ROJECTO IMO­BI­LIÁ­RIO DA UNIÃO DOS ES­CRI­TO­RES AN­GO­LA­NOS

Jornal Cultura - - Primeira Página - EN­TRE­VIS­TA CON­DU­ZI­DA POR MATADI MAKOLA

O se­cre­tá­rio-ge­ral da União dos Es­cri­to­res An­go­la­nos, Car­mo Ne­to, ce­deu-nos es­ta en­tre­vis­ta on­de adi­an­ta pro­jec­tos já ama­du­re­ci­dos e ou­tros por er­guer, e que são de in­te­res­se na­ci­o­nal, co­mo é o ca­so do pro­jec­to de uma UEA mais dig­na e ca­bal, cer­ta­men­te a gran­de obra da mais an­ti­ga ca­sa de Cul­tu­ra do pós-in­de­pen­dên­cia, pro­cla­ma­da pe­lo sau­do­so pre­si­den­te Agos­ti­nho Ne­to no dia 10 de De­zem­bro de 1975.

Jor­nal CUL­TU­RA - Que pro­jec­tos e de­sa­fi­os a sua di­rec­ção her­da das di­rec­ções que lhe an­te­ce­de­ram?

Car­mo Ne­to - Quan­do a 10 de De­zem­bro de 1975, os es­cri­to­res an­go­la­nos de­ci­di­ram ci­men­tar, em Lu­an­da, os pi­la­res da li­te­ra­tu­ra na­ci­o­nal, cri­an­do a União dos Es­cri­to­res An­go­la­nos, os seus men­to­res olha­vam já pa­ra o fu­tu­ro. E is­so es­tá re lec­ti­do nos ins des­sa pri­mei­ra ins­ti­tui­ção de ca­rác­ter so­ci­o­cul­tu­ral cri­a­da na An­go­la pós in­de­pen­den­te. Tal­vez es­se fac­to te­nha per­mi­ti­do que o pri­mei­ro go­ver­no de An­go­la fos­se for­ma­do com uma for­te ba­se de es­cri­to­res, co­me­çan­do pe­lo pre­si­den­te da Me­sa da As­sem­bleia Ge­ral da UEA, o tam­bém pri­mei­ro pre­si­den­te de An­go­la, o po­e­ta Agos­ti­nho Ne­to.

A UEA de­fen­dia já uma ba­li­za pa­ra a tão po­le­mi­za­da ideia de es­cri­tor. Nos seus es­ta­tu­tos, re­fe­ria-se que são con­si­de­ra­dos es­cri­to­res ape­nas os au­to­res de tex­tos e obras de pu­ra cri­a­ção li­te­rá­ria e os au­to­res de quais­quer ou­tros tex­tos ou obras que, pe­la sua ori­gi­na­li­da­de de con­cep­ção ou vir­tu­des de es­ti­lo, pos­su­am apre­ciá­veis ca­rac­te­rís­ti­cas li­te­rá­ri­as.

É es­te um as­sun­to ac­tu­al na nos­sa so­ci­e­da­de, que se en­con­tra no cen­tro das dis­cus­sões des­de o pon­to de vis­ta pu­ra­men­te es­té­ti­co ao lin­guís­ti­co, pas­san­do pe­lo se­mân­ti­co e atin­gin­do mes­mo os teó­ri­cos da li­te­ra­tu­ra.

Re­su­mi­da­men­te, her­da­mos das di­rec­ções an­te­ri­o­res os se­guin­tes de­sa­fi­os:

-Pro­mo­ver a de­fe­sa da cul­tu­ra an­go­la­na co­mo pa­tri­mó­nio da na­ção.

-Es­ti­mu­lar os tra­ba­lhos ten­den­tes a apro­fun­dar o es­tu­do das tra­di­ções cul­tu­rais do po­vo an­go­la­no.

-In­cen­ti­var a cri­a­ção li­te­rá­ria dos seus mem­bros, no­me­a­da­men­te pro­por­ci­o­nar-lhes con­di­ções ao seu tra­ba­lho in­te­lec­tu­al e à di­fu­são das su­as obras.

-Pro­pi­ci­ar a re­ve­la­ção de no­vos es­cri­to­res, ori­en­tan­do os seus es­for- ços e dan­do-lhes o ne­ces­sá­rio apoio.

-E for­ta­le­cer os la­ços com a li­te­ra­tu­ra e as artes dos ou­tros po­vos afri­ca­nos e do mun­do.

JC - Que União dos Es­cri­to­res se po­de es­pe­rar da­qui há mais dez anos? Ou se­ja, qual é o so­nho de União dos Es­cri­to­res da ac­tu­al di­rec­ção?

CN - Nes­te ca­pí­tu­lo, va­le lem­brar que Agos­ti­nho Ne­to, no pa­pel de pri­mei­ro pre­si­den­te de uma Re­pú­bli­ca re­cém cri­a­da e de Pre­si­den­te da Me­sa da As­sem­bleia Ge­ral da União dos Es­cri­to­res An­go­la­nos, en­tre as vá­ri­as pre­o­cu­pa­ções que car­re­ga­va ha­via a da cri­a­ção de con­di­ções ob­jec­ti­vas pa­ra que o es­cri­tor pu­des­se pro­du­zir, co­mo dei­xou pa­ten­te no seu pro­nun­ci­a­men­to no dia 8 de Janeiro de 1976. E pas­so a ci­tar: - " Su­gi­ro aos ca­ros ca­ma­ra­das e co­le­gas que se­jam apro­vei­ta­das no má­xi­mo as con­di­ções pa­ra que os es­cri­to­res tra­ba­lhem e pro­du­zam e ob­ser­vem ca­da can­to do es­pa­ço ge­o­grá ico na­ci­o­nal, vi­ven­do a vi­da do po­vo. As con­di­ções ma­te­ri­ais se­rão sem­pre cri­a­das na me­di­da do pos­sí­vel, até que pos­sa­mos fa­zer do es­cri­tor, do ar­tis­ta, um pro is­si­o­nal pu­ro da cul­tu­ra, li­ga­do à re­a­li­da­de so­ci­o­po­lí­ti­ca".

Ac­tu­al­men­te, com mais de cem mem­bros as­su­mi­mos o le­ga­do da pri­mei­ra as­so­ci­a­ção cri­a­da na An­go­la in­de­pen­den­te e a pri­mei­ra a re­a­li­zar um ac­to de­mo­crá­ti­co no nos­so jo­vem país, nas­ci­do a 11 de No­vem­bro de 1975, con­sig­na­do na elei­ção do seu cor­po di­rec­ti­vo. A UEA tem ti­do um pa­pel fun­da­men­tal no de­sen­vol­vi­men­to cul­tu­ral e in­te­lec­tu­al de An­go­la, so­bre­tu­do no cam­po li­te­rá­rio.

Nes­te con­tex­to, es­tou a ver da­qui há dez anos uma UEA a pro­por­ci­o­nar me­lho­res con­di­ções, fa­vo­rá­veis a ac­ti­vi­da­de in­te­lec­tu­al dos seus mem­bros, di­fun­din­do ca­da vez mais as su­as obras, pro­mo­ven­do even­tos co­mo con­gres­sos, reu­niões de es­cri­to­res e ou­tras ma­ni­fes­ta­ções de ca­rác­ter cul­tu­ral, a im de ele­var o ní­vel li­te­rá­rio e ar­tís­ti­co dos es­cri­to­res, bem co­mo in­cre­men­tan­do la­ços com ins­ti­tui­ções se­me­lhan­tes de to­dos os po­vos do mun­do.

JC - Há me­tas ou pro­jec­tos por con­quis­tar que me­re­çam des­ta­que?

CN - Te­mos a li­vra­ria da União dos Es­cri­to­res An­go­la­nos, on­de cons­tam to­dos os li­vros por nós edi­ta­dos e ou­tros pu­bli­ca­dos pe­la Tex­to Edi­to­res (Leya) e ou­tras. Foi cons­truí­da com o apoio da So­ma­gue e da Tex­to Edi­to- res. É nos­sa pro­pri­e­da­de ex­clu­si­va. Fun­ci­o­na mui­to bem há sen­si­vel­men­te seis(6) me­ses.

Ter­mos con­se­gui­do trans­for­mar o pré­mio li­te­rá­rio "Quem Me De­ra Ser On­da" num even­to na­ci­o­nal, com re­gu­la­men­to pre­sen­te nas mais recôn­di­tas es­co­las do país. É na ver­da­de al­go sig­ni ica­ti­vo. De re­al­çar aqui a pres­ti­mo­sa par­ce­ria do Mi­nis­té­rio da Edu­ca­ção, que pro­mo­ve o con­cur­so atra­vés dos pro­fes­so­res de Lín­gua Por­tu­gue­sa e o pa­tro­cí­nio da Fun­da­ção Sol, que ga­ran­te o apoio inan­cei­ro. Du­ran­te o ano lec­ti­vo tran­sac­to foi se­gun­do clas­si ica­do um es­tu­dan­te da Lun­da Nor­te. E o conto do pri­mei­ro clas­si ica­do se­rá in­se­ri­do no tex­to es­co­lar nos pró­xi­mos anos lec­ti­vos, as­sim co­mo da ven­ce­do­ra da pri­mei­ra edi­ção do con­cur­so.

Pró­xi­mo mês apre­sen­ta­re­mos pu­bli­ca­men­te o pro­jec­to imo­bi­liá­rio da União dos Es­cri­to­res An­go­la­nos na nos­sa se­de. A apre­sen­ta­ção se­rá fei­ta pe­lo nos­so par­cei­ro, Ban­co In­ter­na­ci­o­nal de Cré­di­to. Cons­ta do pro­jec­to, en­tre ou­tros es­pa­ços, uma bi­bli­o­te­ca e uma sa­la mul­tiu­so (se­me­lhan­te ao Ci­ne Na­ci­o­nal) que ser­vi­rá tan­to pa­ra con­fe­rên­ci­as, ac­ti­vi­da­des ar­tís­ti­cas, cul­tu­rais e ou­tros even­tos. De re­al­çar que o es­pa­ço ísi­co ha­bi­tu­al man­ter-se-á in­to­cá­vel.

Es­ta­mos a tra­ba­lhar na exe­qui­bi­li­da­de de con­tra­tos de ven­da de li­vros da UEA nal­gu­mas uni­ver­si­da­des bra­si­lei­ras (já te­mos al­gu­mas pro­pos­tas con­cre­tas). Por­que a mai­or par­te dos tí­tu­los são edi­ta­dos no Bra­sil, bem co­mo a re­a­li­za­ção de even­tos di­ver­sos, fac­to que le­va­re­mos tam­bém pa­ra uni­ver­si­da­des afri­ca­nas do Se­ne­gal, Con­gos, Nigéria e ou­tros con­ti­nen­tes que pre­ten­de­mos al­can­çá-los atra­vés de um edi­tor ame­ri­ca­no.

An­tes do inal do tri­mes­tre do pró-

xi­mo ano, lan­ça­re­mos an­to­lo­gi­as de pro­sa e po­e­sia de es­cri­to­res an­go­la­nos em alu­são aos qua­ren­ta anos da nos­sa in­de­pen­dên­cia.

JC - In­ter­na­ci­o­na­li­zar um li­vro, no fun­do, aca­ba sen­do in­ter­na­ci­o­na­li­zar uma cul­tu­ra, uma vi­são de uma épo­ca, um país. Co­mo es­ta­mos nes­te do­mí­nio? E dos pas­sos da­dos, a um fe­ed­back de co­mo a tra­du­ção de au­to­res an­go­la­nos tem aju­da­do a me­lho­rar a vi­são es­tran­gei­ra des­te país que é An­go­la?

CN - Es­ta ques­tão faz-me re­cor­dar uma per­gun­ta ao es­cri­tor An­tó­nio Qui­no fei­ta pe­lo jor­na­lis­ta de um ca­nal te­le­vi­si­vo por­tu­guês, a pro­pó­si­to do lan­ça­men­to da sua obra"Re­pú­bli­ca do Ví­rus", na Fa­cul­da­de de Le­tras da Uni­ver­si­da­de de Lis­boa, no dia 11 de No­vem­bro, quan­do im­pres­si­o­na­do com con­teú­do re­co­nhe­cia e in­da­ga­va que a ma­té­ria dei­xa­va de­pre­en­der que só po­dia ser es­cri­to num país que res­pei­ta a li­ber­da­de!... Uma ou­tra si­tu­a­ção acon­te­ceu quan­do um es­tu­dan­te da mes­ma ins­ti­tui­ção in­qui­riu­me, sur­pre­en­di­do pe­lo fac­to de es­tar a ver uma re­vis­ta edi­ta­da pe­la Fa­cul­da­de de Le­tras da Uni­ver­si­da­de de Lis­boa com en­tre­vis­tas a qua­ren­ta es­cri­to­res an­go­la­nos, em alu­são aos qua­ren­ta anos da nos­sa in­de­pen­dên­cia. Com ca­ra de es­pan­to e ad­mi­ra­ção, in­da­gou-me a sa­ber on­de an­da­vam os es­cri­to­res an­go­la­nos!...Res­pon­di que a mai­o­ria vi­ve em An­go­la e que pau­la­ti­na­men­te irá co­nhe­cê-los, atra­vés des­ta par­ce­ria en­tre a UEA e a Fa­cul­da­de de Le­tras da Uni­ver­si­da­de de Lis­boa.

De acres­cen­tar a es­te fac­to a ex­pres­são de aplauso ao pro­jec­to, por par­te dos es­tu­dan­tes e dos pro­fes­so­res on­de se des­ta­cam as professoras Ana Ma­fal­da, Pau­la Ta­va­res e a in­can­sá­vel pro­fes­so­ra Mar­ga­ri­da Reis, He­le­na Bu­es­cu, bem co­mo o in­can­sá­vel di­rec­tor da fa­cul­da­de, Dr. Pau­lo Al­ber­ti. Sur­pre­en­den­te­men­te, tam­bém ica­mos com a re­cep­ti­vi­da­de da di­rec­ção da Uni­ver­si­da­de de Bra­ga, que cla­ma por mais li­vros de es­cri­to­res an­go­la­nos, quan­do ofe­re­ce­mos al­guns tí­tu­los du­ran­te o mês de No­vem­bro tran­sac­to.

Na Ale­ma­nha, no ha­bi­tu­al Fes­ti­val de Frank­furt, a es­cri­to­ra Sonia Go­mes sur­pre­en­deu agra­da­vel­men­te o pú­bli­co com a lei­tu­ra em ale­mão do pri­mei­ro ca­pí­tu­lo do seu li­vro,"A ilha do ge­ne­ral".

A an­to­lo­gia an­go­la­na em ale­mão ela­bo­ra­da pe­la se­nho­ra Bár­ba­ra Mes­qui­ta, apre­sen­ta­da já na Ale­ma­nha, se­rá bre­ve­men­te co­lo­ca­da à dis­po­si­ção do pú­bli­co por­tu­guês, em Lis­boa, no Ins­ti­tu­to Go­ethe, no dia 2 de Mar­ço de 2016. Se­rá tam­bém edi­ta­da em por­tu­guês.

Aguar­do pe­la con ir­ma­ção dos efei­tos das nos­sas an­to­lo­gi­as tra­du­zi­das em in­glês, ára­be, fran­cês, ita­li­a­no, ale­mão e es­pa­nhol, in­te­gra­das no de­cur­so do ano em que in­da no even­to "Li­te­ra­tu­ra-Mun­do", que cir­cu­lou pe­las prin­ci­pais ca­pi­tais eu­ro­pei­as, ten-

do en­cer­ra­do em No­va York.

JC - Itá­lia e Ale­ma­nha têm da­do por via da UEA si­nais só­li­dos do seu in­te­res­se pe­la li­te­ra­tu­ra an­go­la­na. Que pontes de li­vros, even­tos li­te­rá­ri­os e es­cri­to­res po­dem es­tar em agen­da no do­mí­nio da di­plo­ma­cia cul­tu­ral?

CN - A Itá­lia, com a ins­ti­tu­ci­o­na­li­za­ção da Cá­te­dra Agos­ti­nho Ne­to na Uni­ver­si­da­de Tre, uma ini­ci­a­ti­va da União dos Es­cri­to­res An­go­la­nos em par­ce­ria com a Fun­da­ção Agos­ti­nho Ne­to, sis­te­ma­ti­zou o es­tu­do da li­te­ra­tu­ra an­go­la­na, sen­do nos­sa obri­ga­ção in­di­car to­dos os anos um pro­fes­sor de li­te­ra­tu­ra an­go­la­na pa­ra lec­ci­o­nar. O can­di­da­to é acei­te em con­cor­dân­cia com a Fun­da­ção Agos­ti­nho Ne­to, se pos­suir cur­rí­cu­lo aca­dé­mi­co com­pro­va­do. O trans­por­te é pa­go pe­la UEA e a es­ta­dia e aco­mo­da­ção de cer­ca de dois me­ses são da res­pon­sa­bi­li­da­de da re­fe­ri­da ins­ti­tui­ção. Já lá es­te­ve du­ran­te o pre­sen­te ano lec­ti­vo o pro­fes­sor An­tó­nio Qui­no. Se­gui­rá pa­ra o pró­xi­mo ano lec­ti­vo o pro­fes­sor Ma­nu­el Mu­an­za.

Com Ale­ma­nha ca­mi­nha­mos pa­ra o mes­mo sen­ti­do. Es­ti­ve­ram cá, em An­go­la, al­gu­mas es­tu­dan­tes ale­mães(uma de­las ilha de um an­go­la­no e uma ale­mã e apro­vei­tou a oca­sião pa­ra ma­tar sau­da­des do pai que há mui­to não via!...).Con­ver­sa­ram com al­guns es­cri­to­res. Le­va­ram as su­as obras. Já há al­guns si­nais po­si­ti­vos. Aguar­de­mos pe­los re­sul­ta­dos.

Ago­ra, so­bre os es­cri­to­res que de­vem es­tar na agen­da da di­plo­ma­cia cul­tu­ral, cer­ta­men­te aque­les cu­jas obras ve­nham a ser ou são me­lhor re­co­nhe­ci­das em de­ter­mi­na­dos paí­ses. Por exem­plo, há quem di­ga que não gos­tou do li­vro "A Fi­lha do Ge­ne­ral", de Só­nia Go­mes, mas só com a lei­tu­ra do seu pri­mei­ro ca­pí­tu­lo em ale­mão o pú­bli­co pre­sen­te em Ber­lim vi­brou. Hou­ve quem dis­ses­se que o li­vro"Re­pú­bli­ca do Ví­rus" do An­tó­nio Qui­no não pro­me­tia, mas a apre­sen­ta­do­ra

da obra, tam­bém po­e­ta, Ana Pau­la Ta­va­res, ado­rou, as­sim co­mo os es­tu­dan­tes de Le­tras da Uni­ver­si­da­de de Lis­boa. Quan­to a apre­sen­ta­ção cá em Lu­an­da, no Ins­ti­tu­to Ca­mões, fei­ta por uma an­go­la­na – res­pei­tá­vel pro­fes­so­ra de li­te­ra­tu­ra – que con­si­de­rou uma re­ve­la­ção ím­par de re­fe­rên­cia. Es­tá lo­go a ver que ica di ícil ao se­cre­tá­rio ge­ral às ve­zes pre­de­ter­mi­nar no­mes e obras, com ex­cep­ção dos no­mes já con­sa­gra­dís­si­mos...

JC - Fa­la-se na di­ver­si ica­ção da eco­no­mia, in­cluin­do nes­ta área o desa io de fa­zer da cul­tu­ra um meio de fo­men­to, e nas le­tras pre­ci­sa­men­te com o mer­ca­do li­vrei­ro e edi­to­ri­al, ape­sar do pa­ra­do­xo do bai­xís­si­mo ín­di­ce de lei­tu­ra. Co­mo a UEA pen­sa re­a­gir a es­te rep­to? Que pos­sí­veis em­pe­ci­lhos? Que opi­nião a res­pei­to?

CN - En­si­nar a ler e a es­cre­ver é fun­ção pri­má­ria dos go­ver­nos. Por­que so­zi­nhos não sa­tis­fa­zem as ne­ces­si­da­des da po­pu­la­ção, nem cum­prem in­te­gral­men­te com as su­as atri­bui­ções. São por es­ta ra­zão cha­ma­das as as­so­ci­a­ções pa­ra com­ple­men­ta­rem as ac­ções es­ta­du­ais. A nos­sa vo­ca­ção é es­sen­ci­al­men­te com­ple­men­tar a ac­ti­vi­da­de do Es­ta­do no do­mí­nio cul­tu­ral, par­ti­cu­lar­men­te o li­te­rá­rio, no que diz res­pei­to, so­bre­tu­do, a la­vra da es­té­ti­ca e do­mí­nio da pa­la­vra. Em­bo­ra sai­ba­mos to­dos que o do­mí­nio da ri­que­za ini­cie com o gos­to a lei­tu­ra.

Creio que o con­cur­so li­te­rá­rio "Quem Me De­ra Ser On­da", por­que é es­sen­ci­al­men­te des­ti­na­do a uma fai­xa etá­ria dos 13 aos 17 anos de ida­de, já aju­da, as­sim co­mo ou­tros con­cur­sos li­te­rá­ri­os.

A so­lu­ção do Es­ta­do de­ve tam­bém pas­sar pe­la ins­ti­tu­ci­o­na­li­za­ção do Pla­no Na­ci­o­nal de Lei­tu­ra, cu­ja exe­cu­ção de­ve­rá pre­es­ta­be­le­cer, an­tes, um acor­do en­tre par­cei­ros tais co­mo a UEA e ou­tras ins­ti­tui­ções se­me­lhan­tes.

Se­rá bom não es­que­cer edi icar li-

vra­ri­as nos es­pa­ços re­si­den­ci­ais co­mo Ki­lam­ba e ou­tros con­do­mí­ni­os, as­sim co­mo bair­ros que de­ve­ri­am to­dos pos­suí­rem uma ou du­as li­vra­ri­as. Por ca­da ano lec­ti­vo os es­tu­dan­tes de­ve­ri­am ser obri­ga­dos a ler vá­ri­os li­vros a con­tar pa­ra as no­tas inais. En im, há uma sé­rie de ini­ci­a­ti­vas que se po­de­ri­am já im­ple­men­tar, tal sub­ven­ci­o­nar o pre­ço do li­vro.

JC - Já a UEA sen­do uma edi­to­ra, qual a im­por­tân­cia da fu­são com a Tex­to Edi­to­res?

CN - A Tex­to Edi­to­res é uma das edi­to­ras do gru­po Leya. Quer di­zer, a par­ce­ria e não fu­são com a Tex­to Edi­to­res per­mi­te que o li­vro do es­cri­tor nes­tas con­di­ções cir­cu­le pe­la Eu­ro­pa ( Por­tu­gal) e ou­tros paí­ses de lín­gua ofi­ci­al por­tu­gue­sa on­de a Leya es­tá pre­sen­te. As­sim che­ga­mos nal­gu­mas li­vra­ri­as por­tu­gue­sas sem cus­tos fi­nan­cei­ros pa­ra a UEA e com in­dis­pen­sá­veis van­ta­gens pa­ra o autor, por­que ali­a­mos a es­te de­sem­pe­nho a pro­mo­ção e di­vul­ga­ção da obra, con­tan­do pa­ra o efei­to com os mei­os ne­ces­sá­ri­os co­mo as ins­ti­tui­ções aca­dé­mi­cas e ór­gãos de co­mu­ni­ca­ção so­ci­al. Es­ta­mos, por con­se­guin­te, a re­a­li­zar um dos nos­sos ob­jec­ti­vos: pro­mo­ção e di­vul­ga­ção da li­te­ra­tu­ra an­go­la­na.

Es­ta­mos tam­bém a tra­ba­lhar com a edi­to­ra Le­tras no que diz res­pei­to a re­e­di­ção de obras cu­jos tex­tos es­tão in­se­ri­dos no sis­te­ma es­co­lar. Es­te pro­ce­di­men­to per­mi­tiu que vin­te e cin­co tí­tu­los de au­to­res, mui­to pro­cu­ra­dos pe­los es­tu­dan­tes, fos­sem co­e­di­ta­dos. Uma ou­tra van­ta­gem na par­ce­ria com as du­as edi­to­ras é que a nos­sa res­pon­sa­bi­li­da­de inan­cei­ra tem a ver ape­nas com os cus­tos da re­vi­são e se­lec­ção das obras.

JC - Co­mo es­tão as re­pre­sen­ta­ções pro­vin­ci­ais da UEA?

CN - É dos mais an­ti­gos pro­jec­tos que en­con­trei na UEA e que te­rá ago­ra so­lu­ção com as no­vas cons­tru­ções que es­tão a ser er­gui­das nas pro­vín­ci­as.

O es­cri­tor an­go­la­no Car­mo Ne­to

Li­vra­ria da União dos Es­cri­to­res An­go­la­nos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.