A GE­O­GRA­FIA DO TEM­PO E CO­MO DE­FI­NIR ME­TAS PA­RA 2016

Jornal Cultura - - Grafitos Na Alma - OS­VAL­DO SAKAMANA

Is­to não é uma lis­ta de pla­nos pes­so­ais, mui­to me­nos uma co­lec­ção dos“há­bi­tos das pes­so­as al­ta­men­te qua­li ica­das”. É uma ex­po­si­ção su­cin­ta de opi­niões que po­dem tor­nar-se va­li­o­sas pa­ra de inir e/ou in­jec­tar al­gum sen­so de ori­en­ta­ção no de­cor­rer do ano que ago­ra­to­mou cur­so. E quem es­cre­ve es­tá lon­ge de ser um gu­ru des- ses as­sun­tos.

Ul­ti­ma­men­te me de­pa­rei com um con­cei­to que achei mui­to in­te­res­san­te. Se­gun­do a ma­té­ria, os sé­cu­los, além de se­rem uma uni­da­de de tem­po, cons­ti­tu­em tam­bém (qui­çá, prin­ci­pal­men­te) um es­pa­ço ca­rac­te­ri­za­do por cul­tu­ras, ide­o­lo­gi­as, cli­ma e as­sim em di­an­te. Um es­pa­ço on­de as pes­so­as con­se­guem se iden­ti icar umas com as ou­tras atra­vés dos seus mo­dos e tra­tos. Um sé­cu­lo, nes­sa pers­pec­ti­va é uma ci­vi­li­za­ção cons­ti­tuí­da por go­ver­na­dos e go­ver­nan­tes, on­de, por exem­plo, a ar­te mais in­te­res­san­te em um de­ter­mi­na­do ano, su­plan­ta as pro­du­zi­das an­tes e de­pois de­la; on­de os mo­vi­men­tos so­ci­ais fra­cas­sa­dos ou de pou­co im­pac­to se­ri­am co­mo uma ci­da­de ou gru­po ét­ni­co apa­ga­do da his­tó­ria do seu país. O tem­po, a inal, é um lu­gar pe­lo qual se po­de vi­a­jar atra­vés de me­mó­ri­as pró­pri­as ou dos que nos an­te­ce­de­ram e por meio de pla­nos, pro­fe­ci­as e um pou­co de ci­ên­cia.

A pe­sar de mais bre­ves, o mes­mo se apli­ca­ria aos anos.

Ao iden­ti­fi­car­mos as his­tó­ri­as e prin­ci­pais even­tos da nos­sa vi­da ao lon­go do ano an­te­ri­or – su­bli­nho aqui( pa­ra os mais prag­ma­tis­tas, ob­vi­a­men­te) que o es­tu­do do pas­sa­do é a úni­ca fon­te de in­for­ma­ção se­gu­ra e ga­ran­ti­da pa­ra prog­nos­ti­car o fu­tu­ro – de­ve­re­mos re­co­nhe­cer os nos­sos pa­drões de com­por­ta­men­to e per­for­man­ce, os ní­veis das nos­sas ha­bi­li­da­des in­ter­pes­so­ais, o nos­so op­ti­mis­mo e pes­si­mis­mo, en­tre ou­tras. Mas, mais re­le­van­te – de acor­do a ló­gi­ca ini­ci­al des­sa re­fle­xão – se­rá ma­pe­ar as nos­sas prin­ci­pais idei­as do ano, os re­sul­ta­dos mais re­le­van­tes, os ami­gos e equi­pes com as quais par­ti­ci­pa­mos, o sal­do e o flu­xo de di­nhei­ro (es­ta pa­la­vra es­tá mes­mo bem aqui, rsrs), e vá­ri­os ou­tros as­pec­tos idi­os­sin­crá­ti­cos a ca­da um.

O pon­to aqui é vi­su­a­li­zar o ano co­mo uma re­gião ge­o­grá ica, um es­pa­ço não li­ne­ar e lo­ca­li­zar os cas­te­los e as ruí­nas, as ci­da­des e as pe­ri­fe­ri­as da nos­sa vi­da. Po­den­do as­sim, de­mo­lir edi íci­os ou bair­ros in­tei­ros, man­ter “no­vas cen­tra­li­da­des” …

Fa­zen­da de Pun­go An­don­go - Fo­to de Fran­cis­co Ber­nar­do

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.