A DI­N­MI­CA SO­CI­AL DE AN­GO­LA EM 1943

Jornal Cultura - - Primeira Página - JONUEL GONÇALVES

1. Co­ti­di­a­no co­lo­ni­al ex­tre­mo e fo­cos de re­sis­tên­cia

Es­te ar­ti­go faz par­te de um con­jun­to so­bre o de­sen­vol­vi­men­to ge­ral de An­go­la en­tre 1914 (ini­cio da pri­mei­ra gu­er­ra mun­di­al, com com­ba­tes em ter­ri­tó­rio an­go­la­no) e 2014 (iní­cio de ci­clo dos pre­ços do pe­tró­leo em bai­xa, com efei­tos po­de­ro­sos no mo­de­lo ex­tra­ti­vis­ta an­go­la­no). A es­co­lha do ano em si tem, ao mes­mo tem­po, ra­zões de cu­ri­o­si­da­de pes­so­al (é o ano de nas­ci­men­to do autor) e ra­zões li­ga­das à in­ver­são de ten­dên­cia na se­gun­da gu­er­ra mun­di­al, im­pac­tan­do na re­a­li­da­de de An­go­la, sem­pre mui­to li­ga­da à con­jun­tu­ra mun­di­al se­ja em eco­no­mia ou em po­lí­ti­ca.

A to­ta­li­da­de do pro­je­to exi­ge bus­ca dos pon­tos de par­ti­da, es­ti­mu­lan­tes – co­mo a di­nâ­mi­ca so­ci­al cri­a­da – ou ini­bi­do­res – co­mo a dependência e do­mi­na­ção. As­sim, pro­cu­ra­re­mos fo­car um ano de ma­ni­fes­ta­ções im­por­tan­tes des­tes dois fa­to­res.

Uma pri­mei­ra ver­são ex­pe­ri­men­tal foi pu­bli­ca­da nu­ma re­vis­ta uni­ver­si­tá­ria bra­si­lei­ra, ten­do pas­sa­do por gran­de re­vi­são e con­so­li­da­ção da for­ma e con­teú­do.

A ba­se de tra­ba­lho de­cor­re de tro­cas de in­for­ma­ções e opi­niões, ano­ta­das ao lon­go dos anos, com pes­so­as que vi­ve­ram a épo­ca no co­me­ço de su­as vi­das adul­tas. Par­te de­les já fa­le­ceu e, um dos mo­ti­vos da pu­bli­ca­ção, con­sis­te em ho­me­na­geá-los.

Acres­cen­ta­mos pes­qui­sa bi­bli­o­grá ica, con­sul­ta de im­pren­sa e de ilus- tra­ções da épo­ca, re­cor­ren­do tam­bém a da­dos es­ta­tís­ti­cos le­van­ta­dos pa­ra nos­so li­vro “A eco­no­mia ao lon­go da His­tó­ria de An­go­la” (:2011)

O ar­ti­go apre­sen­ta ca­rac­te­rís­ti­cas mul­ti­dis­ci­pli­na­res na área das re­la­ções so­ci­ais, es­tra­té­gi­cas e per il eco­nó­mi­co, pro­cu­ran­do uma apre­sen­ta­ção lu­en­te que fa­ci­li­te a com­pre­en­são sem os ex­ces­sos de ci­ta­ções e no­tas, au­tên­ti­cos en­tu­pi­do­res de tex­to.

A re­da­ção se­gue as re­gras do mais re­cen­te Acor­do Or­to­grá ico, ex­ce­to quan­do se tra­te de ci­ta­ções re­la­ti­vas a tex­tos do pe­río­do es­tu­da­do.

1943 foi o ano de mu­dan­ça de ini­ti­va na ten­dên­cia da se­gun­da gu­er­ra mun­di­al. An­go­la, co­mo par­te do en­tão Im­pé­rio co­lo­ni­al por­tu­guês, era ter­ri­tó­rio neu­tro, mas o con li­to mun­di­al re­ce­bia gran­de co­ber­tu­ra nos no­ti­ciá­ri­os lo­cais e a en­tão co­ló­nia de An­go­la ti­nha to­dos os vi­zi­nhos en­vol­vi­dos no cam­po dos Ali­a­dos. Ao mes­mo tem­po, acon­te­ci­men­tos in­ter­nos re­cen­tes pre­nun­ci­a­vam uma no­va fa­se po­lí­ti­ca, com vá­ri­os dos prin­ci­pais ato­res a ini­ci­a­rem mo­vi­men­ta­ções ou es­tu­da­vam nas frá­geis es­tru­tu­ras lo­cais de en­si­no e al­guns bus­ca­vam pre­co­ce­men­te (em fun­ção das ida­des) mei­os de ex­pres­são.

Em 1943, An­go­la ti­nha uma po­pu­la­ção to­tal apro­xi­man­do os qua­tro mi­lhões de ha­bi­tan­tes, se­gun­do o Cen­so co­lo­ni­al de 1940. Es­te nú­me­ro po­de ser in­fe­ri­or à re­a­li­da­de em vir­tu­de da des­con ian­ça de par­te da po­pu­la­ção so­bre qual­quer ti­po de re­cen­se­a­men­to, com re­ceio de au­men­to de im­pos­tos ou re­cru­ta­men­to pa­ra o tra­ba­lho for­ça­do. Cer­ca de 90% dos ha­bi­tan­tes vi­vi­am em zo­nas ru­rais, sob a au­to­ri­da­de dos pos­tos ad­mi­nis­tra­ti­vos, co­man­da­dos por um che­fe, na al­tu­ra qua­se sem­pre por­tu­guês for­ma­do na Es­co­la de Es­tu­dos Co­lo­ni­ais, de Lis­boa, apoi­a­do por um ou dois fun­ci­o­ná­ri­os ci­vis e um nu­me­ro va­riá­vel de ci­pai­os (su­bal­ter­nos afri­ca­nos da po­lí­cia) tam­bém em nu­me­ro re­du­zi­do.

Es­sa es­tru­tu­ra agia em es­pa­ços mui­to vas­tos pa­ra a sua di­men­são, es­ca­pan­do-lhe mui­tos as­pec­tos tan­to mais que a po­pu­la­ção dis­si­mu­la­va ao má­xi­mo, co­mo for­ma de au­to-de­fe­sa. Ain­da as­sim, os pos­tos ad­mi­nis­tra­ti­vos ti­nham gran­de po­der de in­ti­mi­da­ção, em mui­tos ca­sos pres­si­o­nan­do as co­mu­ni­da­des atra­vés dos res­pec­ti­vos so­bas. Por es­sa via eram re­cru­ta­dos os “con­tra­ta­dos”, ou se­ja, tra­ba­lha­do­res for­ça­dos com sa­lá­ri­os ir­ri­só­ri­os, sis­te­ma ins­pi­ra­do dos “con­trac­tu­els” exis­ten­te na en­tão Áfri­ca Equa­to­ri­al Fran­ce­sa (AEF).

Nun­ca foi pos­sí­vel co­nhe­cer o nú­me­ro exa­to de “con­tra­ta­dos”, po­den­do ape­nas si­tu­ar-se na or­dem de gran­de­za das cen­te­nas de mi­lhar, na­que­la épo­ca. As mi­nas de di­a­man­tes, as cul­tu­ras do algodão, açú­car e ca­fé, as pes­ca­ri­as e as obras pu­bli­cas, eram os prin­ci­pais des­ti­nos des­sa mão-de-obra, im­pli­can­do mo­vi­men­tos de po­pu­la­ção pa­ra lon­ge de su­as re­giões de ori­gem, ge­ra­do­res de re­la­ções inter-ét­ni­cas, ao mes­mo tem­po que pro­por­ci­o­na­vam – não ape­nas en­tre as ví­ti­mas – a cons­ci­ên­cia so­bre o co­lo­ni­a­lis­mo á es­ca­la de to­do o ter­ri­tó­rio. Es­sa cons­ci­ên­cia ul­tra­pas­sa­va os sim­ples ho­ri­zon­tes lo­cais, co­mo ocor­reu du­ran­te as re­sis­tên­ci­as à ocu­pa­ção co­lo­ni­al en­tre inais do sé­cu­lo XIX e a se­gun­da dé­ca­da do XX, com pro­lon­ga­men­to pon­tu­al pa­ra a dé­ca­da de 1940 no ex­tre­mo sul, em vir­tu­de de re­be­liões do gru­po He­re­ro, con ir­ma­das pe­lo Go­ver­na­dor Ge­ral, co­man­dan­te de ma­ri­nha Frei­tas Mor­na (Mor­na:1944).

A ba­se da “po­lí­ti­ca in­dí­ge­na” na An­go­la de 1943 era tra­du­zi­da por es­se Go­ver­na­dor, após di­ver­sas con­si­de­ra­ções pa­ter­na­lis­tas da se­guin­te for­ma:

“Não pri­ma, via de re­gra, o na­ti­vo de An­go­la [N.A.:re­fe­ria-se ape­nas ao na­ti­vo ne­gro], pe­lo amor ao tra­ba­lho.

“É um fac­to evi­den­te e, di­re­mos até, em par­te na­tu­ral con­sequên­cia do cli­ma, mas que de­ve so­bre­tu­do atri­buir­se ao seu atra­so men­tal. O tra­ba­lho, co­mo cul­to do de­ver, fon­te de ale­gria, ori­gem de bem es­tar, pro­du­to de as­pi­ra­ções, não exis­te nem po­de exis­tir en­tre os in­dí­ge­nas, no es­ta­do pri­mi­ti­vo em que se en­con­tram.

“Há sem du­vi­da ex­cep­ções individuais e até re­gi­o­nais que se dis­tin­guem pe­la sua ac­ti­vi­da­de, co­mo os do Bai­lun­do e Ca­con­da, mas, de mo- do ge­ral, o na­ti­vo é mais in­do­len­te do que tra­ba­lha­dor.

“Não qu­e­ro in­cluir-me, cer­ta­men­te, no nú­me­ro dos que te­em co­mo dog­ma a sua pre­gui­ça na­ta, ne­ga­ção for­mal de to­da a ac­ti­vi­da­de, in­ca­paz sem co­a­ção de pro­du­zir.

“É um exa­ge­ro e, por is­so, não re­pre­sen­ta a ver­da­de.

“Mas tam­bém me não conto en­tre os que pres­tam ad­mi­ra­ção e ho­me­na­gem às fa­cul­da­des de tra­ba­lho do na­ti­vo, por­que não é, in­fe­liz­men­te, ca­so pa­ra is­so.

“Os que abra­çam es­sa er­ra­da opi­nião pre­ten­dem fun­da­men­tar-se nos re­sul­ta­dos da evo­lu­ção ope­ra­da na pro­vín­cia de An­go­la, atri­buin­do-a ao in­dí­ge­na” (op.cit)

O Go­ver­na­dor Frei­tas Mor­na, re­fe­re-se nes­tes dois úl­ti­mos pa­rá­gra­fos à cor­ren­te de opi­nião em cres­ci­men­to con­tra o tra­ba­lho for­ça­do e o ra­cis­mo em ge­ral, dois pon­tos de par­ti­da na re­a­ti­va­ção do com­ba­te ao co­lo­ni­a­lis­mo em ge­ral. Tes­te­mu­nho ver­bal que re­co­lhe­mos na dé­ca­da de 1960, so­bre An­go­la dos anos da se­gun­da gu­er­ra mun­di­al, com o jor­na­lis­ta de Ben­gue­la Jo­sé Ro­cha de Abreu (nas­ci­do no co­me­ço do sé­cu­lo XX), ele pró­prio in­te­gran­te des­sa cor­ren­te, con ir­mam a sua exis­tên­cia e a di­fu­são des­de inais da dé­ca­da de 1930 de nú­cle­os or­ga­ni­za­dos ou re­or­ga­ni­za­dos.

Pe­ran­te es­se da­do, as au­to­ri­da­des co­lo­ni­ais pro­ce­de­ram a vá­ri­as pri­sões em 1941 e con­vo­cam “elei­ções” pa­ra as Câ­ma­ras Mu­ni­ci­pais que, alem dos li­mi­tes do sis­te­ma di­ta­to­ri­al de par­ti­do úni­co, ti­nham um cor­po elei­to­ral tão re­du­zi­do que o diá­rio “A Pro­vín­cia de An­go­la” de iniu-as – em tom apro­va­dor – co­mo uma ho­me­na­gem ao co­lo­no.

As pri­sões atin­gi­ram in­te­lec­tu­ais an­go­la­nos um dos quais, de­ti­do em Ben­gue­la, es­ta­ria mais tar­de en­tre os mai­o­res po­e­tas de An­go­la e se­ria no­va­men­te pre­so já du­ran­te a gu­er­ra pe­la in­de­pen­dên­cia: Ai­res de Almeida San­tos. Ou­tra pri­são, se­gui­da de de­por­ta­ção por dois anos em Por­tu­gal, foi de Mon­se­nhor Al­ves da Cu­nha, vi­gá­rio ge­ral da Ar­qui­di­o­ce­se, mui­to li­ga­do aos mei­os in­te­lec­tu­ais lo­cais. A fun­ção de vi­gá­rio ge­ral da

Ar­qui­di­o­ce­se Ca­tó­li­ca de Lu­an­da apa­re­ce co­mo uma po­si­ção al­vo do po­der co­lo­ni­al, pois ou­tro vi­gá­rio-ge­ral, o Co­ne­go Ma­nu­el das Neves, se­ria pre­so em 1961 acu­sa­do de co­man­dar a in­sur­rei­ção. Em 1941, alem de Ben­gue­la e Lu­an­da, as ci­da­des de Sá da Ban­dei­ra (ho­je Lu­ban­go) e No­va Lis­boa (ho­je Hu­am­bo) fo­ram aba­la­das por pri­sões e de­por­ta­ções pa­ra a en­tão me­tró­po­le, cri­an­do trau­ma­tis­mos, res­sen­ti­men­tos e crí­ti­cas ain­da pa­ten­tes dois anos de­pois, es­ti­mu­la­das pe­lo avan­ço dos Ali­a­dos na se­gun­da gu­er­ra mun­di­al, cu­ja vi­tó­ria era vis­ta co­mo fa­vo­re­cen­do um pro­ces­so de de­mo­cra­ti­za­ção mun­di­al.

A po­li­cia po­lí­ti­ca do re­gi­me sa­la­za­ris­ta (pri­mei­ro PVDE e de­pois PIDE) ain­da não ti­nha si­do for­mal­men­te ins­ta­la­da nas co­ló­ni­as, sen­do as pri­sões efe­tu­a­das por de­ci­são ad­mi­nis­tra­ti­va e exe­cu­ta­das pe­la Po­lí­cia de Se­gu­ran­ça Pu­bli­ca (PSP) que, des­de 1937, fa­zia in­ves­ti­ga­ções so­bre o agru­pa­men­to clan­des­ti­no Or­ga­ni­za­ção So­ci­a­lis­ta de An­go­la (OSA) (Dás­ka­los: 2005), fun­da­do por es­tu­dan­tes do Hu­am­bo com li­de­ran­ça de Só­cra­tes Dás­ka­los, ou­tra igu­ra que a par­tir dos anos 1960 vai ter des­ta­que no pro­ces­so de in­de­pen­dên­cia. A ex­pan­são da OSA pa­ra alem do Hu­am­bo foi fa­ci­li­ta­da pe­la obri­ga­to­ri­e­da­de de exa­mes dos alu­nos do en­si­no par­ti­cu­lar nos dois Li­ceus o ici­ais en­tão exis­ten­tes. A úni­ca hi­pó­te­se de en­si­no se­cun­dá­rio no Hu­am­bo era o pri­va­do Co­lé­gio Ale­xan­dre Her­cu­la­no e os exa­mes vá­li­dos eram fei­tos no Li­ceu Di­o­go Cão, da en­tão Sá da Ban­dei­ra. Atra­vés das des­lo­ca­ções de es­tu­dan­tes, a OSA cons­truiu um nú­cleo nes­ta ci­da­de e pe­la via dos la­ços de ami­za­de che­gou a ou­tras ci­da­des do Sul e, em me­nor es­ca­la co­mo con ir­ma Dás­ka­los (:op. cit.), a Lu­an­da.

Em 1943, Mon­se­nhor Al­ves da Cu­nha foi au­to­ri­za­do a re­gres­sar a An­go­la, em vir­tu­de de pres­sões da Igre­ja ca­tó­li­ca mas tam­bém co­mo par­te de me­di­das sol­tas pa­ra des­com­pri­mir o cli­ma so­ci­al.

Com efei­to, é nes­ta fa­se que tem ini­cio a on­da de cri­ti­cas de rua, cu­ja au­to­ria é atri­buí­da pe­las au­to­ri­da­des e pe­los co­lo­nos a uma ca­te­go­ria de­sig­na­da por “cal­ci­nhas”, ou se­ja, ne­gros es­co­la­ri­za­dos, vestidos com rou­pas mais mo­der­nas que os con­ser­va­do­res imi­gran­tes por­tu­gue­ses e que opõem ar­gu­men­tos às me­di­das dis­cri­mi­na­tó­ri­as ou iro­ni­zam com o bai­xo ní­vel de gran­de par­te des­ses mes­mos imi­gran­tes. Ao mes­mo tem­po, au­men­tam as fu­gas de “con­tra­ta­dos” ou de ha­bi­tan­tes sem do­cu­men­tos.

Nes­te ca­so, ma­ni­fes­ta-se uma re­pres­são co­lo­ni­al mui­to além do cam­po po­lí­ti­co. Qual­quer ne­gro que não pos­sua o es­ta­tu­to de “as­si­mi­la­do” (são cer­ca de 40 mil nes­sa dé­ca­da) tem de pos­suir uma ca­der­ne­ta de tra­ba­lho di­a­ri­a­men­te as­si­na­da pe­lo pa­trão. Re­gu­lar­men­te são de­sen­ca­de­a­das ope­ra­ções nas ci­da­des – so­bre­tu­do Lu­an­da - co­man­da­das por um ad­mi­nis­tra­dor co­lo­ni­al apoi­a­do por gran­de nu- me­ro de ci­pai­os, des­ti­na­das a ve­ri ica­ção des­se do­cu­men­to. Mui­tas ve­zes são au­tên­ti­cos cer­cos a mu­ce­ques e a au­sên­cia do do­cu­men­to em si, ou de dois ou três di­as sem as­si­na­tu­ra pa­tro­nal, sig­ni ica pri­são e pos­te­ri­or en­tra­da na si­tu­a­ção de “con­tra­ta­do”.

Par­te dos pre­sos fo­ram du­ran­te bas­tan­te tem­po en­ca­mi­nha­dos co­mo “ser­vi­çais” pa­ra as ro­ças de ca­cau da ilha de São To­mé, on­de as con­di­ções de vi­da eram ain­da pi­o­res que em An­go­la, a pon­to de te­rem pro­vo­ca­do uma cam­pa­nha mun­di­al de boi­co­te ao ca­cau são­to­men­se, acu­sa­do de ser pro­du­to de tra­ba­lho es­cra­vo. Em An­go­la, os pro­tes­tos con­tra os en­vi­os pa­ra São To­mé atin­gi­am qua­se to­das as ca­ma­das, in­cluin­do al­tos fun­ci­o­ná­ri­os. O pró­prio Go­ver­na­dor Frei­tas Mor­na opôs-se e te­ve um en­con­tro so­bre o as­sun­to com seu co­le­ga de São To­mé e Prín­ci­pe, dan­do des­ta­que em seu li­vro re­la­tó­rio à qua­se de­sa­pa­ri­ção des­sa pra­ti­ca a par­tir de 1942 (Mor­na: 1944) .

Mas as cap­tu­ras in­ter­nas man­ti­ve­ram-se, atra­vés de pri­sões de in­do­cu­men­ta­dos ou de ação dos an­ga­ri­a­do­res de mão-de-obra com apoio ad­mi­nis­tra­ti­vo e pres­são so­bre os so­bas, con igu­ran­do um vas­to se­tor do mer­ca­do de tra­ba­lho pré-ca­pi­ta­lis­ta ou se­mi-es­cra­vo.

Em 1943, o Go­ve­na­dor Frei­tas Mor­na tem em cons­tru­ção um “bair­ro in­dí­ge­na” em Lu­an­da apre­sen­ta­do co­mo gran­de re­a­li­za­ção em apoio à po­pu­la­ção ne­gra. Na ver­da­de, são al­gu­mas de­ze­nas de ca­sas num tra­ça­do se­me­lhan­te ao que ou­tras po­tên­ci­as co­lo­ni­ais fa­zi­am nas pe­ri­fe­ri­as das zo­nas ur­ba­nas bran­cas ou cor­res­pon­den­tes ao que se­ri­am as townships sul-afri­ca­nas.

Ou­tra ca­rac­te­rís­ti­ca do cli­ma so­ci­al des­te ano ( e dos se­guin­tes) é a emer­gên­cia de ati­vi­da­des cul­tu­rais e re­cre­a­ti­vas com fun­do rei­vin­di­ca­ti­vo, no seio das quais se dis­cu­tem for­mas de atu­a­ção po­lí­ti­ca. Em Lu­an­da, a Li­ga Na­ci­o­nal Afri­ca­na e a As­so­ci­a­ção dos Na­tu­rais de An­go­la (Anan­go­la) ape­sar de su­jei­tas a res­tri­ções e até co­mis­sões ad­mi­nis­tra­ti­vas im­pos­tas pe­lo po­der co­lo­ni­al, são pal­co de al­gu­mas des­sas ma­ni­fes­ta­ções cul­tu­rais. Em 1942 foi fun­da­da a So­ci­e­da­de Cul­tu­ral de An­go­la, in­cluin­do an­go­la­nos e por­tu­gue­ses re­si­den­tes, em ge­ral de ten­dên­cia de­mo­crá­ti­ca, abrin­do um es­pa­ço por on­de pas­sa­ria gran­de par­te dos in­te­lec­tu­ais res­pon­sá­veis pe­las ações clan­des­ti­nas na dé­ca­da se­guin­te.

Em 1943 che­gou a An­go­la o Dr. Eu­ge­nio Fer­rei­ra, ad­vo­ga­do nas­ci­do em Por­tu­gal, mais tar­de Pre­si­den­te da So­ci­e­da­de Cul­tu­ral, ani­ma­dor de cam­pa­nhas opo­si­ci­o­nis­tas sem­pre que o go­ver­no con­vo­ca­va “elei­ções” e de­fen­sor de pre­sos po­lí­ti­cos. Após a in­de­pen­dên­cia, Eu­ge­nio Fer­rei­ra re­ce­beu a ci­da­da­nia an­go­la­na e se­ria no­me­a­do juiz.

Na ver­da­de, mo­vi­men­ta­ções se­me­lhan­tes exis­ti­am tam­bém nas áre­as Lo­bi­to-Ben­gue­la e Hu­am­bo-Huí­la, en­quan­to no en­tão dis­tri­to do Con­go Por- tu­guês (ho­je as pro­vín­ci­as de Uí­ge e Zai­re) ou­tros fenô­me­nos se es­bo­ça­vam.

Em 1943, o ca­te­quis­ta ba­tis­ta Simão Gonçalves To­co ter­mi­na seu pe­río­do mis­si­o­ná­rio na Mis­são do Bem­be , on­de já fa­zia pre­ga­ções so­bre a dou­tri­na cris­tã do pon­to de vis­ta da po­pu­la­ção ne­gra, con­si­de­ra­das pe­ri­go­sas pe­las au­to­ri­da­des. Man­ten­do uma es­tri­ta pos­tu­ra não vi­o­len­ta e sem con­tes­tar o re­gi­me em si, en­trou nu­ma li­nha pró­xi­ma do mes­si­a­nis­mo, em ges­ta­ção tam­bém nou­tros pon­tos do con­ti­nen­te afri­ca­no, com re­le­vo pa­ra o vi­zi­nho Con­go Bel­ga, mar­ca­do pe­la re­jei­ção das hu­mi­lha­ções ra­ci­ais. Mais tar­de fun­da­ria uma igre­ja in­de­pen­den­te exis­ten­te até ho­je ( o To­coís­mo) e foi exi­la­do pa­ra o farol da Pon­ta Al­bi­na, no de­ser­to do Na­mi­be e, de­pois, pa­ra o ar­qui­pé­la­go dos Aço­res (Gonçalves:1967)

No mes­mo dis­tri­to co­lo­ni­al apa­re­cia com frequên­cia um de­ba­te so­bre o ní­vel de au­to­no­mia do rei­no do Kon­go, en­ti­da­de sim­bó­li­ca des­de a ba­ta­lha de Am­buí­la, no sé­cu­lo XVII, quan­do foi der­ro­ta­da pe­lo exer­ci­to por­tu­guês e per­deu to­do o po­der. A no­ção de rei­no, no sen­ti­do oci­den­tal do ter­mo, é dis­cu­tí­vel, des­de lo­go pe­la fle­xi­bi­li­da­de dos cri­té­ri­os de su­ces­são, mo­ti­va­do­res de va­ri­as le­gi­ti­mi­da­des e, por­tan­to, de vá­ri­os pre­ten­den­tes. Al­guns his­to­ri­a­do­res e an­tro­pó­lo­gos têm re­cen­te­men­te pre­fe­ri­do as de­sig­na­ções de che­fa­tu­ras ou uni­da­des po­lí­ti­cas.

Se­ja co­mo for, seg­men­tos da so­ci­e­da­de nes­sa área do país, in­te­res­sa­ram-se pe­la His­to­ria da mes­ma e re­cla­ma­vam con­tra as in­ter­fe­rên­ci­as co­lo­ni­ais na es­co­lha do so­be­ra­no. Dis­cus­sões in­ten­sas mar­ca­ram a dé­ca­da de 1940, dan­do lu­gar pou­co de­pois ao nas­ci­men­to de as­so­ci­a­ções, co­mo a Ngwi­za­ko e a União das Po­pu­la­ções do Nor­te de An­go­la, an­te­pas­sa­do da fu­tu­ra Fren­te Na­ci­o­nal de Li­ber­ta­ção de An­go­la (FNLA).

Nes­te ca­so, o gran­de nú­me­ro de emi­gra­dos an­go­la­nos no vi­zi­nho Con­go Bel­ga exer­ceu uma in luên­cia de­ci­si­va e, além das du­as or­ga­ni­za­ções men­ci­o­na­das, ou­tros gru­pos de an­go­la­nos fo­ram fun­da­dos no ter­ri­tó­rio con­go­lês.

Em 1943, há de­ze­nas de es­tu­dan­tes an­go­la­nos nas uni­ver­si­da­des por­tu­gue­sas, em mai­o­ria bran­cos e al­guns mes­ti­ços e ne­gros. Vá­ri­os de­les in­se­rem-se na agi­ta­ção es­tu­dan­til por­tu­gue­sa, acom­pa­nham os mo­vi­men­tos fa­vo­rá­veis à cau­sa ali­a­da e aca­bam por fun­dar a Ca­sa do Es­tu­dan­te de An­go­la, pos­te­ri­or­men­te trans­for­ma­da em Ca­sa dos Es­tu­dan­tes do Im­pé­rio, por on­de pas­sa­ram vá­ri­os li­de­res dos fu­tu­ros mo­vi­men­tos de li­ber­ta­ção.

As­sim, no ano em es­tu­do e nes­te pla­no, An­go­la re­ve­la :

- três con­jun­tos ur­ba­nos com as­so­ci­a­ções cul­tu­rais de ba­se po­lí­ti­ca, dis­cre­ta em vir­tu­de da re­pres­são mas ine­ga­vel­men­te pre­sen­te.

- uma área ru­ral no nor­te, on­de a tra­di­ção e o mes­si­a­nis­mo re­li­gi­o­so são por­ta­do­res de pro­tes­to.

- nú­cle­os de es­tu­dan­tes an­go­la­nos nas uni­ver­si­da­des por­tu­gue­sas em li­ga­ção cons­tan­te com os de­ba­tes e mo­vi­men­ta­ções ur­ba­nas de An­go­la.

Uma vas­ta área de ati­vi­da­des re­cre­a­ti­vas e des­por­ti­vas exis­te em An­go­la des­de pe­lo me­nos o co­me­ço do sé­cu­lo XX e o de­cor­rer da se­gun­da gu­er­ra mun­di­al não im­pe­diu o cur­so nor­mal dos cam­pe­o­na­tos, so­bre­tu­do de fu­te­bol e as com­pe­ti­ções de atle­tis­mo, com des­ta­que pa­ra a cor­ri­da da São Sil­ves­tre. Co­mo tu­do em An­go­la, to­da es­ta área e ati­vi­da­des têm for­tes mar­cas ra­ci­ais.

(CON­TI­NUA)

Mer­ca­do

Vis­ta par­ci­al do Lo­bi­to

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.