ÁFRI­CA NO BER­ÇO DA HU­MA­NI­DA­DE NAS­CEU JE­SUS

Jornal Cultura - - Grafitos Na Alma -

nham fu­gi­do pa­ra o Egip­to, com a úni­ca ina­li­da­de de es­con­der Je­sus, de He­ro­des, que ti­nha da­do or­dens pa­ra que ma­tas­sem o menino. Se Je­sus fos­se bran­co, loi­ro e de olhos azuis, te­ria si­do re­co­nhe­ci­do, te­ria si­do di ícil es­con­der-se en­tre os egíp­ci­os ne­gros sem ser iden­ti ica­do. O po­vo “he­breus’, foi um po­vo mui­to pa­re­ci­do com o po­vo ‘egíp­ci­os”, ca­so con­trá­rio te­ria si­do di ícil re­co­nhe­cer uma fa­mí­lia he­brai­ca en­tre os egíp­ci­os Ne­gros. Foi no Egip­to que o po­vo de Is­ra­el te­ve seu au­ge da ne­gri­tu­de, foi quan­do se­ten­ta is­ra­e­li­tas en­tra­ram no Egip­to e lá se ins­ta­la­ram du­ran­te 430 anos, trin­ta anos co­mo hós­pe­des, e os ou­tros 400 anos ca­ti­vos, eles e seus des­cen­den­tes con­traí­ram ma­tri­mó­nio com não-is­ra­e­li­tas, che­gan­do a mais de 600.000 ho­mens, mu­lhe­res e cri­an­ças. Foi quan­do dei­xou o Egip­to uma mul­ti­dão mis­ci­ge­na­da. Et­ni­ca­men­te, os an­te­pas­sa­dos de Je­sus fo­ram uma com­bi­na­ção de afros com asiá­ti­cos.

Em Apo­ca­lip­se cap. 1: ver. 15, a Bí­blia Sa­gra­da é cla­ra quan­to à ne­gri­tu­de de Je­sus, diz que a epiderme de Je­sus era se­me­lhan­te pe­dra de jas­pe e de sar­dó­nio. Se­gun­do as es­cri­tu­ras por­que Je­sus era cha­ma­do de “Cor­dei­ro de Deus”? Não se­ria pe­lo seu ca­be­lo la­no­so (dre­ads lo­oks)? Que ai é com­pa­ra­do a lã de cor­dei­ro, e os pés com a cor de bron­ze quei­ma­do (ver Apo­ca­lip­se cap. 1:ver.15), com uma apa­rên­cia se­me­lhan­te pe­dra de jas­pe e de sar­dó­nio (ver Apo­ca­lip­se cap. 4: ver. 3), que são ge­ral­men­te pe­dras amar­ron­za­das ou ene­gre­ci­das, co­mo qui­ser. Co­mo tam­bém as co­res das pe­dras de jas­pe e sar­dó­nio não são úni­cas e ab­so­lu­tas, são ti­das em di­ver­sas ver­sões de co­res.

Pen­se­mos jun­tos! Po­de­mos con­ti­nu­ar a orar pa­ra um su­pos­to Je­sus Cris­to bran­co, de ca­be­los li­sos e de olhos azuis que nos foi im­pos­to em exem­plos de ima­gens, de­se­nhos e em re­gis­tos fo­to­grá icos. Mas co­mo ex­pli­car, um Cris­to que ca­mi­nha­va des­cal­ço pe­lo de­ser­to de Is­ra­el, na pre­ga­ção do Evan­ge­lho, a um sol es­cal­dan­te, aci­ma dos 40 graus de tem­pe­ra­tu­ra, por on­de vi­veu is­so por 33 anos? Mes­mo que qui­ses­se, não se­ria bran­co, de­vi­do ao cas­ti­go im­pos­to pe­lo sol a sua epiderme/me­la­ni­na. Que mal nos fa­ria orar a um Je­sus Cris­to ne­gro, de olhos amen­do­a­dos cas­ta­nhos e lá­bi­os gros­sos de Aze­vi­che, com seus ca­be­los no es­ti­lo dre­ads lo­oks, cui­da­do­sa­men­te la­no- so? Ar­ris­co-me a di­zer que o que vai im­por­tar nes­sa ho­ra é a sua fé, ela é quem vai lhe tra­zer as ener­gi­as po­si­ti­vas que sua ora­ção po­de lhe re­trans­mi­tir; ela é quem po­de fa­zer mui­to por vo­cê em um mo­men­to de me­di­ta­ção; em um mo­men­to de afli­ção ou tam­bém em um mo­men­to de ta­ma­nha ale­gria e agra­de­ci­men­to... Acre­di­to que fé não te­nha cor, não te­nha ra­ça, não te­nha tri­bos ou po­vos; co­mo pla­ca de tem­plo não sal­va cris­tão e co­mo o fa­na­tis­mo não é a o do­no da ver­da­de!

Mes­mo com es­sas con­tro­vér­si­as que nos acom­pa­nham há cen­te­na de anos, po­de­mos con­ti­nu­ar a ir­man­do que a “Áfri­ca é o ber­ço da hu­ma­ni­da­de” e nes­se le­que de con­tro­vér­si­as não nos res­tam dú­vi­das que o pri­mei­ro fós­sil hu­ma­no en­con­tra­do, foi o de uma mo­ci­nha de 20 anos e 1,20 me­tros de al­tu­ra, se­gun­do pes­qui­sa diz-se pro­va­vel­men­te mor­ta por um cro­co­di­lo, e que icou en­ter­ra­do in­tac­ta­men­te cer­ca de 3,2 mi­lhões de anos sob are­ais da Etió­pia, até ser des­co­ber­ta em 1974. Du­ran­te al­gum tem­po, Fi­can­do co­nhe­ci­da co­mo: Lucy, es­sa Aus­tra­lo­pithe­cus afa­ren­sis, que du­ran­te mui­to tem­po foi re­co­nhe­ci­da co­mo sen­do Eva. Fa­tos e pes­qui­sas mais re­cen­tes dão con­ta de uma equi­pe li­de­ra­da pe­lo pa­le­on­tó­lo­go Yohan­nes Hai­le-Se­las­sie, da Uni­ver­si­da­de da Ca­li­fór­nia, ter en­con­tra­do res­tos de ou­tros fós­seis per­ten­cen­tes a mo­ra­do­res que vi­ve­ram nes­sa mes­ma re­gião da Áfri­ca, tam­bém há 3,2 mi­lhões de anos. A no­vi­da­de ica por con­ta que es­ses fo­ram clas­si ica­dos co­mo sen­do de uma su­bes­pé­cie pri­mi­ti­va, bap­ti­za­da de Ar­di­pithe­cus ra­mi­dus ka­dab­ba. Tem-se ou­tro re­gis­to de que no Qué­nia, um fós­sil de crâ­nio acha­do, per­ten­ceu a quem vi­veu há cer­ca de 3,5 mi­lhões de anos - 300 000 anos an­tes de Lucy e seus con­tem­po­râ­ne­os. De uma coi­sa não po­de­mos ter du­vi­das, foi na Áfri­ca on­de tu­do co­me­çou e ao me­nos is­so, não po­de­mos ne­gar, sem que te­nha que ex­pli­car, tan­to pe­lo Je­sus Cris­to ne­gro co­mo pe­la exis­tên­cia da hu­ma­ni­da­de! ________________ *Ro­ber­to Le­al Jor­na­lis­ta, es­cri­tor e edi­tor da Re­vis­ta de li­te­ra­tu­ra Òm­ni­ra. Au­tor de “C’alô & Crô­ni­cas Fe­ri­das” 3ª Edi­ção - Ed. Òm­ni­ra/BAHIA-Bra­sil 2015. É pre­si­den­te da UBESC - União Bai­a­na de Es­cri­to­res.

Je­sus Ne­gro

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.