O ANO EM QUE A ‘KULTURA AFRIKANA’ PAS­SOU O VE­RÃO EM LON­DRES...

Jornal Cultura - - Diálogo Intercultural - ANA KOLUKI

E trou­xe con­si­go água do­ce no olho do co­co ver­de das Mau­rí­ci­as, e fa­ri­nha mu­ce­ke de acom­pa­nhar o fei­jão com car­ne se­ca do Ga­na e pei­xe fri­to com mo­lho de ki­a­bos e fun­ge de ynha­me do Be­nin, e ba­na­na-plain­tain e mi­lho fres­co as­sa­do do Ugan­da, in­je­ra e ca­fé moc­ca-si­da­mo da Etió­pia e mi­ka­tes e kikwan­gas dos Kon­gos… E mi­san­gas dos Xho­sa, e ou­ros dos Ashan­ti… E djel­la­bas, kaf­tans, dashi­kis, bou­bous, kan­zos, kan­gas, go­me­sis em to­das as co­res, cor­tes, for­mas e fei­ti­os dos pa­nos tra­di­ci­o­nais Afri­ka­nos… E os so­pros da Or­ques­tra Ba­o­bab do Se­ne­gal, os tan­tans de Tony Al­len da Nigéria e as vo­zes e ko­ras dos Gri­ots Di­a­ba­té do Ma­li… E as ex­plo­sões de dan­ça, ar­te, moda e de­sign um pou­co de to­do o Kon­ti­nen­te… UTO­PIA Cha­ma­ram-lhe ‘Uto­pia’, mas foi de fac­to um ‘So­nho’ tor­na­do re­a­li­da­de: o Ve­rão em que a Ma­má Afri­ka de­sem­bar­cou no epi­cen­tro da Mar­gem Sul do Tha­mes (The Royal Fes­ti­val and Qu­e­en Eli­za­beth Halls no South Bank Cen­tre) e de­sem­bru­lhou seus sa­bo­res, odo­res, co­res e sor­ri­sos pe­ran­te Lon­dres ‘li­ke it’s no­body’s bu­si­ness’!… E to­da a Fa­mí­lia Afrikana da ci­da­de e gen­te de to­das as na­ci­o­na­li­da­des se­guiu o ‘Ca­mi­nho do Rio’, du­ran­te 3 di­as (11-13 de Se­tem­bro do ano que ago­ra in­da) pa­ra a sau­dar e ce­le­brar, nu­ma ver­da­dei­ra fes­ta de ca­lor hu­ma­no, ale­gria, cri­a­ti­vi­da­de, di­ver­si­da­de, fra­ter­ni­da­de, em­pre­en­de­do­ris­mo e mui­ta so is­ti­ca­ção!

“Por to­do o Con­ti­nen­te Afri­ca­no, há uma mi­ría­de de exem­plos de cri­a­ti­vi­da­de e ino­va­ção que nos en­co­ra­jam, a nos no Nor­te Glo­bal, a tes­tar idei­as es­ta­be­le­ci­das com no­vas abor­da­gens. Nos fruí­mos des­ta ener­gia em ‘Áfri­ca Uto­pia’, que co­lo­ca a ques­tão pro­vo­ca­tó­ria, ‘Co­mo po­de a Áfri­ca re­sol­ver os pro­ble­mas do Oci­den­te?’, atra­vés de uma se­rie de per­for­man­ces e de­ba­tes.” – As­sim nos foi apre­sen­ta­do o even­to por Ju­de Kelly, Di­rec­to­ra Ar­tís­ti­ca do South­bank Cen­tre.

Ao que Han­nah Pool, Cu­ra­do­ra das “con­ver­sas” do even­to, acres­cen­tou: “O pro­gra­ma de pa­les­tras e de­ba­tes do ‘Áfri­ca Uto­pia’ des­te ano foi cri­a­do ‘on the ro­ad’ pe­lo con­ti­nen­te – des­de ca­fés em Jo­a­nes­bur­go a es­pa­ços ar­tís­ti­cos em Nai­ro­bi, os mes­mos te­mas vi­nham se re­pe­tin­do. Ques­tões de li­de­ran­ça, es­pa­ço e o pa­pel das artes na cri­a­ção de mu­dan­ça so­ci­al fo­ram to­dos re lec­ti­dos no pro­gra­ma. Em colaboração com o ‘The Gu­ar­di­an’, ‘Afri­ca at LSE’, ‘The Afri­can Wo­men’s De­ve­lop­ment Fund’ e ‘Afri­ca Gathe­ring’, o ‘Afri­ca Uto­pia’ ali­nhou uma se­rie de con­ver­sas co­brin­do um pou­co de tu­do, des­de o ac­ti­vis­mo di­gi­tal ao fe­mi­nis­mo Afri­ca­no. Com in­ter­ve­ni­en­tes do Con­ti­nen­te e da Diás­po­ra, in­cluin­do artistas, ac­ti­vis­tas e li­de­res nas áre­as de tec­no­lo­gia e co­mer­cio, o pro­gra­ma re­al­çou co­mo as artes e idei­as de Áfri­ca es­tão a mu­dar o mun­do.”

O ‘Afri­ca Uto­pia’ já se vem re­a­li­zan­do anu­al­men­te há qua­tro anos, mas es­te foi de to­dos o mai­or e o pri­mei­ro que “não se icou por ali”… Por­que a Ma­ma Afri­ka da­li se­guiu pa­ra a Mar­gem Nor­te do Rio em di­rec­ção ‘a Bri­tish Li­brary, lá no ‘Cru- za­men­to dos Reis’ (King’s Cross), pa­ra dar voz e vez aos seus Im­pé­ri­os, Rei­nos e Reis da Áfri­ca Oci­den­tal – pro­e­mi­nen­te­men­te, Wo­le Soyin­ka (que, in­fe­liz­men­te, não pô­de es­tar pre­sen­te por ra­zo­es im­pon­de­rá­veis na al­tu­ra, mas que fa­rá as hon­ras do even­to em pró­xi­ma oca­sião mais pro­pí­cia) e Fe­la Ku­ti – com a sua Pa­la­vra, Sím­bo­lo e Can­ção (‘West Afri­ca: Word, Sym­bol, Song’ – em exi­bi­ção e per­for­man­ces até me­a­dos de Fe­ve­rei­ro do pró­xi­mo ano). ‘AFRI­CA WRITES’ (Mas em que Lin­gua(s)?) Mas as fa­las e can­tos dos ‘gri­ots’ anun­ci­an­do a che­ga­da da Ma­ma Afri­ka co­me­ça­ram a eco­ar bem no pi­no do Ve­rão (3-6 Ju­lho) com o cer­ta­me ‘Afri­ca Writes’ – um fes­ti­val li­te­rá­rio in­cor­po­ran­do uma fei­ra do li­vro, em ce­le­bra­ção da eter­na cri­a­ti­vi­da­de e in­du­bi­tá­vel as­cen­são da li­te­ra­tu­ra Afri­ca­na co­mo uma for­ça pro­e­mi­nen­te da li­te­ra­tu­ra glo­bal e da cul­tu­ra po­pu­lar, pro­mo­vi­da anu­al­men­te pe­la ‘Royal Afri­can So­ci­ety’ em as­so­ci­a­ção com a ‘Bri­tish Li­brary’.

Es­te ano na sua quar­ta edi­ção, o ‘Afri­ca Writes’ re lec­tiu to­do es­se di­na­mis­mo, in­cluin­do even­tos co­brin- do um am­plo es­pec­tro de te­mas, des­de o sig­ni ica­do do ‘Amor em Afri­ca’ e do ‘Ro­man­ce na Era Di­gi­tal’, ‘a ex­plo­ra­ção de no­vas áre­as de es­tu­dos so­bre a li­te­ra­tu­ra Afri­ca­na.

O pri­mei­ro gran­de even­to do fes­ti­val foi um Sim­po­sium so­bre tra­du­ção, cu­ra­do por Wan­gui wa Go­ro e o Afri­kult (um fo­rum on­li­ne pro­mo­ven­do a co­ne­xão, ex­plo­ra­ção e ex­pan­são do co­nhe­ci­men­to so­bre a li­te­ra­tu­ra e cul­tu­ra Afrikana), com­pos­to por três pai­néis, in­cluin­do es­cri­to­res, artistas, pu­bli­cis­tas, tra­du­to­res, es­cri­to­res e es­tu­di­o­sos, sob o te­ma ge­né­ri­co “Afri­ca in Trans­la­ti­on: What’s Lo­ve Got to Do with It?”

Fo­can­do no te­ma do Amor, o sim­po­sium vi­sou des­fa­zer mi­tos so­bre ro­man­ce en­tre Afri­ka­nos e ana­li­sar o

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.