PAL­CO ABER­TO PO­TEN­CIA AC­TO­RES

Jornal Cultura - - Artes - MATADI MAKOLA

Pal­co Aber­to é o no­me do pro­jec­to de for­ma­ção e pro­du­ção em te­a­tro, do Cen­tro de Ani­ma­ção Ar­tís­ti­ca do Cazenga. Tem Nel­son Gonçalves (Ny­lon) co­mo res­pon­sá­vel e sur­ge co­mo com­ple­to de uma for­ma­ção que con­clui em Por­tu­gal na área de te­a­tro, cum­prin­do a ta­re­fa ini­ci­a­da com um es­pec­tá­cu­lo em Se­tú­bal, sen­do em Lu­an­da o ANIMART o es­pa­ço que en­con­trou pa­ra dar con­ti­nui­da­de a es­te pro­jec­to. Tem co­mo ob­jec­ti­vo dar re­al­ce ao tra­ba­lho in­di­vi­du­al do autor, dan­do as­sim pri­ma­zia a pe­ças que reú­nam me­nos de qua­tro ac­to­res. É um pro­jec­to iti­ne­ran­te, pron­to a ad­mi­nis­trar o ici­nas de te­a­tro e cri­a­ção de es­pec­tá­cu­los nas mais di­ver­sas áre­as do país que pre­ci­sem ser su­por­ta­das com sa­ber das artes cé­ni­cas, co­mo foi o ca­so do Kwan­za Nor­te e as o ici­nas no úl­ti­mo FESTECA.

Pa­ra fe­char o ano, du­as o ici­nas de te­a­tro es­tão na agen­da nes­te im de De­zem­bro. A pri­mei­ra ar­ran­cou no dia 14 e o fo­co re­caiu nas “téc­ni­cas de ex­pres­são” e “ac­tu­a­ção”, pa­ra ac­to­res mai­o­res de 16 anos. Ter­mi­nou no dia 19 e foi ad­mi­nis­tra­da por Nel­son Ka­ban­ga e Te­re­sa Ma­nu­el, atriz da com­pa­nhia Tic Tac que con­ta inú­me­ras for­ma­ções com es­pe­ci­a­lis­tas Fran­ce­ses e Por­tu­gue­ses. A ou­tra eta­pa co­me­ça no dia 21 e ter­mi­na no dia 24, cu­jo fo­co se­rá tra­ba­lhar na te­má­ti­ca “cons­ci­ên­cia do ac­tor em ce­na - te­a­tra­li­da­de” e di­re­ci­o­na­da a pes­so­as que já têm ex­pe­ri­ên­cia em te­a­tro. A for­ma­ção abor­da­rá téc­ni­cas de­sen­vol­vi­das por João Bri­tes, di­rec­tor do te­a­tro O Ban­do, de Por­tu­gal, e se­rá ad­mi­nis­tra­da por Nel­son Gonçalves, o nos­so in­ter­lo­cu­tor, e Eli­za­beth, am­bos ac­to­res do Tic Tac. Ny­lon, ac­tor e di­rec­tor ar­tís­ti­co do ANI- MART, re­fe­ren­cia que as for­ma­ções têm si­do mui­to im­por­tan­tes mas que não fa­zem na­da do ou­tro mun­do: “Mui­tos ac­to­res já de­vem ter no­ções dos co­nhe­ci­men­tos que va­mos pro­por. Mas as abor­da­gens e o rep­to de cri­ar um re­sul­ta­do de ca­riz an­go­la­no vai ser sem­pre a nos­sa ori­en­ta­ção, de cal­car os co­nhe­ci­men­tos nu­ma ati­tu­de an­go­la­na de fa­zer te­a­tro”, in­for­ma. Por ou­tro lado, re­al­ça Ny­lon, a pró­pria tro­ca de ex­pe­ri­ên­cia en­tre gru­pos cau­sa uma aju­da que é di ícil de ga­nhar em con­di­ções la­bo­rais, por ain­da al­gu­mas pes­so­as in­cu­ti­rem o lado com­pe­ti­ti­vo, co­mo tam­bém se pre­ci­sa que o co­nhe­ci­men­to cir­cu­le, res­tan­do ape­nas que os ac­to­res de­sen­vol­vam em pon­tos di­fe­ren­tes mas se ca­rac­te­ri­zem em cer­tos pon­tos, pa­ra que se com­pre­en­dam na ex­pres­são te­a­tral. Te­a­tro e Cazenga O ANIMART é a sa­la e es­pa­ço o ici­al do te­a­tro no Cazenga, da­do co­mo o mu­ni­cí­pio fér­til no que to­ca ao nas­ci­men­to de no­vos gru­pos (fe­nó­me­no da ge­ra­ção 90 e 2000), con­tan­do tam­bém com o es­pa­ço da Pa­ró­quia de San­to An­tó­nio, adap­ta­do pa­ra ses­sões de es­pec­tá­cu­los. O gran­de pro­ble­ma, apon­ta, tem si­do tam­bém en­con­trar es­pa­ços pa­ra mos­tra­rem tra­ba­lhos e sa­be­rem que no Cazenga se faz te­a­tro de ver­da­de.

Os aman­tes do te­a­tro já se ha­bi­tu­a­ram com es­tes lo­cais e os ac­to­res são pes­so­as bem co­nhe­ci­dos do pú­bli­co lo­cal. Num pas­sa­do re­cen­te, re­cua Ny­lon, ía­mos sem­pre apre­sen­tar os es­pec­tá­cu­los na LASP e Njin­ga Ma­ban­de, o que já não acon­te­ce, por­que têm um pú­bli­co que os co­nhe­ce e que res­pei­ta o tra­ba­lho que têm vin­do a fa­zer. Con­tu­do, não po­de­mos fa­lar ne­ces­sa­ri­a­men­te que os gru­pos do Cazenga cri­em pe­ças com te­má­ti­cas que es­pe­lhem a vi­da das pes­so­as do mu­ni­cí­pio, em­bo­ra re­co­nhe­ça, fa­zen­do uso de um con­cei­to ba­si­lar das artes cé­ni­cas, “o te­a­tro nasce do po­vo e vol­ta pa­ra o po­vo, mas nu­ma ex­pres­são ar­tís­ti­ca”.

Em ge­ral, tra­ta-se de um te­a­tro ge­ne­ra­lis­ta, sal­vo em se­mi­ná­ri­os di­re­ci­o­na­dos pa­ra tal. Quan­to a es­pec­tá­cu­los, o ob­jec­ti­vo – que Ny­lon as­se­gu­ra vir a acon­te­cer já no pró­xi­mo ano – é o de con­ti­nua a man­ter a re­gu­la­ri­da­de de apre­sen­tar es­pec­tá­cu­los to­dos os inais de semana.

Ny­lon (à es­quer­da) nu­ma per­for­man­ce em Por­tu­gal

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.