lí­cio, aper­ce­ben­do-se da si­mi­la­ri­da­de en­tre as du­as fa­mí­li­as, aguar­da por uma opor­tu­ni­da­de pa­ra en­ce­tar con­ver­sa com o po­ten­ci­al ami­go.

Em ple­no tra­jec­to de des­co­la­gem, ou­ve-se o bra­do do Chi­qui­nho:

- Lá em bai­xo os car­ros pa­re­cem for­mi­gui­nhas!

- E as mo­tas qua­se que não se vêem! – Acres­cen­ta Na­ta­lí­cio, re­ce­ben­do do com­pa­nhei­ro de lu­gar um ace­no de apro­va­ção.

A ma­nhã es­tá lin­da. O avião se­gue a sua ro­ta pa­ci ica­men­te, en­san­dui­cha­do en­tre du­as ca­ma­das de lo­cos de nu­vens bran­cas.

Após uma bre­ve pau­sa, pro­va­vel­men­te pa­ra mu­ni­ci­o­nar men­tal­men­te as in ini­tas ques­tões, Chi­qui­nho vol­ta à car­ga: - Qu­al é mai­or: An­go­la ou Por­tu­gal? - É An­go­la! – Res­pon­de gar­bo­sa e apres­sa­da­men­te Na­ta­lí­cio, dei­xan­do an­te­ver con­ver­sas ha­vi­das no lar an­tes da vi­a­gem.

Os res­tan­tes pas­sa­gei­ros vão-se le­van­tan­do, uns pa­ra con­ver­sa­rem com fa­mi­li­a­res ou ami­gos afas­ta­dos dos seus lu­ga­res, ou­tros pa­ra en­gros­sa­rem a ila pa­ra a ru­di­men­tar toi­let­te.

- Mãe, o avião vai des­cer em Por­tu­gal ou em Lis­boa? – Per­gun­ta Na­ta­lí­cio, en­quan­to ob­ser­va os seus ma­nos con­ver­san­do en­tre si.

- As du­as coi­sas es­tão cer­tas, ilho! Lis­boa é a ca­pi­tal de Por­tu­gal.

- Ca­pi­tal? O que é is­so?! – Ques­ti­o­na, fran­zin­do a tes­ta.

- Qu­al é a ci­da­de mais im­por­tan­te de An­go­la? – In­ter­pe­la a adul­ta, pe­da­gó­gi­ca e ma­ter­nal­men­te.

- É Lu­an­da! – Res­pon­de ce­le­re­men­te Na­ta­lí­cio, re­cor­dan­do-se do com­pri­do pon­tei­ro com que a pro­fes­so­ra en­si­na­va ge­o­gra ia.

- Pois, en­tão, a ci­da­de mais im­por­tan­te de Por­tu­gal cha­ma-se Lis­boa!

- Eu pen­sa­va que Por­tu­gal era Lis­boa e que Lis­boa era Por­tu­gal!

- Pen­sa na nos­sa ca­sa que aca­ba­mos de dei­xar em Lu­an­da. Só tem uma sa­la ou tam­bém tem quar­tos?

- A nos­sa ca­sa ébué da gran­de – con­tan­do pe­los de­dos - tem uma sa­la, o quar­to dos ra­pa­zes, o quar­to das me­ni­nas, uma va­ran­da e, no quin­tal, es­tá a co­zi­nha, tem plan­tas e é on­de dor­me o nos­so cão!

- En­tão, faz de con­ta que a nos­sa ca­sa é um país, e que tem o no­me de Por­tu­gal. Es­tá bem? - Sim! - Va­mos fa­zer de con­ta que a sa­la, ca­da um dos quar­tos, a co­zi­nha, a va­ran­da e o quin­tal da ca­sa são as vá­ri­as ci­da­des que es­tão den­tro de Por­tu­gal!

- Quer di­zer que o avião vai pa­rar na par­te da ca­sa que se cha­ma Lis­boa?

- Acer­tas­te! – Ex­plo­de emo­ti­va­men­te a mãe Lur­des, por ter aju­da- do o fi­lho­te a ar­ru­mar ge­o­gra­fi­ca­men­te a men­te.

Em Por­tu­gal, as ma­nhãs de Ou­tu­bro cos­tu­mam acor­dar fri­as e nu­bla­das. Foi es­te ce­ná­rio com que os pas­sa­gei­ros se con­fron­ta­ram ao pi­sar o so­lo lis­bo­e­ta.

A si­tu­a­ção de an­gús­tia e des­con­for­to vi­vi­dos, nos úl­ti­mos di­as, no Ae­ro­por­to de Lu­an­da, per­pe­tu­a­ram­se no Ae­ro­por­to da Por­te­la.

O es­pa­ço es­ta­va per­ma­nen­te­men­te pe­ja­do de pes­so­as, de­am­bu­lan­do de um la­do pa­ra ou­tro, cons­tan­te­men­te à pro­cu­ra de al­guém ou de al­gu­ma coi­sa; os re­cém-che­ga­dos es­prai­a­vam-se, por ni­chos fa­mi­li­a­res, sen­ta­dos ou dei­ta­dos no chão dos lar­gos cor­re­do­res; de vez em quan­do, os al­ti­fa­lan­tes pro­cu­ra­vam pe­lo pa­ra­dei­ro dos fa­mi­li­a­res de al­gu­ma cri­an­ça.

Além dis­so, três pre­o­cu­pa­ções fus­ti­ga­vam os che­fes de fa­mí­lia: o acha­men­to das su­as ma­las; a tro­ca de mo­e­da e o lo­cal de des­ti­no pa­ra a sua fa­mí­lia.

A ba­ga­gem que acom­pa­nha­ra os pas­sa­gei­ros fo­ra de­po­si­ta­da num enor­me han­gar, ar­ru­ma­da sem qual­quer cri­té­rio nem or­ga­ni­za­ção! Quem se des­lo­cas­se ao ar­ma­zém, pa­ra res­ga­tar os seus per­ten­ces, de­pa­ra­va-se com uma con­fu­são ba­bi­ló­ni­ca!

Após bus­cas es­for­ça­das, de­mo­ra­das e do­lo­ro­sas, Do­na Lur­des achou as su­as, ten­do con­ta­do com o au­xí­lio pre­ci­o­so dos ilhos Gi­ni­nho e Ín­dio.

De­pois de se ven­ce­rem as in­ter­mi­ná­veis, e rui­do­sas, ilas, a tro­ca de di­nhei­ro era fei­ta, no ae­ro­por­to, cu­jo má­xi­mo tro­cá­vel va­ri­a­va de acor­do com o agre­ga­do familiar, que era com­pro­va­do pe­la apre­sen­ta­ção da Guia de De­sem­ba­ra­ço!

RE­TOR­NA­DOS

A ter­cei­ra eta­pa im­pli­ca­va su­por­tar ilas igual­men­te com­pri­das e ba­ru­lhen­tas, pa­ra acei­ta­ção do lo­cal de aco­lhi­men­to. Na­ta­lí­cio e os ir­mãos re­ve­za­vam-se na ilei­ra, sob su­per­vi­são da mãe.

Ao im de três di­as de acan­to­na- men­to, Do­na Lur­des es­co­lheu o Com­ple­xo Tu­rís­ti­co da Tor­ral­ta, em Tróia, acon­se­lha­da pe­lo re­tor­na­do Pi­na, que co­nhe­ce­ra quan­do es­te fa­zia par­te da po­lí­cia mon­ta­da que em­pre­en­dia rus­gas ao Bair­ro do Golf.

Eco­no­mi­ca­men­te, a che­ga­da de re­tor­na­dos e de­sa­lo­ja­dos a Por­tu­gal cons­ti­tuiu uma “in­jec­ção de ca­pi­tal” nos sec­to­res de ho­te­la­ria e de res­tau­ra­ção que se en­con­tra­vam em ago­nia fi­nan­cei­ra.

É nes­ta con­jun­tu­ra que se in­se­re o alo­ja­men­to dos re­cém-che­ga­dos em ho­téis e es­tân­ci­as tu­rís­ti­cas co­mo, por exem­plo, o Ho­tel Es­pe­ran­ça, em Se­tú­bal e o re­sort em Tróia.

Es­ta pe­nín­su­la es­ta­be­le­ce li­ga­ção, por ter­ra, en­tre as di­ver­sas prai­as de Tróia e as lo­ca­li­da­des li­mí­tro­fes: Com­por­ta, Me­li­des, Car­va­lhais e, mais dis­tan­te, a re­vo­lu­ci­o­ná­ria Grân­do­la, to­das per­ten­cen­tes à cos­ta vi­cen­ti­na alen­te­ja­na.

Tróia go­za da agra­dá­vel pe­cu­li­a­ri­da­de de cons­ti­tuir um es­pa­ço hí­bri­do de na­tu­re­za pri­mi­ti­va e de res­pi­gos de ci­da­de. Com efei­to, a pre­sen­ça mas­si­va de ar­vo­re­do, quer em for­ma de árvores fron­do­sas quer por meio de ar­bus­tos, é se­cun­da­da pe­la per­ma­nen­te, e inís­si­ma, areia bran­ca, es­pa­lha­da por to­da a ex­ten­são da pe­nín­su­la, es­prai­an­do-se até às mar­gens do Oce­a­no Atlân­ti­co por um la­do, e do Rio Sa­do, do la­do da ci­da­de bo­ca­gi­a­na.

A exis­tên­cia cir­cun­dan­te de água sal­ga­da ate­nu­ou o im­pac­to so­ci­al da vi­vên­cia nes­ta ter­ra de exí­lio, por­quan­to os ilhos da Do­na Lur­des che­ga­vam ha­bi­tu­a­dos às prai­as lu­an­di­nas, fa­zen­do, por is­so, ro­ma­ri­as diá­ri­as ao mar troi­a­no. Po­rém, es­ses pas­sei­os ma­rí­ti­mos dei­xa­vam a se­nho­ra em per­ma­nen­te a li­ção, nu­ma fa­se da vi­da em que se en­con­tra­va só, sem o apoio dos ilhos mai­o­res nem do ma­ri­do, per­ma­ne­ci­dos em Lu­an­da.

Pe­ri­o­di­ca­men­te, os che­fes de fa­mí­li­as des­lo­ca­vam-se aos ser­vi­ços do Ins­ti­tu­to de Apoio aos Re­tor­na­dos Na­ci­o­nais (IARN), em Lis­boa, a im de tra­ta­rem de as­sun­tos mul­ti­fa­ce­ta­dos, co­mo a com­par­ti­ci­pa­ção em des­pe­sas com a saú­de e pe­di­do de trans­fe­rên­cia pa­ra lo­cais de aco­lhi­men­to pa­ra on­de fo­ram en­vi­a­dos os seus pa­ren­tes - se­pa­ra­dos à che­ga­da a Lis­boa.

Nu­ma ma­nhã, após ter su­por­ta­do, ao re­len­to, a du­re­za da com­pri­da ila, du­ran­te três di­as se­gui­dos, um se­nhor diz à Do­na Lur­des:

- Por fa­vor, guar­de o meu lu­gar, que eu vou só dar um saltinho a um ca­fé pa­ra com­prar al­gu­ma coi­sa, pois des­de on­tem que não co­mo na­da!

- Mas não se de­mo­re, por­que o fun­ci­o­ná­rio já de­ve es­tar a che­gar pa­ra ac­tu­a­li­zar a lis­ta dos no­mes da­que­les que es­tão nos pri­mei­ros lu­ga­res da ila! – Avi­sa, pru­den­te­men­te, a de­sa­lo­ja­da vin­da de Tróia, en­quan­to ajei­ta o pe­da­ço de pa­pe­lão on­de es­tá sen­ta­da.

- Não, não me de­mo­ro. Vou tra­zer o far­nel em­bru­lha­do pa­ra re­gres­sar mais de­pres­sa! – Es­cla­re­ce já em an­da­men­to.

To­da­via, ain­da não ti­nham de­cor­ri­do três mi­nu­tos des­de que o se­nhor se au­sen­ta­ra, um fun­ci­o­ná­rio, de as­pec­to gra­ve e sé­rio, apa­re­ce e faz o le­van­ta­men­to das pri­mei­ras de­ze­nas de pes­so­as pre­sen­tes na fren­te da ila.

Do­na Lur­des já es­tá a ser aten­di­da, quan­do o fa­min­to se­nhor che­ga, mas aper­ce­be-se da in­di­ca­ção do se­ve­ro fun­ci­o­ná­rio de que o de­sa­lo­ja­do de­ve vol­tar pa­ra o im da ila e aguar­dar a vez pa­ra ser aten­di­do, o que pres­su­põe per­ma­ne­cer em Lis­boa pa­ra mais di­as de an­gús­tia!

Nes­sa épo­ca, a po­pu­la­ção por­tu­gue­sa en­ca­ra­va de mo­do di­fe­ren­te os dois ti­pos de pes­so­as vin­das das ex­co­ló­ni­as. Os por­tu­gue­ses, nun­ca saí­dos de Por­tu­gal, eram cáus­ti­cos pa­ra com os seus con­ter­râ­ne­os – os au­tên­ti­cos re­tor­na­dos - a quem acu­sa­vam de te­rem fu­gi­do de Áfri­ca, de­pois de te­rem ex­plo­ra­do e mo­les­ta­do os pre­tos du­ran­te anos a io.

Com­pa­ra­ti­va e pa­ra­do­xal­men­te, os

Bei­jan­do o so­lo pá­trio

Es­cul­tu­ra de Man­go­vo

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.