O MÉ­RI­TO REFORMADOR DE FI­LI­PE MU­KEN­GA

O MÉ­RI­TO REFORMADOR DE

Jornal Cultura - - Primeira Página - FI­LI­PE ZAU*

No pas­sa­do dia 19 de De­zem­bro, no Me­mo­ri­al Agos­ti­nho Ne­to, foi lan­ça­do pe­la Ar­te Viva – Edi­ções e Even­tos Cul­tu­rais, o li­vro “Vi­da, Po­e­sia e Can­ções” da au­to­ria de Fi­li­pe Mu­ken­ga, com um CD re­tros­pec­ti­vo com can­ções se­le­ci­o­na­das pe­lo pró­prio autor, por Jo­mo For­tu­na­to e por Pau­lo Cor­dei­ro da Ma­ta. O li­vro apre­sen­ta um ca­rác­ter mai­o­ri­ta­ri­a­men­te bi­o­grá ico, com uma es­tó­ria de vi­da, cro­no­lo­gia mu­si­cal, de­poi­men­tos, re­cor­tes de im­pren­sa, di­plo­mas ou­tor­ga­dos, en­tre­vis­tas… Con­tu­do, re­ve­la tam­bém a vo­ca­ção li­te­rá­ria de Fi­li­pe Mu­ken­ga, com a in­clu­são de con­tos e po­e­mas que só ago­ra fo­ram edi­ta­dos.

O tem­po de ado­les­cên­cia e de ma­tu­ra­ção mu­si­cal de Fi­li­pe Mu­ken­ga foi uni­ver­sal­men­te mar­ca­do pe­la dé­ca­da de 60, co­nhe­ci­da es­ta pe­los anos de re­bel­dia, aten­den­do à re­le­vân­cia de acon­te­ci­men­tos que cons­ti­tuí­ram fac­tor de mu­dan­ça em to­do o mun­do e que, de for­ma in­de­lé­vel, in lu­en­ci­a­ram a ju­ven­tu­de da­que­le tem­po. Uma sé­rie de mo­vi­men­tos po­lí­ti­cos e so­ci­o­cul­tu­rais agi­ta­ram tan­to os paí­ses oci­den­tais co­mo tam­bém o con­ti­nen­te afri­ca­no, on­de o ci­clo das in­de­pen­dên­ci­as pas­sou a in­ver­ter o sen­ti­do de sé­cu­los de es­cra­vi­dão e do­mi­na­ção co­lo­ni­al.

Em 1960, de uma as­sen­ta­da, na­da mais na­da me­nos que 18 paí­ses afri­ca­nos da Áfri­ca sub­sa­a­ri­a­na se tor­na­ram in­de­pen­den­tes: Nigéria, So­má­lia, Ga­bão, Se­ne­gal, Ma­li, Cos­ta do Mar im, Be­nin, Ní­ger, Bur­ki­na Fa­so, Cha­de, Ma­da­gás­car, So­má­lia, Mau­ri­tâ­nia, To­go, Ca­ma­rões, Re­pú­bli­ca Cen­tro Afri­ca­na, Re­pú­bli­ca do Con­go e Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Con­go. Mas, o re­gi­me co­lo­ni­al por­tu­guês, op­tan­do pe­la po­lí­ti­ca do “or­gu­lho­sa­men­te sós”, man­te­ve-se alheio às mu­ta­ções que ace­le­ra­da­men­te pas­sa­ram a acon­te­cer, des­te Abril de 1954, aquan­do da Con­fe­rên­cia de Ban­dung.

Daí que, em 1961, a par da in­de­pen­dên­cia da Ser­ra Le­oa, ti­ves­se ocor­ri­do a ocu­pa­ção de Goa, Da­mão e Diu pe­las tro­pas da União In­di­a­na, bem co­mo o as­sal­to às ca­dei­as de Lu­an­da, no dia 4 de Fe­ve­rei­ro, dan­do iní­cio à lu­ta ar­ma­da de li­ber­ta­ção na­ci­o­nal em An­go­la. Em Se­tem­bro des­te mes­mo ano, no âm­bi­to de uma vi­si­ta a An­go­la do Prof. Adriano Mo­rei­ra, Mi­nis­tro do Ul­tra­mar, foi abo­li­da a Lei do In­di­ge­na­to que, ju­ri­di­ca­men­te di­vi­dia os an­go­la­nos em as­si­mi­la­dos e in­dí­ge­nas. O mo­der­no na­ci­o­na­lis­mo an­go­la­no a ir­ma­va-se e con­ta­gi­a­va os jo­vens da­que­le pe­río­do, que clan­des­ti­na­men­te pas­sa­ram a ou­vir pe­la rádio o “An­go­la Com­ba­ten­te”.

Na dé­ca­da de 60, os Black Pan­ters, Ân­ge­la Da­vis, Rap Brown e Sto­kely Car­mi­cha­el tor­na­ram-se lí­de­res da lu­ta con­tra a se­gre­ga­ção ra­ci­al nos EUA. Em 28 de Agos­to de 1963, o lí­der Mar­tin Luther King en­ca­be­çou em Washington uma ma­ni­fes­ta­ção com mais de 200 mil pes­so­as a favor dos di­rei­tos ci­vis dos ne­gros, on­de pro­nun­ci­ou o seu cé­le­bre dis­cur­so: “I ha­ve a dre­am.” Um so­nho que le­vou Ba­rack Oba­ma, 46 anos de­pois, a tor­nar-se no 44º Pre­si­den­te dos EUA.

Na mú­si­ca, os anos 60 cor­res­pon­de- ram ao pe­río­do da cul­tu­ra pop an­glo­sa­xó­ni­ca e nor­te-ame­ri­ca­na. Os Be­a­tles tor­nam-se po­pu­la­res em to­do o mun­do e in lu­en­ci­am as ten­dên­ci­as mu­si­cais de Fi­li­pe Mu­ken­ga. Mas tam­bém can­ções co­mo “Ge­or­gia in my mind”, de Ray Char­les; “Na­tu­ral wo­man”, de Aretha Fran­klin; “Amen” de Otis Red­ding; “Say it loud, I’m black and I’m proud”, de Ja­mes Brown; “Land of thou­sand dan­ces”, de Wil­son Pic­kett tor­nam-se, tam­bém pa­ra ele, mú­si­cas de re­fe­rên­cia da­que­le tem­po.

“Black is be­au­ti­ful and is so be­au­ti­ful to be black” era a pa­la­vra de or­dem da épo­ca, que le­vou à in­te­ri­o­ri­za­ção do cha­ma­do pen­te­a­do afro, di­vul­ga­do por Ji­mi Hen­drix, um len­dá­rio da mú­si­ca rock, que, no fes­ti­val de Wo­ods­tock, em 1969, pe­ran­te mi­lha­res de pes­so­as in­ter­pre­tou, pe­la pri­mei­ra vez, o hi­no dos EUA com so­los e efei­tos de gui­tar­ra eléc­tri­ca. Si­mul­ta­ne­a­men­te, os es­pec­ta­do­res pas­sa­ram a exi­gir o fim da gu­er­ra do Vi­et­na­me, que ha­via ini-

ci­a­do com o en­vio de tro­pas dos EUA, a 9 de Fe­ve­rei­ro de 1965, pa­ra aque­la fren­te de com­ba­tes.

No Bra­sil, emer­ge o mo­vi­men­to tro­pi­ca­lis­ta, com Ca­e­ta­no Ve­lo­so, Gil­ber­to Gil, Ma­ria Bethâ­nia, Gal Cos­ta e Jorge Ben. Não ne­ces­sa­ri­a­men­te com o ob­jec­ti­vo de uti­li­zar a mú­si­ca co­mo “ar­ma” de com­ba­te po­lí­ti­co con­tra a di­ta­du­ra mi­li­tar que vi­go­ra­va no Bra­sil, mas por­que os seus men­to­res acre­di­ta­vam que a ino­va­ção es­té­ti­ca mu­si­cal já era uma for­ma re­vo­lu­ci­o­ná­ria de par­ti­ci­par. Mais tar­de, Mu­ken­ga dei­xa­se in lu­en­ci­ar por Dja­van e Mil­ton Nas­ci­men­to, na fa­se de tran­si­ção pa­ra um no­vo sen­ti­do es­té­ti­co da sua mú­si­ca. To­da­via, sou­be com­bi­nar um no­vo pa­ra­dig­ma de com­po­si­ções com le­tras em lín­guas afri­ca­nas de An­go­la, das quais “Nvu­la Ie­za Kia” e “Hum­bium­bi”, in­ter­pre­ta­das, en­tre ou­tros, por Dja­van, Gil­ber­to Gil e Flo­ra Pu­rin – es­ta úl­ti­ma, uma das mais res­pei­ta­das can­to­ras de jazz, pe­lo fac­to de ter tra­ba­lha­do com Mi­les Da­vis –, aca­bou por trans­for­mar Fi­li­pe Mu­ken­ga em um dos mais re­pre­sen­ta­ti­vos em­bai­xa­do­res da Mú­si­ca Po­pu­lar An­go­la­na.

Ain­da nos anos 60, a ban­da Osi­bi­sa, com mú­si­cos mai­o­ri­ta­ri­a­men­te nas­ci­dos no Gha­na, se ca­rac­te­ri­za­va por es­ta­be­le­cer no­vos pa­ra­dig­mas es­té­ti­cos da mú­si­ca afri­ca­na e, até mes­mo Mi­ri­am Ma­ke­ba com o seu “Pa­ta Pa­ta”, pas­sa­va a abrir es­pa­ço pa­ra a in­ter­na­ci­o­na­li­za­ção da mú­si­ca do nos­so con­ti­nen­te. Inex­pli­ca­vel­men­te, em An­go­la, o re­co­nhe­ci­men­to do re­le­van­te tra­ba­lho de 52 anos de car­rei­ra mu­si­cal de Fi­li­pe Mu­ken­ga, per­sis­te em pas­sar ao lado. Pou­cos, no nos­so país, tal­vez pe­lo re­ceio de não co­lhe­rem êxi­tos ime­di­a­tos, ou­sam avan­çar pa­ra um ti­po de mú­si­ca mais tra­ba­lha­do e exi­gen­te. To­da­via, Mu­ken­ga é ho­nes­to e exi­gen­te pa­ra con­si­go pró­prio. Pro­po­si­ta­da­men­te fo­ge ao co­mer­ci­al, por­que é alér­gi­co à com­po­si­ção in­tui­ti­va de fá­cil con­su­mo. Quem mais vem va­lo­ri­zan­do e va­li­dan­do o seu tra­ba­lho tem si­do a me­dia es­tran­gei­ra e, mai­o­ri­ta­ri­a­men­te, artistas bra­si­lei­ros, co­mo Dja­van e Mar­ti­nho da Vi­la e, evi­den­te­men­te, os seus ami­gos e ad­mi­ra­do­res.

Da mi­nha par­te, des­co­bri Fi­li­pe Mu­ken­ga ain­da no Duo Mi­so­so, atra­vés de uma can­ção in­ti­tu­la­da “La­va­dei­ra”, quan­do as emis­sões da TPA eram ain­da a pre­to e bran­co. Mas foi com a can­ção “Man­du­me”, can­ta­da em Ochikwanya­ma, ou­vi­da atra­vés da RNA, que sen­ti o de­se­jo de com ele po­der fa­zer mú­si­ca. O nos­so pri­mei­ro tra­ba­lho de par­ce­ria foi a can­ção “No­vo Som”, com­pos­ta por vol­ta de 1978. Es­tou até ho­je agra­de­ci­do pe­lo fac­to de Fi­li­pe Mu­ken­ga ter gos­ta­do da­que­la le­tra, que foi tí­tu­lo do seu pri­mei­ro ál­bum. Sem dú­vi­da al­gu­ma e sem fal­sas mo­dés­ti­as, o mé­ri­to mais sig­ni ica­ti­vo de to­do o tra­ba­lho des­ta nos­sa par­ce­ria de 37 anos con­se­cu­ti­vos, tem si­do de­le.

Mu­ken­ga pros­se­gue até ho­je um es­tu­do de sequên­ci­as har­mó­ni­cas, a par­tir do jazz e da mú­si­ca po­pu­lar bra­si­lei­ra e iden­ti icou-se com os acor­des dis­so­nan­tes, fu­gin­do o mais pos­sí­vel dos acor­des na­tu­rais. Ne­nhum pre­ten­si­o­sis­mo de­le na mi­nha opi­nião. Ape­nas uma op­ção es­té­ti­ca ain­da não com­pre­en­di­da por mui­ta gen­te, que, sem pers­pec­ti­va di­nâ­mi­ca da cul­tu­ra, por ve­zes o acon­se­lha a vol­tar atrás. A op­tar por um ou­tro ca­mi­nho com o qual não se iden­ti ica.

Fi­li­pe Mu­ken­ga é fru­to do tem­po de mu­dan­ças dos anos re­bel­des da dé­ca­da de 60. Quan­do lhe per­gun­tam que ti­po de mú­si­ca faz, res­pon­de sim­ples­men­te: “fa­ço MMA”; ou se­ja, “Mo­der­na Mú­si­ca An­go­la”. Cons­ci­en­te­men­te in­se­re-se num pa­ra­dig­ma de re­no­va­ção es­té­ti­ca mu­si­cal, tal co­mo, no mun­do, tan­tos ou­tros mú­si­cos o ize­ram por op­ção e di­rei­to que lhes as­sis­te. O re­sul­ta­do da ac­ti­vi­da­de mu­si­cal de Fi­li­pe Mu­ken­ga pre­des­ti­nou-o pa­ra ser um cri­a­dor nato, um ino­va­dor, quer pe­la for­ma co­mo com­põe, quer pe­la for­ma co­mo in­ter­pre­ta. As cul­tu­ras não são es­tá­ti­cas. São di­nâ­mi­cas e in lu­en­ci­am-se mu­tu­a­men­te nu­ma ló­gi­ca de per­ma­nen­te os­mo­se e com­ple­men­ta­ri­da­de. Nun­ca nu­ma pers­pec­ti­va de con­ser­va­do­ris­mo e ex­clu­são a par­tir de pseu­dos-iden­ti­da­des que pro­cu­ram ex­cluir ou­tros atra­vés de uma es­pé­cie de xe­no­fo­bia ou “cul­tu­ra de pa­co­te”, quan­do o tem­po que vi­ve­mos, ca­da vez mais se ca­rac­te­ri­za por ser aber­to ao mun­do.

Co­mo “ope­rá­rio de cul­tu­ra”, to­do o com­po­si­tor e in­tér­pre­te aca­ba por se dei­xar in lu­en­ci­ar por mú­si­cos e mú­si­cas que fe­rem a sua sen­si­bi­li­da­de, sem pre­con­cei­to pe­la as­sun­ção de no­vos hi­bri­dis­mos, que são pro­du­to de mui­to es­tu­do e tra­ba­lho. O mé­ri­to de Fi­li­pe Mu­ken­ga co­me­ça por ser reformador, no seio do pró­prio es­col mu­si­cal que já cri­ou e que, de cer­ta ma­nei­ra, vem in lu­en­ci­an­do uma ge­ra­ção de no­vos mú­si­cos de ele­va­do talento, tais co­mo: San­dra Cor­dei­ro Sil­va, Toty S’Med, Tó­tó St, Sel­da Por­te­li­nha, Kan­da, Jack Nkan­ga, Gary Si­ne­di­ma, Ki­zua Gour­gel, Dó­do Mi­ran­da, Pau­lo Mo­to­mi­na, Car­los Lopes, Anabela Aya, Nda­ka yó Wiñi, Iri­na Vas­con­ce­los, Ni­no Jazz…e, tam­bém nu­ma pri­mei­ra fa­se, Matias Da­má­sio, ape­nas pa­ra me re­fe­rir a al­guns de­les.

Com Fi­li­pe Mu­ken­ga, do pon­to de vis­ta mu­si­cal, apren­de-se mui­to. Daí

Mu­ken­ga pros­se­gue até ho­je um es­tu­do de sequên­ci­as har­mó­ni­cas, a par­tir do jazz e da mú­si­ca po­pu­lar bra­si­lei­ra e iden­ti­fi­cou-se com os acor­des dis­so­nan­tes, fu­gin­do o mais pos­sí­vel dos acor­des na­tu­rais

que con­si­ga re­sis­tir às in­tem­pé­ri­es pro­vo­ca­das por al­gu­ma fal­ta de apoio ao seu tra­ba­lho de ex­ce­lên­cia, aten­den­do à ri­que­za me­ló­di­ca e har­mó­ni­ca das su­as com­po­si­ções, à for­ma co­mo as in­ter­pre­ta e à pre­o­cu­pa­ção com os ar­ran­jos mu­si­cais. Se­não, cla­ro, já te­ria si­do es­que­ci­do e não es­ta­ria a ser se­gui­do pe­las ge­ra­ções mais jo­vens, que gos­tam de tra­ba­lhar nos seus pro­jec­tos dis­co­grá icos. Ape­sar do en­sur­de­ce­dor si­lên­cio com que gen­te com­pro­me­ti­da com a pro­mo­ção e di­fu­são da ac­ti­vi­da­de cul­tu­ral per­sis­te em brin­dar a sua ar­te, Mu­ken­ga, que­ren­do-se ou não, já fez his­tó­ria na mú­si­ca an­go­la­na de subs­tân­cia. Não na de cir­cuns­tân­cia, pois em na­da se iden­ti ica com es­ta úl­ti­ma.

Cha­mei-lhe, há tem­pos, “Sr. Dis­so­nân­cia” pe­lo es­ti­lo mui­to pró­prio de se­quen­ci­ar as har­mo­ni­as nos seus tra­ba­lhos. Uma “praia” que só é fre­quen­ta­da pe­los mú­si­cos, que ad­qui­ram al­gu­ma for­ma­ção sis­te­ma­ti­za­da em es­co­las vo­ca­ci­o­na­das pa­ra o efei­to ou, sim­ples­men­te, atra­vés do de­di­ca­do au­to­di­da­tis­mo no cam­po do jazz ou da “Mú­si­ca Po­pu­lar Bra­si­lei­ra” (não to­da ela evi­den­te­men­te). Es­ta é a “praia” dos mú­si­cos des­pro­vi­dos de pre­con­cei­tos, que olham pa­ra a cul­tu­ra co­mo um pro­ces­so so­ci­al di­nâ­mi­co e em per­ma­nen­te con­tac­to com ou­tras cul­tu­ras, quer an­tes pe­la pers­pec­ti­va cos­mo­po­li­ta, quer ho­je pe­la pla­ne­ti­za­ção da eco­no­mia, que ne­ces­sa­ri­a­men­te in lu­en­cia a ac­ti­vi­da­de cul­tu­ral dos po­vos, prin­ci­pal­men­te nas gran­des su­per íci­es ur­ba­nas. Es­ta é a “praia” dos mú­si­cos que, de al­gu­ma for­ma, pro­cu­ram, no âm­bi­to da en­do­ge­nei­da­de, es­ta­be­le­cer a pon­te en­tre a tra­di­ção e a mo­der­ni­da­de, tal co­mo em Áfri­ca, dos que me­lhor co­nhe­ço, fa­zem, ho­je, Ri­chard Bo­na, Lokwa Kan­za, Ray Le­ma, Sa­lif Kei­ta, Hu­go Ma­se­ke­la, Ma­nu Di­ban­go, Jimmy Dlu­dlu e Joh­na­tan Bar­tley.

O li­vro “Vi­da, Po­e­sia e Can­ções” de sua au­to­ria, com o pri­mei­ro “Best off”, re lec­te, evi­den­te­men­te, es­sas sín­te­ses cul­tu­rais em Fi­li­pe Mu­ken­ga. Um mú­si­co an­go­la­no, tam­bém afri­ca­no e ci­da­dão do mun­do, mas que sa­be ver o mun­do, Áfri­ca e An­go­la atra­vés dos seus pró­pri­os olhos. É is­so que mu­si­cal­men­te o per­so­ni ica. Es­te seu li­vro é o es­pe­lho da sua pró­pria idi­os­sin­cra­sia e cum­pre-me o de­ver mo­ral de tam­bém fe­li­ci­tar a edi­to­ra “Ar­te Viva”, atra­vés do aca­dé­mi­co, in­tér­pre­te, com­po­si­tor, crí­ti­co li­te­rá­rio e mu­si­cal Jo­mo For­tu­na­to, pe­lo bo­ni­to tra­ba­lho bi­o­grá ico, li­te­rá­rio e de se­lec­ção mu­si­cal que em­pre­en­deu, fru­to, evi­den­te­men­te, da sen­si­bi­li­da­de mu­si­cal que tam­bém em si se re­ve­la.

Vai na tua, meu ir­mão. Vai na tua. Pa­ra­béns pe­lo bo­ni­to tra­ba­lho que vens pro­du­zin­do du­ran­te to­dos es­tes anos, pois, tal co­mo tu, mui­to pou­cos até ho­je o sou­be­ram fa­zer com a de­vi­da mes­tria, pa­ra que nós nos pos­sa­mos sen­tir na obri­ga­ção de lhes pres­tar a de­vi­da vé­nia.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.