DES­CO­BRIR AN­GO­LA NA ALE­MA­NHA

Jornal Cultura - - Primeira Página - BAR­BA­RA MES­QUI­TA

Na Ale­ma­nha sa­be-se pou­co so­bre An­go­la. A im­pren­sa ale­mã pu­bli­ca, quan­do mui­to e mui­to de vez em quan­do, es­cas­sas no­tí­ci­as so­bre a si­tu­a­ção eco­nó­mi­ca do vas­to país sub­sa­a­ri­a­no e so­bre a sua ri­que­za em pe­tró­leo e di­a­man­tes, nun­ca dei­xan­do de men­ci­o­nar que Lu­an­da é su­pos­ta­men­te a ci­da­de mais ca­ra do mun­do e re­pe­tin­do qua­se sem­pre os cli­chés e es­te­reó­ti­pos di­vul­ga­dos na Eu­ro­pa so­bre qual­quer país afri­ca­no: ni­nhos de cor­rup­ção e de ca­la­mi­da­des.

Co­mo a li­te­ra­tu­ra tem a gran­de ca­pa­ci­da­de de le­var o leitor pa­ra den­tro de uni­ver­sos des­co­nhe­ci­dos, trans­mi­tin­do-lhe uma no­ção do que pen­sam e sen­tem os seus ha­bi­tan­tes, das su­as pre­o­cu­pa­ções, da sua his­tó­ria, do mun­do que os ro­deia, ela cria re­pre­sen­ta­ções ar­tís­ti­cas, ima­gens, do mun­do re­al que cons­ti­tui o seu pon­to de re­fe­rên­cia, o seu ma­te­ri­al de ba­se.

Foi nes­ta pers­pec­ti­va que sur­giu a an­to­lo­gia An­go­la ent­dec­ken! (Des­co­brir An­go­la!), pu­bli­ca­da em lín­gua ale­mã em Ju­lho des­te ano na Ale­ma­nha pe­la edi­to­ra Ara­ch­ne-Ver­lag, com o apoio da União dos Es­cri­to­res An­go­la­nos, do Ins­ti­tu­to Go­ethe de Lu­an­da e da Di­rec­ção-Ge­ral do Li­vro e das Bi­bli­o­te­cas de Por­tu­gal.

De Se­tem­bro até ago­ra, o li­vro já foi lan­ça­do em Aa­chen, Ber­lim, Mu­ni­que e, por úl­ti­mo, no dia 22 de No­vem­bro, em Ham­bur­go, no âm­bi­to de um Dia de An­go­la or­ga­ni­za­do pe­lo Mu­seu de Et­no­lo­gia de Ham­bur­go, com um pro­gra­ma de li­te­ra­tu­ra, ci­ne­ma e a ac­tu­a­ção do gru­po de ba­tu­que Tus­san­ga­na de Dres­den, es­te úl­ti­mo en­vi­a­do pe­la Em­bai­xa­da de An­go­la. A an­to­lo­gia An­go­la ent­dec­ken! foi apre­sen­ta­da, jun­ta­men­te com a an­to­lo­gia bi­lin­gue Oxa­lá cres­çam pi­tan­gas or­ga­ni­za­da por Ine­ke Phaf-Rhein­ber­ger, pe­lo Pro­fes­sor Mar­tin Neu­mann da Uni­ver­si­da­de de Ham­bur­go, com uma au­di­ên­cia de cer­ca de qua­ren­ta pes­so­as.

O tí­tu­lo do li­vro re­me­te pa­ra o im­por­tan­te mo­vi­men­to Va­mos des­co­brir An­go­la, fun­da­do em 1948 por Vi­ri­a­to da Cruz e Má­rio de An­dra­de, que te­ve gran­de im­por­tân­cia pa­ra o pro­ces­so da in­de­pen­dên­cia de An­go­la, e é um li­vro de lei­tu­ra his­tó­ri­ca: Reu­ne vin­te tex­tos em pro­sa de ca­tor­ze au­to­res de re­no­me, co­mo Pe­pe­te­la, Lu­an­di­no Vieira, Ar­nal­do San­tos, João Me­lo ou Ond­ja­ki, que re lec­tem as di­fe­ren­tes épo­cas da his­tó­ria de An­go­la, des­de o iní­cio da co­lo­ni­za­ção do país até à ac­tu­a­li­da­de. A sua pu­bli­ca­ção coin­ci­de com o ano em que An­go­la festeja os 40 anos da sua in­de­pen­dên­cia e a UEA os 40 anos da sua exis­tên­cia.

O li­vro pre­ten­de ser uma con­tri­bui­ção pa­ra di­vul­gar a li­te­ra­tu­ra an­go­la­na na Ale­ma­nha, uma li­te­ra­tu­ra que se­gun­do a re­no­ma­da es­tu­di­o­sa das li­te­ra­tu­ras ibe­ro-ame­ri­ca­nas Mi­chi Straus­feld tem “gran­des au­to­res, in­jus­ta­men­te des­co­nhe­ci­dos en­tre nós” que não o se­ri­am se “o mun­do li­te­rá­rio fos­se me­nos eu­ro­cên­tri­co e não tão do­mi­na­do pe­la li­te­ra­tu­ra an­glo­sa­xó­ni­ca”, co­mo ela es­cre­veu na sua re­cen­são de Des­co­brir An­go­la!no por­tal li­te­ra­tur­kri­tik.de (http://www.li­te­ra­tur­kri­tik.de/pu­blic/re­zen­si­on.ph p?rez_id=21366).

O li­vro pre­ten­de tam­bém acres­cen­tar as­pec­tos di­fe­ren­tes à ima­gem que An­go­la tem na Ale­ma­nha, em­bo­ra a re­pre­sen­ta­ção o ici­al do país pa­re­ça não es­tar mui­to pre­o­cu­pa­da com es­sa ima­gem. A lis­ta de re­co­men­da­ções de lei­tu­ra en­vi­a­da no iní­cio do ano pe­la sec­ção cul­tu­ral da Em­bai­xa­da pe­lo me­nos in­di­ca­que as su­as pri­o­ri­da­des são ou­tras: os de­zoi­to li­vros cu­ja lei­tu­ra é acon­se­lha­da têm­tí­tu­los co­mo A ar­te de ven­der, To­dos po­de­mos ne­go­ci­ar bem ou O ma­pa da for­tu­na.

En­tre­tan­to, a nos­sa des­co­ber­ta das múl­ti­plas fa­ce­tas de An­go­la­con­ti­nua – atra­vés da li­te­ra­tu­ra e, se pos­sí­vel, tam­bém atra­vés do con­tac­to re­al com o país e com as su­as gen­tes­tão ge­ne­ro­sas, cri­a­ti­vas elu­ta­do­ras!

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.